Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Porto Best Of… apresenta Três Tristes Tigres + Old Jerusalem + Dan Riverman no Teatro Rivoli

O segundo ano do Porto Best Of começa ao som dos Três Tristes Tigres, Old Jerusalem e Dan Riverman, numa noite intimista ao som das histórias que as palavras contam. Dia 16 de Março, a partir das 21h30, o Teatro Rivoli recebe a banda de Ana Deus e Alexandre Soares que vai revisitar o seu segundo álbum, “Guia Espiritual” (considerado pela Blitz o Melhor Disco de 1996, e pelo Público como um dos Melhores Discos dos Anos 90), mas também algumas canções do disco “Comum” (1998).

Três Tristes Tigres

Passados 20 anos, Ana Deus, Alexandre Soares e dois dos músicos que com eles tocaram ao vivo, João Pedro Coimbra (bateria) e Quico Serrano (teclados), revisitam o universo dos Três Tristes Tigres, e canções como a “Zap Canal”, um dos temas do primeiro disco da dupla Deus/Soares em parceria com a poetisa Regina Guimarães. Treze anos depois do último concerto, esta é uma oportunidade única para recordar uma das bandas de rock alternativo mais marcantes de Portugal.

 

Antes dos Três Tristes Tigres sobe ao palco Old Jerusalem, um dos projectos mais coerente do início deste milénio. Ao vivo, Francisco Silva vai apresentar o seu mais recente trabalho, “A Rose is a Rose is a Rose”, que marca o regresso aos discos depois de um interregno de cinco anos. Após uma fase mais introspectiva, o músico retoma neste sexto álbum de originais a colaboração com outros músicos, nomeadamente com Filipe Melo, responsável pelo piano e arranjos de cordas e cúmplice empenhado na delineação do rumo estético do trabalho. “A Rose is a Rose is a Rose” apresenta uma versão de Old Jerusalem mais expansiva, ainda que centrada na atenção às canções e à melhor forma de as comunicar, da qual fazem parte "A Charm" e "One for Dusty Light".

 

A abrir a noite, uma das vozes mais impressionantes da nova geração de músicos em Portugal. Depois de ter despertado a atenção de Saul Davies (James) e de Davey Ray Moor (Cousteau), Dan Riverman prepara-se para editar o seu primeiro longa-duração antes do Verão e, no Teatro Rivoli, vai apresentar algumas das novas canções. Haverá ainda espaço para recordar temas do revelador EP de estreia, “Hers”, como “Fragile Hands”, “Dark Haired Girl” e “Sea and the Breeze”.

 

O Porto Best Of é um ciclo de concertos com curadoria de Miguel Guedes, onde as bandas do Porto são convidadas a tocar e revisitar na íntegra o seu primeiro, mais influente ou seminal álbum, revisto à luz do tempo presente. Em 2016, passaram pelo palco do Teatro Rivoli, a convite do Porto Best Of, os GNR e os Lobo, no ciclo dedicado à Pop; Dealema e Capicua, na noite do Hip-Hop; Tarantula, Equaleft e Redemptus, a lembrar as raízes do Metal da cidade. O ano de 2017 começa da melhor forma com Três Tristes Tigres, Old Jerusalem e Dan Riverman. O passado, o presente e o futuro da música portuguesa, com raíz no Porto, no mesmo palco.

 

Teatro Rivoli (Porto)

16 de Março 2017 | 21.30h

ModaLisboa e CML apresentam Global Fashion Exchange Lisboa

O Global Fashion Exchange (GFX) realiza-se no âmbito da ModaLisboa, no CCB, nos dias 11 e 12 de março, num espaço que integra diversas atividades: um Mercado Swap, um lounge, Dj’s, workshops, eventos de networking e instalações artísticas. No Swap, que terá lugar no domingo, dia 12 de março, entre as 17:00 e as 19:30, o público poderá trocar peças que já não usa, renovando o seu guarda-roupa sem custos, com uma atitude sustentável e evitando o desperdício de vestuário.

untitled-1

Para ter acesso ao SWAP os participantes têm de levar, obrigatoriamente, uma peça do seu próprio guarda-roupa. Depois do evento, os artigos que não forem trocados serão entregues ao nosso parceiro I:CO, que os vai reciclar e transformar em novos produtos, têxteis e materiais de construção.

