Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Beak>, Ho99o9, Moon Duo, Sunflower Bean e Manel Cruz no Vodafone Paredes de Coura

O krautrock misterioso de Beak>, ou numa sonoridade mais psicadélica com os Moon Duo, o hip-hop abrasivo dos Ho99o9, o inde pop de Sunflower Bean e as estórias de Manel Cruz são as mais recentes confirmações para o Vodafone Paredes de Coura 2017 que decorre de 16 a 19 de Agosto.

5bandas

Chegaram no outono de 2009 com uma mistura misteriosa de krautrock e portentoso post-punk. Para combater os largos períodos de pausa dos Portishead, Geoff Barrow juntou-se a Billy Fuller e Matt Williams - que, entretanto, saiu da banda dando entrada a Will Young - numa aventura chamada Beak>. Depois de álbuns e EPs hipnóticos, desenhados com krautrock, electrónica experimental, hip hop, avant-garde, dub, ou até mesmo música industrial, a banda regressou em 2015 com um alter-ego que lhes permitiu explorar a paixão pelo folk. Em 2016, foram responsáveis pela banda sonora do drama psicológico de Tom Geens, “Couple in a Hole”, álbum que trazem agora ao anfiteatro natural da Praia fluvial do Taboão.

 

Do kautrock inglês para o hip-hop americano com o estilo abrasivo e de confronto dos californianos Ho99o9. O grupo de Los Angeles teve início em 2012, em Nova Jersey, pela mão dos líderes TheOGM e Eaddy. Com os anos seguintes vieram alguns singles e EPs que deram notoriedade à banda. No entanto, foi com o lançamento de “Dead Bodies in the Lake” e com a extensa digressão que se seguiu que começaram a transformar-se em banda de culto, com a crítica a dar as boas-vindas ao estilo do grupo, elogiado também pelas actuações ao vivo.

 

Também da Califórnia, mas de São Francisco, Moon Duo, o par composto por Erik Johnson (Wooden Shjips) e Sanae Yamada, formado em 2009. Entre os trabalhos da banda destacam-se “Escape”, o melódico EP de 2010 que abriu portas a uma extensa digressão e “Shadow of the Sun”, de 2015, considerado o mais denso e psicadélico do grupo. “Occult Architecture” foi dividido em duas partes, representações do yin e do yang, da luz e da escuridão. O primeiro volume, "Occult Architecture Vol. 1" já está disponível e é uma viagem psicadélica ao submundo, com paragem no Vodafone Paredes de Coura.

 

Em 2013, os ainda adolescentes Nick Kivlen, Julia Cumming e Jacob Faber rapidamente chamaram a atenção com a sua sonoridade, que lhes valeu o convite para abrirem para bandas como DIIV ou The Vaccines. “Human Ceremony”, primeiro álbum dos Sunflower Bean veio em 2016 e, por entre pop sonhador e indie rock, o trio de Brooklyn quer criar a sua própria versão do rock n roll, adaptado à era digital. Uma mistura de lo-fi e rock escuro pronta a hipnotizar o público do festival.

 

Por último de Portugal, chega uma das figuras mais emblemáticas da história da música nacional: Manel Cruz. Depois de dar vida aos míticos Ornatos Violeta, e de fazer paragens em Pluto, Super Nada e Foge Foge Bandido, acabou a recarregar energias em Estação de Serviço, projecto com que se apresentou em 2015, com melodias conhecidas do público e frases soltas que deram vontade de memorizar. Não é certo qual será a próxima estação em que Manel Cruz sairá, mas a passagem pelo Vodafone Paredes de Coura fará parte desta inesquecível viagem.

