Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Primeiras 10 confirmações do Festival Músicas do Mundo 2017 são no feminino...

As primeiras confirmações do cartaz do FMM Sines Festival Músicas do Mundo 2017, que se realiza de 21 a 29 de julho em Sines e Porto Covo, são 10 cantoras, instrumentistas e compositoras...

Cristina Branco (Portugal), Fatoumata Diawara & Hindi Zahra (Mali / Marrocos), Gaye Su Akyol (Turquia), Leyla McCalla (EUA Haiti), Lura (Cabo Verde), Mercedes Peón (Espanha), Oumou Sangaré (Mali), Savina Yannatou &  Primavera en Salonico (Grécia) e Tulipa Ruiz (Brasil).

GLAM - Cristina Branco.jpgphoto: Paulo Homem de Melo 

 

Cristina Branco é uma das grandes vozes e uma das mais finas sensibilidades da música portuguesa. O património do fado é, para ela, um porto, mas sempre no pressuposto de que dele pode viajar com músicos  e para músicas de outros universos estéticos. A qualidade poética dos textos que canta está no topo das suas preocupações. Traz a Sines o seu disco de originais mais recente, "Menina" (2016).

Fatoumata Diawara & Hindi Zahra é um encontro da nova geração da diáspora africana em Paris.  Fatoumata nasceu na Costa do Marfim, de pais malianos. Hindi é marroquina de origens berberes e  tuaregues. Ambas cantoras e atrizes, conheceram-se no Olympic Café, situado na Goutte d'Or, um dos  bairros mais africanos da capital francesa. Nesta digressão cantam canções uma da outra e não só.

Gaye Su Akyol é uma pintora tornada cantora‐compositora que revela a energia da cena "underground" da Istambul mais cosmopolita. O seu disco "Hologram Imparatorlugu" ('império holograma), editado em  novembro de 2016, é classificado como art rock. Um art rock turco, com melodias da Anatólia, influências  gregas e inspirações do rock psicadélico e do surf rock.

Leyla McCalla é uma cantora, compositora e violoncelista norte‐americana filha de imigrantes do Haiti.  Cresceu em Nova Iorque, onde estudou música clássica, mas foi em Nova Orleães que desabrochou como  artista. Na capital do Luisiana encontrou ecos das suas raízes haitianas e a matéria que faltava para a síntese  que hoje a identifica, uma mistura crioula de folk, blues e jazz.

Lura é uma das vozes mais marcantes da música cabo‐verdiana. O seu timbre profundo vai ouvir‐se pela  primeira vez no FMM Sines sobre um repertório baseado no álbum "Herança", de 2015. Ao ritmo do batuco  e do funaná, Lura canta a essência mestiça do povo cabo‐verdiano e o seu dilema primordial: "querer ficar  mas ter de partir, querer partir mas ter de ficar".

Mercedes Peón é uma das artistas mais inovadoras da folk galega e europeia. Compositora, vocalista,  produtora e multi‐instrumentista, trabalha a música tradicional com todas as ferramentas tecnológicas que o  presente proporciona. Do cancioneiro da Costa da Morte aos recursos da eletrónica, tudo cabe nas suas  experimentações. Vai lançar em 2017 o seu quinto álbum.

Oumou Sangaré é uma das maiores vozes da música africana. Uma das maiores vozes, considerando  estritamente o seu valor estético, mas uma das maiores vozes também pela estatura ética do seu percurso  na defesa dos direitos e da dignidade das mulheres. Este regresso a Sines coincide com um acontecimento:  em 2017, lança "Mogoya", o seu primeiro álbum de originais em oito anos.

Savina Yannatou é a cantora que hoje melhor representa o Mediterrâneo como grande território cultural.  Acompanhada pelo grupo Primavera en Salonico, traz ao festival o repertório do disco "Music of  Thessaloniki" (2015), uma evocação de Tessalónica, a "Jerusalém dos Balcãs", ponto de encontro de gregos,  judeus, turcos, búlgaros, eslavos e arménios. A todos, Savina dá voz. 

Tulipa Ruiz é uma das cantoras mais premiadas da nova geração da música brasileira. O seu terceiro álbum,  "Dancê", ponto de partida para o concerto no FMM Sines, é descrito pela artista como "um álbum para ouvir  com o corpo". Venceu o Grammy Latino para melhor álbum pop de 2015 e foi considerado pela Apple Music  melhor álbum pop‐rock em português desse mesmo ano.

 

O FMM Sines, organizado pela Câmara Municipal de Sines, é um festival aberto a todas as músicas: de raiz  tradicional, urbanas, alternativas, experimentais, de cruzamento. Mais do que um festival de “world music”,  é um festival que procura as músicas do mundo reais como são feitas e vividas no nosso tempo: músicas  miscigenadas, marcadas pelos contactos entre artistas de origens geográficas e culturais diferentes,  devedoras dos movimentos de ideias e pessoas que definem a contemporaneidade. O principal objetivo é  transcender a perspetiva etnocêntrica que domina a oferta “mainstream” e promover a liberdade e a  igualdade na circulação artística.

Bloom apresenta “Tremble like a Flower” ao vivo...

Bloom é o nome da mais recente aventura musical do cantor e compositor português JP Simões e “Tremble like a Flower” é o seu primeiro disco. São dez temas tensos e luminosos que, a partir de uma base intimista e de escrita confessional, se vão abrindo em paisagens electrizantes e feéricas, algo que começa por desenhar uma viagem interior e sai a sobrevoar o mundo. 

a0429205999_10

A composição deste disco foi-se alicerçando no blues mais primordial, passando pela folk dos anos 60 (Dylan, Cohen e Nick Drake). Com a introdução de outras afinações, a procura de espaços mais vastos e serenos e a aglutinação de um certo modo “bossa nova” de tocar guitarra com um fingerpicking mais percussivo, a música começou a tomar o seu próprio rumo e as canções foram nascendo.