Deste modo estaremos a fechar totalmente o ciclo de vestuário.

 

Segundo Patrick Duffy, fundador do GFX…

O Global Fashion Exchange tem o prazer de apresentar o maior evento de troca de vestuário que já teve lugar na cidade de Lisboa. Estamos a convidar todos os lisboetas a trazerem roupa que já não usam e dar-lhes uma nova vida, tendo também a oportunidade de renovar o seu guarda-roupa. Cada peça será pesada e adicionada ao total de 19 toneladas de roupa que o GFX já evitou ser desperdiçado e enviado para aterros. Acreditamos que os lisboetas vão aproveitar esta forma divertida de renovar os seus guarda-roupas e experimentar uma nova forma de consumir, de um modo sustentável, fazendo e vestindo a diferença. Graças à ModaLisboa e à Câmara Municipal de Lisboa, daremos vida à nossa missão de promover formas de consumo mais sustentáveis, dando continuidade ao tema Boundless. Celebraremos a moda, a arte e a criatividade sem fronteiras.”

 

O Global Fashion Exchange (GFX) foi lançado em 2013 e teve lugar pela primeira vez durante a semana de moda de Copenhaga. A plataforma internacional tem vindo a crescer desde então, promovendo a sustentabilidade na indústria de moda através da participação em fóruns, eventos educacionais e culturais e produzindo swaps de vestuário em diversas cidades como: Nova Iorque, Los Angeles e Melbourne. Graças a estes swaps, o GFX já evitou o desperdício de um total de 19 toneladas de roupa. A iniciativa foi também reconhecida pelas Nações Unidas, participando na conferência do seu 70º aniversário.

Calvin Harris estreia hoje novo single “Slide” feat. Frank Ocean & Migos

Slide” é o novo single do Calvin Harris que conta com a colaboração de Frank Ocean e Migos, lançado hoje. "Slide" transporta para uma mistura da profundidade da instrumentação analógica ao lado moderna produção vocal, arranjo e mistura.

Calvin Harris - Slide - capa single

O produtor, compositor e DJ Calvin Harris, premiado com o Grammy, é uma das figuras de maior destaque da música moderna, tendo atingido recordes mundiais com seus sucessivos lançamentos. É um dos artistas mais bem sucedidos de todos os tempos, atualmente ele tem mais de 5 bilhões de seguidores em todos os principais serviços de streaming, 5 bilhões de visualizações de vídeo e 10 singles de platinaconsecutivos.

Meghan Trainor apresenta novo single “I’m a lady”

Meghan Trainor apresentou hoje o seu novo single, “I’m a Lady”.

Este novo tema faz parte da banda sonora do filme “Smurfs: A Aldeia Perdida”, que estreia dia 30 de Março em Portugal. O videoclip deste tema será lançado na próxima sexta-feira, dia 3 de Março.

Meghan Trainor - I'm a Lady - capa single

A artista norte-americana anunciou também que irá dar voz a um dos novos personagens de “Smurfs: A Aldeia Perdida”.

Segundo a artista: “I’m so excited to be singing ‘I’m a Lady’ for this movie. It’s a song that I love and am very proud of, and I can’t wait for the world to finally hear it! Getting to play a small part in the film with my character, SmurfMelody, makes this all the more exciting! So happy to be a part of the Smurfs family!!!”

Migos juntam-se à Motown/Capitol Records

Como uma extensão da parceria da editora Quality Control Music (QC) com o Capitol Music Group (CMG), o trio de hip hop de Atlanta Migos – cujo segundo álbum, editado pela QCM, “C U L T U R E”, entrou diretamente para o 1.º lugar do Top 200 da Billboard e para o top de álbuns de r&b/hip hop há menos de três semanas – acabam de anunciar que de hoje em diante toda a sua música será lançada através da QC e Motown/Capitol Records. A parceria foi anunciada pelos três membros dos Migos, Quavo, Takeoff e Offset, mas também pelo diretor executivo da Quality Control Music, Pierre “Pee” Thomas, pelo seu diretor de operações, Kevin “Coach K” Lee, pelo presidente e diretor executivo do Capitol Music Group, Steve Barnett, e pela presidente da Motown Records, Ethiopia Habtemariam.