Budda Power Blues & Maria João… "The Blues Experience" ao vivo em Março

"The Blues Experience" é o resultado da parceria inusitada entre, aquela que é considerada a melhor banda de Blues nacional, Budda Power Blues e a diva do Jazz, Maria João. Falamos de um disco de Blues, mas desengane-se quem possa pensar que se trata de um exercício de estilo. Trata-se de Blues do século XXI, amplamente influenciado por todas as sonoridades que fazem parte do quotidiano de Maria João, Budda Guedes, Nico Guedes os intervenientes deste disco.

c9b52500-1eb5-4572-b2e6-4e2b3687d438

Composto por 10 canções que versam sobre assuntos muito pessoais e frequentemente autobiográficos, "The Blues Experience" é um disco que percorre várias linguagens do blues, resultado do desafio lançado por Budda Guedes a Maria João. Este álbum é editado com o selo da Mobydick Records.

 

Apesar de amplamente influenciado pelas raízes do Blues, o som de Budda Power Blues não se limita aos clássicos, considerando-se Budda Guedes um cidadão do novo milénio obrigando-se, por conseguinte a procurar novos rumos dentro do género, tal como fizeram todos os Bluesman que o antecederam. Já com várias datas marcadas, o arranque da digressão acontece no dia 2 de Março no CCB em Lisboa.

 

Centro Cultural de Belém / Pequeno Auditório (Lisboa)

2 de março 2017 | 21.00h

 

Os Clã levam “Fã” a Almada dias 11 e 12 de Fevereiro

É já este fim de semana que os Clã levam “Fã” até Almada. Um espectáculo mágico para todas as idades que já conquistou o público do Porto e prepara-se, agora, para encantar o resto do País.

15781816_1894241560809791_6935170699952953212_n

photo: Paulo Homem de Melo

 

Após o sucesso da temporada de estreia no Porto, onde esteve em cena no Teatro Carlos Alberto, o espectáculo “Fã”, com canções originais dos Clã, texto de Regina Guimarães e encenação de Nuno Carinhas - chega agora a Almada nos dias 11 e 12 no Teatro Municipal Joaquim Benite.

15823145_1894241310809816_3169508772796215409_n

photo: Paulo Homem de Melo 


“Fã” é um musical para toda a família, inspirado no romance O fantasma da ópera, de Gaston Leroux, tantas vezes adaptado para teatro e cinema. Em torno de uma cantora prestes a estrear-se em palco giram a figura de um fã-fantasminha, esquecido nas catacumbas do teatro e perdidamente apaixonado pela jovem, e uma estrela de rock decidida a protegê-la. As canções dos Clã, interpretadas ao vivo pela banda, dão cor e ritmo a esta grande produção infanto-juvenil do TNSJ.

 

Teatro Municipal Joaquim Benite / Sala Principal (Almada)
11 e 12 Fevereiro 2017 | Sábado às 21h / Domingo às 16h

“Watching You Go”… a estreia de Ed Curtis

O cantautor chileno Ed Curtis chega até nós com “Watching You Go”, single de estreia mergulhado na melhor nostalgia britpop dos meados da década de 90 e de bandas como Travis, Oasis ou Ash. O tema-título do seu segundo EP é o primeiro que lança através do selo da Music For All, através da qual embarcará numa digressão ibérica já no mês de Julho.

Ed Curtis_promo

Ed Curtis é um cantautor natural de Santiago do Chile que começou a tocar nos anos 90. Depois de passar por várias bandas enquanto guitarrista e compositor, fixou residência em Berlim de forma a preparar o seu primeiro trabalho a solo numa óptica indie rock/pop maioritariamente influenciada pelo movimento da Britpop de meados da década de 90 e por bandas como Oasis ou Travis. Em Setembro de 2014 o músico começou a tocar no circuito ao vivo para cantautores nos principais bares de Berlim e de Outubro a Dezembro Ed começou as gravações do seu

O primeiro EP, “Haunted Feelings”, na Makers Factory de Berlim, trabalho que incluía cinco originais em versões acústicas. O EP foi lançado nas principais lojas online em Fevereiro do ano seguinte.Depois da experiência em Berlim, o músico regressou à América do Sul, onde se dedicou a escrever novas canções e a preparar material para o seu primeiro álbum na companhia do produtor argentino Hernán De Micheli no Sonorico Studio, em Buenos Aires. Da parceria criativa de três meses naceu em Setembro de 2015 um segundo EP, “Watching You Go”.

