Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

“How To Become Nothing” no Sons à Sexta…

“How To Become Nothing” junta o músico The Legendary Tigerman, a fotógrafa Rita Lino e o realizador Pedro Maia numa road trip pelo deserto da Califórnia. Um road-movie em formato filme-concerto, com banda sonora ao vivo de The Legendary Tigerman e manipulação de imagens em tempo real de Pedro Maia.

Cartaz112

Um falso diário em super8 e fotografia, com textos de Paulo Furtado, fruto de três visões sobre a viagem de um homem que, mais do que desaparecer, procura chegar a nada, procura ser nada.de um homem que, mais do que desaparecer, procura chegar a nada, procura ser nada.

 

The Legendary Tigerman é o alter-ego de Paulo Furtado, multifacetado artista de Coimbra. Inspirado no velho formato de “one-man-band”, nascido nas margens do Delta do Mississipi, o músico transporta este conceito para o Século XXI, com uma estética muito particular. Pedro Maia trabalha principalmente em torno do conceito de “Analogue Cinema”, explorando a potencialidade do próprio meio, expandindo a estética e “herança” técnica do trabalho em película de 16mm e 8mm. Rita Lino tem vindo a desenvolver série de fotografias que exploram uma “obsessão natural” com o “eu”, um contínuo “trabalho em progresso”, que usa o autorretrato e o corpo como matéria primária para ser recriado e exorcizado.

 

A Moagem - Centro do Engenho e das Artes (Fundão)

14 de Abril 2017 | 22.30h

De distribuidora/editora de discos a clube nocturno… um percurso de 4 anos

O que desde 1999 foi uma das mais activas distribuidoras de discos independente em Portugal, é desde 2013 um club de Rock´n´Roll. José Maria Sousa e Ana Paula Flores, parceiros desta aventura, contornaram as dificuldades da queda do mercado discográfico com o realizar de um sonho, o da abertura dum clube de Rock´n´Roll, equipado com um excelente PA, onde artistas nacionais e internacionais pudessem ter as melhores condições para apresentar ao público os seus trabalhos.

17424830_1502697763114537_535732832860521011_n

Falar de Sabotage implica falar da Zounds, editora e promotora de eventos. Ambas as empresas dedicavam a sua actividade à música através da representação e distribuição de editoras nacionais e internacionais em Portugal. Da edição discográfica de artistas nacionais à produção de eventos, ao longo dos anos revelou grandes músicos e bandas ao público português como: The Black Angels, Eagles of Death Metal, Bon Iver, Swans, Michael Gira, Calexico, Explosions in the Sky, Dirtbombs, Devendra Banhart, Cocorosie, Mike Patton, Melvins, Sunn O))), Black Mountain, TV on Radio,  Lula Pena, Glass Candy, Jonh Fahey, entre muitos outros.

Representaram em Portugal editoras como a Soul Jazz Records, Young God Records, In The Red, Touch and Go, Sonic Youth Records, Secretly Canadian, Soundway, Strut, Ipecac, K Records, DFA Records, Suicide Squeze, Temporary Residence, Asthmatic Kitty, Takoma, Vengeance Records, Dischord, Italians do it Better, Light in the Attic, Ba Da Bing!, Durtro / Jnana, Badman, Web of Mimicry, ATP Recordings e uma série de outras editoras do universo independente.

 

Com o aparecimento da era digital e a consequente queda do mercado dos discos, o sonho do club de rock´n´Roll começou a ganhar forma e torna-se uma necessidade. A vontade de continuar a ser parte activa na divulgação de novos projectos levou à criação do Sabotage Rock’n’Roll Club, um clube que veio preencher uma lacuna em Lisboa, a da não existência dum espaço com uma programação semanal e regular de eventos, dedicado ao Rock’n’Roll e às suas mais variadas vertentes, no espírito dos míticos Rock Rendez-Vous e CGBG. Há até quem diga “Quando se quer ter uma experiência a la New York, vai-se ao Sabotage” – Vítor Rua.

 

Com uma direcção artística virada para as raízes e ramificações do Rock´n´Roll, a aposta tem passado por nomes emergentes não só do panorama musical nacional, mas também internacional, colocando o Sabotage em diversas rotas de digressões. O clube oferece ao público a possibilidade de experienciar concertos num espaço intimista, onde se pode não só sentir o som, mas também as vibrações dos seus intervenientes de bandas já conceituadas do público lisboeta. De Mão Morta a Pop Dell´Arte, de Toy a …and Also the Trees e Motorama, de Legenday Tigerman a Parkinsons, de King Khan a Cosmic Dead, Dean Wareham, Kid Congo, Ringo Deathstarr, Messer Chups, TAU… são perto de 500 concertos em 4 anos.

