Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Best Youth com The Legendary Tigerman e Moullinex no Lux

The Legendary Tigerman e Moullinex sobem ao palco do Lux na próxima quinta-feira, 26 de Janeiro para celebrarem com os Best Youth a tour de "Highway Moon". Esta actuação marca o regresso dos Best Youth a Lisboa depois do seu último concerto na capital ter esgotado o Cinema S. Jorge. Desde então, a banda de Ed e Kate já passou por Londres, Manchester, Budapeste, Groningen, bem como por alguns dos principais festivais nacionais, como o Vodafone Paredes de Coura.

1484833194

Recém-chegados do festival Eurosonic, na Holanda, onde foram desde logo considerados um dos 10 concertos a ver pelos 34 media partners do festival, os Best Youth centram-se agora neste concerto muito especial que, além dos convidados, terá outras surpresas. 2016 foi um ano intenso para a banda. Além da digressão do álbum apresentaram, em algumas das salas mais intimistas do país, um espectáculo que descontruía as músicas nas suas diferentes etapas de composição. Devido ao sucesso deste formato, a "Demo Tapes Tour" terminou com uma data extra no Salão Medieval da Reitoria da Universidade do Minho, em Braga.

Com o sucesso nacional e internacional de "Highway Moon", uma edição de autor que chegou a esgotar nas lojas em Portugal, os Best Youth confirmam definitivamente o seu estatuto de uma das mais importantes novas bandas portuguesas, como tem sido destacado pela BBC ou Les Inrockuptibles. Em 2015 o álbum "Highway Moon" foi considerado o disco do ano para a Glam Magazine.

8º Aniversário do BranMorrighan sobe ao Porto….

Depois das comemorações em Lisboa, no Musicbox Lisboa, o aniversário do BranMorrighan sobe ao Porto pelo terceiro ano consecutivo. O Maus Hábitos abre as portas para mais uma noite de festa com três concertos e djset.

Tudo começa o trio The Rite of Trio, continua com o folk melodioso e com uma voz marcante, Few Fingers, com a participação especial de uma das maiores promessas nacionais, Surma e os concertos terminam com o intenso post-rock dos lisboetas Then They Flew, cujo reconhecimento além-fronteiras tem surpreendido. A noite encerra com djset de Malibu Gas Station, com o Vítor e o David a passarem os discos das nossas vidas…

2e98b604-8491-43e5-86bf-55c389486bf4

Few Fingers…. Canções simples e despretenciosas, embaladas pela lap steel guitar, que assumem um legado folk e uma escola indie. Sem pressas nem objectivos e ambições pre-determinados, o conjunto de canções gravadas em casa fez todo o sentido num disco que explora as dificuldades de criar e manter relacionamentos com outras pessoas, numa época em que, aparentemente, estamos todos ligados. “Burning Hands” acaba por ser um disco de canções feitas ali naquele lusco-fusco onde conseguimos parar para pensar um bocadinho em como foi o dia e no que podemos fazer até cairmos de cansaço. Acaba por ser também um resultado de uma cumplicidade musical previsível, mas ainda não consumada. Os Few Fingers são Nuno Rancho e André Pereira, que em banda se fazem acompanhar de Luís Jerónimo no baixo e Paulo Pereira nas teclas. Depois de duas datas em Londres, no The George Tavern e no Paper Dress Vintage, os Few Fingers, em formato banda, voltam sobem ao norte com o disco “Burning Hands”, agora também em edição vinil. Para tornar o momento ainda mais especial, fazem-se acompanhar de uma das maiores promessas musicais portuguesas, Surma.