Actualmente Ed Curtis reside em Buenos Aires, continuando empenhado nos trabalhos do seu primeiro álbum, agora com o apoio da Music For All, com a qual virá também em digressão a Portugal e Espanha no próximo mês de Julho.

Ana Moura e Carlos do Carmo na estreia a solo de Ângelo Freire

À participação já anunciada de Carlos do Carmo junta-se agora a de Ana Moura, que não poderia deixar de acompanhar Ângelo Freire na sua estreia a solo, a 15 de Fevereiro no CCB. O prodígio da guitarra portuguesa colabora com Ana Moura desde 2005 quando, com apenas 15 anos, foi convidado a acompanhar a cantora numa tour internacional, seguindo-se o convite, em 2011, para integrar definitivamente a sua banda.

15590502_10212267683354245_7898477831849893782_n

No seu currículo constam ainda colaborações com Carminho, António Zambujo e Mariza, entre outros, com os quais já actuou nas mais prestigiadas salas do mundo como o Olympia, Carnegie Hall, Barbican Centre, Royal Albert Hall ou o Walt Disney Concert Hall.

No CCB, além dos dois convidados muito especiais, Ângelo Freire contará com a prestação de alguns dos melhores músicos portugueses da actualidade: Diogo Clemente na guitarra clássica, Marino de Freitas na Viola Baixo, Eurico Amorim nos teclados, Ruben Alves no piano e Mário Costa na bateria

 

Centro Cultural de Belém (Lisboa)

15 de Fevereiro 2017 | 21.00h

Dany M. Estreia-se com "Beyond Reason"

"Beyond Reason" é o primeiro trabalho a solo de Dany M., um trabalho com 10 músicas originais, com sonoridades muito variadas, num pop-rock que às vezes faz lembrar Oasis, outras Pink Floyd, mas que tem sempre presentes diversas influências de Blues/Jazz.

sem nome

Em tempos guitarrista de bandas como os 100 complexos e após algum tempo de ausência musical, o regresso aos estúdios foi em 2015 para a gravação deste álbum. Todo o processo de gravação foi extenso, pois o artista não quis deixar nada ao acaso e maximizar o resultado final, por isso as gravações só ficaram concluídas em Outubro de 2016.

 

As pré-vendas de "Beyond Reason" irão começar dia 17 de Março data de lançamento do Lyric video com um tema do álbum , e as vendas no formato digital a começarem dia 7 de Abril uma semana antes do começo das vendas no formato físico. As datas de concertos de lançamento e promoção serão divulgadas brevemente.

”Never Too Old”… a estreia dos Bless The Mess

Os lisboetas Bless the Mess são a prova viva de que o rock nacional está de boa saúde e recomenda-se. Na linha de uns compatriotas The Lazy Faithful ou Eat Bear, o quarteto estreia-se com “Never Too Old”, num agitado diálogo entre pratos, baixo e guitarra eléctrica. O tema assinala o primeiro lançamento da banda através do selo da Music For All e antecede a edição de um EP esperado no segundo trimestre deste ano.

Bless the Mess_promo (2)

Os Bless the Mess são um quarteto de rock lisboeta formado por Tiago Cabral (voz e teclas), Miguel Pimenta (guitarra), Alex Silva (baixo) e Jorge Varandas (bateria), que recolhe influências provenientes de géneros como o classic e hard rock e do metal.

Formados em 2013, nos tempos de escola, passaram por uma mudança de alinhamento no momento de gravação do seu primeiro EP, com a saída de um dos guitarristas, sendo que desde então compuseram de novo as suas fileiras e ganharam calo ao vivo ao tocar em eventos como o Rock ‘n’ Roll Fucking Fest na República da Música ou em espaços como o Tokyo Lisboa. Prosseguindo na rota ascendente e evolutiva que têm traçado, em 2017 assinam com a Music For All, através da qual editarão um novo trabalho esperado no segundo trimestre do ano.

