Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

“Triplicate”… O primeiro álbum triplo de Bob Dylan editado hoje

Chega hoje às lojas o álbum de estúdio triplo de Bob Dylan, “Triplicate”, que inclui 30 novas gravações de temas clássicos norte-americanos e é o primeiro disco triplo da ilustre carreira do artista. Cada disco tem um título individual e está organizado por tema numa sequência de 10 canções, sendo que “Triplicate” demonstra os inúmeros talentos de Bob Dylan como vocalista, arranjador e líder de banda em 30 composições de alguns dos mais premiados e influentes compositores do universo da música. Este álbum, produzido por Jack Frost, é o 38.º álbum de estúdio de Bob Dylan e constitui a primeira nova música por parte do artista desde Fallen Angels, lançado no início de 2016.

Bob Dylan - Triplicate

Triplicate é simultaneamente lançado em várias configurações, incluindo um digipak de 8 painéis em 3 CD. Para o álbum “Triplicate”, Dylan juntou a sua banda de digressão nos estúdios Capital em Hollywood para gravar os temas individualmente seleccionados a partir de uma série de compositores norte-americanos, incluindo Charles Strouse e Lee Adams (“Once Upon A Time”), Harold Arlen eTed Koehler (“Stormy Weather”), Harold Hupfield (“As Time Goes By”) e Cy Coleman e Carolyn Leigh (“The Best Is Yet To Come”). Os títulos dos discos individuais são ‘Til The Sun Goes Down, Devil Dolls e Comin’ Home Late.

 

Os dois álbuns anteriores do artista com temas clássicos norte-americanos, “Fallen Angeles” (2016) e “Shadows in the Night” (2015, foram ambos sucessos a nível mundial e conquistaram nomeações para a categoria de Melhor Álbum Vocal Pop Tradicional.  “Fallen Angeles” estreou-se no top 10 em mais de 12 países, incluindo o Reino Unido, EUA, Itália, Holanda e Áustria, ao passo que “Shadows in the Night” estreou-se no top 01 em 17 países, com estreias no n.º 1 no Reino Unido, Irlanda, Suécia e Noruega.

 

Em Dezembro de 2016, Bob Dylan recebeu o Prémio Nobel da Literatura entregue pela Academia Sueca: “Por ter criado novas expressões poéticas na tradição da canção norte-americana.” Em 2012, o cantor recebeu a Medalha Presidencial da Liberdade, a maior honra entregue a um civil nos EUA, tendo recebido também um Prémio Pulitzer especial em 2008 pelo "seu profundo impacto na música popular e cultura norte-americanas, marcadas por composições líricas de extraordinária força poética." Dylan recebeu também o título de Officier de la Legion d'honneur em 2013, o prémio sueco Polar Music Award em 2000, doutoramentos pela University of St. Andrews e Princeton University, bem como outras inúmeras honras. 

Bob Dylan já vendeu mais de 125 milhões de discos no mundo inteiro.

"Só desta Vez V” junta os PAUS aos teclados e sintetizadores de Francisco Ferreira e Luís Fernandes

No SÓ DESTA VEZ V os Paus pedem ajuda para planar. Numa viagem para outras dimensões o quarteto lisboeta leva para o LUXfrágil dois teclistas da nova geração de músicos portuguesa. Francisco Ferreira (Capitão Fausto, Bispo) e Luís Fernandes (peixe : avião, Landforms, Quest) trazem os orgãos e os synths para mais um concerto imperdível porque é irrepetível.

paus

A aventura e a colaboração estão no adn dos Paus. Há seis anos, por desafio do LUXfrágil, em 3 noites deixaram que 3 grupos de convidados mudassem o tecido das suas 4 canções. O ciclo Só Desta Vez tinha a força simples do seu nome e conceito - 3 concertos únicos, irrepetíveis e por isso imperdíveis.

Desta Vez I recebeu Filho da Mãe, João Nogueira (Riding Pânico) e Eduardo Raon para criarem uma barragem sónica com a ajuda de um trio atípico de cordas. Só Desta Vez II com Dj Ride e RIOT (Buraka Som Sistema) elevaram o bounce dos Paus a níveis épicos. Só Desta Vez III, o último deste ciclo, com ajuda de Chris Common e do Grupo Tocandar, juntou o ritmo do rock contemporâneo aos padrões primordiais dos bombos portugueses.

 

De alguma forma, estas 3 noites começaram a mapear a genealogia musical dos PAUS e obrigaram a que os próprios músicos se apercebessem dela para criarem um vocabulário cada vez mais seu.