A partir daí entrou em jogo o guitarrista e compositor Miguel Nicolau (Memória de Peixe) que compôs quase todos os arranjos e partilhou a produção artística até ao fim do processo: o trabalho entre os dois músicos traduziu-se numa empenhada fusão de muitas das suas referências musicais. Alguns exemplos: os arranjos de sopros foram muito inspirados pelo saxofone de Donny McCaslin, o músico que participou no último disco de Bowie, Blackstar. As guitarras, por seu turno, tanto evocam o som e o modo da música dos Velvet Underground e de Sonic Youth como de Jim O’Rourke ou dos Deerhoof. O trabalho de composição dos ambientes do disco, dos mais abstractos aos mais paisagísticos, encontrou inspiração em músicos como Brian Eno, Robert Wyatt ou António Carlos Jobim. Finalmente, o baterista e compositor Marco Franco, com o seu melódico ritmo, trouxe a pulsação cardíaca certa para o disco respirar em plenitude.

 

O disco vai ser apresentado no dia 9 de Fevereiro de 2017 em concerto no Lux a partir das 22:30h.

Rui Massena Ensemble ao vivo...

No próximo dia 11 de Fevereiro o Cineteatro Caracas recebe um dos mais conceituados Maestros da atualidade para apresentar o seu mais recente trabalho “Ensemble”. O Pianista e Maestro faz-se acompanhar de um quinteto de cordas num concerto que inicia pelas 21h30.

transferir (1)

Por esta altura já não é descabido usar o termo “fenómeno” para descrever o que se tem passado com Rui Massena e a sua música: Ensemble, o mais recente projeto deste compositor que se tem igualmente afirmado como pianista, chegou ao primeiro lugar do top de vendas nacional, liderou a tabela de vendas da FNAC e motivou salas cheias na Casa da Música e no Centro Cultural de Belém, com o artista a ser premiado no final por entusiásticas ovações. Um feito absolutamente inédito para um registo vindo da área correntemente designada por “Modern Classical”.

Agora Rui Massena apresenta o seu novo disco e espetáculo – Ensemble – a todo o país acompanhado pela sua orquestra de cordas. Os triunfos de palco deste artista de exceção, cuja música parece despertar as mais profundas emoções no seu público, têm sido inequívocos e demonstrado que existe uma ligação muito forte e especial entre esta música e a sua audiência.

Neste Ensemble, Massena mantém a “tranquilidade” que já caraterizava o seu primeiro disco de originais, mas agora dá-lhe toda uma envolvência orquestral, que traz também uma nova luz às composições do pianista e maestro. “Abraço, Estrada, Alento, Liberdade, Dúvida, Borboleta, Amanhecer, Meditação e o Renascer são algumas das emoções traduzidas em sons”, descreve o músico. As novas composições assinadas por Rui Massena são muito inspiradas pelo espírito que se vive em Sintra, local onde estas foram compostas e maioritariamente gravadas.

 

Cineteatro Caracas (Oliveira de Azemeis)

11 de fevereiro 2017 | 21.30h

Aline Frazão regressa à estrada com concertos em Angola, Portugal, Áustria, Espanha e Alemanha

Depois de encerrar 2016 com 4 concertos em salas emblemáticas do Porto, Lisboa, Coimbra e Ponta Delgada, onde estreou um novo espectáculo, Aline Frazão retoma a digressão em 2017, com passagem obrigatória pelos locais fundamentais da sua geografia pessoal e musical: Luanda, a sua terra natal e onde actualmente reside, Galiza, onde gravou o primeiro disco e Lisboa, cidade onde estudou e que adoptou durante anos.

afrazao_0

A viver de novo em Luanda há dois meses, Aline Frazão apresenta-se em casa dias 2 e 3 de Março, para depois aterrar na Europa, a propósito da actuação no B.Leza a 9 de Março, no contexto da programação especial "Mês da Mulher", reflexo da importância que a artista tem vindo a ganhar na defesa da igualdade de género. Seja nas letras que escreve, nas crónicas que edita ou na forma de estar, a voz interventiva de Aline Frazão para uma mudança de paradigma relativa ao papel da mulher na sociedade é uma constante.

 

A digressão prossegue pela Galiza e por territórios recentemente rendidos ao talento da artista angolana, como a Áustria e a Alemanha, terminando em Portugal.

Gravado ao vivo no concerto do Teatro Tivoli BBVA, o vídeo de Aline Frazão para o tema “Sol de Novembro” lançado recentemente, dá o mote a esta nova fase da digressão de “Insular".

50 Anos de Scorpions no MEO MARÉS VIVAS

Os Scorpions são a mais recente confirmação do MEO MARÉS VIVAS. No dia 15 de Julho a banda alemã regressa a Vila Nova de Gaia 8 anos depois da sua última passagem no festival. Tendo assinalado 5 décadas de carreira no ano passado, prometem oferecer ao público do MEO MARÉS VIVAS um concerto cheio de energia, onde os clássicos serão revisitados. O seu último álbum “Return to Forever”, o 18º da banda foi editado em fevereiro de 2015.

Meo-Mares-Vivas

Os Scorpions, 3 jovens de Hannover, Klaus Meine, Rudolf Schenker e Matthias Jabs, tornaram-se ao longo da sua carreira uma das mais bem-sucedidas bandas de rock. Nestes 50 anos foram considerados a melhor banda da Alemanha, ou melhor da Europa Continental. Um sem número de bandas, incluindo os The Smashing Pumpkins, os Green Day, Korn, System Of a Down, realizaram covers dos Scorpions ao longo das últimas décadas. Só a “Rock You Like a Hurricane” conta com mais de 150 interpretações diferentes.