16507895_579527875589557_7445894823429469692_n_1

Desde que se estrearam em 2013 com o single “Versace” que os Migos se tornaram num dos grupos de hip hop mais populares e aclamados mundialmente. Além de terem entrado para o topo das tabelas de vendas a 6 de fevereiro com “C U L T U R E”, o trio também alcançou o 1.º lugar do top Hot 100 da Billboard com o single “Bad and Boujee”, a 21 de janeiro. O mais recente single dos Migos, “T-Shirt”, já se encontra no top 20 da tabela Hot 100 desde o seu lançamento, a 18 de fevereiro. A primeira digressão do grupo pelos EUA deste ano arrancou recentemente em Santa Ana, na Califórnia.

 

A Quality Control Music foi formada em março de 2013 pelos parceiros de negócios Pierre “Pee” Thomas e Kevin “Coach K” Lee, que desenvolveram uma lista de talentos escolhidos a dedo vindos do movimento rap de Atlanta. A empresa está estabelecida em Atlanta, tendo iniciado uma parceria com o Capitol Music Group em 2015.

“My Paradise”… música de Toli César Machado dos GNR no Festival da Canção 2017

"My Paradise" é o nome da primeira canção, de oito, a ser apresentada na segunda semi-final do Festival da Canção 2017, no próximo domingo, dia 26 de fevereiro na RTP1, pelas 21h:00. Este tema nasce do convite da RTP ao compositor dos GNR, Toli César Machado, para apresentar um tema no novo formato do Festival da Canção. Ao aceitar o convite, Toli escolheu uma equipa jovem que pudesse valorizar a sua composição.

3770f8c6-8c19-4657-85ce-6f918973b28a

Convidou, Joana Duarte (The Happy Mess) para escrever a letra, a voz delicada e forte de David Gomes para a interpretar (The Voice Portugal, Like Us) e a dupla Ricardo Ferreira (Blim Records) e Rui Ribeiro para a produção musical.

"My Paradise" é uma canção que trata, com espírito positivo, o amor, a ausência e o desejo de uma Europa atenta, solidária e interveniente perante o actual contexto social e político.

A votação será repartida entre um júri fixo e o público para a final, a realizar-se no dia 5 de Março de 2017, no Coliseu de Lisboa, onde irão passar 4 canções desta semi-final que irão juntar-se a outras 4 da 1ª eliminatória.

37ª edição do Fantasporto 2017…

A cidade do Porto, um belíssima cidade barroca, capital do Norte de Portugal, debruçada sobre o Rio Douro e este ano considerada de novo o “Melhor Destino Turístico da Europa”, recebe há 36 anos um dos festivais de cinema mais prestigiados a nível Europeu, senão Mundial.

São dez dias de Festa para o Mundo do Cinema, onde produtores, realizadores, actores, actrizes, distribuidores e (muito) público se fundem num programa multifacetado, com um tónica de género, o Fantástico.

15726300_10154332310713215_6801530939889355391_n

Não é de admirar que a par de um filme de terror seja exibido um drama intimista, um documentário, um filme de autor ou até uma obra experimental. São 10 as secções, quatro delas competitivas e com júris internacionais próprios, que se “alimentam” das mais recentes produções mundiais – cerca de 50 países por ano estão representados, num total de 200 a 250 entre curtas e longas metragens e todos eles inéditos em Portugal. Conferências, debates, Q&A´s, um congresso dedicado ao cinema nas escolas e à criação do gosto cultural, bem como apresentações de livros e exposições de artes plásticas, as artes estão assim presentes neste evento multifacetado. Ao longo destes anos, nomes grandes do Cinema têm passado pelo Porto.