Then They Flew é um projeto instrumental de Lisboa, formado no Verão de 2013. Estão confortáveis com a etiqueta Post-Rock, tendo sido comparados a gigantes do género como os Explosions in the Sky. Já tocaram em palcos como Musicbox Lisboa, Sabotage Rock Club, Cave45, Popular Alvalade, Stairway Club e no festival Faz Música Lisboa, ao lado de bandas como Catacombe, Born a Lion, Whales, Comet Control, Harsh Toke, la flag e The Royal Blasphemy. Depois de lançarem o seu primeiro álbum, "Stable As The Earth Stops Spinning", gravado e produzido no Menos Um Studios, com Tito Carreno, a banda prepara agora o segundo registo. A Arctic Drones e a página de Post-Rock votaram em Then They Flew e “Stable as the Earth Stops Spinning” como uma das 10 Melhores Bandas Recentes e nos 50 Melhores Álbuns de 2015.

 

The Rite of Trio é uma colaboração musical especial entre André Silva, Filipe Louro e Pedro Alves. Partindo da sonoridade, atitude e conceitos da música erudita como Stravinsky ou Ligeti, bandas progressivas/punk como The Lounge  Lizards, The Mars Volta ou Dream Theater, ou jazz contemporâneo como Adam Lane, John Hollenbeck ou Craig Taborn, idealizam a sua música como sendo também uma metáfora para a vida plena: infinitamente caótica, complexa, embora poderosa e repleta de amor e humor. O seu álbum de estreia “Getting All The Evil Of The Piston Collar!” foi editado em 2015 pela Porta-Jazz e destacado pela crítica como um dos melhores álbuns nacionais de  2015 pela jazz.pt e pela Jazzlogical, bem como 5/5 estrelas pela TimeOut. O baterista, Pedro Melo Alves, acaba de ganhar o Prémio de Composição Bernardo Sassetti. O prémio tem como objectivo incentivar o desenvolvimento de competências na área da composição de música improvisada, em Portugal, e dar oportunidade a jovens compositores portugueses de gravarem e divulgarem o seu trabalho.

 

Maus Hábitos (Porto)

3 de Fevereiro 2017

O Sol da Caparica regressa em Agosto para a sua quarta edição...

O Sol da Caparica continua a apostar nos maiores talentos nacionais, na originalidade das suas propostas e nas novidades que nos oferecem os Artistas Portugueses, Brasileiros e dos Palop. Carlos do Carmo, Criolo, Manel Cruz, Matias Damásio, Regula e Sam Alone são os primeiros nomes revelados para o mais ambicioso cartaz de sempre.

16143217_1833424810231209_4255297836791412362_n

O Sol da Caparica mantém o compromisso de apresentar o que de melhor se faz em Portugal e nos países onde o português é a língua oficial: além de talento nacional, nesta primeira amostra já se levanta o véu sobre um cartaz que também se pode alargar de Angola ao Brasil. Mas nem todas as geografias que importam se encontram no mapa-mundo. Há que considerar, quando se fala da diversidade d'O Sol da Caparica, os diferentes territórios que hoje se estendem pelo planeta musical: desde a mais nobre tradição do fado, aqui representada no decano Carlos do Carmo, até ao fascínio com a folk Americana sentido por Sam Alone, do rap de Regula, ao rock poético de Manel Cruz, passando pelos diferentes balanços que se conjuram em Luanda ou em São Paulo, há por aqui um universo gigante de ideias musicais que vão também brilhar sob O Sol da Caparica de 10 a 13 de Agosto 2017

 

As bilheteiras estão agora abertas e os passes estão já disponíveis. O Sol da Caparica tem crescido todos os anos, em propostas musicais e artísticas, em eventos paralelos aos concertos, em público e em atenção dos media.

85º Aniversário Rivoli… Tiago Pereira, Grupo de Percussão de Valhelhas & Sensible Soccers

Tiago Pereira, conhecido pelo Homem do Bombo… estudou na Escola António Arroio e formou-se em Design de Comunicação na Faculdade de Belas Artes de Lisboa, desenvolvendo em paralelo formação na área do teatro, música e pedagogia. Em 1997 iniciou o seu percurso na área da percussão tradicional portuguesa, criando um gosto muito forte por esta área, ao qual deu continuidade nos projetos de música portuguesa em que toca atualmente, como Roncos do Diabo e Ai!.

