Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Metallica… Informação sobre a venda de bilhetes

Os bilhetes para o concerto dos Metallica serão colocados à venda ao público em geral a 24 de março, sexta-feira, a partir das 9h da manha. Disponíveis em regime de pré-venda para membros do Legacy Met Club a partir da próxima terça-feira, 21 de março, pelas 9h da manhã, enquanto os bilhetes de todos os Fifth Members dos Metallica ficarão disponíveis em pré-venda a partir das 10h do mesmo dia.

untitled

Os bilhetes que forem adquiridos nas lojas oficiais incluem o álbum “Hardwired… To Self-Destruct”, em formato físico e digital, edição standard. Serão enviadas informações mais detalhadas por e-mail quanto a esta oferta, sendo que em caso de já se ter o disco é possível oferecê-lo. A versão física do álbum acresce taxas de envio. Para beneficiar desta oferta deverá fornecer um endereço de email durante o processo de compra do bilhete.

Posteriormente será contactado via email, onde será fornecido código para resgatar cópia do álbum “Hardwired… To Self-Destruct” edição standard. Para mais informações acerca desta oferta: http://chilli.mobi/metallica/

gnration celebra música de dança com club night encabeçada por The Field

Depois do sucesso da primeira gnration club night, que contou com Kode9 e Niggafox como destaques da noite dedicada à música de dança, o gnration volta a apresentar uma segunda edição já este sábado e que contará com o dj e produtor sueco The Field e os portugueses Photonz e Consórcio (Terzi, Lukkas, Vivax).

gnrationclubnight

Em 2003, Axel Willner, ou The Field, torna-se popular por utilizar Buzz – um software que ainda hoje manipula para criar música – para construir o seu techno ambiente baseado num estóico motorik. Um ano mais tarde, junta-se à editora Kompakt. Em 2007, e depois do EP “Sun & Ice”, atinge um fenomenal sucesso com o disco de estreia “Here We Go Sublime”, recebendo 9 pontos e um lugar de destaque no top dos 200 discos da década para a eclética Pitchfork e arrebata ainda rasgados elogios do NME e BBC. Nesse mesmo ano, percorrendo o mundo apenas armado de um laptop, embarca na sua primeira digressão que inclui festivais tão conceituados como o Pitchfork Music Festival, ATP, Sonar e Oya. Dois anos mais tarde, em 2009, com “Yesterday & Today”, Axel junta-se com Dan Enqvist, no baixo, e Jesper Skarin, na bateria, e volta à estrada, numa digressão britânica que se demarca pela primeira enquanto cabeça de cartaz. É com este trabalho que, nos Estados Unidos, faz a primeira parte de The Juan Maclean. Como complemento, marca ainda presença em festivais como Bestival, Roskilde e o OFF Festival. O terceiro disco, “Looping State of Mind”, chega em 2011, dois anos antes de “Cupid’s Head”. Este último trabalho é visto pela conceituada Resident Advisor como “a melhor criação de The Field até à data”. 2016 marca o ano do seu regresso com “The Follower”, novamente na Kompakt.

RedBull Music Academy Radio Fest

 

Photonz é Marco Rodrigues, dj e produtor por detrás de uma das melhores faixas da cena underground do ano passado: a remistura para “Institute of the Overmind” do músico alemão de eletrónica Legowalt, trabalho que o colocou na mala de discos de um vasto número de dj’s, onde se incluem nomes como Mike Servito, DJ TLR, Adriatique, Volvox ou DJ Haus. Marco Rodrigues pode ainda ser um nome desconhecido para alguns, mas a verdade é que o seu nome está inscrito nas pistas de dança há uma década. O seu trabalho a solo, datado de 2016, através da editora londrina Living Records, criou culto na música de dança. Desde então, as suas edições têm sido albergadas por casas icónicas como a extinta Dissident, de Andy Blake, a instituição alemã Creme Organization ou a Unknown To The Unknown, de DJ Haus, entre outras. O som de Photonz como dj e produtor é uma nova etapa no legado do house primitivo de Chicago, do techno do Detroit e electro estilo Drexciya, sempre fundidos com influências da cena rave portuguesa como DJ Vibe ou nomes da Kaos Records.