 

LUXfrágil (Lisboa)

20 de Abril 2017

FMM Sines – Festival Músicas do Mundo 2017 com mais 8 confirmações…

O programa da 19.ª edição do FMM Sines – Festival Músicas do Mundo 2017, que se realiza de 21 a 29 de julho em Sines e Porto Covo, tem oito reforços de peso. Está confirmado o regresso do cantor e compositor cabo-verdiano Mário Lúcio, do percussionista iraniano Mohammad Reza Mortazavi e do poeta norte-americano Saul Williams. Estreiam-se o pianista e compositor cabo-verdiano Vasco Martins, a orquestra chilena Chico Trujillo, o músico havaiano Mike Love, o duo luso-britânico Benjamim / Barnaby Keen e o MC anglo-nigeriano Afrikan Boy.

03

A Chico Trujillo é uma orquestra pioneira do movimento da Nova Cumbia Chilena e uma das melhores orquestras de cumbia da América Latina. Funde rock, folclore, ska, música balcânica e muita cumbia. Debaixo do som tropical mantém um lado subversivo, das suas raízes no punk. Depois de 15 anos a tocar na noite de Santiago do Chile, estreia-se no FMM Sines com uma formação de 10 elementos.

02

Afrikan Boy (Olushola Ajose) é um MC nascido em Londres, filho de pais nigerianos. As suas influências situam-se nesta confluência de África com Europa e são uma mistura de afrobeat, grime e hip hop. Sente-se tão devedor de Fela Kuti como de 2Pac. Integrou o projeto Africa Express e colaborou com artistas de nome feito, como DJ Shadow e M.I.A. “The ABCD” foi o seu álbum de estreia.

04

Benjamim / Barnaby Keen são um músico português e um músico inglês que um disco de Chico Buarque uniu em Londres, em 2012. Barnaby viveu no Brasil e sempre teve o desejo de cantar em português. Fá-lo com Benjamim no álbum "1986", evocação do ano em que ambos nasceram e da geração que partilham. O disco é uma síntese da música de ambos e um intercâmbio de línguas e estéticas.

00

Mário Lúcio é uma das figuras centrais das artes cabo-verdianas - cantor, compositor, arranjador, escritor, ministro da Cultura entre 2011 e 2016. Para esta terceira vez em Sines traz um disco, acabado de lançar, dedicado ao funaná. "Funanight" vai às raízes e às irmandades transcontinentais de um dos mais populares estilos cabo-verdianos. "Funaná transcendente", como escreveu o seu compatriota Vasco Martins.

01

Mike Love é uma nova voz do roots reggae que nos chega da ilha Oahu, no Havai. Nesta passagem por Sines, integrada na sua primeira digressão europeia, introduz o público às suas canções com letras pessoais e comprometidas com as causas em que acredita, como as que estão ligadas ao ambiente e aos direitos dos animais. Reggae lírico e de protesto, com influências de rock e música clássica.

07

Mohammad Reza Mortazavi é um dos mais extraordinários percussionistas iranianos. Está pela segunda vez no FMM, com um novo disco a solo, "Transformation". Passar simplesmente o disco para o palco é de certeza que não fará, pois a sua música vive organicamente do que dita no momento a relação entre os seus dedos e os seus tambores, o daf e o tonbak. Uma aventura por territórios rítmicos poucas vezes explorados.

05

O poeta, ator, cantor e ativista nova-iorquino Saul Williams esteve em Sines em 2016, como convidado de David Murray. Volta em 2017 com um espetáculo de hip hop que nos fala de uma hiper-modernidade de paradoxos, em que a alta tecnologia convive com a pobreza mais extrema, um mundo de lixeiras e smarphones brilhantes. "MartyrLoserKing", o seu disco de 2016, é o ponto de partida.

06

Vasco Martins é um sábio da música cabo-verdiana. Sinfonista, pianista, guitarrista, romancista, musicólogo, ensaísta, poeta, produtor musical, faz, como mais ninguém, a ligação entre a herança da música popular de Cabo Verde e os códigos da música erudita. Nesta sua estreia em Sines, irá atuar a solo no piano. Mornas-tango, valsinhas, mazurcas, sanjom/batuku, cantigas de trabalho, a partir de um ponto de vista original.

They're Heading West tocam "Rubber Soul" dos The Beatles

Em Abril They're Heading West resgatam uma ideia que vem desde 2010...

Ainda antes da formação da banda, Francisca, Sérgio e João, já com outros projectos, decidiram, pelo simples prazer de tocar juntos e como fãs de Beatles que são, tocar e apresentar ao vivo "Rubber Soul", o sexto álbum "de passagem" dos Beatles. Por portas e travessas esse projecto nunca viu a luz do dia, porém o gosto de tocarem juntos levou à aventura de formarem They're Heading West, e com a chegada de Mariana a banda começava a dar os primeiros passos.