A banda contabiliza ainda mais de 100 milhões de discos vendidos até à data, fazendo com que sejam a banda rock de maior sucesso de toda a Europa. No dia 15 de julho sobem ao palco do MEO MARÉS VIVAS para uma noite memorável e única.

ZigurArtists e Honeysound apresentam...

Ratere… depois da boa surpresa que foi "Super Power Satellite", pequeno grande EP que apontava à exploração e fusão do post-rock com o krautrock, as melodias orelhudas e doces do pop, os riffs rápidos do indie-rock e a abrasão do shoegaze, o super-colectivo de Barcelos confirmou todo o seu potencial com "POTA". Lançado em 2016 numa edição em CD e vinil, o longa-duração dos Ratere deixa a descoberto a agilidade com que a banda explora e mergulha em diferentes estilos para construir uma paisagem sónica única. Estreiam-se finalmente em Lisboa para uma noite que se espera memorável.

d96cda38-9e81-48eb-9409-377e1f57e18d

Daily Misconceptions… continua a apresentação de "Our Little Sequence of Dreams". Neste disco, as coloridas vinhetas deliciosamente oníricas de João Santos revelam o uma atenção minuciosa às texturas e às melodias que nos deixam embevecidos desde o primeiro segundo. A sua companheira, a artista visual Sara Esteves, enaltece a relação simbiótica entre música e imagens tão própria de Daily Misconceptions, usando as falsas ideias quotidianas, de texturas orgânicas e coloração indefinida, como a matéria prima para a criação de um mapa sincero, mas imprevisível.

 

Rui Maia… figura multifacetada na música em Portugal, Rui Maia é um especialista na arte de fazer dançar. Se isso já era claro nos seus X-Wife e, mais recentemente, com os Mirror People, torna-se ainda mais evidente nos dj-sets incendiários e eclécticos. Espera-se muito calor no fecho desta noite.

 

Damas (Lisboa)

11 de fevereiro 2017 | 23.00h

Invicta.Música.Filmes… na Casa da Música

Os dias de cinema regressam à Casa da Música com filmes e bandas sonoras que fizeram história. O clássico Luzes da Cidade, de Chaplin, marcou gerações e continua a emocionar e fazer rir, mais de 85 anos depois. Foi o primeiro filme com música original de Chaplin, e é essa música que a Orquestra Sinfónica vai tocar ao vivo na Sala Suggia, acompanhando a projecção.

758ef4e0-882d-4d8a-bc0e-cb0c1e208fc5

Outra imperdível sessão de cinema vai ser a de Nosferatu, de Murnau, um expoente do expressionismo alemão dos anos 20. Aqui, será o Remix Ensemble a acompanhar ao vivo o filme, com uma nova partitura criada por Michael Obst.

As bandas sonoras de fitas que se tornaram êxitos de bilheteira são a base de outros dois concertos concebidos para esta narrativa: o da Banda Sinfónica Portuguesa, com uma selecção que inclui Star Wars e E.T. – O Extraterrestre, e o do Cinematic Horn Ensemble, que inclui Harry Potter, Braveheart e Piratas das Caraíbas.

O Serviço Educativo completa as sessões com uma Floresta Animada, um cine-concerto que junta a projecção de curtas-metragens de animação à criação ao vivo de bandas sonoras.

 

11 fevereiro 2017 | 16.00h / Sala 2

Floresta Animada

Serviço Educativo - Concertos para Todos - Cine-Concerto

direcção musical e interpretação: Space Ensemble

 

11 fevereiro 2017 | 18.00h / Sala Suggia

Luzes da Cidade

Sinfónica Fora de Série

Cine-Concerto - Ano Britânico

Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música

direcção musical: Jayce Ogren - Filme de Charles Chaplin / Música de Charles Chaplin (arr. Timothy Brock) - European Film Philharmonic Institut

 

14 fevereiro 2017 | 19.30h / Sala Suggia

Nosferatu

Cine-Concerto

Remix Ensemble Casa Da Música

direcção musical: Brad Lubman  - Filme de Friedrich Wilhelm Murnau / Música de Michael Obst

 

19 fevereiro 2017 | 12.00h / Sala Suggia

Obras de John Williams e Johan de Meij

Banda Sinfónica Portuguesa

direcção musical: Francisco Ferreira

 

21 fevereiro 2017 | 19.30h / Sala 2

Obras de James Horner, Gregson-Williams/Powell, John Williams, Zimmer/Baldet e David Arnold

Cinematic Horn Ensemble

Fim de Tarde - Música de Câmara / Prémio Novos Talentos Ageas

As aventuras do UM AO MOLHE...

Por muitos lugares de Portugal. Fevereiro a Abril, tem a rota traçada de UM AO MOLHE. Em 2017, o cubo regressa e volta a representar os artistas a solo e a fazer-lhes companhia durante 3 meses. A festa de abertura foi em Vila Real no passado dia 3 de fevereiro. O Cubo tem vindo a desafiar as estradas nacionais e internacionais, dando boleia a alguns dos mais promissores artistas portugueses em formato One-Man/Woman-Band. Com duas edições de sucesso, o festival deu a conhecer já vários artistas, percorrendo várias cidades e sempre com o apoio inestimável de diversos parceiros de viagem.

sem nome (1)

De 9 a 11 de Fevereiro passa por terras de Dão-Lafões. Durante os 3 dias convida o publico a "itinerar" por São Pedro do Sul, Tondela e Viseu e a usufruir dos concertos de O Manipulador, Nils Meisel, BWColors, JacketX, Rapaz Improvisado e Luca Argel, no Espaço Grémio, ACERT e Faces (respetivamente).