braga2

Nesta segunda edição da gnration club night, Terzi, Lukkas e Vivax serão os três nomes que dão a cara (e as faixas) pelo coletivo bracarense Consórcio, projeto resultante de uma encomenda direta do gnration e que teve a sua estreia na edição 2015 da Noite Branca. André Granada, aka Midnight, Marcos Almeida, aka King Fu, Ludovic Pereira, aka Cloche, Ludovic ou Umbra (da Con+ainer Music), Gonçalo Neto aka Terzi (da Extended Records) e Lucas Palmeira, aka Lukkas e Missing Link, são os cinco cérebros iniciais deste projeto multifacetado e multidirecional, que fala a língua comum da eletrónica e se impõe nas pistas de dança.

 

Gnration (Braga)

25 de Março 2017 | 23.30h

Mishlawi na Queima das Fitas de Coimbra…

Mishlawi é a nova confirmação para o dia 9 de Maio nas noites do Parque da Queima das Fitas de Coimbra.

mishlawi-01

Com apenas 20 anos o jovem Tarik Mishlawi, é já é um dos artistas mais originais e com maior potencial no panorama hiphop nacional. Nascido nos USA e criado em Cascais, Portugal, onde reside há 10 anos, as suas influências fazem com que se torne num artista único, desde o rap ao novíssimo trap’n soul.

Mishlawi é o exemplo perfeito de um jovem extremamente influenciando pela nova onda da música urbana que tem crescido um pouco por todo o Mundo. Depois do sucesso dos singles “All Night” e “Always on My Mind Limbo”, e da colaboração com Richie Campbell em “Boohoo”, Mishlawi já está a trabalhar na sua mixtape de estreia.

Digital 21 + Stefan Olsdal na primeira parte do concerto dos Placebo

Para comemorar 20 anos de lançamento do álbum de estreia, os Placebo voltam à estrada e brindam Portugal com dois concertos em nome próprio no próximo mês de maio. A banda de rock alternativo sobe ao palco do Pavilhão Multiusos de Gondomar dia 1 de maio e no dia seguinte atua no Coliseu de Lisboa. A banda traz a Portugal mais de duas décadas de canções de sucesso, que contam com hits como “Running Up That Hill”, “Every You Every Me”, “Song To Say Goodbye”, “Pure Morning”, entre muitos outros.

Digital 21 + Stefan Olsdal

photo: Javier Alonso

 

Digital 21 + Stefan Olsdal, o projecto que junta Miguel López Mora e Stefan Olsdal (Placebo), vai subir ao palco na primeira parte dos concertos de celebração dos 20 anos de carreira dos Placebo, que se realizam dia 1 de maio no Pavilhão Multiusos de Gondomar e dia 2 de maio no Coliseu de Lisboa.

 

O projecto recentemente formado pelo pioneiro da música eletrónica espanhola, Miguel Mora, e pelo co-fundador dos Placebo, Stefan Olsdal, apresentou-se ao público com os primeiros temas “War", "Rebellion" (remisturado por Dave Clarke), "She" ou "Spaces" ft. Margrét Rán (da banda islandesa Vök). O som híbrido da dupla foi considerado pela imprensa especializada como um dos grandes lançamentos do ano

Xinobi está de volta com novo álbum “On The Quiet”

O novo álbum de Xinobi está plenamente assente no AGORA. É música eletrónica emo que se pode dançar. Pode-se dizer que é música house atmosférica com spoken word, eletrónica sonhadora com um sentimento pop, techno etéreo, música não convencional de tons negros com letras invulgares no mundo da música de dança.

Xinobi_On_the_quiet_ALBUM

On The Quiet” é uma história focada nas pistas de dança sobre a transição de muitos músicos do mundo punk rock e skateboarding para a música house e de como a música de dança pode ser um espaço para uma maior sensibilização quanto à consciência social. É conhecimento geral de que o segundo álbum de um artista é o seu trabalho mais difícil. “On The Quiet” prova ser uma exceção a esta ideia. Depois de inúmeros singles e remixes muito bem-sucedidos, Xinobi encontrou o seu estilo próprio no seu álbum de estreia, “1975”, lançado em 2014, e melhorou esse estilo neste novo conjunto de canções, que se afirma como um novo marco no seu percurso.