13900262_1817802155120399_2492234069709505529_n

photo: Paulo Homem de Melo

 

O Grupo de Percussão de Valhelhas é um projeto comunitário que nasceu em Valhelhas, no concelho da Guarda. Diferentes gerações reúnem-se em volta de um gosto comum, a percussão tradicional. Entre bombos e caixas, seguindo a melodia da gaita-de-fole, o grupo apresenta um espetáculo de fusão rítmica e sonoridades que remetem o público para um ambiente de festa popular, em que todos estão convidados a bailar. 

 

Os Sensible Soccers embalam-nos com a música “Sofrendo Por Você”numa versão de cerca de 20 minutos, acompanhados pelo Grupo de Percussão de Valhelhas..

 

Teatro Rivoli / Understage (Porto)

85º Aniversário Rivoli

21 de Janeiro 2017 | 23.30h

 

 

Zuuzaa e WellMan ao vivo no Musicbox

O Musicbox abre as suas portas no próximo dia 25 de Janeiro para acolher dois projetos emergentes nacionais, os Zuuzaa, com afiliação ao blues rock, e os WellMan, a despontar nos maravilhosos terrenos da indie pop/rock, ambos com o suporte da Music For All.

Zuuzaa + Wellman_Flyer Concerto Musicbox

O ano de 2016 marca a estreia de um dos projectos mais promissores da actualidade. São portugueses, dão pelo nome de Zuuzaa e propõem uma infusão de Rock, Blues e Soul com particular destaque para um coro feminino que nos transporta para os saudosos anos 60.

Após um período criativo Rafael Ribeiro, guitarrista e vocalista, assumiu a tarefa de formar uma banda que desse corpo, vida e sentimento às canções por si habilmente escritas. Primeiro muniu-se da doce voz de Inês Carvalho, sua amiga de longa data. Depois da talentosa dupla Mariana Matoso e Rafaela Pereira. Este distinto trio, de vozes marcadamente femininas, começou por colaborar numa só faixa. Contudo, rapidamente, se tornou perceptível que parte da magia da banda residia na alma, garra e emoção que as três davam às canções de Rafael Ribeiro. Foi com esta formação, que os então intitulados Zuuzaa & The Last Jesters, viram finalizadas as suas dez primeiras composições originais.

Com a entrada do baixista francês Matt Seybald e do baterista Bernardo Jorge a banda ganhou experiência e versatilidade, enriquecendo o seu trabalho em estúdio assim como a performance em palco. Graças aos contributos dos novos membros o número de temas originais subiu para 13 e o mês de Setembro marcou a estreia nos palcos nacionais.

Depois do lançamento do primeiro álbum de originais, intitulado “Mara”, está a decorrer o processo de gravação dos videos dos primeiros singles. Esta é também a fase em que surgem mais concertos e performances ao vivo, alimentando assim a paixão pelo palco, e pelo contacto directo com o público, espalhando a música, e a mensagem, por detrás de tão astutas criações.

 

Por sua vez os WellMan nasceram ao mesmo ritmo da amizade de Afonso Teixeira (vocalista), Afonso Lima (guitarrista), José Miguel Saraiva (baixista) e Mateus Carvalho (saxofonista), recém conhecidos estudantes do primeiro ano de Direito. Afonso Teixeira apresentou aos restantes membros uma série de originais que desejava que tivessem outra roupagem. Inicialmente apenas com o intuito de conferir às músicas uma outra dimensão, os cinco acabaram por "recriar" as mesmas. Em Junho de 2016, surgiu a oportunidade de ir a estúdio gravar os temas e aquilo que começou por ser uma forma de descontração da vida universitária sem qualquer divulgação pública, passou a ser uma verdadeira banda, à qual Afonso Teixeira emprestou o seu nome artístico (WellMan).

O quinteto que se move nas férteis águas do pop/rock, assume com orgulho a sua sonoridade viciante, envergando sempre um sorriso cativante e uma alegria contagiante. Para o primeiro trimestre de 2017 está marcado o lançamento oficial do seu single de estreia.