 

Anualmente cerca de 200 convidados tais como Max von Sydow, Guillermo del Toro, Wim Wenders, John Hurt, Rosana Arquette, Danny Boyle, Ben Kingsley, Paul Schrader, entre muitos outros, têm vindo ao Porto apresentar os seus filmes, alguns deles mesmo em Antestreia Mundial. A programação, sempre muito recente do Festival, que incorpora sempre produções em antestreia Mundial e Europeia, faz vir ao Porto dezenas de jornalistas e distribuidores estrangeiros que aí podem ver em “primeira mão” os filmes que ainda vão entrar no circuito comercial. Em paralelo realiza-se também um mini Mercado do Filme, as Industry Screenings que são um meio de ligação à Indústria do Cinema.

 

Depois do ter arrancado no passado dia 20 com o Pré Fantas, a 37ª edição do Fantasporto arranca hoje, 24 de Fevereiro, pelas 14.30h no Grande Auditório Manoel de Oliveira com a anteestreia do filme “Paranormal Drive” de Oleg Assadulin.

 

“Second Hand Battle”… já disponível nas plataformas digitais

Para comemorar o 5º Aniversário, a Omnichord Records lançou um tema composto em conjunto por cinco pessoas de diferentes projectos. A música inédita, “Second Hand Battle”, é uma colaboração conjunta entre os dois elementos dos Few Fingers com Surma, Luís Jerónimo (dos Nice Weather For Ducks) e Paulo Mouta Pereira (habitual técnico e produtor da Omnichord e músico de David Fonseca). 

a1500122397_10

Depois do lançamento inicial pelo bandcamp, a música encontra-se agora disponível nas plataformas digitais habituais.

Há cinco anos havia uma série de miúdos a quererem fazer música em Leiria. Ao longo desta meia década, onze projectos musicais da cidade foram associando o seu trabalho a este movimento, fazendo parte de uma família que é uma editora e ao mesmo tempo agência e promotora, e que nos últimos anos lançou mais de 15 discos e marcou concertos com esses projectos para mais de 50 festivais em oito países.

Ciclo "Jazz +351" apresenta… The Rite of Trio

Sarcasmo e a mistificação são recursos mais literários e dramatúrgicos do que propriamente musicais, sobretudo quando a música em causa não tem voz nem letras, mas assim não acontece com o projeto The Rite of Trio: se essa imagem surge logo na forma como o grupo é apresentado, anunciando André Silva, Filipe Louro e Pedro Alves como mestres de uma tendência musical chamada jambacore, que na verdade não existe (Jamba é, simplesmente, uma marca de smoothies), o surpreendente é que a sua música tem essa carga de irreverência, humor e, acima de tudo, teatralidade.

theriteoftrio

O que ouvimos envolve tendências do jazz como o hard bop e o free e do rock como o metal e o prog, mas tal não acontece por esquematismo fusionista e sim por desprezo pela autoridade (leia-se: a autoridade do jazz e a autoridade do rock). Nada mau, para músicos que fizeram do jazz e do rock as suas vidas – por exemplo, Louro faz parte de pelo menos duas formações de primeira linha da cena jazz do Porto, O Grilo e a Longifolia e o Eduardo Cardinho Quinteto, e ele e Pedro integram dois conhecidos grupos de rock, Salto e Catacumba. Com esta outra banda, vêm dizer que não aceitam as proibições e os tabus que lhes chegam de ambos os lados, que não se conformam, que têm necessidade, como já anunciaram, de «tocar música sem regras, sem ambições e sem expectativas».

 

Com tal atitude, deram corpo a uma das melhores propostas musicais surgidas em Portugal nos últimos anos…

 

Culturgest / Pequeni Auditório (Lisboa)

2 de Março 2017 | 21.30h

 

António Zambujo… “Até Pensei Que Fosse Minha” no Teatro Aveirense

António Zambujo é um dos nomes incontornáveis da música portuguesa atual, na medida em que soube construir uma identidade própria que lhe tem valido o reconhecimento tanto do público como da crítica, somando salas esgotadas dentro e fora de Portugal. 

ng7742103

"Até Pensei Que Fosse Minha". Uma homenagem em forma de disco exclusivamente composto por canções de Chico Buarque e gravado no Brasil sob a alçada do próprio mestre da música popular brasileira, que chega a colaborar com António Zambujo num dos temas, “Joana Francesa”. 