Zarco levam “Zarcotráfico” ao Sabotage…

Zarco partiu para o Atlântico em busca de riquezas para o rei. Entre a sua tripulação, estavam 5 marialvas que se riam de tudo o que acontecia sem nenhum motivo. Quando Zarco deu com o arquipélago, os 5 companheiros foram os escolhidos para apalpar terreno.

a3720546626_10

Depararam-se com um portal spazutempu, viajaram até à Lisboa do século XXI e formaram um conjunto musical com o nome do seu capitão. Este sábado, 11 de Fevereiro, apresentam o EP de estreia "Zarcotráfico", no Sabotage Club.

Primeira parte a cargo dos Conjunto!Evite.

 

Sabotage Club (Lisboa)

11 de Fevereiro 2017 | 22.30h

Fim de semana no Salão Brazil com Gala Drop, The Brooms e Grandfather’s House

O fim de semana do Salão Brazil arranca já esta sexta feira, 10 de fevereiro com o concerto dos Gala Drop. Os Gala Drop são uma incansável e em constante desenvolvimento aventura musical, um caso de paixão pela matéria que trabalham, que se inspiram em sons e vibrações de diferentes lugares e épocas, e tentam pelo poder da imaginação transformada em música transmitir-nos esperança num presente colectivo melhor.

sem nome (2)

O Sábado traz mais 2 nomes da música Portuguesa. Não se trata do típico doube bill em que encontramos bandas próximas em termos de sonoridade e influências. Abrem a noite os Grandfather´s House de Braga, que numa audição superficial, podem parecer apenas mais uma banda de synthpop. São os elementos do blues e do rock que lhes dão uma sonoridade singular. A fechar a noite, os barreirenses The Brooms, com o seu som fortemente influenciado pelo garage punk da década de 1960, com laivos de psicadelismo.

GNR... Os Primeiros 35 Anos

Foi num ambiente informal que os GNR deram a conhecer o lançamento do CD/DVD “Os Primeiros 35 Anos”, o primeiro CD/DVD dos GNR, um dos registos mais aguardados pelos seus seguidores. O disco, editado pela Indiefada, editora independente da própria banda e com distribuição a cargo da Sony Music, retrata um espetáculo marcante para a banda, que, perante um Campo Pequeno absolutamente esgotado, interpretaram 26 canções que já marcaram mais do que uma geração.

A apresentação do disco contou com os 3 elementos do grupo acompanhados por André Tentúgal, o realizador do DVD do concerto do Campo Pequeno.

DSC_0265 (Cópia)

São 35 anos, bodas de coral, que para Rui Reininho, “é como diz a capa deste DVD, são os primeiros 35 anos, uma boa proposta, o telegrama que já não se usa, que geralmente eram portadores de más noticias, mas não é o caso aqui… era a única coisa que deviamos ao nosso estimado público, o DVD…”

Falou-se sobre a internacionalização da música Portuguesa, e dos GNR, e Rui Reininho recordou “…chegamos a tocar em alguns festivais lá fora, estivemos quase lá, e até tivemos algumas edições de discos em Espanha e no Brasil, e que nunca recebemos um real…”

 

Recordando os 35 anos de carreira, Rui Reininho em tom descontraído lembrou “fomos os únicos que não foram lançados pelo Julio Isidro na altura… e lendo a biografia dos GNR, comecei a minha carreira na banda a dizerem mal de mim, portanto é preciso muita persistência”… Ao longo de 35 anos, continua Rui Reininho, “nunca tive vontade de desistir, o pior era mesmo uma certa indiferença. Fizemos em Lisboa e no Porto os Coliseus, numa altura em só actuavam lá os nomes grandes Brasileiros… e nós resolvemos fazer um grande show rock pop auto produzido por nós e inclusive andamos a colar cartazes na rua… não havia muppies… “

