Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

O Aniversário dos Birds are Indie…

O 7º aniversário dos Birds are Indie pelos próprios….

“Sorte… Para resumir os nossos 7 anos em uma palavra, esta talvez seja a ideal. Para começar, não queríamos ter uma banda, mas alguns amigos obrigaram-nos. Depois, não imaginámos algum dia tocar ao vivo, mas recebemos o primeiro convite, o que nos levou a concertos por todo o país e por Espanha. E gravar vários EPs e 3 álbuns de longa duração, um deles em vinyl? Deu trabalho, mas a sorte ajudou… Nada estava nos planos, mas foi acontecendo. À falta de melhor explicação, digamos então que a sorte esteve do nosso lado. E para quem a teve em tão boa dose, o melhor mesmo é festejar (com amigos)!”

 sem nome

 “Este concerto irrepetível estará recheado de outros músicos com os quais tivemos a felicidade de ter no seu percurso, recordando 7 anos de música e de histórias, desde que a banda nasceu, com uma melodia e um assobio, a 18 de Fevereiro de 2010.”

 

No palco do TCSB, os convidados especiais serão:

Carlos Mendes (The Twist Connection, Bunnyranch, Tédio Boys)

João Rui (a Jigsaw)

Jorri (a Jigsaw)

Jorge Ferreira (Senhor Doutor, Pinto Ferreira, The Guys From The Caravan)

José Rebola (Anaquim, The Speeding Bullets)

Paula Nozzari (a Jigsaw, The Parkinsons, Canja Rave)

Pedro Chau (Ghost Hunt, The Parkinsons)

Toni Fortuna (d3ö, Mancines, Tédio Boys, é’Mas Foice)

Tracy Vandal (Tiguana Bibles, a Jigsaw)

Victor Torpedo (The Parkinsons, Tiguana Bibles, Tédio Boys)

 

Teatro da Cerca de São Bernardo (Coimbra)

18 de fevereiro 2017 | 21.30h

Agir e Ana Moura juntos sob um “Manto de Água”

Manto de Água” é o tema do novo álbum de Agir, que conta com a participação muito especial de Ana Moura. O vídeo teve estreia hoje, às 19h00 no canal de Youtube de Agir e tem a assinatura de João Pedro Moreira na realização.

agir_mantodeagua

Ainda que a história que Agir está a escrever esteja apenas no início, a marca que tem já gravada na música portuguesa é indiscutível. Depois do enorme sucesso do último álbum “Leva-me a sério” - que o levou numa extensa tour com centenas de concertos cheios de Norte a Sul do País e que teve como apoteose três Coliseus completamente esgotados - Agir não mostra sinais de abrandar.

Talvez por saber o que é a entrega incansável à profissão, o vencedor do Globo de Ouro para Melhor Interprete Individual e do título de “Best Portuguese Act” dos MTV EMAs refletiu sobre o que podemos perder quando estamos demasiado focados no trabalho e o resultado, como é habitual, ganha forma de canção. De grande canção!

Aí está o regresso de Agir aos temas novos, relembrando que não devemos deixar que os sonhos levem o melhor de nós.

André Barros… “Acorda à Tarde - Ciclo de Concertos de Cordas”

André Barros é um compositor emergente com uma forte identidade e uma invulgar capacidade de trabalho. Depois de concluir um curso de produção, André Barros rumou à Islândia para trabalhar no estúdio Sundlaugin, fundado pelos Sigur Rós, uma das suas muitas influências.

14046154_1818253271741954_8641461426309246891_n

photo: Paulo Homem de Melo

 

Respirar a mesma atmosfera que os talentos da Islândia não o impediram de descobrir a sua própria voz como compositor e pianista, voz que possui as distintas marcas de uma identidade singular. No “Acorda à Tarde” vem acompanhado do violinista Otto Pereira.