 

A entrada será livre em todas as noites e todas as noites haverá 3 concertos. Este ano, apresenta também uma tour europeia por Espanha e França. Alguns dos projectos vão, à boleia do festival, pisar palcos em Zaragoza, Barcelona, Santiago de Compostela, Madrid, Montpellier, Toulouse, entre outras cidades.

Lançamento de "Bicho" de Marcelo Perdido + Filipe Sambado no Damas

Marcelo Perdido apresenta esta quinta feira, 9 de fevereiro no Damas em Lisboa “Bicho” o seu último disco editado no passado mês de dezembro.

a1105730892_10

Sobre este disco, Benjamim deixou algumas palavras...

"Lembrei-me do Roberto Carlos mal o órgão arranca com os primeiros acordes de “Bicho”, tema inaugural e que dá nome ao novo álbum do Marcelo Perdido. Eu nem sei se o Perdido (que eu infelizmente mal conheço, a bem da verdade) gosta do Roberto Carlos mas “Eu te darei o céu” é das minhas músicas preferidas de sempre. Mais importante que teorizar sobre a marca que o órgão de Lafayette Coelho Varges Limp deixou na música pop brasileira, a lição é que neste disco cabe o mundo inteiro. O mundo que é de todos nós mas sobre o qual Marcelo fala com propriedade. A sua maior qualidade é deixar os bichos, as árvores, os lenhadores, a bondade e a leveza (essa sim, tão brasileira) entrar nas canções.

Marcelo Perdido está encontrado, não há razões para preocupação – ele é emigrante, imigrante, refugiado e um cidadão de todos os lugares. E é bom tê-lo aqui ao pé de nós, mesmo que para ele isso signifique estar a um oceano de distância do mundo que ele viu primeiro. É bom porque ele nos relembra todas as lições simples e fundamentais daquilo que é a humanidade - “Sejamos do empate – Desarmemos o ataque”. A mensagem da música do Marcelo é o mais fundamental das suas canções. Vivemos num mundo cada vez mais assustador e estamos a precisar de amor urgentemente, Marcelo. Temos de aprender a não mostrar os dentes.

Ao lado de Filipe Sambado, Marcelo Perdido assina um disco que é humanista sem ter medo de ser político, é de amor e da dor de ver o seu país cair nas garras de um golpe de estado à distância. É preciso coragem para ser tão claro. É uma obra da actualidade, sem nunca deixar de ser íntimo.

'Acordámos em Lisboa / 8 anos e um cachorro / subimos a pé o morro / sem vontade de parar'. E obrigado por isso, Marcelo. É um belo disco.... Benjamim

Damas (Lisboa)

9 de fevereiro 2017 | 22.30h

Urso Bardo em concerto na World Academy

Os Urso Bardo são uma banda lisboeta de rock instrumental. O projecto foi criado em 2013 pelos guitarristas Filipe Palha e Tiago Pedroso e pelo baterista Ricardo Antunes, a partir de um gosto comum por exploração sonora e improvisação. Posteriormente o baixista Ricardo Canelas integra a formação e gravam em 2016 o seu primeiro álbum de originais.

a3840950827_10

Definem-se como músicos “assombrados por uma nuvem de impaciência que só se dissipa a tocar canções.”Durante cerca de uma hora, a banda lisboeta convida-nos a ingressar numa viagem sem mapa e até onde a imaginação nos levar.

A aventura começa às 22h30 e promete transcender todas as fronteiras. Durante cerca de uma hora, a banda lisboeta convida-nos a ingressar numa viagem sem mapa e até onde a imaginação nos levar.

A Entrada é livre

O regresso em 2017 dos Mundo Cão com “Paixão Malsã”

Os Mundo Cão estão oficialmente de regresso em 2017, aos palcos e aos discos, agora com este primeiro tema de avanço “Paixão Malsã”. Uma primeira amostra do próximo álbum que será editado no decorrer deste ano e cujo mote será a vadiagem e a libertinagem.

14724471_10154676079689809_6834293877371540592_n

Em “Paixão Malsã”, enfatiza-se o regresso à utilização da electrónica (muito utilizada no primeiro disco da banda) como meio de composição, um regresso a uma origem que lhes é muito grata: a electrónica, os sintetizadores, as caixas de ritmo, as programações.

Sobre o regresso da banda, Paulo Lázaro da SBSR.fm deixou o seguinte desabafo

"Foi preciso esperar quase quatro anos e apanhar um susto de despedida para ter de volta uma das bandas de maior negrume poético do panorama indie rock nacional.  Após um interregno logo seguido à edição do disco “O Jogo do Mundo”, o ainda último disco editado já em 2013, eis finalmente o regresso da banda ao activo.

Os Mundo Cão, banda formada em Braga por Miguel Pedro e pelo também (re)conhecido actor Pedro Laginha, está de volta às lides musicais. 2017 marca o regresso aos discos (e aos concertos), desde já com este primeiro tema de avanço: Paixão Malsã - tema composto por Miguel Pedro, com letra mais uma vez, de um dos amigos de sempre da banda - Adolfo Luxúria Canibal. Se no poema não se foge muito ao negrume habitual, com os temas das paixões mal curadas, ou paixões entretanto curadas, da poesia libertina, do mal d'amor, dos desenganos do amor e da paixão a marcar presença, já no som se notam outros caminhos, porventura mais electrónicos a fazer lembrar uns Nine Inch Nails, onde a voz de Laginha arrisca voos mais altos, quase góticos.