O álbum é agora apresentado ao vivo em Portugal, e após a estreia deste espetáculo no Brasil, com concertos em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

António Zambujo não será diferente daquilo que sempre é, um cantor e músico de excelência, com uma capacidade única de cativar o público.

 

Teatro Aveirense

5 de Março 2017 | 21.30h

Diogo Piçarra… O novo álbum “do=s” já está em pré-venda

Ficou ontem online um videoclipe com excertos das 10 canções que compõemo novo disco de Diogo Piçarra, "do=s", o qual chegará às lojas no dia 31 de março.

Captura_de_ecra_2017_02_17_a_s_12_37_10

Partindo de uma ideia original de Diogo Piçarra, filmado por Ricardo Reis e André Piçarra e editado por Ricardo Reis, o realizador dos videoclipes de “Dialeto” e “Wall of Love”, o vídeo dá aos fãs a perfeita noção do que podem esperar do novo disco.

Ao segundo álbum, Diogo Piçarra dá um salto qualitativo nas suas composições, tornando a sua música mais diversa, mais rica, com mais camadas emocionais e mesmo assim, mais única e mais identificável. 2017 é, definitivamente, o ano de Diogo Piçarra.

O Pacto Donald… o novo livro de Nuno Rogeiro

Um mês depois da tomada de posse, quatro meses após a eleição que abalou os EUA, a Dom Quixote anuncia a publicação do livro O Pacto Donald, “Trump, Novo Contrato com A América ou Fraude?”, de Nuno Rogeiro, que chega às livrarias na próxima segunda-feira, dia 27 de Fevereiro.

O Pacto Donald

Com base em testemunhos e documentos inéditos, o analista de política internacional procura desvendar as causas da eleição e investiga também as suas consequências para a América e para o mundo, incluindo Portugal. Rogeiro traça a História do populismo nos EUA desde 1787, reflecte sobre o problema do voto indirecto, do federalismo e das sondagens (estavam mesmo erradas?) para perceber quem votou e porquê. Tenta assim chegar às razões da derrota de Hillary Clinton, contando as personagens e correntes de «resistência», a posição das minorias, as comparações com Ronald Reagan, a interferência russa, os conflitos de interesses do agora presidente e antigo empresário...

 

Nuno Rogeiro tenta responder às perguntas que o mundo coloca: Pode um bilionário ser arauto e servidor de um povo revoltado? E é essa revolta é real ou fabricada? E que revolta é esta afinal? Na sociedade, na economia, nos estados, no próprio modelo federal? É o «novo contrato» prometido por Trump é o quê? O «populismo» triunfante durará? É Trump um revolucionário, um contra-revolucionário ou apenas reaccionário?

Inicialmente tentado pelo Direito Constitucional, Nuno Rogeiro faz análise política há 35 anos. Colabora na SIC e na revista Sábado. Publicou, entre outros livros, Para Além de Bin Laden, Menos que Humanos, Na Rua Árabe e A Corda do Enforcado.

 

Terras sem Sombra… Passeio pelo Rio Mira e estreia do ensemble Polyphõnos em Odemira

O Terras sem Sombra parte agora à descoberta, em Odemira, dos segredos do rio Mira (com destaque para os habitats das lontras, que aí encontram um santuário, e para as pradarias marinhas), apresenta o concerto de estreia do ensemble Polyphōnos e abre as portas da igreja da Misericórdia e de outros monumentos e sítios de referência, para uma visita guiada nos dias 4 e 5 de Março. Este festival tem a particularidade de associar a cada concerto uma acção de voluntariado para a salvaguarda da biodiversidade dos diversos concelhos que o Terras percorre, a qual acontece aos domingos de manhã, congregando músicos, espectadores, membros das comunidades locais, autarcas e técnicos. E, também, uma visita, na tarde de sábado, à vila de Odemira, o que representa uma magnífica oportunidade para conhecer o património edificado mais representativo do Baixo Alentejo.