 

Laboratório das Artes Teatro da Vista Alegre (Ílhavo)

5 de Fevereiro 2017 | 16.00h

Drumming Grupo de Percussão em viagem sonora…

“Atualmente, com os avanços técnicos e científicos, descobriram-se benefícios que o mar pode proporcionar e que representam novas oportunidades e relações que com ele devemos construir e proteger: o mar é uma importante fonte de energia, de combustíveis fosseis e de alimentos que não podemos ignorar. Além desta importância estratégica, a presença do mar tem, também, uma forte influência na nossa cultura e são inúmeras as manifestações artísticas que ao longo de séculos de história refletiram a nossa vivência marítima desde o manuelino a Fernando Pessoa, desde a gastronomia às artes plásticas…e à música”.

16265957_1570590922971107_8154889587319409105_n

Assim, o Drumming Grupo de Percussão convida a uma viagem sonora pelos universos dos compositores Viet Cuong, José Manuel Lopez Lopez, António Chagas Rosa, Isabel Soveral e Fernando Villanueva.

“Partimos da convicção de que a música encarna os pensamentos que o artista capta e expressa a partir da realidade contemporânea e a fruição destas reflexões pode ser determinante para a clarificação de novas perspetivas, para o despertar do nosso subconsciente”.

 

Drumming Grupo de Percussão emergiu em 1999 do primeiro curso superior de percussão aberto em Portugal, cinco anos antes, pela Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo do Porto, com o apoio do Instituto Politécnico e da Escola Profissional de Música de Espinho. Sob direção de Miquel Bernat, percussionista e pedagogo de prestígio internacional, o agrupamento, formado por alunos e professores, destaca no seu currículo dezenas de atuações em todas as principais salas do país e também no estrangeiro. Foi grupo residente da programação musical da “Porto 2001, Capital Europeia da Cultura”. O Drumming é uma estrutura apoiada pela Direção Geral das Artes e em residência no Teatro Campo Alegre, no âmbito do programa Teatro em Campo Aberto.

 

Auditório Campo Alegre (Porto)

3 de fevereiro 2017 | 21.30h

Ditch Days… digressão de Inverno começa hoje no Cineteatro António Lamoso…

Ditch Days nasce do desejo de dar forma ao imaginário de Guilherme Correia, José Crespo, Luís Medeiros e Rafael Traquino. Juntos, escrevem canções que traduzem o seu gosto pela estética despreocupada do rock alternativo dos anos 90, aliada à espacialidade do dream pop dessa mesma década e ao indie dos anos 00 em que cresceram.

f691516d-fd81-4c14-86d9-1a14fc57ba92

As suas canções, de apurado sentido pop, preocupam-se, acima de tudo, em criar um universo onde caibam todas as referências visuais, sonoras e empíricas dos quatro jovens lisboetas. Mais do que música feita para cantar ou dançar, as guitarras oníricas e espaciais e os teclados maviosos presentes nas composições da banda aliam-se a samples emprestados de filmes e séries antigas e a linhas de baixo preocupadas em ficar no ouvido para materializar um imaginário onde a nostalgia, os sonhos e o meio envolvente são as palavras chave.

A banda dá hoje, 1 de Fevereiro, ínicio à sua digressão de Inverno em Santa Maria da Feira e que prossegue por Coimbra, São Pedro do Sul, Leiria, Lisboa, Portalegre e Évora.

 

1 fevereiro 2017 - Cineteatro António Lamoso (Feira)

2 fevereiro 2017 - Salão Brazil (Coimbra)

3 fevereiro 2017 - Roquivárius (São Pedro do Sul)

3 março 2017 - Teatro Miguel Franco (Leiria)

10 março 2017 - Talkfest, Musicbox (Lisboa)

17 março 2017 - Centro de Artes e Espectáculos (Portalegre)

18 março 2017 - Sociedade Harmonia Eborense / SHE (Évora)

Lisboa Dance Festival 2017 com Cartaz Fechado…

As mais recentes novidades do Lisboa Dance Festival vão do electro-house-funky ao global club, passando por outros extremos da música electrónica, sendo estas as mais recentes direcções que o festival apresenta. Curadorias fortes de nomes que fazem parte da actualidade da música electrónica portuguesa e alguns convidados internacionais, bem como trazer a palco jornalistas, programadores, personalidades que, não sendo DJs na essência da arte, têm levado um trabalho de divulgação através da escolha dos sets a outras latitudes da música electrónica em geral.