On The Quiet” é um reflexo do caminho que muitos músicos contemporâneos de eletrónica têm traçado, começando no punk e evoluindo de forma diversificada, mantendo ainda assim algumas das éticas da escola punk. Pode-se dizer que este é um disco D.I.Y. Xinobi tocou e produziu todo o álbum, que é lançado com o selo da Discotexas, a editora que o próprio gere com Moullinex. Alguns amigos foram convidados a cantar nalguns temas, e depois existe Ian MacKaye (o homem por trás de bandas tão importantes como Minor Threat, Fugazi ou a editora Dischord), que dá voz a condutas de skateboarding e interpretações urbanas alternativas. O disco conta ainda com artwork da autoria de Braulio Amado com textos biográficos extensos, todas as letras e entrevistas com Igor Cavalera (membro fundador dos Sepultura e Mixhell) e David Anderssons dos Punks Jump Up, belissimamente trabalhados com uma estética própria das fanzines.

Manel Cruz, Tinariwen e Nação Zumbi são as novas confirmações do Mimo Festival Amarante

O carismático vocalista dos Ornatos Violeta, Pluto, Supernada e Foge Foge Bandido regressa aos palcos em 2017 com um novo projecto, em nome próprio. Depois de um período dedicado às artes plásticas (outra das suas áreas de intervenção artística) Manel Cruz está de volta com novas canções ao lado dos suspeitos do costume: Edú Silva (baixo, teclados), Nicot Tricot (flauta transversal, teclados, guitarra eléctrica) e António Serginho (percussão, teclados).

c90d794c-6d65-4db2-9f26-d3d69b096f52

O MIMO Festival Amarante recebe, assim, o primeiro concerto de uma pequena série que o músico e compositor dará este verão. Manel Cruz foi convidado a encerrar o festival dia 23 de Julho, e, além das músicas novas, vai recordar canções que se tornaram hinos de uma geração.

97265a65-4edb-46d9-88d9-97648a85add4

Do Mali, vem a banda Tuareg de guitarras formada no final dos anos 70. Os Tinariwen actuam dia 21, trazendo o calor do blues do norte de África e “Elwan”, o sétimo disco do grupo, que será editado em Portugal durante o MIMO Festival Amarante. Gravado em França, Marrocos e Califórnia, em 2016, tem sido considerado pela crítica como o melhor álbum do grupo desde “Amassakoul”, lançado em 2004.

O grupo mistura rock, blues e tichumaren, música tradicional do nordeste do Mali associado à luta política do povo Tuareg, num registo original que valeu aos Tinariwen o Grammy para Melhor Álbum de World Music em 2012. O novo disco, assim como o concerto, apresenta canções que meditam sobre ancestralidade, união e companheirismo, impulsionados pelas guitarras contagiantes, hipnóticas e cheias de groove. Participam de “Elwan” o guitarrista Matt Sweeney (Will Oldham e Run the Jewels) e os músicos Kurt Vile, Mark Lanegan (ex-Screaming Trees) e Alain Johannes (ex-Queens of the Stone Age).

7a83ecce-aa7f-4814-b673-02e60dc2f8da

Do Brasil, chegam a Amarante, dia 21, os pernambucanos Nação Zumbi, banda referência do rock brasileiro. Na bagagem trazem o décimo álbum, homónimo, que marca o regresso aos originais depois de sete anos de “Fome de Tudo” e conta com a participação de Marisa Monte.

No ano em que se assinalam 20 anos da morte de Chico Science, vocalista e fundador dos Nação Zumbi, o grupo, precursor do Manguebeat no Brasil  - e agora composto por Jorge Du Peixe (voz), Lúcio Maia (guitarra), Dengue (baixo), Pupillo (bateria), Toca Ogan (percussão), Da Lua e Tom Rocha (alfaias) - vai revisitar as músicas que ficaram na história do importante movimento, um cruzamento de elementos da cultura regional de Pernambuco, como o maracatu rural, com a cultura pop, sobretudo o rock'n rol, funk e o hip-hop.  