Com a promessa da edição de um novo álbum prevista para breve neste ano, vamos por enquanto escutando esta paixão desbragada, daninha, maléfica e doentia que não será muito parecida com o resto do disco que aí vem, segundo revelam os músicos, deixando antever que voltamos a ter um conjunto de novas canções melódicas mais indie rock, com laivos de electrónica experimental a condizer com o novo teclista Frederico Cristiano e mais uma vez as presenças do baixista Canoche, o regressado guitarrista Vasco Vaz e outra vez também com a cumplicidade do escritor Valter Hugo Mãe. É bom tê-los de volta. Aguardamos."

Os lendários Toy Dolls em Portugal….

Quando se fala em PUNK alguns são os nomes que nos chegam à memória como referências.

Os Toy Dolls são mais que uma referência, são uma instituição. Fundados em 1979, em Sunderland, no Reino Unido contam com largas dezenas de lançamentos, entre álbuns de originais e registos ao vivo. Em 36 anos de existência os Toy Dolls criaram uma das maiores, mais sólidas e mais fiéis base de fans em todo o mundo.

the-toy-dolls

Concertos enérgicos, cheios de festa e boa disposição são imagem de marca de Olga, Tommy Goober e The Amzing Mister Duncan.

Nos dias 22 de Abril no Ginásio Clube de Corroios e 23 de Abril na sala 2 do Hard Club no Porto não se espera nada mais que dois grandes espectáculos que ninguém vai querer perder.

 

Ginásio Clube de Corroios

22 de Abril 2017

 

Hard Club (Porto)

23 de Abril 2017

 

Rodrigo Amado regressa ao CCB num concerto integrado numa extensa tournée europeia

Nomeado pela prestigiada El Intruso International Critics Poll (50 críticos de 18 países), pelo terceiro ano consecutivo, como um dos cinco melhores saxofonistas tenor em actividade, ao lado de Evan Parker, Joe Lovano, Jon Irabagon, Ken Vandermark, Mark Turner, Ivo Perelman, David Murray e Ingrid Laubrock, Rodrigo Amado regressa ao CCB com um dos seus projectos mais emblemáticos - o quarteto que mantém com Joe McPhee, Kent Kessler e Chris Corsano.

CCB, Lisboa

photo: Nuno Martins

 

Quatro anos depois de um concerto memorável que os reuniu nesta mesma sala em Dezembro de 2012, Amado, McPhee, Kessler e Corsano realizam uma extensa tounée Europeia, com passagem por Oslo, Bruxelas, Londres, Amesterdão, Liubliana, Leer, Copenhaga, Guarda e Lisboa, e regressam ao CCB para apresentar "This Is Our Language", a estreia discográfica do quarteto. Objecto de inúmeras resenções críticas, um pouco por todo o mundo, o disco surgiu nas listas de melhores do ano de publicações como Burning Ambulance, The Quietus, NPR Jazz Poll, Perfect Sounds, entre muitos outros, tendo sido eleito melhor disco do ano 2015 no site The Free Jazz Collective.

Rodrigo Amado é, cada vez mais, reconhecido como uma das mais importantes figuras do novo jazz Europeu. O seu mais recente álbum, "Desire & Freedom", foi disco do ano 2016 em publicações de referência como o jornal espanhol El País ou a revista britânica The Wire, entre muitas outras. Foi aliás nesta última que foi publicado um extenso artigo de seis páginas intitulado "Lisbon's New Jazz Vanguard" onde Amado aparece destacado como catalisador de uma nova cena lisboeta ligada ao jazz de vanguarda e à livre improvisação. Recentemente regressado de uma digressão na Rússia com aquela que é a sua principal working band, o Motion Trio, Amado prepara-se agora para o desafio de liderar três dos mais importantes improvisadores mundiais numa digressão que passa por salas tão prestigiadas como a Bim Huis em Amesterdão, o Cafe Oto em Londres ou a Jazzhouse em Copenhaga.

 

 

Centro Cultural de Belém (Lisboa)

4 de março 2017 | 21.00h

O Chocolate em Lisboa 2017...

O melhor evento de chocolate realizado em Portugal está de volta a Lisboa, onde desde 2014 se reúnem os melhores projectos artesanais de chocolate, marcas nacionais e internacionais de prestígio e alguns dos mais renomados Chefes e Mestres Chocolateiros. Chocolates de países e proveniências tão diferentes como Portugal, Bélgica, Suíça, Espanha, França, Itália, Inglaterra, São Tomé e Príncipe, Gana, Perú, México, EUA, Vietname e Venezuela, num total de mais de 80 expositores.

O-Chocolate-em-Lisboa-2017-cartaz

Como não podia deixar de ser, no já famoso Chococooking, o certame contará com a presença de reconhecidos mestres chocolateiros e chefs executivos de cozinha, destacando-se os que ostentam estrelas Michelin. Ao todo, serão 28 sessões, sete por cada um dos quatro dias, em que serão apresentados pratos tanto de pastelaria como de cozinha e onde o chocolate é o ingrediente principal. As criações ficarão a cargo de nomes como Eduardo Santini, Fabyan Nguyen, Frederick, Joaquim Sousa, Luca Arguelles e SIOPA, entre outros.