17626177_1278598692235414_5303942615277930182_n

Dia 9 de Abril, ao vivo e a cores, a tarde será presenteada com They're Heading West em concerto a tocar "Rubber Soul", de uma ponta à outra, em modo super banda de luxo.

Assim João Correia (voz, baixo e guitarra), Francisca Cortesão (voz, guitarra e baixo), Mariana Ricardo (voz e ukulele) e Sérgio Nascimento (bateria e coros) convidam os amigos que de uma maneira ou outra estavam já nesse início: Nuno Rafael (guitarra eléctrica), António Vasconcelos Dias (voz e percussão), Inês Sousa (voz), Margarida Campelo (voz) e João Cardoso (teclas).

 

Casa Independente (Lisboa)

9 de Abril 2017 | 18.00h

Victor Herrero apresenta ao vivo “Astrolábio”

O guitarrista Espanhol Victor Herrero apresenta “Astrolábio” álbum, lançado este ano que compôs inteiramente com guitarra portuguesa, esta segunda-feira dia 3 de Abril no Museu do Aba de Baçal em Bragança

Herrero2

A história de Victor Herrero é uma história curiosa, um conto cheio de pequenos contos. Começou a aprender canto gregoriano e música moçárabe com monges beneditinos no Vale dos Caídos, em Madrid, passou oito anos numa banda de rock psicadélico e agora agarrou a guitarra espanhola onde deixa reflectir o seu conhecimento e entusiasmo pela música do seu próprio país. Conhecer Josephine Foster mudou-lhe a vida de muitas e várias formas; e o que Victor Herrero é hoje é a soma simples de este e de todos os outros pequenos episódios da sua vida. E tudo isso se sente, se cheira e se bebe na sua música. Para procurar o sentido e a ligação entre todos estes momentos, fomos falar com o próprio Victor Herrero que nos disse, entre outras coisas, que a “poesia” é o que o move, a sua “razão de viver”.

 

Museu do Aba de Baçal (Bragança)

3 de Abril 2017

Jamiroquai… “Automaton” já se encontra disponível

Escrito e produzido por Jay Kay e Matt Johnson, maestro dos teclados dos Jamiroquai, “Automaton”, o 8.º álbum de estúdio da banda britânica chega hoje às lojas.

28112016_AUTOMATION_MUSICPROMO213_RGB

Fundados em 1992 pelo vocalista Jay Kay, os Jamiroquai afirmaram-se, desde o lançamento do álbum de estreia, “Emergency on Planet Earth”, em 1993, como um dos grupos mais bem-sucedidos do planeta. Com admiradores célebres como Chance the Rapper, The Black Madonna, Anderson.Paak, Pharrell, Tyler the creator, Jungle, Redman, Stevie Wonder e The Internet, os Jamiroquai têm provado ser um dos grupos mais venerados e inovadores do nosso tempo. Com sete álbuns que já alcançaram o Top 10 de vendas do Reino Unido (e três deles chegaram ao 1.º lugar), o grupo vendeu mais de 26 milhões de álbuns em todo o mundo, mantendo o recorde do Guinness com o disco de funk mais vendido de sempre.

Os Jamiroquai voltam este ano aos concertos, tendo já agendado o seu regresso a palcos portugueses, no próximo dia 5 de agosto, no âmbito do festival MEO Sudoeste.

A estreia da Travessa do Corrupio com “Resumo”

Depois de um single de estreia surpreendente, “A Vida (O Início)”, finalmente a Travessa do Corrupio faz chegar até todos os seus transeuntes a plenitude do seu talento. Sob o nome “Resumo” este EP é composto por cinco faixas, saltando à vista a sonoridade próxima do jazz, o poder do rock e do folk e a alma da música tradicional portuguesa.

Digital_new

Disponível a partir de hoje nas principais plataformas digitais - The Store, Amazon, iTunes e Google Play - esta é a mais recente aposta nacional da Music For All.

Por entre histórias, sentimentos e emoções esta é uma Travessa que fica bem no centro do Corrupio que é a vida

Imaginarius – FiraTàrrega… Coprodução estreia em Portugal e Espanha

A perfomer Alba Torres (ES), a bailarina Catarina Campos (PT), o acrobata Quim Giron (ES), o encenador Pau Masaló Llorà (ES) e o clown Rui Paixão (PT) são os cinco protagonistas de “Ferida”, coordenados pela encenadora portuguesa Julieta Aurora Santos. O espetáculo terá a participação do Grupo Coral da Casa da Gaia, de Santa Maria da Feira.

Esta performance multidisciplinar parte do conceito inicial de Memória como o eixo temático articulador de um projeto pensado como uma oportunidade de diálogo entre dois países vizinhos.