 

Sobre a edição só agora de um DVD, foram perentórios, “nunca houve por parte da antiga editora vontade lançar, apesar de terem muito material para o mesmo… a escolha do André Tentúgal…. Porque é o melhor… e por já termos trabalhado juntos… e era o mais barato…”

8f7d3fb0-8712-449b-b613-fec81c505bac

André Tentúgal enalteceu o trabalho dos GNR, ele que foi o autor de 2 videos da banda e realizador do DVD, afirmando que “a maior surpresa que tive quando comecei a trabalhar com os GNR foi que uma banda com 35 anos de carreira ser tão livre de ideias e sempre disponível para experimentar e arriscar coisas novas, o que às vezes é difícil com bandas com poucos meses… é dar espaço, é confiar…” Para Toli, “uma das mais valias é que o André também é musico o que ajuda imenso e nós confiamos nisso…”

 

Ao fim de 35 anos, Rui Reininho confessa que “sinceramente nunca pensei abraçar a experiência de grupo muito tempo, sempre fui muito individualista, filho único, e a experiência cura-nos muita coisa, salva-nos muito e o facto de saber que ali um grupo de apoio é muito importante… e tudo o que poder fazer para retribuir o apoio a estes camaradas…podem contar”

 

Neste concerto do Campo Pequeno passaram, também, convidados de referência para o percurso dos GNR como Isabel Silvestre que interpreta o tema "Pronúncia do Norte", Javier Andreu com "Sangue Oculto" e uma participação especial em "Quero Que Tudo Vá Pró Inferno" assim como Rita Redshoes numa interpretação única de "Homens Temporariamente Sós" e no dueto "Dançar Sós" com Rui Reininho.

 

O DVD traz ainda uma oferta muito especial para todos os fãs da banda, em jeito de celebração, o DVD inclui como extra 12 temas do histórico concerto no Estádio de Alvalade de 1992 que esgotou com uma audiência de mais de 40.000 pessoas. A banda encerra as comemorações dos 35 anos na próxima quinta feira, 9 de Fevereiro com um concerto no Casino do Estoril e o derradeiro espectáculo acontece em casa, no sábado 11 no Coliseu do Porto.

O CD/DVD está disponível a 10 de Fevereiro.

 

Reportagem: Sandra Pinho e Paulo Homem de Melo

Fotografia: Paulo Homem de Melo

 

 

“La La Land: Melodia de Amor”… Banda Sonora lidera tops de vendas em Portugal

O musical “La La Land: Melodia de Amor” é um dos filmes mais mediáticos do momento, somando prémios atrás de prémios. A banda sonora tem sido, naturalmente, uma das mais aclamadas da atualidade, liderando os tops de vendas um pouco por todo o mundo, sendo que Portugal não é exceção.

Captura_de_ecra_2017_01_24_a_s_17_19_29

A banda sonora “La La Land: Melodia de Amor” atingiu, o 1.º lugar do top do iTunes, o n.º 1 do top de vendas de compilações e ainda o 1.º lugar do top de vendas em formato digital. O disco chegou ainda ao n.º 5 do top geral (artistas compilações).

O filme, realizado por Damien Chazelle e protagonizado por Emma Stone e Ryan Gosling, está nomeado em 14 categorias dos Óscares, igualando assim os recordes de “Titanic” e “Eva”, até agora os dois filmes com maior número de nomeações para os prémios da Academia. Os prémios serão entregues a 26 de fevereiro. Entre as categorias em que “La La Land: Melodia de Amor” está nomeado conta-se a de Melhor Canção Original, com “Audition (The Fools Who Dream)”, ou Melhor Banda Sonora, bem como Melhor Filme, Melhor Realizador, Melhor Argumento Original, Melhor Ator e Atriz Principais, para Ryan Gosling e Emma Stone, respetivamente.