 

No dia 11, Sábado, há seis workshops para todos os gostos e idades, desde os mais inocentes e saudáveis aos mais “picantes” e sedutores. Para quem quiser introduzir o chocolate num estilo de vida saudável, poderá ficar a conhecer os seus benefícios nutricionais, tanto na alimentação como no cuidado do corpo, em dois workshops: “Há Fibra e Chocolate” e “O Chocolate dá Saúde”. Já para aqueles para quem o chocolate é um gosto familiar, o “Chocolate para Pais e Filhos” é o workshop ideal. E porque nem os geeks ficaram esquecidos, o “Bean to Bar” vem demonstrar uma tecnologia inovadora que transforma simples sementes de cacau em tabletes de chocolate. Com a proximidade do dia mais romântico do ano, O Chocolate em Lisboa preparou 2 workshops que prometem fazer furor entre os mais apaixonados. Para um jantar mais doce, o crítico gastronómico Fernando Melo conduzirá o workshop “Harmonização de Vinhos e Bombons”. Por fim, o workshop, direccionado ao público feminino, “Neste dia de São Valentim, ofereça um presente… que se despe!” vai apresentar sugestões picantes e danças sensuais para a noite dos Namorados, promovido pelo Movimento Sensual Burlesco e pela Miss Tea Burlesque.

 

Tal como na edição de 2016, O Chocolate em Lisboa volta a dinamizar um concurso, desta vez voltado para a promoção do que melhor se faz com chocolate em Portugal. O “Criações com chocolate AlemTejo” atribui três prémios. Os concorrentes apresentam as suas criações a 9 de Fevereiro no Campo Pequeno. Os três premiados verão as suas deliciosas obras exibidas no expositor do promotor do concurso – MELGÃO Chocolates – entre os dias 9 e 12 de Fevereiro, dias em que decorre O Chocolate em Lisboa.

 

Campo Pequeno (Lisboa)

9 a 12 de fevereiro 2017

“50 Toneladas”... Criação de Carlota Lagido no TAGV

O preto tem 50 tons reconhecíveis, comporta uma série de apropriações simbólicas que se foram transformando e tomando diferentes significados ao longo dos tempos. É uma cor de adjetivações antagónicas. Se por um lado o preto é a cor do Anarquismo, é simultaneamente a cor do Fascismo. Até ao século XIX foi a cor das noivas, dado que o preto era o mais adequado para o aspeto negocial que envolvia qualquer casamento.

16177818_1399596346737607_5171337096384625109_o

photo: Antoine Pimentel

 

Nos anos 50, aqueles que queriam fugir à normatização das massas, vestiam-se de preto, a cor do protesto. Preto é a cor associada ao mal, ao Diabo, mas no entanto, é a cor clerical. Na Espanha da Inquisição, as pessoas vestiam-se de preto de forma a que fosse possível sobressair a expressão, sendo assim possível controlar qualquer movimento facial denunciante. É a cor que é utilizada para nomear a dita “matéria negra”, a da Astrofísica: uma matéria invisível (e teórica) de fundamental existência para que a relatividade de Einstein faça sentido relativamente ao que se observa na Astronomia.

O preto é também a cor da morte e do fim. Na natureza, todos os elementos, nos seus processos de decomposição, se transformam numa matéria negra. É a cor do vácuo. É também a cor do princípio de tudo.

 

TAGV (Coimbra)

8 de fevereiro 2017 | 21.30h

Milhões de Festa’17… The Gaslamp Killer, Sarathy Korwar e Sex Swing confirmados

O Milhões de Festa caminha para uma maioridade artística, e esta décima edição é o resultado de uma soma de nove experiências que nos trazem aqui: a anunciar o 10º Milhões de Festa, de 20 a 23 de Julho; chegar a um ponto de convergência entre o que pode ser a música de amanhã e apresentar as propostas fruto de um trabalho contínuo ao longo de doze meses.

GaslampKiller

O regresso a Barcelos dá-se, por isso, com The Gaslamp Killer, editado pela Brainfeeder de Flying Lotus, que cruza electrónica com arranjos orientais e é doto em cumprir a profecia do Milhões de Festa: será festão mínimo garantido.

A acompanhar o norte-americano vem o percussionista Sarathy Korwar, que veste a sua herança indiana e se transporta de inglaterra, onde está sediado, numa espécie de tapete voador jazz, desenvolvendo mantras e os cruzamentos linguísticos explorados no passado por aventureiros como Jean Luc Ponty.

sex_swing

Para fechar as primeiras novidades, parte da habitual curadoria da londrina Baba Yaga’s Hut, vêm os britânicos Sex Swing, híbrido noise-rock com explosão electrónicas formado por membros de Mugstar, Part Chimp e Dead Neanderthals.

O Milhões de Festa regressa a Barcelos de 20 a 23 de Julho

“Livre”… o novo single que junta Mastiksoul e Mariza

Depois de um ano 2016 cheio de êxitos com Shaggy, Pitt Bull, Gene Noble e o super mega Hit “Gasosa”, Mastiksoul está de regresso com pompa e circunstancia com uma das maiores vozes do Fado… Mariza em “Livre”.

untitled-2

Uma tema arrojado a combinar sonoridades electrónicas actuais com Fado e uma interpretação de Mariza que eleva este tema a outro patamar. “Livre” terá a sua estreia mundial dia 13 de Fevereiro e não deixará ninguém indiferente.

 

Entretanto Mastiksoul divulgou mais algumas datas por onde vai passar este mês de fevereiro:

11 Fevereiro 2017 - Ice Club

18 Fevereiro 2017 - Cool Club

27 Fevereiro 2017 - Pacha Ofir

28 Fevereiro 2017 - Place Club

“O Terrorista Elegante” ataca no Constantino Nery

A história, mais do que verídica, é inspirada num caso real (e bem sintomático do tempo que vivemos): um angolano bem-vestido chega ao aeroporto de Lisboa e é detido por suspeitas de ligação a uma organização terrorista, sendo longamente interrogado por dois inspetores da Polícia Judiciária e por uma agente da CIA, os quais tentam arrancar-lhe uma confissão – custe o que custar. Escrita em quinze dias por Mia Couto e José Eduardo Agualusa, a peça “O Terrorista Elegante”, do teatro da Comuna, sobe ao palco do Teatro Municipal de Matosinhos-Constantino Nery no próximo sábado, 11 de fevereiro, às 21h30.

