Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Westway Lab Festival transforma Guimarães no centro da criação musical

À quarta edição, que decorrerá de 5 a 8 de abril em Guimarães, o Westway Lab Festival mantém o conceito, mas ganha nova dimensão e novo fôlego. Refaz-se a partir do que já havia construído para crescer. O cartaz é ambicioso e conta uma programação variada que contempla Residências Artísticas, Conferências PRO, Talks, Showcases e Concertos, integrando ainda o cinema, uma novidade que se traduz no concretizar de mais uma relação internacional, desta vez com o reputado South by Southwest Festival (SXSW).

City Showcases 1

Nomes nacionais e internacionais, todos juntos para criar e discutir música e tudo o que esta indústria abarca. O festival, com caraterísticas únicas no país, cresce e estende-se à cidade, que também contribuirá com quatro novos palcos, tornando o festival cada vez mais participado e alargado. Em 2017, o Westway Lab Festival reafirma-se como força criativa, de cariz único em Portugal, envolvendo público e artistas em torno do universo musical.

Inovar e crescer, dois objetivos inscritos na matriz de conceção do Westway Lab Festival desde o seu primeiro respiro. Objetivos que têm gerado o combustível necessário para que este festival original e único nascido em 2014, na cidade de Guimarães, seja já referenciado a nível internacional. A edição deste ano segue o trajeto das anteriores, acrescentando-lhe mais e mais camadas, aproximando, cada vez mais, o festival à própria cidade. Este ano, uma das grandes novidades propostas será a polinização da música – arte central do festival – pelo cinema, no concretizar de mais uma relação internacional, desta vez o reputado South by Southwest Festival (SXSW), convidando dois representantes do mesmo para um painel especial sobre o SXSW e SXSW Film em parceria com a Associação Empresarial WHY Portugal.

 

O Westway Lab Festival arranca com as Residências Artísticas que têm lugar no Centro de Criação de Candoso (CCC) entre 27 de março e 4 de abril. Apesar de ser um momento “invisível” para o público, é aqui que vários artistas, de diferentes nacionalidades e dos mais variados estilos musicais, se juntam para criar música, em contexto local e de extrema proximidade. Este é um dos vetores mais distintivos do festival, cujo resultado é dado a conhecer ao público nos Showcases que terão lugar no Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor (CCVF).

Um dos momentos igualmente mais diferenciadores do Westway Lab são as Conferências PRO, que acontecem de 5 a 8 de abril no Palácio Vila Flor. Com o apoio da AMAEI e da Fundação GDA, estas conferências redobram os seus esforços para incentivar a partilha de conhecimento do mercado da música entre profissionais de topo e as comunidades de artistas, nacionais e internacionais. Este ano, no centro do debate estará a indústria musical Francesa e Sueca, dois casos ímpares de sucesso no mercado europeu. Como oradores contam-se, entre outros, Sara Thorstensson e Linda Brandemark da BILDA e Mattias Tell, do KulturUngdom. De notar que a estas sessões chegam também Mirko Whitfield, representante europeu do SXSW, e Claudette Godfrey, da SXSW Film, que vêm a Guimarães para falar da essência do South by Southwest Festival (SXSW).

Nos dias 5, 6 e 7 de abril, às 18h00, as Talks são o primeiro momento de abertura dos artistas após uma semana de criação em Candoso (CCC). Estes encontros, que proporcionam um primeiro contacto com o público, têm lugar em alguns dos mais emblemáticos locais da cidade de Guimarães. Este ano, e como tem vindo a ser habitual, renovam-se as conversas descontraídas no Tio Júlio e no Cor de Tangerina, acrescendo um local a esta iniciativa, o mítico Café Milenário. A vibração destes encontros é cada vez mais forte e impactante na história do festival, porque geram novas ideias com possível implementação futura.