Ryan Adams revela canção do álbum: “Doomsday”…

Lançada apropriadamente no dia da tomada de posse do novo presidente dos EUA, “Doomsday”, a terceira canção retirada do novo álbum de Ryan Adams, “Prisoner”, foi revelada durante o programa “Beats1 Show”, de Zane Lowe, estando já disponível para streaming e compra. 

ryan_adams

Prisoner” será lançado a 17 de fevereiro, com o selo Pax-Am/Blue Note, e já está disponível em regime de pré-venda. O disco já foi incluído em diversas listas dos álbuns mais aguardados do ano, sendo que os dois últimos singles retirados de “Prisoner” mereceram largos elogios. A “Rolling Stone” escreveu quanto ao primeiro single “Do You Still Love Me?”:O poder vocal lembra Lou Gramm dos Foreigner”. Já o “USA Today” nomeou o tema “To Be Without You”, o segundo single, como Canção da Semana.

Entretanto, Ryan Adams confirmou várias datas da “Prisoner Tour”, durante a qual vai promover este disco, sendo que a digressão vai passar por palcos portugueses, no dia 6 de julho, no âmbito do festival NOS Alive.Prisoner” é o primeiro álbum de originais de Ryan Adams desde o álbum homónimo de 2014, que entrou para o 4.º lugar do top de vendas nos EUA, sendo que estará disponível em vários formatos: standard digital, HD digital, vinil de 180 gramas, CD, uma edição limitada em vinil vermelho que estará disponível nalgumas lojas de discos independentes e ainda a “Prisoner Mystery Box”. Os pormenores quando a esta “Mystery Box” serão revelados em breve

“Starman” de Aurea é o single de avanço de Bowie70

Com produção artística de David Fonseca e um elenco muito especial, Bowie70 celebra um nome maior da história da música: David Bowie. “Starman” cantado por Aurea é o primeiro avanço deste disco muito especial.

Layout 1

 “A Aurea canta o Starman naquela que é uma das maiores transformações existentes no disco. A versão acabou por se situar num ambiente algo funk e soul e achei que Aurea poderia dar essa vantagem à canção, que podia explorar esse lado mais funk, mais soul, que podia trazer a canção para um outro território e acho que o fez muito bem.” David Fonseca

“A música que o David me convidou para interpretar foi uma agradável surpresa. Não era tão fácil de cantar quanto parecia; o refrão é mesmo muito enérgico e exige muito de nós. Foi mais um desafio e foi muito bom poder gravar esta música.” Aurea

Brito Ventura & Os Desalinhados apresentam "A Vida são dois dias"

A Vida São Dois Dias”, é o novo single e vídeo de Brito Ventura & Os Desalinhados. A canção faz parte do álbum “Outra Vez” editado em formato digital pela Farol Música.

13726855_1065938246826933_439325644570983635_n

Este álbum mantém a linha de coerência do seu antecessor, com uma maior preponderância da componente eletrónica mas em que a lealdade ao modelo mais acústico continua presente. Trata-se de um conjunto de canções simples e melódicas, em discurso direto, em que a linha musical tenta acompanhar a par e passo a cadência das palavras, numa unidade que se deseja coerente e compacta.

“Outra Vez” é pois um disco despido de pretensões, em que o simples prazer de fazer musica, emerge a cada faixa que se escuta…outra vez!

"Whispering Wind"… Novo single de Sandy Kilpatrick

Whispering Wind” é o primeiro single do novo álbum de Sandy Kilpatrick que será editado a 17 de março de 2017. O tema é hoje lançado para todas as plataformas de distribuição digital. Este é o novo trabalho deste artista escocês que vive em Portugal há mais de uma década e que se prepara para lançar um novo álbum de homenagem ao país que agora chama de casa. “Whispering Wind” é o primeiro tema escolhido que, apesar de ser cantado em inglês, reflete em muito a Portugalidade que está já inerente ao trabalho de Sandy Kilpatrick.

