Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Mariana Aydar & Dani Black em Espinho

Mariana Aydar apresenta-se em Espinho com um espectáculo inédito ao lado de Dani Black. A aplaudida voz de “Pedaço de Uma Asa” trocará canções em palco com o jovem compositor Dani Black que tem dado hinos às novas gerações brasileiras a partir de São Paulo, como aconteceu com o hit viral “Trono de estudar”, que resultou em versões de gente como Chico Buarque ou Arnaldo Antunes, por exemplo.

danimari.jpg

Cumplicidade made in São Paulo para um concerto que se prevê único e imperdível. A também brasileira Márcia Castro atuará na primeira parte do concerto.

 

Auditório de Espinho

10 de fevereiro 2017 | 21.30h

ModaLisboa BOUNDLESS apresenta WORKSTATION

Um convite feito a três fotógrafos nacionais para, através da sua lente, do seu olhar, da sua perspetiva, retratar o limite das fronteiras criativas sugeridas pela semana da Moda em Lisboa. A realidade que aos nossos olhos parece ser incontestável, poderá sempre ser contestada pela realidade recolhida e recriada por outros olhos. Com a Moda acontece exatamente o mesmo, porque as coleções que mostramos são sempre uma interpretação da realidade que rodeia e inspira os criadores, e porque nem sempre essa interpretação pretende ser totalmente transparente.

ML48_Workstation.jpg

É por isso que, ano após ano, WORKSTATION continua a reproduzir o fascínio da Moda para além do óbvio, revelando a tentativa de captação da realidade que existe na Moda interpretada pelos olhares de diferentes talentos da fotografia. Neste caso, de Arlindo Camacho, Carla Pires e Vera Marmelo.

 

O que acontece quando se junta a arte da Moda à arte da Fotografia é BOUNDLESS, não tem limites nem restrições, é uma forma como queremos continuar a ver e desafiar a moda.

Esse jogo de espelhos vai estar em exposição na área social da ModaLisboa, no Centro Cultural de Belém, dias 10, 11 e 12 março.

Curadoria Lovers & Lollypops no Fat Out Fest em Manchester

Abril deste ano está a ficar preenchido para a Lovers & Lollypops: ao festival TREMOR, anunciado e com novidades a chegar rapidamente, acresce mais uma razão para dispersar as atenções do Porto para outras paragens banhadas pelo Atlântico. A nova vem de Manchester, do Fat Out Fest, onde a Lovers & Lollypops assume postura de curadora numa programação que por si só já lhe merecia atenções.

untitled

Partilhando os louros de curadores com agentes culturais de peso — como o são os festivais Supersonic (UK), Le Guess Who? (NL), a webzine The Quietus (UK), o espaço Basillica Hudson (EUA), a promotora local Sweet Sticky (UK) e os parceiros da Lovers & Lollypops e colaboradores de programação no Milhões de Festa Baba Yaga’s Hut (UK), e editora Portuguesa leva até Manchester alguns dos artistas portugueses preferidos para a L&L. A curadoria acontecerá a 16 de Abril, último dia do festival, e o protagonismo recairá sobre os concertos de Filho da Mãe, Black Bombaim (com David McLean), Jibóia, Ricardo Martins e sobre o DJ set de Lynce.

 

O Fat Out Fest é um dos eventos líder de nova música e de artistas emergentes no Reino Unido e decorrerá em várias salas de Manchester de 14 a 16 de Abril. No cartaz, já completo, destacam-se nomes como The Bug vs. Dylan Carlson, Part Chimp, Trans Am e Sarathy Korowar, para além dos curados pela Lovers & Lollypops e entre muitos outros

Catacumbas do Liceu Camões recebem Matiné Dançante…

A FUSE Records prepara a primeira matiné dançante do ano e desta vez num  local surpreendente e pouco conhecido do público. As Catacumbas do Liceu Camões, em Lisboa, irão receber a primeira festa que a produtora realiza em 2017, num ambiente incomparável e muito misterioso.

Caleb Calloway

O evento está marcado para dia 11 de fevereiro, das 16h00 às 00h00, e o dj americano Caleb Calloway será o grande convidado da festa. O artista natural de Porto Rico é uma das referências da Desolat, editora e produtora de música, fundada por Loco Dice, conhecido dj da cena eletrónica internacional. A acompanhar Calloway estarão também os conhecidos artistas da FUSE Records; Nox, The Slum Vagabunds e Analodjica, para além de Pedro Duarte, DJ português em ascensão que irá abrir a pista de dança com as suas sonoridades  tech house.