 

A festa do 4ª aniversário… será 4 dias de festa a começar com Capitão Fantasma, um regresso aos palcos, mas também ao Sabotage. Haverá ainda 3 das mais promissoras bandas nacionais, Memória de Peixe, Alek Rein e Cave Story, mas também a visita do lendário Tav Falco com os seus Panther Burns. Pioneiros da cena garage/psychobilly juntamente com os The Cramps, regressam a Portugal para um concerto único. Para terminar, mais um regresso, Repórter Estrábico voltam aos palcos para uma noite cheia de surpresas depois de um interregno de 10 anos pois o seu último concerto data de 2007. A abrir este concerto estarão os Sacapelástica, banda de Paulo Lopes que nos levarão numa viagem delirante. Após os espectáculos o DJ residente Nuno Rabino convida vários amigos da casa a passar discos e a convidar ao pézinho de dança, entre os ilustres estarão Mário Lopes (Público), Tiago Castro (SBSR Fm), Dr.Feelgood ou A Boy Named Sue!

 

27 Abril: Capitão Fantasma + DJ Serotonin (Graveyard Thrills), Nuno Rabino

28 Abril: Memória de Peixe, Alek Rein, Cave Story + DJ Mário Lopes, António Manuel, Nuno Rabino. 

29 Abril: Tav Falco Panther Burns + DJ A Boy Named Sue (Kaleidoscope/Chills & Fever), Johnny Chase, Nuno Rabino

30 Abril: Repórter Estrábico, Sacapelástica + DJ Tiago Castro, Dr.Feelgood (Sabotage/Zounds), Nuno Rabino.

 

 

 

“Em cada esquina um amigo”… a memória de Zeca Afonso n’A Voz do Operário

Em cada esquina um amigo” é um evento de grandes dimensões artísticas e culturais que pretende explorar as variantes musical e poética na cantautoria de José Afonso e, acima de tudo, na sua intemporalidade.

Banner, Tiago Nunes

Esta homenagem, que será no ano do 30º aniversário da sua morte e numa data tão próxima do 25 de Abril, prevê uma celebração da vida e da obra de Zeca Afonso, contando com um variado leque de artistas e performers cujas influências e inspiração têm algum vínculo e / ou associação mais ou menos visível com o seu legado. O cartaz do evento conta com nomes como: B Fachada, JP Simões, Allen Halloween, Benjamim, Éme, Primeira Dama entre Outros

 

Esta comemoração é organizada pelas Produções Incêndio, um grupo de jovens produtores lisboetas que se dedica à realização e promoção de eventos inovadores e culturalmente diversificados.

 

A Voz do Operário (Lisboa)

29 de Abril 2017 | 21.30h

Os portugueses Clã e a indiana Mangka apresentam "Nura Pakhang (Eu e Tu)"

A canção “Nura Pakhang (Eu e Tu)” resulta de uma colaboração entre os Clã e a indiana Mangka e é o primeiro single dos novos volumes da saga “T(H)REE”. O tema, bilingue, tem como letristas Carlos Tê, Hélder Gonçalves, Manuela Azevedo e Mayanglambam Mangangsana, músico também natural de Manipur, o estado indiano a sudeste dos Himalaias onde foi gravada a primeira parte do vídeo. Há poucos dias o realizador indiano Romi Meitei gravou a segunda parte do vídeo com os Clã, na cidade do Porto .

3977dadb-7035-4c35-8486-0d4d3b5074d8

Ao todo são 74 projectos musicais em criações conjuntas entre Portugal e o oriente em três discos. Bahrein, Emiratos Árabes Unidos, Cazaquistão, Uzbequistão, Indía e Sri Lanka foram os destinos destes três volumes de “T(h)ree”. A caixa que inclui os três discos é lançada a 28 de abril, conta com a coordenação de David Valentim, edição da Omnichord Records e produção parcialmente apoiada pela Fundação Oriente, com a totalidade das receitas a reverter para a instituição “Make a Wish Portugal.”

 

A Musical Journey From Portugal to Asia

 

“T(h)ree vol.4 - Portugal - Bahrain - United Arab Emirates”

  1. Caixa de Pandora (pt) + Hassan Haddad (bh) - A prayer not for him - intro & outro by Sturqen (pt)+ Malak Latif (bh)
  2. Mola Dudle (pt) + Majaz (bh) - Airpoetry
  3. Azevedo Silva (pt) + Geaorge Saliba (ae) - Raiva Serena
  4. Pedro Magina (pt) + Mohammed Alhasan (bh) + Hind Dito (bh) - Sing
  5. Duarte (pt) + Aalaat (bh) - Saudade
  6. André Viamonte (pt) + Mohammed Haddad (bh) - Dreams Hostler
  7. First Breath After Coma (pt) + Noush Like Sploosh (ae) - Broken Lines
  8. Surma (pt) + WYWY (ae) - Alaala
  9. Holy Nothing (pt) + Muhaisnah Four (ae) - Home
  10. Coclea (pt) + Flamingods (uk/bh) - Idylic Living
  11. Peixe (pt) + Sherine Tohamy (ae) - Encontro improvável
  12. Caixa de Pandora (pt) + Amélia Muge (pt) + Hassan Haddad (bh) - Andaluziando

 

“ T(h)ree vol.5 - Portugal - Kazakhstan – Uzbekistan”