055g

Culpado ou inocente, Charles Poitier Bentinho, o presumível terrorista, tem, pelo menos, a suspeita capacidade de falar com os pássaros e de, com a sua tranquilidade, acabar por levar os três interrogadores a refletirem sobre os seus próprios problemas. Não menos importante, “O Terrorista Elegante” assume a condição de parábola sobre a paranoia securitária, questionando-a e interpelando-a pela voz de dois dos mais importantes escritores africanos de língua portuguesa da atualidade.

 

Interpretada por Miguel Sermão, Virgílio Castelo, Rita Cruz e Ana Lúcia Palminha, a peça é encenada por João Mota e assinala o regresso a Matosinhos de uma das principais companhias teatrais portuguesas.

 

Este mês de fevereiro, o Teatro Municipal de Matosinhos-Constantino Nery receberá ainda as peças “Lições de dança para pessoas duma certa idade”, interpretada por João Lagarto, nos dias 17 e 18, e “Variações, de António”, no dia 25.

 

Teatro Constantino Nery (Matosinhos)

11 de fevereiro 2017 | 21.30h

Alerta de Tsunami em Xixon / Gijon…

Gijon nas Astúrias (Espanha) será o palco de um novo festival que vai acontecer a 28 e 29 de Julho de 2017. No total mais de 15 concertos estão programados para os 2 dias do evento, onde bandas internacionais marcarão presença, ao lado de bandas nacionais Espanholas e das Astúrias. Um verdadeiro alerta de Tsunami em Xixon…

32589882022_b2c683b4f1_z

The Offspring, Pennywise, Kadavar, Berri Txarrak e Toundra são os cabeças de cartaz agora divulgados juntamente com outros nomes tais como Desakato, Sexy Zebras, Jardín de la Croix e Acid Mess.

A ideia deste novo festival partiu do projetos dos promotores de Gijon Ramón Noguera e Iván Méndez com desde o inicio tiveram o apoio do Gobierno del Principado de Asturias e também do Ayuntamiento de Gijón. Os concertos vão decorrer em 2 grandes espaços da cidade, Laboral Ciudad de la Cultura e na Plaza Mayor.

Os primeiros passes serão comercializados ao preços promocional de 29€.

Portugal Fashion regressa às quatro capitais da moda

No arranque da nova temporada, o roteiro internacional de desfiles do Portugal Fashion ganhou um novo reforço. O projeto de moda luso marcou a sua estreia no calendário da Semana de Moda Masculina de Milão, com o criador Miguel Vieira.

miguelvieira_136_foto_horizontal_163555746587ca0006f918

O desfile realizou-se no hub criativo Base Milano, a dia 15 de janeiro. Esta foi também a primeira vez que o designer participou na Milano Moda Uomo, com a apresentação de um desfile exclusivo para o segmento masculino. Seguindo a tendência mundial das principais semanas de moda do mundo, que apostam na autonomização do calendário de apresentações masculinas, o roteiro do Portugal Fashion prosseguiu até à capital francesa. Na Paris Fashion Week Menswear, o projeto de moda nacional apresentou, pela segunda vez consecutiva, as propostas do jovem designer Hugo Costa, a 22 de janeiro. Após a consolidação neste segmento, o périplo internacional conhece mais cinco paragens, que incluem Roma, Nova Iorque, Londres, e ainda novas visitas à capital transalpina e à cidade luz.

Para o diretor de comunicação do Portugal Fashion, Rafael Alves Rocha, "o roteiro internacional para o primeiro semestre de 2017 é representativo da maturidade que o Portugal Fashion alcançou. Cumpridos 21 anos de existência, o projeto de moda nacional cresceu, amadureceu, e encontra-se agora numa fase de inegável consolidação externa”. Uma afirmação internacional que se pontificou a diferentes níveis, "através da promoção da imagem de designers e marcas portuguesas nas principais capitais de moda do mundo e, nesse âmbito, destaco o regresso do Portugal Fashion à New York Fashion Week, que se concretizou em setembro de 2016, após 15 anos de interregno. E, mais recentemente, com entrada regular nos calendários das semanas de moda masculinas, justificado pelos excelentes resultados que os criadores e marcas que o projeto apoia têm granjeado no segmento menswear”. Na realidade, de acordo com o mesmo responsável, "esta aposta evidencia uma estratégia de internacionalização focada em acompanhar as grandes tendências mundiais do setor, abrindo desta forma novos horizontes e oportunidades para a moda portuguesa”, conclui.

 

Uma mão cheia de fashion stops depois das semanas masculinas. Precisamente sete dias após o arranque da nova temporada internacional, o Portugal Fashion deslocou-se à capital mundial da moda, para a segunda participação consecutiva no calendário da Paris Fashion Week Menswear, depois da estreia neste certame em junho de 2016. As criações de Hugo Costa para o próximo outono-inverno foram reveladas na passerelle do Gymnase Trévise, a 22 de janeiro.