POSTS_branko_1080x1080_LDF'17

Para as noites de curadoria, e numa altura em que se festeja uma década de marcas como Enchufada e DiscoTexas (representadas por Branko e Moullinex) é relevante celebrar com quem está a fazer a história. Moullinex quer lançar-se num set de 8 de horas com convidados e ainda mais surpresas pelo meio, ao passo que Branko apresenta a cartilha de como a música comunica globalmente com uma programação que vai da Damaia até à profunda Itália, passando por um toque francês.

 

Brank traz uma lista de destaque de convidados… Clap Clap, iZem, KKing Kong, Enchufada na Casa. A missão tem sido assumida e o espírito de conquista consumado. A global club music é uma realidade sem fronteiras que tem em Branko um dos nomes principais. A curadoria é o reflexo desse “sem-fronteiras” com convidados como Clap Clap, produtor italiano que também teve carreira como músico de jazz, bem como o francês iZem e ainda um dos nomes mais valiosos da produção nacional como é o caso de KKing Kong. “Enchufada na Casa” é o nome que designa uma festa final ainda por revelar mas que promete uma espécie de joker final.

POSTS_moullinex_1080x1080_LDF'17

Luis Clara Gomes (Moullinex) tem novo álbum a caminho, mas com sucessivas revelações até à data, é uma celebração das pessoas, circunstâncias e momentos que levaram à criação da club culture. A palavra-chave é inclusão: regressam os cantores e músicos convidados, em estreita colaboração com artistas plásticos, cineastas e escritores na construção de um todo maior que a soma das partes. Sempre com os dois pés na pista e a cabeça no ar. A curadoria de um espaço no Lisboa Dance Festival é a manifestação natural desta carta de amor à club culture. Serão 8 horas de DJ set contínuo, aliadas a uma experiência imersiva de luz e vídeo. No espírito verdadeiramente inclusivo que uma boa festa deve ter, o público participará na experiência de uma forma directa. Love is the Message.

 

Já bastante referida pelo arrojo na programação, a sala B2B recebe sets inesperados de jornalistas, programadores, divulgadores como o caso de Vitor Belanciano, Davide Pinheiro, Mr Mitsuhirato e Pedro Ramos.

Image1

Um dos nomes mais respeitados do jornalismo musical português, embora formado em sociologia, Vitor Belanciano é inequivocamente um dos maiores agitadores no que à música de dança diz respeito, dando espaço de divulgação e debate a fenómenos que proliferam em Portugal, seja o caso dos Buraka Som Sistema, Discotexas, Príncipe ou até como a Cooltrain Crew de que fez parte nos primórdios. É no jornal Público que mantem residência mas a sua “voz” alcança várias dimensões mediáticas. De estudioso a jornalista, de divulgador a programador, Davide Pinheiro já passou por casas como Diário de Notícias e Diário Digital, tendo também no seu “canal de autor” (blog) Mesa de Mistura a sua residência constante. Na programação está envolvido em várias frentes, sempre com forte pendor na área do hip-hop e música de dança. Persiste a vontade: “comunicar através da música e fazer acontecê-la.”

Image2

Pedro Ramos é um nome incontornável no panorama da rádio portuguesa, mantendo uma ligação permanente na rádio Radar. É também como programador/divulgador que salta fora da esfera do microfone e passa para o enquadramento de alinhamento de noites infindáveis em casas como o Lux (Lisboa). O despudor e arrojo são efectivamente marcas dos sets que Pedro Ramos nos apresenta. No Lisboa Dance Festival é o que devemos esperar. Nada menos. Do Lounge (Lisboa) ao Razzmatazz (Barcelona) passando pelo Wanderlust (Paris), Mr Mitsuhirato já se apresentou a várias frentes pela Europa fora. Passado muito forte no underground indie, Hugo Moutinho (verdadeiro nome de Mr Mitsuhirato) está familiarizado com caves de graves fortes e ambientes sufocantes. O desafio com Pedro Ramos pretende fazer suar as paredes do The Dorm.