  1. Imploding Stars (pt) + Neo - Ethno Folk Group Arkaiym (kz) - Treeless prairie
  2. Cave Story (pt) + Sharapat (kz) - Bas, Bayrlar, Alga!
  3. Basset Hounds (pt) + Origami Wings (uz) - Perfect silence
  4. Noz (pt) + Abdunazar Poyonov (uz) - As the eye to the brow
  5. Oficina Salobra de Bruno Broa (pt) + Gulzoda (uz) - Azul
  6. Loosers (pt) + Mohichehra (uz) - Condor
  7. Albatre (pt) + Aldaspan (kz) - Men Edim
  8. Maria Radich (pt) + O Quarto Fantasma (pt) + United Taklif Band (uz) - Okrasheno
  9. Joana Gama (pt) + Luis Fernandes (pt) + Melissa Veras (pt) + Magic Of Nomads (kz) - Torga
  10. Old Jerusalém (pt) + Agybay (kz) - Magna
  11. Indignu (pt) + Oxus (uz) - Falak Eden

 

“T(h)ree vol.6 - Portugal - India - Sri Lanka”

  1. Clã (pt) + Mangka (in) - Nura Pakhang (Eu e Tu)
  2. Nice Weather For Ducks (pt) + Mihindu Ariyarante (lk) - Susumak Se
  3. The Lazy Faithfull (pt) + Indus Creed (in) - Wide
  4. Few Fingers (pt) + Circus Cult (lk) - From Beijing to Tokyo
  5. Savanna (pt) + Kumail (in) - Break It / Fix it
  6. Jibóia (pt) + Disco Puppet (in) - Bobadela Bangalore
  7. Knock Knock (pt) + Your Chin (in) - How We Leave
  8. Birds Are Indie (pt) + Taba Chake (in) - Kids in the playground
  9. Pista (pt) + Tritha Electric (in) - Mono Mor Meghero Shongi
  10. Pedro Salvador (pt) + Joana Guerra (pt) + Baiju Dharmajan (in) - Moon as an above person
  11. André Barros (pt) + Dinesh Subasinghe (lk) - En pointe

Quinta do Bill Vencem o Prémio aRitmar 2016

A Quinta do Bill foi anunciada como vencedora do Prémio aRitmar 2016 na categoria de Melhor Música Portuguesa com o tema "Faz Bem Falar de Amor".

Os Prémios aRitmar premeiam as melhores músicas e poemas portugueses e galegos de cada ano.

untitled-1

O tema "Faz Bem Falar de Amor" integra o álbum "Todas as Estações", editado em 2016 em parceria com a Sony Music Entertainment Portugal.

O videoclipe do tema, que pode ser visto nas redes sociais da Quinta do Bill, está também a concurso em vários dos mais prestigiados festivais de cinema e curtas metragens de animação internacionais, dos quais podemos realçar o International Short Film Festival Oberhausen.

TREMOR #4… Horários para o maior abalo cultural na ilha de São Miguel revelados

Em vésperas da tour do TREMOR aterrar no continente, trazendo em estreia os MCs de São Miguel Fred Cabral e Swift Triigga, foi aumentada a intensidade dos abalos previstos para os Açores de 4 a 8 de Abril com o programa das festas, vulgo horários.

untitled-3

O TREMOR arranca no dia 8 às 10h, com programação dirigida para crianças, e estende-se até à madruga do domingo que se lhe segue, ocupando o centro histórico de Ponta Delgada e alterando a geografia local com música nas suas mais variadas formas, filmes, exposições e residências artísticas. De 4 a 7 de Abril, o TREMOR alastra-se com abalos premonitórios por toda a ilha de São Miguel, com concertos surpresa, percursos na natureza, conversas, exposições e projecção de filmes.

 

Os horários completos estão disponíveis para consulta no site do TREMOR: http://www.tremor-pdl.com/

 

De notar, ainda, que o TREMOR Tour passa nos dias 23 pelo DAMAS, em Lisboa, e 24 pelo Café au Lait, no Porto, respectivamente, com concertos dos embaixadores Fred Cabral e Swift Triigga, e dos seus anfitriões Conjunto Corona. A 25 aterra na Casa do Sal em Angra do Heroísmo, onde serão recebidos com actuações de Fugitivo, com GuessWho e Jay.

Duquesa apresenta "Norte Litoral" ao vivo no Musicbox

Duquesa é Nuno Rodrigues, jovem feito homem que traduz a sua metamorfose com a desenvoltura melódica e os ganchos pop cujo sabor se dissipa, mas não se esquece.

A sua música enaltece que a palavra escrita está subentendida na arte de escrever canções, e a sua voz embevece com as melodias com que maquilha a sua expressão carregada — contornam-se as rugas com sorrisos rasgados a ironia e aplica-se uma base pop em tons pastel.

17218649_10155897778969992_6600734089787229850_o

Em "Norte Litoral" ouvimos a sua paixão pelos anos 80 a transformar-se num documento actual sobre sonoridade pop, onde o minimalismo lírico abre espaço para arranjos cuidados e melodias garridas, remetendo-nos para paisagens tão familiares quanto distintas.