5227d279-485e-4fb7-8a41-3de193d85c49

Nas palavras do artista este é um tema que nasceu em Sagres, uma "primeira canção lançada do álbum Confessions from The South que nasceu nas selvagens paisagens desta vila (...) a ponta mais ocidental do continente europeu com os seus ventos fortes e que foi o palco para o início dos descobrimentos portugueses vai revelando a sua beleza e dureza de vida, e é esta dicotomia que serve como ponto de partida para este meu novo álbum, Confessions from The South".

"Confessions from The South" é o primeiro de um conjunto de quatro álbuns homenagem a diferentes países que, de alguma forma, marcaram a vida de Sandy Kilpatrick. O primeiro projeto a ser sobre Portugal, os restantes passam em países como a Irlanda, Escócia e Noruega. Sandy Kilpatrick é um cantor e compositor escocês, que vive em Portugal mas que se considera como um cidadão do mundo. Casado com uma portuguesa, Sandy vê Portugal como a sua segunda casa, onde os seus dois filhos nasceram e foram criados e onde ele vive há 15 anos.

 

Este seu novo trabalho vai contra a nova corrente mundial de tempos mais turbulentos e violentos. É um trabalho que, artisticamente, tenta quebrar com muros de separação e construir pontos de unidade e esperança, conectando pessoas através do amor à natureza e humanismo.

Luzingo e Ritchaz Cabral apresentam novos Ep’s ao vivo no B.Leza

O ano começa com um evento único no conhecido espaço lisboeta B.Leza, a 25 de Janeiro, que servirá de palco à apresentação dos novos trabalhos do músico angolano Luzingo e do luso-cabo-verdiano Ritchaz Cabral. O primeiro estreará as canções do seu novo EP homónimo, antecedido pelos inescapáveis “Mary Jane” e “Inveja”, enquanto o segundo apresentará ao público os temas do EP “Mal Famadu”, do qual já é conhecido “Kabalindadi”.

Luzingo & Ritchaz Cabral_Flyer B.Leza

Luzingo é um músico angolano que combina hip hop com elementos de música electrónica e alternativa, uma mescla de influências que são palpáveis através da música que produz e representa. Começou por fazer rap aos 10 anos de idade em Portugal com um grupo intitulado Galáxia Sudoeste, e aos 11 começou a fazer os primeiros beats. Desde então, Luzingo dedicou-se a evoluir e a reunir um vasto conjunto de influências do grande melting pot de músicas e culturas que foi experienciando ao longo dos anos, saltando entre Angola e Portugal, Reino Unido e Alemanha, entre muitos outros países. No início de 2017 editará um novo trabalho homónimo.

 

Por sua vez, Ricardo Cabral, de nome artístico Ritchaz Cabral, nasceu em Lisboa, no profícuo ano de 1988, e é filho de pais cabo-verdianos, imigrantes em Portugal há várias décadas. Com apenas 13 anos, começa a dar os seus primeiros passos na música. Entre 2003 e 2012, fez parte da dupla Ritchaz & Keky que se apresentava com uma sonoridade mestiça onde o Kuduro se encontrava com a Kizomba e onde o Techno e o Reggae se fundiam com o Funaná e o Hip-Hop, num autêntico caldeirão de influências e sonoridades. Foi em 2014 que Ritchaz decidiu dedicar-se a uma carreira a solo, começando a preparar aquele que se tornaria no seu primeiro EP. Neste trabalho são bem audíveis as suas raízes cabo-verdianas através dos Funanás lentos, dos Batuques com letras que retratam a simplicidade da vida e os valores do amor e respeito assim como os temas de cariz social, vertente que Ritchaz sempre prezou bastante. “Mal Famadu” é o seu primeiro EP a solo, que chega até nós com o selo da Music For All.