 

10 de Março 2017

 

FÁBRICA XL

- Marcel Dettmann

- Dekmantel Soundsystem

- Tokimonsta

- Jessy Lanza

- Holly Hood

CARLSBERG ROOM @ ZOOT

- Moullinex (Curadoria) e convidados

CLUBE ANTENA 3 @ LER DEVAGAR

- Batida 2007-2017 Radio DJ Set

- DJ Glue

- Harold

- Ghost Hunt

KIA RIO ROOM @ THE DORM

- Sam the Kid B2B DJ Big

- Nitronious B2B Darksunn

- Rita Maia B2B DJ Satelite

- Vitor Belanciano B2B Davide Pinheiro

 

11 de Março 2017

 

FÁBRICA XL

- Hercules & Love Affair

- Mount Kimbie

- George Fitzgerald

- Hunee

- Mai Kino

CARLSBERG ROOM @ ZOOT

- Branko (Curadoria) - Convidados: Clap Clap, iZem, KKing Kong,

Enchufada na Casa

CLUBE ANTENA 3 @ LER DEVAGAR

- Rui Maia

- Holy Nothing

- Corona

- Lince

KIA RIO ROOM @ THE DORM

- Riot B2B Nuno Forte

- Señor Pelota B2B Dupplo

- Stereossauro B2B DJ Kwan

- Pedro Ramos B2B Mr Mitsuhirato

TALKS & MARKET @ FÁBRICA L

- Girl Power / Local é Global / Fenómeno do Hip-Hop / Dominar as Redes Sociais / Launchpad da Novation Circuit / Djing / Masterização / Sampling e Live

 

A proposta musical é diversificada sempre tendo em mente a música electrónica.

Mariano Marovatto apresenta vídeo "Lá cima ao castelo"

"Lá Cima ao Castelo" é originariamente uma moda cantada durante a Festa do Castelo que ocorre anualmente na primeira semana de maio em Monsanto, aldeia de Castelo Branco, na Beira. A festa celebra a vitória do povoado sobre o cerco de sete anos do exército Romano, durante o século II. Além da referência ao castelo e à gastronomia da festa, a letra gira em torno do flerte de um rapaz com uma moça. Mas isto é apenas a ponta do iceberg, ou melhor, do monte santo beirão.

Salvagem Portugal - 2 Anastasia Lukovnikova

photo: Anastasia Lukovnikova

 

Dentro do contexto da pesquisa etnomusicológica de Selvagem, Monsanto serve ao cantor como uma espécie de big-bang da lusofonia exaltada no álbum. O castelo, as casas, as calçadas, enfim, todas as construções de Monsanto são feitas de granito, a mesma pedra que presente em todos os morros e montanhas do Rio de Janeiro natal de Marovatto. Ao contrário do granito indomável carioca, foram muitos os povos que domesticaram o granito de Monsanto: visigodos, romanos, mouros, espanhóis de outrora, portugueses de todos os séculos. A profusão de mitos, o imenso cancioneiro e o linguajar peculiar desse monte único do território português é de fato espantoso e, logo, inevitável dentro do universo proposto por Selvagem. Outra curiosidade descoberta por Mariano é que lá vivem os últimos descendentes do navegador Pedro Alvares Cabral, o primeiro português a "descobrir" o Brasil em 1500. A escolha deste tema como o tema de lançamento do álbum em Portugal parecia portanto algo mesmo predestinado.

O video foi realizado pela cineasta russa Anastasia Lukovnikova - responsável pelo video de "Lampião", disco anterior a “Selvagem” - em outubro de 2016 durante a primeira visita de Marovatto ao povoado no qual surgiu a canção: uma espécie de "redescoberta" desta terra primeira - retorno ao início de toda a história luso-brasileira que percorre Selvagem. As imagens captadas por Anastasia tentam emoldurar a infinitude mitológica musical de Monsanto e servem como acompanhamento ideal para o arranjo tenso, repetitivo e, ao mesmo tempo, misterioso da gravação de Marovatto.