 

Concluídas as incursões pelas semanas de moda masculinas, o Portugal Fashion cumpre o roteiro internacional do primeiro semestre de 2017 com mais uma mão cheia de fashion stops. A 27 de janeiro, regressou a Itália para uma nova participação na Altaroma, apoiando os desfiles da marca Pé de Chumbo, e dos designers Susana Bettencourt e Estelita Mendonça. Partindo para nova viagem, desta feita transatlântica, o projeto de moda nacional desloca-se, pela segunda vez consecutiva, até à New York Fashion Week, com os criadores Katty Xiomara e Miguel Vieira, nos próximos dias 13 e 14 de fevereiro, respetivamente. De regresso à Europa, será a vez de apresentar a coleção outono/inverno 2017-18 de Alexandra Moura, no enquadramento da London Fashion Week, a 20 de fevereiro.

 

Depois de Londres, promove-se a terceira ação deste roteiro em solo italiano, com a apresentação das coleções para a próxima estação fria de Carlos Gil e Pedro Pedro na Milano Moda Donna, a 26 de fevereiro. O itinerário internacional do primeiro semestre de 2017 encerra com nova visita à cidade luz, no âmbito da Paris Fashion Week (28 de fevereiro a 8 de março), certame onde serão reveladas as propostas outono/inverno 17-18 do criador Luís Buchinho.

 

O Portugal Fashion 2015-2017 - um projeto da responsabilidade da ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários, desenvolvido em parceria com a ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal – é financiado pelo Portugal 2020, no âmbito do Compete 2020 - Programa Operacional da Competitividade e Internacionalização, com fundos provenientes da União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

RHYE são a nova confirmação do NOS Alive ‘17

O duo formado pelo vocalista canadiano Mike Milosh e pelo produtor dinamarquês Robin Hannibal é a mais recente confirmação do NOS Alive. A dupla sobe ao Palco Heineken dia 6 de julho, juntando-se no cartaz aos já anunciados The Weeknd, The xx, Phoenix, alt-J, Ryan Adams e Blossoms.

Rhye_Woman

O projeto de Mike Milosh, que se apresentou ao público e à imprensa de uma forma misteriosa, tendo começado a libertar temas online, sem revelar muitos detalhes, conquistou em pouco tempo o coração dos jornalistas de todo o mundo. Em 2013, poucos meses depois de se ter lançado nesta odisseia, a dupla lança o primeiro album, “Woman", que sem surpresas conseguiu críticas inimagináveis em meios da especialidade como a Pitchfork, com uma generosa pontuação de 8.5 em 10, tendo sido considerado um dos álbuns do ano.

As sensuais e poderosas composições de Rhye vão garantidamente contribuir para mais um sucesso do Palco Heineken, que desde a sua génese conta com um dos mais brilhantes alinhamentos dos festivais de música mundiais.

As Manhãs da Leonor - Pequenos-almoços e snacks saudáveis, rápidos e caseiros

É hora de almoço mas vamos falar de pequenos-almoços ou, como se diz por ai, “a refeição mais importante do dia”. É daquelas pessoas que come sempre a mesma coisa de manhã, encostado à bancada da cozinha enquanto espreita o relógio? Ou dos que saem sem comer diretos para a pastelaria mais próxima? A sério? Com tantas soluções rápidas, saudáveis e caseiras que podem mudar por completo a forma como começa o dia?

image008

A actriz Leonor Seixas e a health coach Sara Marques dos Santos juntaram-se para lhe mostrar como fazer das suas manhãs, manhãs saudáveis e cheias de energia, apresentando-lhe mais de 70 receitas de pequenos-almoços, brunches e snacks vegetarianos, sem açúcar, sem glúten e com super-alimentos, que lhe vão dar brilho, energia e boa disposição. Conheça a rotina matinal da Leonor e o que come para estar sempre com aquela energia contagiante e siga as receitas e os conselhos de bem-estar da Sara para viver uma vida mais saudável e em equilíbrio.  

 

Num dia em que a Leonor se levanta às 6 horas da manhã para gravar, é importante que tenha um pequeno-almoço completo, que a ajude a manter a sua jovialidade e energia, mas que seja simples de preparar. Por isso, o ideal são umas overnight-oats, simples e nutritivas, que ficaram preparadas na noite anterior. Já num dia em que se possa levantar mais tarde, há tempo para um brunch descontraído: ovos estrelados em água sobre uma tosta barrada com manteiga de frutos secos e abacate podem ser um verdadeiro banquete!

 

Mas para o resto da semana existem muitas opções: ao começar o dia, nada melhor do que uma água morna de limão e especiarias, para lhe dar um boost de energia. Para pequenos-almoços rápidos opte por uma granola de coco deliciosa, que pode preparara em 5 minutos, acompanhada por um iogurte caseiro muito simples de fazer ou por umas panquecas de mirtilos. Quando sair de casa, leve consigo umas barras geladas de cenoura e coco ou uma mistura de avelãs e sementes, um snack delicioso que mata a fome a qualquer momento.

 

Edição: A Esfera dos Livros

Data de lançamento: 10 de Fevereiro

Apresentação: 13 de Fevereiro na FNAC Chiado

5ª edição do Mercado do Chocolate em Cascais...

A DNA CASCAIS em parceria com a Câmara Municipal de Cascais, organizam a 5ª edição do Mercado do Chocolate, de 3 a 5 de Março, no Mercado da Vila em Cascais.

15823097_848303248645074_2026757152852291791_n

Com uma área exclusiva de 500m2 destinada ao Chocolate Artesanal, mais de 30 expositores farão as delicias dos apreciadores do Chocolate 70% cacau, brownies variados, bombons, brigadeiros, trufas, fondant’s e, bombons biológicos.

O evento que é uma referência a nivel nacional do Chocolate Artesanal, contará com a presença de chef's conceituados, na apresentação ao vivo de sobremesas, truques e dica