195angrymen_

Ferida” é um lugar de sombra, oculto, latente, amordaçado. Um latejar contínuo sob a pele, cicatriz por sarar, um profundo poço no espelho. A memória, enquanto espaço fragmentado, contém feridas que o tempo parece não curar, recordações que nos perseguem como fantasmas, que pedem, gritando, que as deixemos emergir e as acolhamos como parte das nossas vidas, para podermos prosseguir. É preciso trazer à luz dos dias a nossa fragilidade, identificar o que nos consome e nos limita. Visar a cura como um ato de amor a si mesmo e aos outros. Curar a memória e libertar a sua carga destrutiva, enfrentar os medos que nos conduzem ao imobilismo, é voltar a encontrar a capacidade de existir de acordo com o próprio ser e a consciência mais profunda.

 

A coprodução, como eixo de desenvolvimento artístico e económico, coloca, mais uma vez, artistas locais em contacto direto com congéneres de outros países, desenvolvendo oportunidades de participação e difusão internacional, sendo esta parceria uma oportunidade única de experimentação.

Linda Martini celebram o Record Store Day com concerto nos Armazéns do Chiado

Por altura do Record Store Day, e a celebrar 1 ano de vida do álbum “Sirumba”, os Linda Martini fazem um lançamento especial em vinil colorido de 7”. O vinil, em castanho transparente, terá duas músicas inéditas no formato físico: “Dez Tostões” foi gravada em 2015 no âmbito do projeto Around the World in 80 Music Videos e “Era Uma Vez O Corpo Humano”, gravada por altura das sessões de estúdio de “Sirumba”. Esta última música não foi nunca editada, tendo sido oferecida como incentivo de pré-venda do álbum no iTunes.

Captura_de_ecra_2017_03_30_a_s_17_55_05

O 7” estará disponível a partir de dia 21 de abril e, no dia seguinte, a banda terá um Encontro Marcado nos Armazéns do Chiado, em Lisboa. O concerto, que integra o programa de celebração do Record Store Day dos Armazéns do Chiado (de 6 a 23 de Abril), está marcado para as 18h, seguindo-se uma sessão de autógrafos com a banda na Fnac do Chiado.

Novo disco de Mirror People “Bring the Light” editado hoje

É hoje que Mirror People, projecto paralelo de Rui Maia dos portuenses X-Wife, edita o seu segundo trabalho de longa duração, “Bring the Light”, sucessor de “Voyager” lançado em 2015. Composto e gravado durante o ano passado, o novo trabalho é descrito por Rui Maia como sendo "mais urbano, pessoal e diferente do anterior. Neste disco quis abordar uma sonoridade mais sintética e forte que remete para o lado mais alternativo dos anos 80, sem perder o sentido pop das canções."  

600px_e58d7d770b1480666400

​Em colaboração com vocalista Jonny Abbey, que também assina a mistura, Rui Maia invoca a influência dos filmes de Stephen King, a new wave dos Human League e Soft Cell, os primórdios do hip hop, a pop sintética mais recente dos Hot Chip ou o som de Minneapolis de Prince como algumas das referências para este novo trabalho. Nas próprias palavras do autor: “Em Bring The Light quis voltar ao passado e retratar o futuro como era visto na altura. Falo precisamente da década de 80 em que a tecnologia era bastante limitada e a visão do futuro era bastante mais avançada do que na realidade é hoje em dia. Os instrumentos escolhidos para compor este disco, tiveram por base esse ponto. A inexistência de bateria acústica e o uso de diversos sintetizadores da época, foram uma prioridade de encontro à visão e solidificação da sonoridade para este segundo capítulo de Mirror People."

Os 10 temas que compõem este novo trabalho traçam um lado urbano de experiências vividas e imaginadas numa grande cidade: "Na era mais retratada deste disco, a inexistência de um mundo virtual levava à proximidade das relações, em Bring The Light a busca da experiência e do amor são os elementos principais, e todo o lado noturno, vibrante e sujo da cidade são o pano de fundo. Penso que o Jonny Abbey, autor das letras, conseguiu por em palavras a minha visão para este trabalho, focando temas que fazem parte do meu imaginário e da estética de Mirror People." remata Rui Maia.
 
Esta edição de Bring The Light está a partir de hoje disponível em CD e em todas as plataformas digitais.​ A apresentação do disco acontece hoje, sexta feira, sob a forma de uma​ Listening Party no Incógnito Bar em Lisboa, com a presença de todos os membros que formam o projecto ao vivo. Todo o disco vai ser escutado, seguido de um DJ Set de Rui Maia. 
 