 

B.Leza (Lisboa)

25 de Janeiro 2017 | 22.00h

 

Ballet Flamenco de Madrid traz Carmen a Portugal…

A história de Carmen, uma bela e temperamental cigana, desenrola-se no ano de 1830. O espírito livre desta mulher leva-a a apaixonar-se por D. José, o ingénuo cabo que cai de amores por ela, numa relação tão intensa que faz com que largue tudo e deserte do exército para se juntar ao grupo de contrabandistas do qual Carmen faz parte. Mas, quando ela se encanta por Escamillo, um bravo toureiro, D. José enlouquece e jura matá-la.

Image2

É este o argumento do espectáculo que chega a Portugal já no próximo dia 26 de Janeiro com a subida a palco do Coliseu (Porto)

 

Concebido pelo Ballet Flamenco de Madrid, que nasceu da necessidade de romper com o pendor tradicionalista do flamenco, sem retirar a magia e a emoção da dança e música combinadas, Carmen foi construído em cima de uma linguagem contemporânea que se adapta a todas as plateias do mundo. As coreografias estão a cargo de Ivan Gallego e Luciano Ruiz.

Depois da apresentação no Porto, o Ballet Flamenco de Madrid segue para Lisboa onde se apresenta no Teatro Tivoli BBVA entre 27 e 29 de Janeiro.

A 2ª edição do Festfado começa em Fevereiro…

Festfado é um projecto que integra um concurso composto por diversas eliminatórias com a programação de Dora Maria. O objetivo é promover o fado, divulgando e incentivando novos fadistas, apadrinhados pela actuação de autores e interpretes consagrados.

15941273_851696694973267_2351705218328547539_n

Da planície alentejana à lezíria ribatejana, a segunda edição do Festfado vai envolver os municípios de Ponte de Sor, Benavente, e Samora Correia, na produção do Festfado Alentejo e Festfado Ribatejo. Para além da residência de Dora Maria acompanhada pelos músicos Pedro Amendoeira, na guitarra portuguesa, Pedro Pinhal, na viola, e Fernando Maia, na viola baixo, o festival apresenta os fadistas designados nas seguintes datas:

 

Festfado Alentejo - Cine-Teatro de Ponte Sor

17 de Fevereiro 2017 - Teresa Tapadas

17 de Março 2017 - Rodrigo Costa Felix

21 de Abril 2017 - Ana Sofia Varela

19 de Maio 2017 - Mafalda Arnauth

16 de Junho 2017 - João Chora

21 de Julho 2017 - Lenita Gentil

 

Festfado Ribatejo - Centro Cultural de Samora Correia

10 de Março 2017 - José da Câmara 

17 de Junho 2017 - Teresa Tapadas

 

Festfado Ribatejo - Cine-Teatro de Benavente

7 de Abril 2017 - Maria Armanda

13 de Maio 2017 - Ana Lains

7 de Julho - António Pinto Basto

 

Dora Maria, alentejana de berço e fadista de coração, regressa em Fevereiro com a segunda edição do Festfado que este ano se estende à região do Ribatejo. Na sua discografia encontramos o álbum de estreia “Mar de Tanto Amar”, e o sucessor “Encontros”, de 2015, com a produção de José Cid, direcção musical de Custódio Castelo, e a participação de Jorge Benvinda dos Virgem Suta. Como a sua carreira não se limita às gravações, Dora Maria fundou o primeiro Festival de Fado da região do Alto Alentejo no ano passado, em Ponte de Sôr, distrito de Portalegre, que contou com as actuações de Maria Armanda, Joana Amendoeira, Custódio Castelo, entre outros. 

85º Aniversário Rivoli… “Intimidade” de Valter Hugo Mãe

O escritor Valter Hugo Mãe vai “instalar-se” num espaço inusitado do Rivoli – o W.C. dos Homens do piso zero. Aí, qual sala de visitas improvisada, receberá os seus leitores, rodeado de alguns objetos pessoais reveladores. Um momento de histórias desconcertantes, no seu jeito intensamente livre.

01

Valter Hugo Mãe é um dos mais destacados autores portugueses da atualidade. A sua obra está traduzida em variadíssimas línguas, merecendo um prestigiado acolhimento em países como o Brasil, a Alemanha, a Espanha, a França ou a Croácia. Publicou já sete romances.