 

Musicbox (Lisboa)

24 de Março 2017 | 23.30h

Wolf Eyes de regresso a Portugal com disco novo

Os Wolf Eyes estão de regresso à edições com “Undertow”. A ser editado pela Lower Floor, o novo registo promete abrir um novo caminho para o rock do colectivo, agora enriquecido pelos projectos paralelos dos seus músicos: Faling Light, Regression ou Henry & Hazel Slaughter.

9f7241d0-b034-4eaf-8a40-f3d1fca51a44

Depois das estreias com "Dread" e "Dead Hills", os Wolf Eyes assumiram o destaque do underground americano, mostrando que havia um caminho além do garage e stoner rock. Explorando ritmos lentos e sebosos, electrónica agitada, riffs distorcidos até ao ruído total, vozes guturais, o colectivo faz do noise uma celebração.

 

O anúncio de uma digressão europeia confirma a passagem pela Galeria ZDB. O rock and roll dos Wolf Eyes não só não morreu, como ganhou novas virtudes depois das aventuras a solo dos seus músicos.

Novas confirmações para o SonicBlast Moledo 2017

O SonicBlast volta a Moledo, concelho de Caminha, para a sua 7.ª edição e a organização acaba de anunciar mais sete nomes que vão atuar em Moledo nos dois palcos que compõem o recinto, o Pool Stage e o Main Stage. O festival que se assume como um encontro perfeito entre praia, piscina, surf, skate e muito rock acaba de adicionar mais sete nomes ao seu cartaz: The Machine, Death Alley, Blaak Heat, Löbo, Toxic Shock, Vinnun Sabbathi e Holy Mushroom.

e91d9598-8632-4392-936f-1ff7331a2088

Desde os repetentes The Machine, que atuaram quatro anos atrás na 3ª edição do SonicBlast Moledo, a novas apostas de bandas na vanguarda da inovação como os Blaak Heat, estes sete nomes juntam-se a um cartaz que contava já com nomes como: Orange Goblin, Kadavar, Elder, Sasquatch, Monolord, Kikagaku Moyo, entre outros.

 

A localização privilegiada do SonicBlast Moledo continua a fazer dele uma das datas mais marcantes no calendário de festivais de música no norte do país. Com os concertos da tarde a serem feitos no recinto da piscina e com a praia de Moledo apenas a 5 minutos do recinto, este Festival prima pelo contacto direto com o que a natureza tem para oferecer. O parque de campismo, incluído no Passe Geral, insere-se também num pinhal junto à praia.

“Chuck” o último álbum do lendário músico, chega às lojas a 16 de Junho

Depois da triste notícia da morte de Chuck Berry no passado dia 18 de março, tinha então o músico 90 anos, chega agora ao mercado, com selo da Decca, o último álbum gravado pelo artista, intitulado “Chuck”, disco que reúne as primeiras novas gravações de Chuck Berry em quase quatro décadas.

Chuck”, o álbum, inclui ao todo dez novas gravações, das quais oito foram compostas por Berry. “Chuck” é o primeiro álbum do músico desde “Rock It”, lançado originalmente em 1979. O novo disco foi gravado e produzido pelo próprio Chuck Berry em vários estúdios em St. Louis, nos EUA, e inclui participações do seu grupo de sempre – incluindo os filhos Charles Berry Jr. (guitarra) e Ingrid berry (harmónica, voz), e ainda Jimmy Marsala (baixista de Berry durante 40 anos), Robert Lohr (piano) e Keith Robinson (bateria) – que tocaram consigo durante quase duas décadas em mais de 200 concertos na residência que teve no célebre clube Blueberry Hill. O álbum também inclui participações de convidados como Gary Clark Jr., Tom Morello, Nathaniel Rateliff e Charles Berry III, neto do próprio Chuck Berry. Já o aclamado escritor e historiador Douglas Brinkley escreveu um artigo que é agora incluído nesta edição de “Chuck”.

CB_cvr_3000x3000

Este novo álbum é apresentado pelo single “Big Boys”, que conta com as colaborações de Tom Morello e Nathaniel Rateliff, e que Brinkley descreve como “um hino nacional para os guitarristas”. O tema já está disponível em streaming. “Preparar este álbum nos últimos meses, na verdade, ao longo dos últimos anos deu-lhe uma grande sensação de alegria e satisfação”, disse a família de Berry num comunicado partilhado no Facebook no início da semana. “Apesar de termos os nossos corações muito pesados neste momento, sabemos que não temos outro desejo que não seja lançar este álbum para o mundo e não existe melhor forma de celebrar e lembrar os seus 90 anos de vida a não ser através da sua música.”