 

O Café Concerto do CCVF recebe os Showcases nos dias 5 e 6, às 21h30, momento do festival em que o público é confrontado com o resultado de vários dias de trabalho e troca de experiências que tiveram lugar no Centro de Criação de Candoso. Na noite de 05 de abril, o palco está reservado para as atuações de Jaran com Yafeni e Buslav com Urso Bardo. Terminados estes showcases, segue-se o concerto dos The Mondanes, um dos mais excitantes novos projetos da cena musical sueca. No dia seguinte, no mesmo local e à mesma hora, decorrem os showcases dos The Courettes com Nick Suave, seguidos de Pedro Coquenão (Batida) com Guillermo (Primitive Reason) e com Juju (Terrakota). Depois destas atuações, são os noruegueses Yuma Sun, conhecidos pela sua entrega em palco, que tomam conta do Café Concerto.

 

No dia 7 de abril, às 22h00, o Grande Auditório do CCVF recebe um espetáculo único que nasce de um desafio lançado pelo próprio Westway Lab Festival. Quest, projeto de Joana Gama e Luís Fernandes que cruza o piano e a eletrónica, apresenta-se com uma nova colaboração, desta vez com a Orquestra de Guimarães. O duo aventura-se por novos caminhos e tira a Orquestra da sua zona de conforto. Neste trabalho original para piano, eletrónica e ensemble – que conta com a cumplicidade de José Alberto Gomes na orquestração e arranjos – amplifica-se e complexifica-se a sonoridade que caraterizava “Quest”.

Buslav © Direitos Reservados

No mesmo dia, às 23h00, chega-nos da Polónia Buslav para apresentar o seu disco de estreia no Café Concerto do CCVF. Este compositor, letrista e multinstrumentista mistura na sua música a eletrónica, a pop e um lado mais acústico, ingredientes que originam concertos que são uma viagem em espiral emocional que tão depressa apelam ao lado mais melancólico como, de seguida, transformam a sala de concertos numa festa.

Este ano, uma das grandes novidades do festival tem lugar no dia 8, entre as 15h00 e as 18h30, momento em que o Westway Lab Festival cresce em direção à cidade com os City Showcases, que acontecem no CAAA (Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura), no Convívio Associação Cultural, no Bar da Ramada e no All Guimarães. Esta iniciativa reafirma a abertura, inclusão e participação no evento de cada vez mais artistas, público e outros intervenientes culturais na cidade. Estes quatro locais convertem-se, na tarde de sábado, em pontos cardeais de uma experiência artística em roteiro pelas várias geografias de Guimarães, ao som da música que se faz no mundo. Adée, Ohrn, Joel Sarakula, Cristóvam, Maybe Canada, The Jooles, Serushiô e Vienna Ditto são os projetos que vão ocupar estes palcos.

Lince © Direitos Reservados

Depois de uma tarde de concertos espalhados pela cidade, à noite a música concentra-se no CCVF com espetáculos que vão tomar conta de todas as salas deste espaço cultural para a derradeira despedida do festival. A abrir os palcos, às 21h30, o festival conta com prata da casa, com a vimaranense Sofia Ribeiro a apresentar no Pequeno Auditório o seu projeto a solo, Lince. Aqui, a voz doce e delicada de Sofia faz-se acompanhar do som clássico do piano a que junta, com destreza, o instrumental eletrónico.

Às 22h30, a festa passa para o Grande Auditório do CCVF, onde se aguarda uma dose dupla de concertos. Os primeiros a subir ao palco são os You Can’t Win, Charlie Brown que vêm apresentar o seu último disco, “Marrow”, trabalho em que a banda não se conteve em aliar à sua sonoridade mais indie-folk, as potencialidades da eletrónica. O maior palco do CCVF recebe de seguida os XIXA, provenientes de Tucson, Arizona (EUA), que trazem ao Westway Lab Festival um promissor concerto que transportará o público ao deserto, com um som que respira a natureza selvagem. Imbuída no mais puro psicadelismo da década de 70, com guitarras a soar a essência do rock’n’roll, esta banda pinta com a música as paisagens áridas da sua terra natal.