 

As Catacumbas do Liceu Camões são um espaço extremamente intrigante, com um ambiente muito obscuro e secreto, que se encontram nas caves deste histórico estabelecimento de ensino. É um espaço carregado de mística e beleza, que estará totalmente apto em termos audiovisuais, de limpeza e climatização, para receber a próxima festa da FUSE Records.

 

LINE UP:

Caleb Calloway

Nox

The Slum Vagabunds

Analodjica

Pedro Duarte

Susana Tavassos e Jean Charnaux no Armazém 8

A cantora portuguesa Susana Travassos e o guitarrista brasileiro Jean Charnaux apresentam em duo um concerto que transita entre o Fado e a Música Popular Brasileira, no próximo sábado em Évora.    

susana-travassos

Susana Travassos é uma das grandes vozes portuguesas da atualidade. Destaca-se pela intensidade da sua interpretação, como disse a compositora brasileira Ana Terra: “ao assistir e ouvir Susana cantar, senti uma forma avassaladora de força e doçura combinadas. Como se ela tão jovem, carregasse a ancestralidade de todas as mulheres do mundo”. O poeta português Tiago Torres da Silva disse que “a própria alma de Susana parece que se agiganta quando canta e ela serve a canção, não a vaidade de ser cantora”.

Susana Travassos mantém ao longo de 7 anos, uma estreita parceria e afinidade com diversos artistas em gravações e concertos, entre eles Zeca Baleiro, Chico César, Chico Pinheiro, Toninho Horta, Fagner, Renato Braz, Ná Ozzeti e Lívia Nestrovski. Jean Charnaux é violonista, arranjador e compositor. Estudou violão com Hélio Delmiro, Guinga e Marcus Tardelli, além de se especializar na Academia de Música de Los Angeles (LAMA) nos estudos jazzísticos. Foi indicado entre os finalistas da categoria Revelação no Prémio da Música Brasileira de 2015 com seu álbum “Matrizes”.

 

Armazém 8 (Évora)

4 de fevereiro 2017 | 22.00h

 

Raquel Tavares apresenta “Raquel” ao vivo…

Não é por acaso que Raquel Tavares é uma das mais importantes e consistentes vozes do Fado contemporâneo. É o Fado que faz pulsar o seu coração. É o Fado que dá sentido à sua vida. É o Fado que a acompanha quando, ainda menina, se atreve a pisar um palco. E com doze anos vence numa Grande Noite do Fado. A primeira de catorze vitórias.

16178869_696356640528447_1479447639905643471_o

É o Fado que a leva a encantar as mais importantes salas de países como os Estados Unidos, Espanha, França, Alemanha, Reino Unido, Brasil, Argentina, China ou Austrália. É o Fado que faz com que colecione prémios, desde que se estreou em disco, em 2006. É o Fado que canta em criança. É o Fado que canta agora, que é uma referência. O Fado clássico, enraizado na mais profunda tradição, o espelho mais fiel da alma portuguesa.

Em “Raquel”, o seu terceiro e mais recente disco, continua a ser esse Fado, a sua essência. Mesmo refletindo a pulsação do presente, ou não fosse esta enorme coleção de canções produzida por Fred Pinto Ferreira, João Pedro Ruela e Tiago Bettencourt, é sempre de Fado que se trata, do mais sentido respeito pelo seu peso e tradição, quando ouvimos Raquel Tavares. Por isso é o Fado que junta alguns dos mais importantes compositores da moderna lusofonia, como Caetano Veloso, Mallu Magalhães, Rui Veloso, António Zambujo, Miguel Araújo, Jorge Cruz e Tiago Bettencourt, a nomes incontornáveis da sua História, de Alfredo Marceneiro a Pedro Homem de Mello, passando por João Dias, Carlos Rocha ou Arlindo de Carvalho. E é o Fado que persiste quando Raquel recebe a companhia de Carlão, Rui Veloso, António Serrano e Rui Massena.