Salvagem Portugal - 7 Anastasia Lukovnikova

photo: Anastasia Lukovnikova 

 

O luso-brasileiro Mariano Marovatto nasceu no dia primeiro de abril de 1982, no Rio de Janeiro e desde 2016 vive em Lisboa. Escritor, cantor e compositor, Marovatto vem despontando como uma das figuras chaves de sua geração no Brasil, tanto na literatura quanto na música. “Selvagem” é o terceiro álbum de canções de Mariano Marovatto, porém nenhuma das canções é sua e sequer possuem uma autoria definida. O repertório em questão foi montado exclusivamente por temas folclóricos brasileiros e portugueses que foram deixados de lado pela linha evolutiva e pela memória musical do grande público nos dois países. Mariano Marovatto lança “Selvagem” já no próximo dia 3 de Fevereiro em Portugal.

Este sábado… Blind Zero apresentam canções novas…

Raras são as vezes em que os Blind Zero partem para a edição de um novo álbum sem antes apresentarem as canções ao vivo, fazendo-as passar pela leitura de quem as ouve. Muitas vezes são essas as músicas que mais crescem na soma da intensidade. 

02

photo: Sergio Magalhães

 

No momento em que se preparam para lançar o seu oitavo disco de originais, sucessor da dupla edição de “Kill Drama”, a banda vai estrear no Teatro Municipal de Vila do Conde, dia 4 de Fevereiro, uma boa e surpreendente amostra do que poderá ser ouvido brevemente em disco. Será, também por isso, um concerto único e absolutamente especial.

 

Com 23 anos de carreira, o grupo de Miguel Guedes, Nuxo Espinheira, Pedro Guedes, Vasco Espinheira e Bruno Macedo revela, ao vivo, capacidade de se reinventar sem perder a identidade que os distingue e tem projectado ao longo destas duas décadas. Um percurso ímpar celebrado em palco onde demonstram a sua verdadeira força como grupo de rock.

 

Teatro Municipal de Vila do Conde

4 de Fevereiro 2017

Kaesar + Mary B no Musicbox…

Para muitos, a quarta-feira é dia de ficar em casa. Para outros, ficar em casa envolve sentir uma batida incessante a pulsar da carpete, ser iluminado com claps vibrantes dos candeeiros e ficar electrificado pela corrente de cada tomada.

Nenhum mês é igual e é assim que deve ser, porque regressar a casa deve ser mais do que apenas conforto, deve ser surpresa, descoberta e muita celebração.

18525952_fMz4h

Este mês a curadoria é do Magazino, que convida Kaesar e Mary B para esta Quarta-feira no Musicbox (Lisboa). E a melhor forma de viver o House, é dançar em todas as suas divisões e sub-géneros.

Sean Riley & The Slowriders esgotam CCB e anunciam Mazgani como convidado…

A quatro dias do espectáculo de Sean Riley & The Slowriders, este Sábado, no Centro Cultural de Belém, esgotaram os bilhetes e hoje a banda anuncia Mazgani como o convidado especial.

557px_e58776e35b83cb5371125

“O Mazgani fez um percurso semelhante ao nosso, os nossos caminhos foram mais ou menos paralelos mas por uma razão ou por outra nunca se cruzaram.

É um musico e compositor que admiramos imenso, dono de um talento e sensibilidade invejáveis. Vai ser um enorme prazer e uma honra podemos finalmente contar com um amigo e convidado tão especial num concerto de Sean Riley & The Slowriders.” Afonso Rodrigues

 

Este ano a banda está a preparar uma nova campanha, desta vez de concertos em sala. Espaços com uma maior dose de intimismo que proporcionam ao quarteto as condições perfeitas para os seus temas intensos e carregados de emoção.

Terras sem Sombra: Cante Alentejano e Flamenco em Sevilha

Feita a apresentação, em Serpa, do programa do festival para 2017, será a vez de Espanha – o país convidado deste ano – receber, em Sevilha, de 2 a 4 de Fevereiro, uma “Embaixada Cultural” do Alentejo no Consulado-Geral de Portugal na capital andaluza.