Próximas datas:
31 de março 2017 – Listening Party / Incógnito (Lisboa)
27 de Abril 2017 - Soir Jaa (Évora)
28 de Abril 2017 - Carmo 81 (Viseu)
29 de Abril 2017 - Maus Hábitos (Porto)

André Vaz apresenta disco de estreia “Fado” nos auditórios FNAC

André Vaz apresenta, este ano, aquele que considera o seu álbum de estreia. “Fado”, resulta de uma pesquisa intensa do próprio artista e reune num só registo um espólio imenso de gravações de fado nunca antes recriados. Nascido e criado na cultura do fado, cedo começou a cantar de forma profissional. Vieram primeiro os concursos, depois os musicais e o cinema. Ainda criança gravou vários registos em nome próprio até descobrir, já em adulto, a sua verdadeira identidade como fadista, maturada nas melhores casas de fado da capital. E é numa viagem à génese dessa identidade que André nos leva agora em “Fado”.

45283025-1032-4030-8e6a-fc98de45d660

O trabalho começou com a recolha dos onze temas que compõem o disco. Muitas horas a ouvir as velhinhas gravações dos anos 60, 70 e 80. Em mente, um objectivo, os fados com que verdadeiramente se identificasse, mas que dessem espaço para o seu cunho pessoal. Era importante modernizar aquele som, torna-lo actual e seu, para isso eram necessários fados intemporais que não perdessem a sua essência qualquer que fosse a roupagem que lhes desse.

 

Temas de fadistas como Carlos Ramos, Manuel Fernandes, Maria da Fé, Francisco José, Manuel de Almeida, Fernando Maurício, entre outros, nunca antes regravados por nenhum artista que não o cantor original, foram os escolhidos. Fados que se distinguem pela sua poesia popular inalterada, injustamente caída em desuso nas gravações de fado mais actuais. "Era muito importante para mim que este fosse um disco cheio de grandes fados e não apenas temas soltos que este ou outro compositor me dispensasse. Esta foi a selecção que fez sentido para mim, e acredito que para quem ouve, vai ser bom descobrir ou redescobrir estes fados." explica o fadista.

 

Em “Fado”, André contou com a orientação de Diogo Clemente (Carminho, Raquel Tavares, Mariza) que assina a produção do disco, bem como as violas no mesmo. Mas a interpretação instrumental também não foi descurada e a guitarra portuguesa foi entregue a Ângelo Freire (Ana Moura) e Bernardo Couto (António Zambujo), e o baixo a Marino de Freitas (Carlos do Carmo), músicos sobejamente experientes na área do fado.

 

2 de Abril 2017 -FNAC Almada

16 de Abril 2017 - FNAC Colombo

23 de Abril 2017 - FNAC Oeiras

30 de Abril 2017 - FNAC Cascais 

Kura no North Music Festival

Kura é um dos DJs e produtores nacionais mais respeitados internacionalmente. É o único DJ e produtor Português assinado pela prestigiada editora de música electrónica, Spinnin Records, e é também agenciado internacionalmente. É o 51º melhor DJ do mundo segundo o ranking mundial "Top100" da DJ Mag.

565dee14-5fab-4b6d-9ea9-3a690d0ac830

No North Music Festival promete por toda a gente a dançar com os seus exitos "Calavera" - com Hardwell ou "Tora", mas não só. É também no dia 3 de Junho que actua e garante que a noite vai acabar da melhor forma para os festivaleiros.

Os Terra Batida apresentam “Falaciosa Realidade” ao vivo…

É neste sábado, primeiro dia de abril, às 21h30, que os Terra Batida se apresentam “em casa”, num concerto muito especial na sala mais importante da cidade e das principais do norte do país... a Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão.

17577910_1284249698334645_355283946_n

Ironicamente, este concerto, que servirá de apresentação oficial do álbum de estreia “Falaciosa Realidade”, dar-se-á no Dia das Mentiras; mais ainda, uma das faixas do CD (um dos primeiros temas a ser composto para o álbum) tem o nome “Abril”, coincidência que converge ainda mais para o simbolismo deste concerto, que marcará um dos pontos altos da agenda cultural do mês dos cravos.

Um momento especial garantidíssimo, que contará com mais de 50 músicos em palco (há surpresas!) e será gravado ao vivo, e que marca assim o início de uma digressão que passará pela Holanda e pela Bélgica, já com datas confirmadas.

 

Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão.

1 de Abril 2017 | 21.30h

Nelson Freitas e Seu Jorge são os cabeças de cartaz do NOS Summer Opening

Este é um festival urbano inserido num contexto natural único, com o oceano Atlântico e o Funchal como pano de fundo. Música e natureza, uma oferta de experiências únicas para desfrutar intensamente de um fim de semana inesquecível, carregado de boas vibrações e muita adrenalina.