 

Casa das Artes (Arcos de Valdevez)

4 de fevereiro 2017 | 22.00h

“10.000 Anos depois entre Vénus e Marte”… José Cid de regresso

No dia em celebra 75 anos, a 4 de fevereiro, José Cid anuncia 2 concertos muitos especiais. “10.000 Anos depois entre Vénus e Marte” regressa novamente aos palcos com 2 concertos únicos agendados para Lisboa e Porto.

16388271_1276799832359359_1044942416380782038_n

Corria o ano de 1978 quando José Cid lançou pela editora Orfeu aquela que viria a tornar-se numa das obras de maior sucesso de Rock Sinfónico do mundo… o disco “10.000 anos depois entre Vénus e Marte
Passados quase 40 anos o músico volta a trazer a palco a história ficcional do homem e da mulher que regressam à terra 10.000 anos depois da sua total destruição, para repovoa-la. Dia 1 de Maio na Aula Magna, e dia 6 de Maio na Casa da Música, encontro marcado para mais uma viagem galáctica…

“Point of you”… de Ricardo Machado e Anna Réti no CCB

Point of You” é um jogo entre dois performers. Entre dois performers e a sua audiência. Entre dois performers e duas audiências. Entre cada um dos performers e a sua própria audiência. Colisão aleatória ou ataque intencional? Tudo dependerá do lugar que escolher ocupar. Pode parecer genuíno, mas pode ser intrincado. O riso pode bem levar às lágrimas. E assim segue o debate: por que temos sempre de estar certos?

Imagem - Ricardo Machado e Anna Réti

Sem nunca chegar à exaustão – mas não escapando à colisão – os pontos de vista vão sendo revelados em cena numa cadeia de reações espontâneas perante a audiência. Pode bem acabar-se perdido se se procurar estar certo.

 

Coreógrafos e intérpretes: Anna Réti e Ricardo Machado 
Dramaturgia: Martón Debreczeni 
Desenho de Luz: Zoltán Nagy
Adaptação do Desenho de Luz: Cláudia Valente
Disposição cénica: Pál Körmendy
Música: Arvo Pärt Pari Intervallo; Arvo Pärt Variations For The Healing of Arinushk; J. S. Bach Passacaglia Fugue; Alessandro Moreschi Tosti's Ideale; Radiohead Hunting Bears 
Fotografia: Dániel Borovi

 

Centro Cultural de Belém / Sala de Ensaios (Lisboa)

10 e 11 de Fevereiro 2017

 

SALA 117 inaugura exposição colectiva “Do Abstracto ao Figurativo”

A diversidade artística pode complementar-se harmoniosamente no mesmo espaço?

Pode, e é isso que a galeria SALA 117, no Porto, vai mostrar a partir de 11 de fevereiro, com “Do Abstracto ao Figurativo”, uma exposição que reúne alguns dos trabalhos mais recentes dos artistas José de Guimarães, Gabriel Garcia e Francisco Venâncio.

Sem Título 2

Juntar no mesmo espaço nomes de distintas áreas e técnicas é mais um exemplo da prossecução do conceito da SALA 117, de ter entre o seu portefólio de artistas nomes com prestígio inquestionável e carreira cimentada, lado-a-lado com talentos emergentes, a quem dá «palco» para poderem crescer.

 

José de Guimarães quase dispensa apresentações. É um dos baluartes artísticos da arte contemporânea, com os seus trabalhos a mostrarem sempre movimento, dando a ideia de que tudo é evolutivo. Gabriel Garcia expressa nas suas obras uma interpretação muito própria das suas memórias e raízes. Procura no passado o momento e projecta-o, imortaliza-o. É este o sentido que o leva a pintar a mancha e as sombras, registando acontecimentos temporais de estranhos e que se distanciaram dele. Francisco Venâncio é um jovem valor que desenvolve o seu trabalho essencialmente no desenho e na pintura. Os seus trabalhos estão em construção permanente, num processo contínuo de ensaio e experimentação. O final de uma obra dita o início de uma outra, num exercício incessante.

Assim, e depois de Armanda Passos, com “Sobre Papel”, que marcou o regresso da pintora a exposições individuais em galeria, e de uma exposição com parte do acervo da galeria SALA 117, chega a 11 de fevereiro, e prolonga-se até 11 de março, a mostra “Do Abstracto ao Figurativo”.

 

SALA 117 / Rua Damião de Góis (Porto)

11 de Fevereiro a 11 de Março (segunda a sábado 15h00 as 19h00)