"Casa De Cima" o regresso das Pega Monstro

A Cafetra tem o prazer de anunciar o lançamento do terceiro LP, "Casa de Cima", das Pega Monstro, uma parceria Cafetra com a editora londrina Upset the Rhythm, editora onde em 2015 saiu o "Alfarroba" das irmãs, Maria e Júlia Reis.

cdc000054promo_pega_monstro_sara_rafael

Gravado em Setembro do ano passado pelo Leonardo Bindilatti, na Praia Grande, na serra de Sintra , na casa de um amigo chamada Casa de Cima daí o título do disco.

 

Maria explica a canção e o disco… “Eu vou partir a loiça toda !! Esta expressão é talvez a que resume melhor aquilo que o Casa de Cima é para nós, uma inversão de marcha guinada em relação à norma concebida por sei lá quem. Esta necessidade de boicote é traduzida mais literalmente nesta canção, e é articulada de formas diferentes nas outras canções do LP, nas melodias de voz e as suas referências, na estrutura das canções e na abordagem à produção mais despida, mais lavada. Uma espécie de punkizar a música e ao mesmo tempo cantar aquilo que para nós é bonito”

A data de lançamento está prevista para 2 de Junho

Bloom - A Metamorfose de JP Simões…

Bloom é o nome da mais recente aventura musical do cantor e compositor português JP Simões e “Tremble like a Flower” é o seu primeiro disco.

São dez temas tensos e luminosos que, a partir de uma base intimista e de escrita confessional, se vão abrindo em paisagens electrizantes e feéricas, algo que começa por desenhar uma viagem interior e sai a sobrevoar o mundo.

7170f3f6-e28a-4177-ade3-c3291f93eb2b

A composição deste disco foi-se alicerçando no blues mais primordial, passando pela folk dos anos 60 (Dylan, Cohen e Nick Drake). Com a introdução de outras afinações, a procura de espaços mais vastos e serenos e a aglutinação de um certo modo “bossa nova” de tocar guitarra com um fingerpicking mais percussivo, a música começou a tomar o seu próprio rumo e as canções foram nascendo.

 

Teatro Aveirense

24 de Março 2017 | 21.30h

 

Plano B (Porto)

25 de Março 2017 | 22.30h

“Chama-me Nomes”... o novo single dos GROGNation

"Chama-me Nomes” avança a chegada de novo trabalho do coletivo de Mem- Martins, formado por 5 Mc’s, Factor, Harold, Papillon, Neck e Prizko, os GROGNation. Na bagagem contam já com duas mixtapes, “Segunda Vaga” (2012) e “Dropa Fogo” (2013) e dois EP “Sem Censura” (2014) e “Na Via” (2015).

grognationcfilipefeio

photo: Filipe Feio 

 

O single “Chama-me Nomes” conta com um videoclipe ilustrativo, com argumento desenvolvido por Harold, filmado e editado por Bernardo Infante. Uma história de amor que poderia ser a de qualquer ser humano com toda a mescla de emoções que o sentimento obriga, porque o amor vive-se e aprende-se como qualquer outra arte. Uma perceção, conceituação e idealização do amor no aqui e no agora, de uma toda e nova geração porque os GROGNation “não são uma crew mas uma linha de pensamento”. “Chama-me Nomes” é o mote para o “Nada é por acaso” novo álbum dos GROGnation com data de saída apontada para o mês de Abril.

GROGNation, com participações e produções de nomes conceituados do panorama do Hip Hop Nacional, como Sam The Kid, Nbc, Sir Scratch, Landim e Vinyl e com presença já em grandes festivais nacionais são, sem dúvida, uma nova escola de Hip Hop a seguir.

Xinobi… "On The Quiet" apresentado esta Quinta-Feira no Musicbox

Xinobi é Bruno Cardoso, um rapaz que cresceu obcecado com música e que faz parte da geração que aprendeu e desenvolveu o seu trabalho por si próprio. Tornou-se universalmente conhecido depois de músicas como "BMX" ou "Day Off" se espalharem e se tornarem tão populares que elevaram Xinobi a outros níveis.