Papercutz 2 © Maria Louceiro

A quarta edição do Westway Lab Festival termina, à meia-noite, no Café Concerto do CCVF, com a atuação dos :Papercutz que trazem na bagagem o novo álbum de originais, “King Ruiner”. A nova vocalista, Catarina Miranda, conhecida pelo seu trabalho como Emmy Curl, traz novidades à sonoridade deste projeto que evoca harmonias pop e motivos corais encontrados em geografias não ocidentais. Apresentando-se ao vivo em formato trio, os :Papercutz tocam melodias interpretadas por sintetizadores analógicos, batidas urbanas, texturas ambientais e percussões de raiz tribal.

Keso apresenta “KSX2016” ao vivo no Plano B

Keso, nome artístico, ou Marco Ferreira é um músico e DJ da Cidade do Porto que conta já com três discos de originais no seu repertório (“Raios Te Partam” (2003), “O Revólver entre as Flores” (2011) e “KSX2016”) e mais de uma centena de espetáculos em todo o país, nos mais diversos âmbitos.

ee9db9e4-f8a3-4967-8dfe-e0879539ec0a

Licenciado em Cinema pela Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa, Keso desenvolve trabalho em várias áreas da música sendo notório o seu percurso profissional e académico. Nos últimos dez anos desenvolveu projetos no Porto, em Lisboa e em Londres, quer no campo do cinema como da musica e conta com habitual residência em várias casas de espetáculos do país. Frequente é vê-lo passar música em bares do Porto como o Café Au Lait, Maus Hábitos, Armazém do Chá assim como a dar concertos no Hard Club, no MusicBox ou no LxFactory em Lisboa.

Reconhecido pela sua exigência qualitativa, Keso é um artista de detalhe que dificilmente torna uma prestação de sua responsabilidade em algo meramente banal. Colecionador de música e de experiências pelo mundo fora este é uma referência da cidade e da sua cultura com marcas consolidadas no âmbito do hip-hop nacional e do spoken word..

 

Plano B (Porto)

18 de Março 2017 | 23.00h

Luis Represas comemora 40 anos de carreira em Elvas

A celebrar quatro décadas de carreira, Luís Represas é um dos canta-autores mais acarinhados da música popular portuguesa e reconhecido pela composição de algumas das canções mais marcantes do imaginário de diferentes gerações.

2lm7ot8mpc7e

Com uma voz inconfundível, liderou um dos projetos mais icónicos da música portuguesa - Trovante - e assinou canções como “Perdidamente”, “125 Azul”, “Feiticeira” e “Da Próxima Vez” pautando a sua carreira por cantar os poetas e a língua de Camões. Em pleno momento de celebração, Luís Represas surpreende com a proposta de um espetáculo único onde os seus principais sucessos são apresentados com novos arranjos que contemplam as sonoridades Orquestrais cruzadas com o minimalismo puramente acústico de um piano e na perspectiva de como foram criadas.

 

Para comemorar toda uma vida dedicada à música, Luís Represas desafia quatro convidados muito especiais: Carlos do Carmo, Cuca Roseta, Sara Tavares e António Victorino D'Almeida. A acompanhar esta inédita reunião de artistas estará a Orquestra Sinfónica Ibérica constituída por mais 60 excelentes músicos, muitos dos quais integrantes das melhores orquestras de Portugal e Espanha.

 

Todo o concerto será pontuado com momentos de pirotecnia e efeitos visuais que tornarão este espectáculo memorável. Garantindo a exclusividade desta festa, e para partilhar o palco com estes gigantes da nossa cultura, um coro infantil com mais de duas centenas de crianças e jovens cantores da Academia de Música de Elvas, do Colégio Luso Britânico e do Centro Educativo Alice Nabeiro criará um momento musical com grande simbolismo e que certamente surpreenderá os presentes.

Os “Fabulosos Tais Quais ao vivo no Tivoli”… edição a 24 de Março

No próximo dia 24 de Março chega às lojas “Os Fabulosos Tais Quais Ao Vivo No Tivoli”. O CD/DVD que será editado este mês, documenta em áudio e vídeo o concerto único que esgotou a sala lisboeta a 29 de Maio de 2016 e onde foi apresentado o álbum de estreia do grupo, Os Fabulosos Tais.