Instagram_post_NelsonFreitas_v2

Nelson Freitas junta-se aos já confirmados Seu Jorge, Mundo Segundo & Sam the Kid, Dillaz, Bezegol e os Átoa. Ficam a faltar apenas as bandas madeirenses para completar o cartaz e, mais algumas surpresas.

 

Nelson Freitas, um fenómeno! Cantor e produtor holandês, de origem cabo-verdiana, atravessa o auge da sua carreira arrastando multidões. O novo álbum ‘Four' entrou diretamente para o topo das tabelas de vendas e atingiu o 1º lugar no iTunes. Com 3 álbuns de originais, já percorreu o país em festivais e nas míticas salas do Coliseu de Lisboa e do Meo Arena, encerrando a tour de 2016 com um Campo Pequeno completamente esgotado.

 

Para 2017, a consagração internacional com um concerto agendado em Maio no emblemático Olympia de Paris, e, o Funchal na agenda. Pela primeira vez ao vivo na Madeira, Nelson Freitas está confirmado no NOS Summer Opening

 

Caminhos apresenta um roteiro com percursos e espectáculos em 5 municípios na Páscoa

Caminhos é um projeto de programação em rede que coloca a região do Médio Tejo na rota do turismo cultural. A filosofia do projeto assenta em três grandes momentos de programação anual que procuram divulgar e afirmar um Médio Tejo rico em património e acessível por diversas vias, que se entrecruzam e se desmultiplicam em inúmeras possibilidades de percurso e de experiências. Assim, foram criados três roteiros que permitem conhecer os treze municípios associados, Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Sertã, Tomar, Torres Novas, Vila de Rei e Vila Nova da Barquinha.

Galandum Galundaina

Esta é uma iniciativa idealizada com a consciência de que os Caminhos são feitos por quem os percorre, seja numa base quotidiana seja pontualmente, cruzando-se com as paisagens, os monumentos, os espaços culturais, as casas, as praças e as ruas. E serão estes os espaços que acolhem os concertos, os espectáculos, os projetos de criação comunitária e os projetos criadores de percursos dos três roteiros. O primeiro roteiro realiza-se de 11 a 16 de Abril com o Caminho do Ferro, onde estão em destaque municípios com estações ferroviárias (Abrantes, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Tomar, Vila Nova da Barquinha).

 

O ritmo da região vai ser marcado por atividades destinadas a todos os públicos, programadas de forma a que se caminhe por estas cinco cidades e se consiga, de forma gratuita, usufruir dos vários espectáculos multidisciplinares que o Caminhos oferece. Num projeto concebido para o turistas e visitantes da região, mas também para os seus habitantes, os projetos comunitários de criação assumem particular relevância. Neste âmbito, cada roteiro valoriza uma área artística e, ao Caminho do Ferro, corresponde o momento da Dança. A Música e o Teatro surgem, respetivamente associados aos Caminhos da Água (Julho) e da Pedra (Outubro).

 

O espetáculo “Andar”, da coreógrafa Aldara Bizarro, será a marca da comunidade em Abril. É um grande projeto de criação que envolve 50 bailarinos amadores dos cinco municípios; juntos, vão criar um espectáculo que reúne a poesia de Ana Hatherly e o movimento de andar pelas ruas. A dança é ainda reforçada pela presença de Vincent Glowinski, artista que ficou internacionalmente conhecido quando preencheu as paredes de Bruxelas com os seus desenhos gigantes. Apresenta no Museu Nacional Ferroviário "Human Brush", a sua primeira incursão em palco, que articula desenho, coreografia e tecnologia digital.

Baile dos Candeeiros Radar

Também o "Baile dos Candeeiros" se propõe na área da dança. Um espetáculo mágico em que o corpo dos bailarinos dá vida à luz de belíssimos candeeiros de época e que envolve o público num baile espontâneo. Os concertos realizam-se nas praças de Abrantes e Tomar com o grupo de música tradicional portuguesa Galandum Galundaina e o fadista Ricardo Ribeiro, respectivamente. E na estação do Entroncamento, poderá encontrar a Dixie Band dos Xaral´s Dixie.

 

Especialmente para pais e filhos, "Sopa Nuvem" e o "O cão que corre...", aliam em palco várias áreas, do cinema e música ao vivo, ao teatro físico e de objetos, propondo viagens emocionantes e poéticas pelas memórias de infância e interpelando-nos para as relações preciosas entre pais e filhos, avós e netos. Paralelamente aos espetáculos, diversos criadores estão a realizar residências artísticas nestas cidades de modo a criarem percursos pedestres únicos que podem ser vivenciados nestes dias e posteriormente se tornarão um ativo para o turismo da região. São os "projetos criadores de percursos", através dos quais Marina Palácio, Paulo Carmona, o Teatro de Ferro, Violant e Yola Pinto proporcionam a habitantes e visitantes novos modos de caminhar pelo Médio Tejo.