 

Algumas canções de “Chuck” foram originalmente concebidas nos anos 1980, tendo Berry começado a trabalhar nelas no seu estúdio de casa, em St. Louis, durante muitos anos entre digressões. Acabou por trabalhar mais ativamente no álbum em 2014. Dado a sua saúde, foi obrigado a parar de gravar e de dar concertos em 2015, mas manteve-se a supervisionar a produção e planeamento de “Chuck”, fazendo-se rodear de pessoas próximas como o amigo Joe Edwards, proprietários do Blueberry Hill, parar conseguir concretizar o desejo de terminar e lançar o álbum. E desde o grande destaque que é “Lady B. Goode”, uma sequela espiritual do icónico “Johnny B. Goode”, com solos de três gerações de guitarristas da família Berry, à balada country acutilante que é “Darlin’”, um dueto com a sua filha Ingrid, “Chuck” é uma verdadeira história de família.

 

“Trabalhar no disco do meu pai foi uma das melhores experiências da minha vida”, disse Charles Berry Jr. “Vou parar sempre guardar as conversas sobre músicas que tivemos e o tempos que passámos a concluir [o disco].” O desaparecimento de Chuck Berry gerou uma enorme onda de apoio e condolências de fãs, músicos e líderes mundiais de todo o mundo, desde membros dos The Rolling Stones e Beatles, aos antigos presidentes dos EUA Barack Obama e Bill Clinton.

 

A revista Rolling Stone referiu que Chuck Berrydefiniu o rock & roll durante os primeiros anos e nas décadas que se seguiram”. Já o jornal The New York Times apelidou o músico como “o mestre teórico e génio conceptual do rock, o compositor que compreendeu o que os miúdos queriam antes deles próprios saberem”, acrescentando ainda que passados 60 anos, as suas primeiras músicas “ainda soam ousadas e audaciosas”.

Baile no Palácio com danças cabo-verdianas

Tendo como cenário o Pátio das Tílias, a festa começa com um ateliê de funaná e coladeira, com a colaboração de dois bailarinos: Sandra Gomes e Isaac Barbosa. Com os ritmos de Cabo Verde no sangue, chega-nos a Banda Morabeza, fundada pelo músico de violão Adérito Pontes. Conhecido por ter sido guitarrista de Cesária Évora, colaborou ainda com artistas como Ildo Lobo, Tito Paris, Bana, Lura, Dani Silva, entre muitos outros.

Ao lado de Adérito Pontes, estarão António Soares (cavaquinho), Belo Santos (ferrinho), José Santos (gaita) e Janise da Silva (voz). E como o ritmo promete não abrandar, o baile continua pela noite dentro com o DJ Tavas.

untitled-2

O cenário da festa é o Pátio das Tílias, no Palácio Pimenta, um antigo palácio de veraneio da primeira metade do século XVIII, enquadrado pelo que resta de uma antiga quinta senhorial. Mandado construir por Diogo de Sousa Mexia, figura de relevo dos reinados de D. Pedro II e D. João V, foi edificado entre 1734 e 1746.

 

O segundo Baile no Palácio é uma parceria com a associação Welcome People & Arts, associação cultural sem fins lucrativos que desenvolve projetos artísticos como instrumento de desenvolvimento pessoal e social e está integrado na iniciativa Lisboa 2017, Capital Ibero-americana de Cultura.

 

Palácio Pimenta (Museu de Lisboa)

25 de Março 2017 | 19.00h

Hey Violet lançam novo single “Break My Heart”

Os Hey Violet acabam de divulgar um novo single, “Break My Heart”, que se encontra disponível a partir de hoje em todas as plataformas digitais. Definindo o tema como “uma canção de amor retorcida”, a vocalista Rena Lovelis diz que “Break My Heart” foi inspirada na sobre romantização da parte dolorosa de uma separação. “É sobre como, numa relação, se passa por uma série de fases – o primeiro encontro, o primeiro beijo, a lua de mel – e depois de teres vivido todas essas fases incríveis do amor, queres ir para o lado negro. Queres que essa pessoa te parta o coração para que possas sentir tão desesperado que farás qualquer coisas para o teres de volta. É um pouco masoquista”!

17190824_1248220651882393_6748378498234752168_n

Break My Heart” é o sucessor do êxito “Guys My Age”, que já ultrapassou os 20 milhões de streams, atingiu o n.º 18 do top 40 de airplay de rádio nos EUA e o n.º 19 da tabela do Shazam dos EUA, enquanto o vídeo se aproxima dos 10 milhões de visualizações. “Guys My Age” foi nomeada como uma das Melhores Canções de 2016 pelo The New York Times e pela V Magazine. A Billboard e o The Guardian deram grandes destaques aos Hey Violet, elegendo-os como um dos grupos a ter mais em atenção este ano.

 

Brand New Moves”, o mais recente EP dos Hey Violet, entrou em 1.º lugar dos tops de vendas do iTunes nos EUA e Reino Unido.

“Música no Museu” com os Espiral

Inserido no ciclo “Música no Museu”, o auditório da COMUR-Museu Municipal da Murtosa vai receber, no dia 24 de março, pelas 21H30, um concerto do trio Espiral, uma formação feminina composta por Anne Clément (flautas de bisel, tin whistle e gaita-de-foles galega), Emiliana Silva (violino) e Sara Vidal (harpa celta, guitarra acústica e voz).