FotoGrupo_Polyphonos

O segundo fim-de-semana da 13.ª edição do Terras sem Sombra começa às 14h30 do dia 4, com uma visita guiada ao património do centro histórico de Odemira, onde é dada a oportunidade de se conhecer, entre outros valores patrimoniais ainda pouco conhecidos do público, a surpreendente igreja da Misericórdia, que possui extraordinárias pinturas murais. A orientação é dos historiadores António Martins Quaresma e José António Falcão.

 

Às 21h30 deste mesmo dia, Polyphōnos, o ensemble recentemente fundado pela soprano Raquel Alão e cuja direcção artística se encontra a cargo do barítono e musicólogo José Bruto da Costa, tem a estreia em Odemira. Polyphōnos é um termo grego que designa a coexistência de muitos sons ou vozes, o que se revela muito apropriado a um agrupamento vocal e instrumental de excelência no campo da música antiga, que se propõe resgatar da sombra reportórios nacionais que são escassamente ouvidos entre nós.

 

Para o concerto na igreja de São Salvador, o ensemble inclinou-se para a música portuguesa de invocação mariana dos séculos XVI, XVII e XVIII, com autores da craveira de Estêvão de Brito, Duarte Lobo, D. Pedro da Esperança, Diogo Dias Melgás, João Rodrigues Esteves ou Francisco António de Almeida. Alguns são naturais do Baixo Alentejo: por exemplo, Brito nasceu em Serpa, ao redor de 1570, e Diogo Dias Melgás em Cuba, em 1638. Trata-se, pois, de uma espécie de “regresso” às origens, fazendo justiça ao grande destaque alcançado pela música no Alentejo durante esses períodos.

 

Na manhã de domingo, o percurso dedicado à biodiversidade explorará, numa viagem a bordo de barcos, os meandros do Mira, propondo um olhar renovado sobre os gradientes do grande rio do Sudoeste. Este tem a particularidade de, tal como o Sado, empreender um curso de sul para norte. Nascendo na serra do Mú, percorre cerca de 150 km, ao longo dos quais se podem encontrar habitats muito distintos. É precisamente no troço inferior do rio, já próximo do estuário, que se localizam algumas das características únicas deste curso de água: as pradarias marinhas e uma população de lontra peculiar muito. As pradarias marinhas representam alguns dos habitats mais ameaçados a nível mundial. Ao longo de um percurso de barco, serão reconhecidos, os pontos mais relevantes deste rio, que se caracterizam pela sua espectacular cenografia, e analisadas as principais ameaças que se fazem sentir sobre eles. A iniciativa, organizada com a colaboração do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas e da Câmara Municipal de Odemira, conta com a presença de investigadores das universidades de Lisboa e Algarve.

 

De entrada livre, o Festival é organizado pela Pedra Angular (Associação dos Amigos do Património da Diocese de Beja) e pelo Departamento do Património desta Diocese e prolonga-se até 2 de Julho, seguindo para Ferreira do Alentejo, Santiago do Cacém, Castro Verde, Serpa, Sines e Beja, sob o título Do Espiritual na Arte Identidades e Práticas Musicais na Europa dos Séculos XVI-XX. Um hino ao Baixo Alentejo: à beleza dos seus espaços naturais e ao prazer da descoberta cultural.

 

Programa Odemira

4 de Março

 

Património

14:30 – 17:30 – Visita ao Centro Histórico

Ponto de encontro: Igreja de São Salvador

Local em destaque – Igreja da Misericórdia

Música

21H30 – Polyphōnos (Soprano: Raquel Alão, Alto: Carolina Figueiredo, Tenor: Marco Alves dos Santos, Baixo: Tiago Mota, Violoncelo barroco: Ana Raquel Pinheiro, Órgão: Sérgio Silva, Mónica Antunes, Rosa Caldeira, Manon Marques, Patrícia Mendes, Rui Miranda, Direcção musical: José Bruto da Costa)

De Beata Virgine Maria: Música Portuguesa de Invocação Mariana

Local: Igreja de São Salvador

 

5 de Março

Salvaguarda da Biodiversidade

Pelos meandros do Mira – um olhar sobre os gradientes do grande rio do Sudoeste

10:00 – Saída – Cais de Vila Nova de Milfontes