 

A banda sonora, da autoria de Justin Hurwitz, também foi distinguida com um Globo de Ouro. Aliás, o filme foi recentemente premiado com 7 Globos de Ouro (entre eles o de Melhor Canção Original para “City of Stars”, interpretada pelo ator Ryan Gosling), tendo conquistado em todas as categorias para que estava nomeado.

“Geração Histórica”… o disco de estreia de Rakel Bronze

Geração Histórica” é o registo de estreia de Rakel Bronze, que chega agora às principais plataformas digitais com o selo da Music For All. Num verdadeiro caldeirão de influências onde se encontram elementos de pop, electrónica, kizomba, hip hop, europop e de música latina, Rakel Bronze assume-se enquanto voz eclética e inventiva no actual panorama português. Para descobrir, sem reservas.

Rakel Bronze_Geração Histórica

Rakel Bronze nasceu em Almada, decorria o ano de 1977. Sentiu cedo o chamamento da dança, estando ligada à área desde os cinco anos de idade. Quando atingiu a maioridade optou pela formação em Letras em detrimento do Conservatório, lançando assim as bases para aquilo que, anos mais tarde, viria a transformar-se na Licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas que hoje possui.

 

Paralelamente foi-se afirmando no fascinante mundo da poesia. Com apenas 19 anos de idade publicou as primeiras obras na Editora Minerva (participou em duas Antologias de Poesia Portuguesa Contemporânea) estimulando assim uma faceta que, anos mais tarde, viria a desempenhar um papel deveras importante na composição do seu disco de estreia. Ao longo dos anos passou por diversas profissões, todas elas ligadas à comunicação e à arte que pode ser expressar-se, e compreender os que se expressam à nossa volta. As aulas de dança estiveram sempre presentes, sendo uma vertente fundamental da sua existência, tendo pisado palcos enquanto bailarina, modelo, figurante e apresentadora de diversos eventos um pouco por todo o país. Em 2013 tornou-se instrutora oficial de Zumba, tornando realidade um sonho antigo, e aumentando ainda mais as suas competências e conhecimentos numa área que lhe é tão querida como é a dança.

 

Em 2015 dá início à maior aventura da sua vida: construir uma carreira no mundo da música! Depois de um período de intensa composição e gravação surgiu “Geração Histórica”, primeiro trabalho a solo de Rakel Bronze, constituído por 13 temas. Todas as suas diferentes facetas confluíram nesta obra: a escrita, a musicalidade, a dança e a presença em palco unem numa perfeita demonstração de talento e perseverança

Cristina Branco estreia novo vídeo para tema “Alvorada”

Cristina Branco estreou hoje o novo videoclip para o tema “Alvorada”. Realizado por Joana Linda, o vídeo dá vida à canção de Luís Severo (Cão da Morte), um dos compositores nacionais da nova geração, tema que integra o mais recente álbum da fadista, “Menina”.

16422212_1309771252421694_8117107473548463508_o

Editado em Setembro de 2016, “Menina” foi seguramente um dos mais aplaudidos discos nacionais do ano passado, recebendo a aprovação  generalizada da crítica. Agora chega o reconhecimento da Sociedade Portuguesa de Autores, que o nomeia para Melhor Disco para o Prémio Autores 2017. Na categoria Música, Cristina Branco ainda tem uma segunda nomeação para Melhor tema de Música Popular com o tema “E às Vezes Dou Por Mim”, o primeiro single de “Menina”, de Filho da Mãe e André Henriques Linda Martini).

O álbum apresentou várias novas colaborações na carreira da fadista, como é o caso deste single. Falamos também de nomes como Cachupa Psicadélica, Peixe, Nuno Prata, Ana Bacalhau, Kalaf (Buraka Som Sistema), Jorge Cruz (Diabo na Cruz), entre outras parcerias já repetentes como o caso de Mário Laginha, Pedro da Silva Martins e António Lobo Antunes.