17097337_1268346306577042_1899325209596197746_o

Com um disco editado e a preparar uma nova edição, a proposta musical deste trio feminino é a música celta, recolhendo músicas tradicionais da Irlanda, Escócia, Galiza e Bretanha, ao mesmo tempo que as conjugam com composições originais.

 

Este é o 10º concerto do ciclo “Música no Museu”, organizado pela Câmara Municipal da Murtosa, que traz, mensalmente, à COMUR-Museu Municipal, concertos acústicos e intimistas, dos mais variados estilos musicais.

A entrada é livre..

 

COMUR-Museu Municipal da Murtosa

24 de Março 2017 | 21.30h

"Um Coração Mais Que Perfeito" no Porto de Encontro com Sergio Godinho

No próximo sábado, dia 25 de março, o auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett é o palco escolhido para a 54.ª edição do Porto de Encontro. A partir das 17:00, Sérgio Godinho é o convidado em destaque desta sessão do ciclo de conversas com escritores promovido pela Porto Editora, que conta ainda com a participação especial de Manuela Azevedo.

Sérgio Godinho é um dos músicos portugueses mais influentes dos últimos  quarenta anos e o seu percurso espelha uma vocação de “homem dos sete instrumentos”.

Image18

Cantautor, compositor, poeta, autor de guiões de cinema, peças de teatro, crónicas, “Coração Mais que Perfeito” é o seu primeiro romance e vai estar em destaque nesta conversa com o jornalista Sérgio Almeida.

 

Promovido pela Porto Editora desde 2011, este ciclo de conversas reuniu quase 15.000 espectadores em 53 edições realizadas em diversos espaços da cidade, como a Casa da Música, o Teatro Rivoli, a Casa das Artes ou o Teatro Nacional São João.

A 54.ª edição do Porto de Encontro conta com o apoio da Câmara Municipal do Porto, do Jornal de Notícias, da Antena 1, das Livrarias Bertrand e da Arcádia.

Apresentação do Festival "Soam as Guitarras 2017"

Decorreu ontem à tarde, na Igreja da Cartuxa, em Caxias, a conferência de imprensa do Soam as Guitarras. Marcaram presença o Presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Paulo Vistas, Nuno Sampaio, da promotora Ghude, o Mestre António Chainho, Tó Trips, Marta Pereira da Costa e Manuel de Oliveira.

CM Oeiras 05

Para assinalar o carácter intimista do Soam as Guitarras, salientado por Nuno Sampaio enquanto elemento estrutural e diferenciador do evento, os quatro artistas presentes protagonizaram momentos únicos de improvisação musical. Antes de começar a tocar com Marta Pereira da Costa, o Mestre António Chainho tomou a palavra para assinalar que esta seria a primeira vez na sua carreira em que tocaria lado a lado com outra guitarra portuguesa.

CM Oeiras 03

O evento arranca a 31 de Março, no Auditório Municipal Ruy de Carvalho, com Tó Trips e João Doce. No dia seguinte, Miguel Araújo sobe ao palco do Auditório Municipal Eunice Muñoz. A 2 de Abril, para terminar o primeiro fim-de-semana, Manuel de Oliveira actua na Igreja da Cartuxa. Dia 7 de Abril Marta Pereira da Costa convida Ricardo Toscano para um concerto no Auditório Municipal Ruy de Carvalho. No dia seguinte, é o Mestre António Chainho que convida Kepa Junkera, vencedor de um Latin Grammy, para um concerto no Auditório Municipal Eunice Muñoz.

O encerramento está marcado para dia 9 de Abril, com Joel Xavier, na Igreja da Cartuxa.

CM Oeiras

Encontram-se praticamente esgotados alguns dos espectáculos da primeira edição do Soam as Guitarras, nomeadamente o de Miguel Araújo, naquele que será o seu primeiro concerto na grande Lisboa em 2017. O Soam as Guitarras decorre entre 31 de Março e 9 de Abril, em Oeiras, numa celebração da arte da guitarra e a sua diversidade.

O evento é promovido pela Câmara Municipal de Oeiras e pela Ghude.

 

photos: Camara Municipal Oeiras

D'Alma… Tributo a Artistides de Sousa Mendes

Os D’Alma editaram em 2016 o álbum “Caminho D’Alma”, e teve como principal objetivo perpetuar grandes poetas: Florbela Espanca, José Saramago, Ricardo Reis e Álvaro de Campos (Fernando Pessoa), Miguel Torga, Rita Margaret, António Aleixo, António Carlos Santos, Sofia de Mello Breyner Andresen, Ester Cid e Joaquim C. Silva, Machado de Assis, Cristina Lebre, Isabel Ferreira e Etelvina Diogo.

image001

Os D’Alma fazem agora um Tributo ao diplomata português Aristides de Sousa Mendes.

Nas palavras dos D’Alma: “Este diplomata português teve nas suas atitudes a sensibilidade de vida, na qual os D'Alma encontraram uma musicalidade, prestando-lhe uma homenagem”.