 

Teatro Rivoli (Porto)

85º Aniversário Rivoli

21 de Janeiro 2017 | 15.00h

LETHES ART Ponte de Lima 2017… Memória & Identidade(s)

O projeto artístico LETHES ART que promove a criação e exibição de obras de arte contemporânea de artistas nacionais e estrangeiros, vai permanecer na Vila Mais Antiga de Portugal entre 1 de julho a 30 de setembro, ocupando diversos locais de exposição.

lethesart (1) (Custom)

Já em 2016 o Município de Ponte de Lima abriu as portas do seu património a idêntica iniciativa promovendo a amostra em vários museus municipais, um jardim temático, uma capela, ou uma antiga ‘prisão das mulheres’.

Em 2017, esta mostra internacional de arte contemporânea irá apresentar-se em diversos edifícios e locais históricos da vila, desde espaços museológicos, jardins, capelas ou igrejas constituem a geografia física dos locais de exposição do roteiro do LETHES ART Ponte de Lima.

Todos os artistas nacionais e estrangeiros estão convidados a participar com os seus trabalhos nesta mostra de arte contemporânea. O tema do LETHES ART em 2017, “Memória & Identidade(s)”, convida à participação em diversas áreas: Arquitetura, Cerâmica, Desenho, Escultura, Fotografia, Ilustração, Instalação de Arte, Livro de Artista, Pintura, Poesia, Vídeo, Computer Art, Land Art, Projection Art, Sound Sculpture.

 

As candidaturas são feitas online em www.lethesartpontedelima.com até 31 de março de 2017.

Jonny Abbey … "White" é o single que antecede o álbum de estreia "Unwinding"

"White" é o mais recente single de Jonny Abbey e está incluído no seu álbum de estreia, "Unwinding", a ser lançado no início deste ano de 2017.

JA promo photo 2

Composta e interpretada por Jonny Abbey, misturada pelo mesmo nos estúdios O Silo e masterizada por Andrés Malta, é a música do disco que mais retrata a vibrante cena musical electrónica presente na vida nocturna portuense.

Vasco Mendes é o realizador do vídeo coreográfico que aqui apresentamos, em que os movimentos são estudados digitalmente para se criarem formas e esqueletos digitais, abordando a tensão e a intensidade de uma jovem que decide usar a dança como escapatória ao seu quotidiano. Tal foi amplificado pelos efeitos visuais de Jay e pela coreografia e interpretação de Rina Marques.

Future Islands confirmados no Vodafone Paredes de Coura

Future Islands confirmados no Vodafone Paredes de Coura... A banda de Samuel T. Herring tem presença marcada na 25ª edição do festival, que se realiza de 16 a 19 de agosto.

futureislandspress

A primeira vez que tocaram juntos foi em 2003, num projeto entretanto extinto. Em 2006, Herring, Cashion e Welmers continuaram a carreira na música com a criação de Future Islands, banda para a qual chamaram Erick Murrillo para, com uma bateria digital, completar a sonoridade que pretendiam. Depois de alguns EPs, singles, pausas e até da saída de Murrillo, chega “Wave Like Home”, álbum de estreia, de 2008. Em constantes tours e aperfeiçoamento da sua sonoridade, os norte-americanos lançaram mais dois trabalhos em 2010 antes de, em 2014, chegar a vez de mostrar ao mundo “Singles”. O álbum de synthpop foi rapidamente aclamado pela crítica contemporânea e pelo público e, entre temas de sucesso, trouxe “Seasons (Waiting on You)”, que rapidamente chegou a música do ano em publicações como a NME, Pitchfork Media ou Spin.

O Vodafone Paredes de Coura está de regresso às margens da Praia Fluvial do Taboão, onde Future Islands se juntam aos já confirmados At the Drive-In, Foals, Beach House, BadBadNotGood, Benjamin Clementine, !!! (Chk Chk Chk), Car Seat Headrest e Ty Segall.