Capa Tais Quais

Este lançamento dá o mote para os três espectáculos que se irão realizar no mês de Abril, em Coimbra (Convento de S. Francisco), Porto (Casa da Música) e Beja (Pax Júlia), nos dias 1, 2 e 15, respectivamente.

O Alentejo ocupa a grande espaço do repertório deste grupo formado por João Gil, Vitorino, Tim, Vicente Palma, Celina da Piedade, Paulo Ribeiro e Sebastião Santos. As violas, o acordeão, a percussão, quem sabe uma viola campaniça e um coro de arrepiar. Mas pelo meio há também Jorge Serafim, conhecido contador de histórias, que aqui aparece como o anfitrião de um lugar ficcional chamado A Venda do Isaías, e que partilha as suas pérolas de sabedoria desfiando histórias, anedotas, contos populares.

 

A música não é apenas a música, neste caso. Fala por toda uma região. E, por isso, não começa ao primeiro acorde e não termina com os aplausos, não vive na prisão dessas regras ditadas pelos palcos. Vive destas trocas espontâneas, que é lançada por um e agarrada pelos restantes mas que pode ser atravessada por um relato que Isaías/Serafim vai buscar ao baú da sua sabedoria popular. Seguem-se umas às outras, músicas e histórias, da mesma maneira que a mesa parece estar sempre repleta.

 

Os Tais Quais prometem espalhar a sua música pelo país. E fazer novos amigos pelo caminho. Eles que se juntem. A mesa está posta.

Dengaz esta semana nos Coliseus…

Esta semana, Dengaz sobe pela primeira vez ao palco do Coliseu do Porto e regressa ao Coliseu de Lisboa. Estes concertos são o culminar de dois anos incríveis na carreira de Dengaz, hoje, uma das figuras incontornáveis do Hip Hop português. A primeira parte é da responsabilidade de Plutónio.

Dengaz - Coliseus

Em 2015 Dengaz lançou o segundo trabalho de originais, que nos trouxe temas como “Dizer Que Não”com Matay, “Nada Errado” com Antonio Zambujo ou “Ahya Family”. Um ano depois trouxe-nos “Para Sempre – Unplugged”, que revelou a primeira participação de sempre, em disco, de Seu Jorge com um artista português; o vídeo de “Para Sempre” já ultrapassou 1 Milhão e meio de visualizações

“Bring the Light”... O novo álbum de Mirror People

Será já no próximo dia 31 que Mirror People, projecto paralelo de Rui Maia dos portuenses X-Wife, editará o seu segundo trabalho de longa duração, “Bring the Light”, sucessor de “Voyager” lançado em 2015. Composto e gravado durante o ano passado, o novo trabalho é descrito por Rui Maia como sendo "mais urbano, pessoal e diferente do anterior. Neste disco quis abordar uma sonoridade mais sintética e forte que remete para o lado mais alternativo dos anos 80, sem perder o sentido pop das canções."

20170202-Mirror-People-937x327-1

​Em colaboração com vocalista Jonny Abbey, que também assina a mistura, Rui Maia invoca a influência dos filmes de Stephen King, a new wave dos Human League e Soft Cell, os primórdios do hip hop, a pop sintética mais recente dos Hot Chip ou o som de Minneapolis de Prince como algumas das referências para este novo trabalho. Nas próprias palavras do autor: “Em Bring The Light quis voltar ao passado e retratar o futuro como era visto na altura. Falo precisamente da década de 80 em que a tecnologia era bastante limitada e a visão do futuro era bastante mais avançada do que na realidade é hoje em dia. Os instrumentos escolhidos para compor este disco, tiveram por base esse ponto. A inexistência de bateria acústica e o uso de diversos sintetizadores da época, foram uma prioridade de encontro à visão e solidificação da sonoridade para este segundo capítulo de Mirror People."