 

“As Letras da Música” ou o eterno tema “da música e da palavra”…

Dê-se primazia às palavras ou dê-se primazia à música, a verdade é que quando a música casa com as palavras algo de mágico acontece, como nos provam tantos e tantos compositores desde os trovadores medievais, aos cantautores dos nossos dias. Mas as palavras não aparecem apenas nas obras cantadas. Muitas vezes a música foi beber inspiração às obras intemporais da literatura, levando as palavras consigo sem as pronunciar. Aconteceu assim com quase todos os grandes compositores da história. Mesmo sem palavras, essas, encontram-se presentes em variadíssimas obras como é o caso dos poemas sinfónicos, das fantasias, das inúmeras obras para piano escritas tendo como base monumentos da literatura universal.

untitled-3

É precisamente esta relação entre a música e as palavras que queremos explorar nestes DIAS DA MÚSICA, com alguns dos mais destacados intérpretes nacionais e estrangeiros

A Cidade de Blá Blá Blá… no Teatro José Lúcio da Silva

Nesta cidade, situada nas margens frescas de um rio, os habitantes foram-se habituando a ser liderados por Um Que Tinha a Mania Que Era Esperto sem  terem de se incomodar a entender o que as rodeava. Tomar decisões em conjunto era muito aborrecido (é que cada um tinha a sua opinião!) por isso nem se importavam de só ouvir Blá Blá Blá.

BlaBlaBla-e1481885199450-1600x675

Um dia o rio secou-se e O Que Tinha a Mania Que Era Esperto desapareceu. As pessoas tiveram de se tornar Cidadãos e empenhar-se em encontrar palavras novas, que lhes trouxessem de volta a água, a paz e a vida como comunidade.

 

Teatro José Lúcio da Silva (Leiria)

26 de Março 2017 | 11.00h e 16.00h

Schubert, Beethoven, Borodin e Grieg em mais dois concertos gratuitos do Quarteto de Cordas de Matosinhos

Poucas coisas soam tão bem como a música de câmara no silêncio de um templo. Consciente disto, o Quarteto de Cordas de Matosinhos, presença regular na programação das principais salas de espetáculos de Portugal e da Europa, continua também a levar os grandes génios da música às igrejas do concelho de Matosinhos, numa iniciativa que visa democratizar as sonoridades eruditas e tem obtido ampla adesão por parte do público.

Nos próximos dois fins-de-semana, o quarteto que em 2014 venceu o Prémio Rising Stars da Organização Europeia de Salas de Concertos atuará, respetivamente, nas igrejas paroquiais de Leça da Palmeira e do Padrão da Légua, apresentando dois programas diferentes e que terão Schubert, Beethoven, Borodin e Grieg na ementa..

QCM

Já este sábado, 25 de março, pelas 18 horas, o QCM interpretará na igreja de Leça da Palmeira o “Quarteto de Cordas op.133, em Si bemol maior, Grosse Fuge” (1825-1826), de Ludvig von Beethoven, e o “Quarteto de cordas nº14, em Ré menor, D.810” (1824-1826), de Franz Schubert. Escrita depois do fracasso da ópera “Fierrabras”, esta peça popularmente conhecida como “A Morte e a Donzela” é uma das obras-primas do compositor alemão, concluída numa época em que, doente com sífilis, Schubert antecipava já a sua morte iminente. Quanto à sonata de Beethoven, foi considerada por Stravinski “a obra mais moderna de todos os tempos”.

 

Uma semana depois, 1 de abril, pelas 16h30, o quarteto composto por Vítor Vieira, Juan Maggiorani, Jorge Alves e Marco Pereira atuará na Igreja do Padrão da Légua, onde executará o “Quarteto de cordas em Ré maior, nº2”, de Alexander Borodin, e o “Quarteto de cordas op.27, em Sol menor”, Edvard Grieg. Composta durante uma estada de Borodin na propriedade de um amigo em Zhitovo, o “Quarteto de cordas em Ré maior, nº2” foi dedicado à esposa do compositor, Ekaterina Protopova, evocando, segundo alguns estudiosos, o primeiro encontro do casal, em Heidelberg, vinte anos antes. O terceiro andamento deste tema haveria de dar origem à canção “And This Is My Beloved”, parte da banda sonora do musical “Kismet”, estreado na Broadway em 1953. Já a peça de Grieg mereceu de Franz Liszt o seguinte (e elucidativo) comentário: “Há muito tempo que não ouvia uma nova composição para quarteto de cordas que me intrigasse tanto como este trabalho distintivo e admirável”.

 

A entrada é livre

FASHIONART… Pop-Up Lisboa

O primeiro mercado do ano da Rehabbed surge num modelo melhorado, em forma e conteúdo, já este sábado, 25 de Março no piso 1 do Time Out Market (Mercado da Ribeira) em Lisboa. A organizadora do Rehabbed Market abre a temporada voltando a este espaço, no centro de Lisboa, para um evento com um mix de marcas e lojas com qualidade, diferenciação e diversidade, surgindo daí a palavra "Boutique".