Circo a_C mostra 2

 

Programa Espetáculos

 

13 de Abril 2017

12h00 - “Sopa Nuvem” / Auditório Elvino Pereira (Mação)

15h00 - “Circo à Mostra” de Erva Daninha / Centro Histórico (Abrantes)

19h00 - Xaral’s Dixie / Estação Caminhos de Ferro (Entroncamento)

21h30 - “Human Brush” de Vincent Glowinski / Museu Ferroviário (Entroncamento)

23h00 - Galandum Galundaina / Praça José Raimundo Soares (Abrantes)

 

14 de Abril 2017

18h30 - “Andar” de Aldara Bizarro / Café Paraíso (Tomar)

21h00 - “Baile dos Candeeiros” de Radar 360o / Castelo de Almourol (V.N. Barquinha)

 

15 de Abril 2017

12h00 - “Sopa Nuvem” / Auditório Elvino Pereira (Mação)

15h00 - “Circo à Mostra” de Erva Daninha / Centro Histórico (Abrantes)

16h00 - “Olo” de Teatro de Ferro / Centro Cultural (V.N. Barquinha)

17h30 - “O cão que corre atrás de mim (e o avô Elísio à janela)” de Filipe Caldeira / Centro Cultural (Entroncamento)

18h30 - “Andar” de Aldara Bizarro / Parque Ribeirinho (V.N. Barquinha)

21h00 - “Baile dos Candeeiros” de Radar 360o / Centro Histórico (Mação)

21h30 - “Human Brush” de Vincent Glowinski / Museu Ferroviário (Entroncamento)

 

16 de Abril 2017

15h00 - “Circo à Mostra” de Erva Daninha / Parque Ribeirinho (V.N. Barquinha)

16h00 - “Olo” de Teatro de Ferro / Centro Cultural (V.N. Barquinha)

17h30 - “O cão que corre atrás de mim (e o avô Elísio à janela)” de Filipe Caldeira / Centro Cultural (Entroncamento)

18h30 - “Andar” de Aldara Bizarro / Centro Histórico (Mação)

21h30 - Ricardo Ribeiro Praça da República (Tomar)

Fat Joe é a nova confirmação do SUMOL SUMMER FEST

Fat Joe é a nova confirmação para o cartaz do Sumol Summer Fest 2017. O rapper norte-americano que já conquistou o mundo com o hit “All the Way Up”,

Fat-Joe-amp-Remy-Ma-Ft.-French-Montana-–-All-The-Way-Up-Live

Criado no Bronx, Fat Joe viveu na realidade das ruas nova-iorquinas experiências que o viriam a marcar profundamente e que foram fundamentais para o seu encontro com a música. Começou a dar nas vistas no início dos anos 90, altura em que o hip-hop explodia em todo o mundo. No grupo Digging in the Crates Crew, ao lado de nomes como Diamond D ou Big L, Fat Joe tornou-se um dos nomes mais populares da cena underground desses anos.

Aliás, o que não falta no percurso de Fat Joe são colaborações de sucesso: em 2001, aquando do disco “Jealous Ones Still Envy”, fez sucesso em temas tão marcantes como "We Thuggin", com R. Kelly, ou "What's Luv", com a cantora de R&B Ashanti. Mais tarde, em 2004, provocou polémica ao lado de Ja Rule no hit “New York”.

 

2016 foi, definitivamente, o ano de “All the Way Up”. Com a rapper Remy Ma e as participações de French Montana e Infared, foi nomeado para o Grammy de Melhor Performance Rap e Melhor Canção Rap. “All the Way Up” conquistou milhares de pessoas em todo o mundo e podemos esperar um Fat Joe em grande forma, dia 30 de junho, no Palco Sumol.

Sílvia Pérez Cruz faz digressão em Portugal

Sílvia Pérez Cruz está de regresso a Portugal em Maio e Junho para uma digressão nacional. Coimbra será a primeira cidade a receber a artista, a 27 de Maio, no Convento São Francisco, seguindo-se Aveiro, a 26 Junho, no Teatro Aveirense, Leiria, a 28 de Junho, no Teatro José Lúcio da Silva, e Lisboa, a 29 de Junho, no Centro Cultural de Belém. Os bilhetes estão à venda nos locais habituais.