15940702_1504355816273641_1680585085997752866_n

Num concerto único, o Terras sem Sombra une, a tradição alentejana e alguns dos principais vultos do cante jondo. Puro flamenco, de que a sevilhana Esperanza Fernández, o granadino Miguel Ángel Cortés ou Arcángel, filho de Huelva, mas intrinsecamente ligado à capital andaluza, são expoentes máximos. Sevilhano é também Fahmi Alqhai, filho de pai sírio e mãe palestiniana, um grande senhor da música antiga que ama as virtualidades expressivas do cante jondo. Do Baixo Alentejo irão o Rancho dos Cantadores de Aldeia Nova de S. Bento, acompanhados por Pedro Mestre, e os Cantadores do Desassossego. Um acto de geminação entre o cante e o flamenco, duas manifestações artísticas distinguidas pela UNESCO, com o reconhecimento de Património Imaterial da Humanidade

 

O Terras sem Sombra é, assumidamente, o festival do território do Baixo Alentejo, e tem vindo a afirmar-se, a nível internacional, como um rosto e uma porta aberta para o conhecimento desta região. Música, património e biodiversidade dão o mote para divulgar a cultura, a paisagem, a gastronomia, a economia e o empreendedorismo locais. Em 2017, a programação artística valoriza a espiritualidade na arte, propondo uma viagem espácio-temporal pela música dos séculos XVI a XXI, guiada por grandes intérpretes espanhóis e portugueses, mas também norte-americanos, húngaros e franceses.

 

Uma característica que este projecto conseguiu ao longo dos anos prende-se com a articulação das forças vivas da região para levar a cabo tanto um festival de referência internacional como esta “embaixada”, a qual reúne, a uma só voz, os municípios de Almodôvar, Sines, Santiago do Cacém, Ferreira do Alentejo, Odemira, Serpa, Castro Verde e Beja. Com o intuito de aprofundar os laços já criados, esta “embaixada” contempla ainda, sob a égide do Consulado-Geral de Portugal, um encontro entre autarcas e agentes culturais e económicos de ambos os lados da raia.

 

Programa completo da Embaixada do Alentejo a Sevilha

Consulado Geral de Portugal em Sevilha

2 de Fevereiro 2017

12:00 - Conferência de imprensa de apresentação da 13.ª edição do Festival Terras sem Sombra

3 de Fevereiro 2017

10:00 - Reuniões entre os representantes autárquicos e o Alcalde de Sevilha.

4 de Fevereiro 2017

20:00 - Concerto “Imenso Sul“

 

 

Programa 2017

Almodôvar

11 de Fevereiro 2017   

15:00 - Visita guiada - Centro histórico

21:30 – Concerto: Igreja Matriz de Santo Ildefonso - Accademia del Piacere

12 de Fevereiro 2017

10:00 - Pelas alturas do Mú – o Alentejo Serrano

 

Odemira

4 de Março 2017

15:00 - Visita guiada - Centro histórico

21:30 – Concerto: Igreja de São Salvador - Polyphōnos

5 de Março 2017

10:00 - Pelos meandros do Mira – um olhar sobre os gradientes do grande rio do Sudoeste

 

Santiago do Cacém

25 de Março 2017

15:00 - Visita guiada - Centro histórico

21:30 – Concerto: Igreja Matriz de Santiago Maior - Brentano String Quartet

26 de Março 2017

10:00 - A Paisagem Cultural em torno do Convento do Loreto – assegurar a sua continuidade

 

Castro Verde

8 de Abril 2017

15:00 - Visita guiada - Centro histórico

21:30 – Concerto: Basílica Real de Nossa Senhora da Conceição - O Castelo de Barba-Azul, de Béla Bartók

9 de Abril 2017

10:00 - Os passos do ciclo da lã

Ciclo "Buster Keaton Musicado" no EKA Palace

É já no dia 12 de Fevereiro que arranca o ciclo “Buster Keaton Musicado”. O ciclo acontece no EKA Palace, e esta primeira sessão vai contar com 5 Curtas Metragens musicadas pelo pianista Cristiano Berhanu.