Xinobi_On_the_quiet_ALBUM

As influências de Xinobi são tão diversas como a sua discografia e consequentemente as suas produções são ecléticas e frescas, algo dificil, quando se surpreende sempre que se lança música nova. Podemos sempre defini-lo como Disco/House/Electro/Techno mas a verdade é que apesar de versatilidade, existe sempre uma imagem de marca nos seus sons e essa versatilidade é visível também nas suas atuações. Podemos viajar pelo funk até a uma sonoridade mais profunda sem perder a consistência, sendo algo que resulta no calor de Miami ou nas noites frias de Berlim. 

Depois de lançar o EP "The Best of Me" (pela editora de Kris Menace, Work it Baby) ganhou reconhecimento junto da critica e dos seus pares começando a criar um culto underground bastante mais amplo. A canção com homónima foi inclusivamente citada como uma das melhores de 2011 em vários tops.

 

Depois de vários projectos com Discotexas e de mais um grande sucesso com "1975" que teve em "Mom and Dad" um dos temas de 2014, chega em 2017 "On The Quiet" que fará novamente mexer as pistas de dança. A apresentação acontece já esta quinta-feira, dia 23 de Março. Uma história sobre a transição de muitos artistas do punk rock e skateboarding para house-music e sobre como a música de dança pode ser um campo de consciencialização social.

Um álbum enraizado no agora! Música electrónica, emocional, dançável. House atmosférico ornamentado com vozes melódicas e spoken word, preenchido com letras incomuns no mundo da música de dança. A noite continuará com a actuação poderosa do sueco The Field e termina da melhor maneira com um DJ set de BMX (BANDIDO$ + Xinobi).

 

Os primeiros 100 bilhetes têm incluído o CD "On The Quiet" em exclusivo e em primeira mão, apresentando o bilhete à entrada no Musicbox, no dia do concerto

 

Musicbox (Lisboa)

23 de Março 2017  

LOT apresentam “Mother Board”

O Sabotage Club, em Lisboa, foi o local escolhido para a apresentação oficial do novo álbum de LOT, “Mother Board”. 2017 começou de forma promissora para LOT, com o convite para fazer a abertura do concerto de Thievery corporation no Coliseu de Lisboa e um concerto na Casa da Música no Porto.

56542b6d-d36a-4901-a920-61aa7c84f617

Para ilustrar o lançamento de “Mother Board”, foi já apresentado o single "Take A Look” , com videoclip filmado e realizado em Nova Iorque por André Gaspar que voltou a trabalhar com LOT, depois dos anteriores vídeos “Mary Jane” e “Staying In Tonight” que também fazem parte do álbum.

Depois de em 2016 terem marcado presença no NOS Alive e terem feito uma tour pelas FNAC's do país, chega agora o momento da apresentação oficial de novo álbum. A música de LOT junta a esfera eletrónica de batidas fortes, e a melodia cantada, que nos entra no ouvido e fala para o coração. Pedro Sacchetti, José Evangelista e Rui Rodrigues apresentam assim o primeiro trabalho oficial que poderá ser ouvido na íntegra já no próximo dia 7 de abril, num concerto que se prevê único.

 

Sabotage Club (Lisboa)

7 de Abril 2017 | 23.00h

Duquesa apresenta "Norte Litoral" ao vivo

Duquesa é Nuno Rodrigues, jovem feito homem que traduz a sua metamorfose com a desenvoltura melódica e os ganchos pop cujo sabor se dissipa, mas não se esquece. A sua música enaltece que a palavra escrita está subentendida na arte de escrever canções, e a sua voz embevece com as melodias com que maquilha a sua expressão carregada — contornam-se as rugas com sorrisos rasgados a ironia e aplica-se uma base pop em tons pastel.

17190841_10155862356404992_5238466353223697636_n

Em "Norte Litoral" ouvimos a sua paixão pelos anos 80 a transformar-se num documento actual sobre sonoridade pop, onde o minimalismo lírico abre espaço para arranjos cuidados e melodias garridas, remetendo-nos para paisagens tão familiares quanto distintas.

 

Com toda a pompa e circunstância, Duquesa leva ao Passos Manuel o seu "Norte Litoral", fazendo-lhe justiça com a banda com que em estúdio criou o álbum.

 

Passos Manuel (Porto)

23 de Março 2017 | 21.30h