A arte, presente na imagem e na decoração destes eventos, está agora também presente no nome FASHIONART BOUTIQUE. Em 2017 esta tónica é reforçada, com parcerias com jovens artistas, neste caso com a ilustradora Joana Santa-Bárbara, criadora da imagem desta edição que também estará presente no evento.

untitled-1

Num só espaço e num só dia, entre as 11h e as 19h, vai ser possível encontrar marcas de roupa e acessórios de moda, joalharia e home decor que mostram, algumas em exclusivo e pela primeira vez, as coleções desta estação. Será possível igualmente encontrar um também um conjunto de marcas premium com uma seleção criteriosa de artigos de outras coleções, sendo a oferta dominante para mulher coexistindo há opções também para homem e criança.

 

As portas abrem às 11h e o programa da tarde inclui uma “demonstração de porta-bebés”, às 16h pela marca Leva-me Contigo. Uma oportunidade para conhecer marcas novas e de qualidade no cenário do empreendedorismo português num local central. Nesta edição marcam presença marcas da Madeira e dos Açores (Andreia Costa Handmade e Benditos Pormenores). A Antiflop, marca premium presente apenas em lojas de segmento alto, Liliana Alves, Voke, Line, Sors com novos vestidos, Império Otomano, Memória Viva, Sónia Estêvão, Antik Pink e tantas outras marcas marcam presença neste FASHIONART BOUTIQUE.

Programa Cultural da Second Home arranca em Lisboa

Fundado em Londres, o espaço de trabalho criativo e cultural Second Home está a lançar este mês o reconhecido Programa Cultural na cidade de Lisboa. O programa é um catálogo de eventos interdisciplinares, workshops e palestras, com o objetivo de facultar à comunidade o acesso único aos principais líderes empresariais, artistas e pensadores de todo o mundo. O programa contará com convidados especiais (Talk & Discussion) do mundo do cinema, da música e wellness, e incluirá as sessões BeBetter, que pretendem ensinar novas competências aos membros da Second Home. Através de uma parceria com a Embaixada Britânica, a Second Home Lisboa receberá também uma série de palestras ao longo do ano, com personalidades internacionalmente reconhecidas.

SecondHome LIS SCA 8259

Em Londres, a Second Home já é um dos principais palcos de eventos e programas culturais da cidade, tendo recebido várias iniciativas com celebridades como Stella McCartney e Richard Branson. Lisboa segue agora os passos da casa mãe e inicia o seu próprio programa cultural ao longo do mês de março, que tem como um dos principais destaques a Talk com Robin Klein, reconhecido investidor de start-ups tecnológicas em early-stage e que já apoiou empresas como a Transferwise, Citymapper e Zoopla.

 

Tendo como premissa o facto de que para o desenvolvimento da criatividade, produtividade e empreendedorismo, a saúde e o equilíbrio são fundamentais, a Second Home disponibiliza uma zona de bem-estar que acolherá as sessões, aulas de mediação, ioga e pilates. São também organizadas aulas de surf, através do Surf Bus da Second Home. O programa de eventos e palestras inspiradoras que conta com convidados nacionais e internacionais visa ajudar a desbloquear o potencial criativo de todos os membros, e ajudar as empresas a crescer mais rapidamente.

 

"O Programa Cultural é um dos principais aspetos diferenciadores da cultura Second Home. A nossa equipa trabalha diariamente para garantir que os membros sem mantêm inspirados todos os dias quando estão a trabalhar. Quer seja uma sessão de meditação à hora de almoço, uma aula de surf ao final do dia, ou uma palestra sobre como fazer o pitch perfeito, todos os dias há a possibilidade de aprender algo diferente, conhecer alguém novo ou descobrir novas formas de pensar e trabalhar", explica Lucy Crook, responsável pelas operações de Second Home Lisboa.

 

"Estamos entusiasmados com o sucesso que a Second Home está a ter em Lisboa e neste momento a capacidade está praticamente a full. Nesse sentido, e pela forte procura que temos vindo a ter, decidimos lançar um novo tipo de membro, o Light Roaming, que faculta mais oportunidades de acesso ao nosso Programa Cultural e de Bem-Estar, assim como o acesso ao espaço de trabalho em determinadas horas do dia ", afirma ainda a responsável.

Congresso Internacional Intersexualidades: Cruzando Corpos, Cruzando Fronteiras

Nos dias 23, 24 e 25 de Março de 2017 irá realizar-se o Congresso Internacional Intersexualidades: Cruzando Corpos, Cruzando Fronteiras, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e na Fundação de Serralves, em parceria com a Câmara Municipal do Porto.

cabecalho

Este evento tem por objectivo promover uma reflexão crítica sobre corpos, políticas sexuais e relações de poder, num espaço transnacional alargado, a partir das perspectivas fornecidas pelas teorias contemporâneas sobre género, sexo e sexualidades. Nos 3 dias o programa decorre durante as manhãs na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e de tarde na Fundação de Serralves.