Cartaz por Tiago Nunes

São as seguintes curtas metragens que constituem o alinhamento da primera sessão:

His Wedding Night (1917) '18

Oh, Doctor! (1917) '23

The Cook (1918) '19

One Week (1920) '19

Convict 13 (1920) '21

 

As sessões seguintes acontecem em Março (12), Abril (9) e Maio (14) sempre no EKA Palace. As sessões estão programadas para as 17h. A organização do evento é da responsabilidade das Produções Incêndio.

 

A Produções Incêndio é uma muito jovem produtora lisboeta que se dedica à realização e promoção de eventos inovadores e culturalmente diversificados. Em pouco mais de um ano de existência, organizaram inúmeras sessões, que tocaram as mais variadas vertentes artísticas, passando pela música, cinema, dança, poesia, teatro, pintura, performance, video art...

“Era uma Vez Lisboa”… de Luís Ribeiro

A História de Lisboa é feita de vidas, lugares, paixões, tragédias, confrontos, conspirações. Conhecer Lisboa é também recuar no tempo e descobrir a cidade que passou pelas piores calamidades desde o terramoto de 1755, passando pela Peste Negra, até ao dilúvio que matou centenas de lisboetas - mas que sempre se ergueu.

untitled-1

Uns, como Calouste Gulbenkian, vieram de fora e apaixonaram-se perdidamente, outros, como o Marquês de Pombal, fizeram-na renascer das cinzas. Mas Lisboa é feita também de vilões e de heróis. Dos primeiros reza a história que matavam em série e, como Diogo Alves, que, em 1841, foi acusado de assassinar 70 pessoas, ou que burlavam os mais incautos. Já os heróis ficarão para sempre na memória dos lisboetas e Martim Moniz ou os Mártires da Pátria não são apenas topónimos desta cidade, mas, acima de tudo, heróis que deram a vida por aquilo em que acreditavam.

 

O amor também corre pelas ruas e vielas da capital: o conde de Vimioso perdeu-se de amores pela fadista Severa, e Sá-Carneiro apaixonou-se na amena Lisboa por uma «princesa nórdica num esquife de gelo». As «estórias» lisboetas são tantas que muitas se perderam no tempo, mas nada como recuperá-las: a tentativa do rei D. Manuel I para realizar um combate entre um rinoceronte e um elefante, ou o facto de o embaixador francês em Lisboa Jean Nicot ter sido responsável por pôr o resto do mundo a fumar, ao tornar-se o primeiro importador de tabaco no século XVI.

 

Estas são algumas das histórias que o jornalista Luís Ribeiro nos apresenta num livro que nos revela uma cidade única e singular que tantas vezes calcorreamos, mas da qual, por vezes, tão pouco sabemos.

 

Edição: A Esfera dos livros / À venda a 3 de fevereiro.

Seu Jorge… “The Life Aquatic”: Tributo a David Bowie no Super Bock Super Rock

Este concerto surge na senda da coletânea de canções de David Bowie, “The Life Aquatic Studio Sessions”, editado por Seu Jorge em 2005, em português. O disco viu a luz do dia depois da participação do músico brasileiro no filme “A Vida Marinha com Steve Zissou”, realizado por Wes Anderson, onde o cantor/compositor e ator carioca aparece a cantar músicas de David Bowie em português em algumas cenas. A projeção internacional foi imediata e Seu Jorge traz agora ao Super Bock Super Rock o espetáculo inédito “The Life Aquatic”: Tributo a David Bowie, cerca de ano e meio após a morte do autor dos êxitos que dão forma a este concerto.

16473005_1380239722046602_7926990233826361400_n

Canções eternas de David Bowie como “Ziggy Stardust”, “Changes” e “Let’s Dance” vão ser interpretadas em português de um modo intimista, especial e memorável por Seu Jorge, que com o mesmo espetáculo já esgotou datas nos Estados Unidos no final do ano passado. Em Portugal, esta será uma oportunidade imperdível para ver ao vivo a interpretação de Seu Jorge de clássicos como “Rebel Rebel” em ritmo de bossa nova.

 

Para ver ao vivo no Super Bock Super Rock dia 15 de julho no Palco EDP.