 

Os 10 temas que compõem este novo trabalho traçam um lado urbano de experiências vividas e imaginadas numa grande cidade: "Na era mais retratada deste disco, a inexistência de um mundo virtual levava à proximidade das relações, em Bring The Light a busca da experiência e do amor são os elementos principais, e todo o lado noturno, vibrante e sujo da cidade são o pano de fundo. Penso que o Jonny Abbey, autor das letras, conseguiu por em palavras a minha visão para este trabalho, focando temas que fazem parte do meu imaginário e da estética de Mirror People." remata Rui Maia. A edição de “Bring The Light” está marcada para 31 de Março e estará disponível em CD e em todas as plataformas digitais.​

A festa de apresentação do disco acontece a 31 de Março, numa​ Listening Party no Incógnito Bar em Lisboa, com a presença de todos os membros que formam o projecto ao vivo. Todo o disco vai ser escutado, seguido de um DJ Set de Rui Maia. Como avanço para o novo álbum, Mirror People disponibilizou “Crime Scene”, novo single com video realizado por Vasco Mendes. Rodado na cidade do Porto, o video traça um episódio caricato na vida de uma detetive. “Crime Scene” aposta numa sonoridade entre guitarras mais angulares ao género dos Franz Ferdinand com uma electrónica bastante forte e marcada em que ambos os elementos acabam por ser um bom cartão de visita para “Bring the Light”.

 

31 de março de 2017 – Listening Party - Incógnito (Lisboa)

27 de Abril de 2017 - Soir Jaa (Évora)

28 de Abril de 2017 - Carmo 81 (Viseu)

29 de Abril de 2017 - Maus Hábitos (Porto)

Imagine Dragons lançam vídeo para novo single “Believer”

A banda multiplatinada e vencedora de prémios Grammy Imagine Dragons lançou recentemente o vídeo seu novo single, “Believer”. “Believer” encontra-se atualmente no top 5 de airplay da tabela Alternative Radio, nos EUA. Realizado por Matt Eastin (que já trabalhou com os Imagine Dragons nos vídeos de “On Top of the World,” “Roots,” e “Shots (Broiler Remix)”), o vídeo conta com a participação do ator Dolph Lundgren (entrou em filmes como “Rocky IV” e “Os Mercenários”).

16473443_10154941703916407_6842877024769239175_n

O vocalista Dan Reynolds disse sobre o vídeo: “‘Believer’ é sobre encontrar um lugar de paz e autoconfiança. O vídeo retrata um homem que enfrenta o seu próprio eu, o mais duro crítico de todos, ao mesmo tempo que presta homenagem a alguns dos filmes clássicos com que nós crescemos.”

Este ano os Imagine Dragons estão de volta a Portugal para um concerto integrado no festival NOS Alive, a 8 de julho.

Dillaz e Bezegol juntam-se a Seu Jorge no cartaz do NOS Summer Opening

São três, até ao momento, as confirmações da 5ª edição do NOS Summer Opening. O denominador comum, três estreias ao vivo na Madeira. Seu Jorge foi a primeira grande confirmação como cabeça de cartaz do primeiro dia. O Reggae e o Hip Hop são pilares da identidade do evento, razão pela qual, Dillaz e Bezegol enquadrar-se-ão perfeitamente no ADN do festival.

Instagram_post_Dillaz_v31

Dillaz inspira-se em música de diferentes proveniências para, com filtros bem apurados, explodir um Hip Hop de inegável qualidade. Com talento e irreverência, conquistou o seu espaço em Portugal, contando com uma legião de fãs nas redes sociais e milhões de visualizações nas plataformas digitais. No currículo, duas mixtapes, um EP e com o novo álbum “Reflexo” esgotou casas de norte a sul do país, contando com actuações nos principais festivais académicos e de verão.

Instagram_post_Bezegol_v3

Bezegol é sem qualquer detenção ou receio é hoje um dos grandes "Poetas Urbanos” do panorama musical nacional. Com um estilo tão característico que o torna singularmente único, tomou de assalto as rádios nacionais e manteve o mesmo respeito e valores pela vida. 2017 marca a comemoração dos seus 10 anos carreira, assinalado em breve com o lançamento de um novo disco em vinil. Do Reggae ao Hip Hop à guitarra portuguesa, vamos fazer parte desta celebração.