 

Menina” será apresentado ao vivo no palco do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, no próximo dia 25 de fevereiro, numa parceria com o Museu do Fado, no ciclo Há Fado No Cais. Uma semana depois, dia 9 de março, serão as Quintas do Conservatório, em Coimbra, a receber este concerto

Porto recebe os “Óscares do Vinho” a 17 de Fevereiro…

O palco está escolhido e já não falta muito para se ficar a conhecer quem são ‘Os Melhores do Ano 2016’ para a Revista de Vinhos. A 20.ª edição dos “Óscares do Vinho” – como são conhecidos estes prémios – vai ter lugar no salão nobre do Centro de Congressos da Alfândega, no Porto, e é já na sexta-feira, dia 17 de Fevereiro. Um regresso ao Norte do país e às margens do Douro para uma cerimónia que pretende celebrar e distinguir o compromisso com a excelência do sector vitivinícola e gastronómico nacional.

OsMelAn2015_092JEC

Uma noite, já emblemática, onde as emoções estão ao rubro com a premiação de personalidades, empresas e instituições em 20 categorias distintas, assim como os melhores vinhos provados pela Revista de Vinhos no ano que sucede a cerimónia. Esta vai ser, sem dúvida, uma edição especial, ao longo da qual serão homenageados aqueles que foram fazendo parte deste percurso de 20 anos. Um olhar para o passado e o recordar de muitos momentos que tiveram lugar desde aquela noite, em 1998, onde 200 pessoas se juntaram no Hotel do Bussaco, no Luso, para celebrar a primeira edição dos prémios da Revista de Vinhos. É incontornável perceber que longo destas duas décadas esta foi uma “Gala” que cresceu e ganhou a importância que o mercado hoje lhe confere: um evento de referência, uma noite de divulgação e entrega de prémios que os agentes reconhecem como os mais prestigiados e relevantes do sector.

 

As escolhas estão, como sempre, no “segredo dos deuses” e pouco ou nada se sabe até ao momento. Resta esperar pela cerimónia, que contará com a presença de quase um milhar de pessoas, para descobrir quem são os premiados. Uma noite de reencontros e muitas emoções, a demonstrar o valor e a vivacidade do sector nos dias que correm.

 

Nesta que é a 20.ª edição são 20 as categorias premiadas. Destaca-se o regresso da distinção para o melhor Sommelier, reconhecendo assim a relevância que estes profissionais têm na restauração e na divulgação dos nossos vinhos. Entre empresas, instituições e personalidades, a Revista de Vinhos elege muitos outros, distinguindo-os com um troféu em prata da autoria da designer de jóias Maria João Bahia. ‘David Lopes Ramos’ e o ‘Senhor do Vinho’ dão nome aos “prémios carreira”, que distinguem personalidades com vida e obra reconhecida nos campos da gastronomia e vinho, respectivamente. ‘Produtor’, ‘Produtor Revelação’, ‘Enólogo’, ‘Enólogo de Vinhos Generosos’, ‘Identidade e Carácter’, ‘Empresa’, ‘Empresa de Vinhos Generosos’, ‘Adega Cooperativa’, ‘Organização Vitivinícola’, ‘Viticultura’, ‘Enoturismo’, ‘Garrafeira’, ‘Wine Bar’, ‘Loja Gourmet’, ‘Restaurante’, ‘Restaurante de Cozinha Tradicional’ e ainda uma distinção para a melhor ‘Campanha Publicitária’ do ano completam as 20 categorias a premiar.

 

À semelhança de edições anteriores são distinguidos – com o ‘Prémio Excelência’ – aqueles que na opinião dos críticos da Revista de Vinhos foram os 30 melhores vinhos do ano. A Revista distingue ainda os melhores vinhos de cada região vitivinícola, que levam para casa, ou melhor, para a adega o título de ‘Melhores de Portugal’.