Elza Soares de regresso a Lisboa…

Elza Soares vai regressar a Lisboa para se apresentar ao vivo no Coliseu dos Recreios a 3 de Junho próximo. Esse concerto sucede à triunfal apresentação no mesmo espaço no passado mês de Novembro, quando “A Mulher do Fim do Mundo” se revelou afinal de contas como a responsável por um dos mais altos momentos do Vodafone Mexefest.

elza

photo: Paulo Homem de Melo

 

À beira de completar 80 anos e com quase sete décadas de palcos e aplausos nos ombros, Elza é muito justamente apontada como uma lenda viva, uma força da natureza que sobreviveu a tragédias pessoais, ao desenrolar das décadas, às mil e uma transformações do mundo da música, como uma verdadeira relíquia que o presente aprendeu a amar.

 

Coliseu dos Recreios (Lisboa)

3 de junho 2017

Depeche Mode lançam single “Where’s The Revolution” a 3 de Fevereiro…

Os Depeche Mode, banda icónica, pioneira musical e multiplatinada, vão lançar o seu muito aguardado novo single, intitulado “Where’s The Revolution”, no próximo dia 3 de Fevereiro de 2017. O tema, sobre o qual os Depeche Mode falaram durante a sua conferência de imprensa em Milão no passado Outono, constitui a primeira nova música da banda em quatro anos e é o primeiro exemplo retirado do seu novo 14.º álbum de estúdio, “Spirit”, que irá ser editado a nível mundial a 17 de Março pela Columbia Records.

Depeche Mode - foto single

“Spirit” assinala a primeira colaboração da banda com o produtor James Ford dos Simian Mobile Disco (que já trabalhou com bandas como Foals, Florence & The Machine, Arctic Monkeys) e vem no seguimento do álbum da banda que foi um grande sucesso em 2013, “Delta Machine”, com estreia no n.º 1 das tabelas em 12 países. As primeiras audições do álbum já conquistaram a crítica, tendo a Q Magazine descrito “Spirit” como: “o álbum mais enérgico dos Depeche Mode desde há muitos anos”.

Os Depeche Mode irão promover o lançamento do LP através de uma longa digressão mundial, dando aos novos e antigos fãs uma oportunidade de vivenciar os fantásticos espectáculos ao vivo da banda. A primeira parte da digressão Global Spirit Tour, os bilhetes já estão à venda, irá colocar a banda a tocar perante mais de 1,5 milhões de fãs em 34 espectáculos espalhados por 21 países de toda a Europa. A digressão inicia-se a 5 de Maio em Estocolmo, Suécia, e irá passar por estádios por toda a Europa antes de continuar durante o Verão com espectáculos na América do Norte e do Sul.

(Quase) Toda uma Vida… Anabela Mota Ribeiro conversa com Maria Belo

Maria Belo nasceu em 1938. É psicanalista. Cresceu numa família de tradição católica, conservadora, uma de nove irmãos. Quase foi freira, ou foi uma quase freira… Formou-se em Psicologia em Lovaina, Lacan foi um dos seus psicanalistas. Diz sobre o país em que cresceu: "Não é por acaso que a psicanálise começou tão tarde em Portugal. Para além de um processo de recalcamento que é próprio da cultura portuguesa, houve um exacerbar desse processo com a ditadura, muito mais baseada na censura da palavra que na violência física, como por exemplo em Espanha. Em Portugal não se falava. Nas famílias não se falava. As coisas eram vividas e sofridas, mas não explicitadas. E isso provoca um recalcamento muito grande relativamente ao que é de cada um."

untitled

Portugal, o quem somos, esteve desde cedo no centro da sua acção política (entre outras funções, foi deputada ao Parlamento Europeu pelo PS) e da sua investigação académica (o seu doutoramento é sobre "Cultura Portuguesa e Psicanálise").

 

Fundou a 1.ª Loja Portuguesa de Maçonaria Feminina e foi Grã-Mestre da Grande Loja Feminina de Portugal.

 

Centro Cultural de Belém / Pequeno Auditório (Lisboa)

5 de Fevereiro 2017 | 17.00h