 

Este é um festival urbano inserido num contexto natural único, com o oceano Atlântico e o Funchal como pano de fundo. Música e natureza, uma oferta de experiências únicas para desfrutar intensamente de um fim de semana inesquecível, carregado de boas vibrações e muita adrenalina.

Ary… O Poeta das Canções…

Ary dos Santos, o nome incontornável da história da música portuguesa, celebraria 80 anos este ano. Autor de mais de seiscentos poemas para canções, foi através da música que alcançou o grande público, participando, por mais que uma vez, no Festival RTP da Canção. “Desfolhada Portuguesa” (1969), com interpretação de Simone de Oliveira, ou “Tourada” (1973), interpretada por Fernando Tordo são apenas exemplos de temas que atravessaram gerações até aos nossos dias.

bb07fe22-c32a-4b80-aae3-7cfbba7292c2

Hoje, o poeta do povo é reconhecido por todos, e todos conhecem José Carlos Ary dos Santos, pois a sua obra permanece na nossa memória e, muitos dos seus poemas continuam actualizados, apesar da sua obra contar já mais de 4 décadas. É precisamente dessa intemporalidade das canções que o projecto, Ary, o Poeta das canções, nasce!

 

No seguimento do espectáculo Ary, o poeta das canções, 2017 vê nascer a obra discográfico com o mesmo nome. Antecipando o dia mundial da Poesia (21 de março), será colocado à venda no dia 17 de março, o cd que marca as celebrações dos 80 anos do nascimento do poeta maior da música portuguesa. Este trabalho reúne 15 clássicos da música portuguesa do século XX, tratados de forma contemporânea, como Desfolhada Portuguesa, Canção de Madrugar, Cavalo à Solta, Tourada, Estrela da Tarde, Homem na Cidade, O Homem das Castanhas, Tango Ribeirinho, Lisboa Menina e Moça, Retalhos, Quando um homem quiser, Balada para uma Velhinha, Os Putos, Sete Letras e Kyrie, tocadas e cantadas de forma inovadora e contemporânea com recurso à linguagem da música clássica, do jazz, da world music e do novo teatro musical.

 

Fazendo jus à memória do Poeta, e assumindo também um compromisso social, o trabalho discográfico Ary, o poeta das canções, doa 1€ de cada CD vendido a uma Instituição de trabalho e méritos por todos reconhecidos, a APAV, cujo lema é também o de Ary, (‘APAV 25 anos a) dar voz ao silêncio’. Ora, foi também isso que José Carlos Ary dos Santos quis e continua a fazer, com a sua obra.

 

O projecto Ary, o Poeta das canções, estreou originalmente em 2009, por ocasião dos 25 anos da morte do poeta, pelas mãos de Joaquim Lourenço, o mentor do projecto. Para além de Joaquim, uma nova geração de músicos junta-se a esta celebração musical, dando uma nova roupagem às músicas e  arranjos, conferindo modernidade e arrojo estético a este que já é património colectivo: as canções históricas do poeta do povo. Desde o nascimento até à data o espetáculo percorreu o país apresentando-se ao vivo num sem número de salas esgotadas, numa tour que se estenderá com o lançamento do disco, até ao final deste ano. 

Paraguaii lançam video para "Straight or Gay"…

“Straight or Gay" é o single de avanço do segundo álbum de Paraguaii, "Dream About The Things You Never Do".

O videoclipe, produzido pela Elephante MUSIK & Estudio Lobo Mau, convidando-nos para uma viagem que apela à liberdade de escolhas e de modos de ser e fazer.

07bf2823-cca8-4ee3-846c-7a8fa7cf94a5

O tema introduz a nova fase da banda vimaranense, marcada pela procura de sons que despertam o corpo para a dança, sem, ainda assim, escapar do ambiente tropical a que Paraguaii nos habituou. Neste vídeo Shantal de Cuba dá vida à diluição de fronteiras das pluralidades que nos compõe.

"Dream About The Things you Never Do" será editado a 31 de Março, via Sony/Blitz e é, assumidamente, o registo mais pop do colectivo. São oito temas que propõem um jogo constante entre os universos mais dançantes da música electrónica, nascida ou devedora dos anos 80, e a genética rock do colectivo.

Paulo Gonzo… Novo álbum “Diz-Me” é editado a 24 de Março

Diz-Me” é o nome do novo álbum de Paulo Gonzo, que tem data de lançamento agendado para 24 de Março 2017.

PG Booklet versao standard  6fev.indd

Depois de “Sem Ti”, com letra da autoria de Jorge Palma e com a participação de músicos como Jack Daley (Beyoncé, Lenny Kravitz, Joss Stone), entre outros, Paulo Gonzo lança agora como single o tema “Amor Maior”, que conta com a participação de Raquel Tavares numa releitura única e especial de um original celebrizado pela banda brasileira Jota Quest.

 

Neste novo trabalho, Paulo Gonzo conta com a participação especial Raquel Tavares, Diego El Cigala, Mario Biondi, Boss AC e The Black Mamba.

“Dois Homens Completamente Nus”… Ensaio solidário

O ensaio solidário do espectáculo “Dois Homens Completamente Nus”, tem lugar no dia 22 de Março, pelas 21h30 no Teatro Villaret. “Dois Homens Completamente Nus” estreia no dia 23 de Março no Teatro Villaret, onde estará em cena de Quinta a Sábado às 21h30 e aos Domingos às 16h30.

Dois_Homens_Nus_Ensaio_Solidario_Newsletter

O espectáculo conta com a encenação de Tiago Guedes e interpretações de Miguel Guilherme, Sandra Faleiro e Jorge Mourato, na versão portuguesa de um dos textos mais hilariantes e de maior sucesso em França, nos últimos anos, da autoria do dramaturgo, humorista e actor Sébastien Thiéry.

 

O bilhete tem o custo fixo reduzido de 10€ (sem lugares marcados) e as receitas revertem, na sua totalidade, a favor da ANGQ – Associação Nacional de Fibrose Quística. A ANFQ é uma IPSS criada em 1996 com o objetivo de apoiar os pacientes e suas famílias, assim como promover a divulgação dos sintomas e cuidados associados à Fibrose Quística (FQ). A FQ é uma doença genética hereditária rara que afeta cerca de 400 pessoas em Portugal, 75.000 em todo o mundo. Pode atingir diferentes órgãos mas afeta principalmente os pulmões, intestino, fígado, pele e pâncreas.

 

Teatro Villaret (Lisboa)

22 de Março 2017 | 21.30h

Apresentação da BD “Os Vampiros” de Filipe Melo e Juan Cavia

A novela gráfica "É uma reflexão sobre o subconsciente, sobre a guerra e sobre o medo", afirmam os autores, na sinopse de apresentação desta novela gráfica, que se junta a uma escassa bibliografia de banda desenhada portuguesa, dedicada à temática da guerra colonial.

Com cerca de 250 páginas, a história centra-se num grupo de nove soldados portugueses destacados na Guiné-Bissau e que atravessa a fronteira para o Senegal, "para uma operação aparentemente simples", que acabará por se transformar num pesadelo.

15abri_Vampiros

"Os Vampiros" - cujo título remete para a canção homónima de José Afonso - volta a juntar o argumentista Filipe Melo e o desenhador argentino Juan Cavia, depois de terem feito a trilogia de BD "As aventuras de dog Mendonça e Pizzaboy".

 

Casa da Cultura (Setúbal)

15 de Abril 2017 | 21.30h

TNT inicia tour "mais pequena do mundo"…

Há um menino de ouro e um rei dos gazeteiros nas nossas memórias cinematográficas dos anos 80 e encontrar essas referências no alinhamento do novo álbum de TNT só confirma o seu estatuto de veterano. O homem forte da Mano a Mano tem construído um singular percurso no muito povoado território do hip hop nacional, mas nunca abdicou da sua própria bagagem nessa viagem.

Após o lançamento do disco "Menino de Ouro", TNT inicia uma tour promocional pelo país durante o mês de Março. Esta pretende ser a tour "mais pequena do Mundo" e consiste em pequenas actuações, formato showcase, em espaços relacionados com cultura urbana como lojas de skate e streetwear.

untitled-2

De Faro até Braga, TNT vai munido de um PA portátil, sampler e microfone, e com isso fará a festa em cada um dos locais por onde passar.

O objectivo é estar mais próximo dos fãs e poder partilhar com eles, cara a cara, o seu mais recente lançamento.

 

17 de Março de 2017 - Flow Urban (Faro)

18 de Março de 2017 - Muve Store (Évora)

25 de Março de 2017 - Bana Store (Sassoeiros)

31 de Março de 2017 - Mutante Hardwear (Gaia)

1 de Abril de 2017 – Props (Braga)

Afrobaile apresenta… Conjunto Contratempo

Esta sexta, 17 de Março, está de regresso à Galeria Zé dos Bois, mais uma sessão do Afrobaile, a curadoria regular de Celeste/Mariposa que nos introduz aos nomes mais seminais da cultura tradicional dos PALOP. Com início às 22h00, a noite arranca com concerto do Conjunto Contratempo e segue com DJ set do Curador.

b19b56aa-52e0-4e15-b568-b5e122a1aac5

Banda de baile cabo-verdiana, fundada em 1980 na área de Lisboa, o Conjunto Contratempo foi o grande impulsionador do FunaCola, estilo musical que funde Funaná com Coladeira e que, posteriormente, seria consagrado pelos Finaçon de Zeca di nha Reinalda. A discografia d’Os Contratempo é incontornável: Terezinha (1982), Tchico Tchicote (1986) e Menina Fiteira (1990). Da formação original, Zé Lino é a voz principal e viola ritmo, Pascoal no baixo, Manelinho nas teclas e Zé Rui aka Zé di Pitéu na guitarra solo. Mas agora conte-se com a estreia na bateria de Vitor Semedo do conjunto Mistiçu.

 

De Lisboa guardam como recordações os bailes aos domingos, num (saudoso) tempo em que os conjuntos de música africana tocavam, em média, entre 4h/5h por actuação, farras que se tornaram recordações indeléveis, para músicos e público, em boites de Norte a Sul do país… Mas Sr. Zé Lino fala orgulhosamente de uma muito particular, na Associação Académica da Amadora, em 1993, com Bonga, Justino Delgado e Paulino Vieira.

 

Conhecem grande parte da Europa, da Suíça à Holanda, França e Itália, Espanha ou Bélgica, mas nunca deram um concerto em Cabo Verde, nem sequer em África. A última vez que partilharam o mesmo palco foi na cidade Suíça de Montreux em 1994. O AfroBaile tem o imensurável orgulho de apresentar o Conjunto Contratempo

 

Galeria Zé dos Bois (Lisboa)

17 de Março 2017 | 22.00h

Bonobo (live) no NOS Alive’17…

Simon Green aka Bonobo, um dos nomes mais aguardados pelos fãs, é a mais recente confirmação para o NOS Alive’17. O músico e produtor apresenta ao vivo dia 6 de julho no Palco Heineken, num live act, o seu sexto longa duração, o poderoso e magistral “Migration”, editado no passado mês de janeiro.

3-Bonobo-Neil-Krug-3000

photo: Neil Krug

 

O novo disco de Bonobo é um trabalho que vem cimentar a posição do músico nos mais altos escalões da música eletrónica. “Migration” é talvez a tentativa mais ambiciosa do músico de captar as texturas da existência humana, através da conjugação das suas habilidades técnicas com a emoção, energia, alegria, melancolia, beleza e bom gosto que lhe é característico, numa obra de arte que conta com a participação de artistas como Rhye ou Nick Murphy.

"The North Borders” antecessor de “Migration”, editado em 2013, conquistou rapidamente os mais importantes tops, tendo ficado em #1 nas tabelas de música eletrónica no Reino Unido e nos Estados Unidos. Este trabalho foi apresentado com 175 concertos, em 30 países de quatro continentes, para cerca de dois milhões de fãs. Bonobo junta-se dia 6 de julho aos já anunciados The Weeknd, The xx, Phoenix, Alt-J, Royal Blood, Ryan Adams, Rhye, Blossoms, Glass Animals.