19282499_AVzre

Após esgotar concertos em Portugal nos últimos anos, Sílvia Pérez Cruz passa agora por várias cidades, num momento de consagração da sua carreira, em que recebeu, pela segunda vez, um Prémio Goya – o mais prestigiado galardão do cinema espanhol. Sílvia é a protagonista e autora da banda-sonora de "Cerca de tu casa", filme que aborda a perda de alojamento durante a crise de 2008, que venceu prémios em diversos festivais de cinema e o Prémio Goya para Melhor Canção Original com "Ai, ai, ai".

 

Sílvia Pérez Cruz revelou-se nos últimos anos como uma das vozes femininas mais marcantes da Península Ibérica, com influências que vão do Jazz ao Flamenco, num estilo singular que tem impressionado a Europa e a América Latina. Chega a Portugal em 2017 com três álbuns editados: "11 de Novembre" (2012), que inclui a participação de António Zambujo na reedição portuguesa; "Granada" (2014), que conquistou o título de disco do ano para a Rockdelux e o de Melhor Intérprete para a Rolling Stone Espanha; e "Domus" (2016), a banda sonora do filme "Cerca de tu casa".

 

27 Maio 2017 - Convento São Francisco (Coimbra)

26 Junho 2017 - Teatro Aveirense (Aveiro)

28 Junho 2017 – Teatro José Lúcio da Silva (Leiria)

29 Junho 2017 – Centro Cultural de Belém (Lisboa

Jorge Fernando celebra com amigos 40 anos carreira

Um dos cantores e compositores mais queridos do nosso país, Jorge Fernando tem a vida cheia de fado. Herdou o toque de Fernando Maurício, tocou durante duas décadas ao lado de Amália, escreveu fados que definiram a identidade de vedetas mundiais como Mariza ou Ana Moura, trabalhou com Camané e com tantos outros grandes nomes do fado.

4. Jorge Fernando 2017

A solo, contudo, a sua carreira é igualmente extraordinária, no fado e fora dele. Um dos mais talentosos escritores de canções portugueses, com êxitos como “Quem Vai ao Fado”, “Boa Noite Solidão”, “Chuva”, “Trigueirinha”, “Rosas Brancas para o Meu Amor” ou “Umbadá”, Jorge Fernando tem também uma larga carreira por palcos de todo o mundo. Os seus passos estão cheios de música, de vida, de alma, de fado, de melodias que nos ajudam a todos a sermos quem somos.

 

Jorge Fernando deixa a mensagem… "Há gente que fica na história da história da gente"… É o que sucede com os meus convidados , com os quais comemorarei 40 anos de canções. Quando me cruzei com cada um deles sempre algo de novo aconteceu. É a minha história e eles estão nela por inteiro naquilo a que eu chamo família musical. Em boa hora, Luís Montez me propôs esta partilha de 40 anos de música, onde poderei dizer a todos os presentes que esses 40 anos não são meus, são de todos os que me têm acompanhado e a quem eu poderei agradecer dia 4 maio no MEO Arena.”

 

Jorge Fernando e convidados… Ana Moura, Agir, Camané, Expensive Soul, Fábia Rebordão, José Gonçalez, Sam The Kid, Virgul + Dino D’Santiago

 

MEO Arena (Lisboa)

4 maio 2017

D.A.M.A criam bolsa de talentos no Porto

Cinco dias antes do muito aguardado concerto no Coliseu do Porto (8 de Abril), os D.A.M.A lançam o grande projecto social do grupo para 2017: a Bolsa De Talentos D.A.M.A. Esta segunda-feira, 3 de Abril, às 11h00, arranca a primeira fase de candidaturas no Porto, na Escola Secundária do Cerco, com a presença do Presidente da Câmara, Rui Moreira, e da própria banda.

D.A.M.A_Foto promo_2017

A Bolsa De Talentos D.A.M.A. tem como base a máxima “pay it forward”, pois da mesma forma que estes três colegas de profissão e amigos tiveram quem acreditasse no seu talento e ajudasse o grupo a tornar-se numa das bandas mais consagradas da música portuguesa, o colectivo decidiu criar esta iniciativa que também ajude a concretizar projectos e sonhos de outros. Assim, a banda de Francisco “Kasha” Pereira, Miguel Cristovinho e Miguel Coimbra irá canalizar parte das suas receitas para um fundo que pretende ajudar outros a atingirem os seus sonhos.

 

A Bolsa terá duas fases de candidaturas, de aproximadamente dois meses de duração. A primeira fase começa em Abril e a segunda em Setembro. Como forma da mensagem chegar a todos os jovens, a Bolsa De Talentos D.A.M.A. terá um musical intitulado “Acorda o Sonho”, que recriará a história da banda e irá percorrer escolas secundárias de todo o país. A Bolsa De Talentos D.A.M.A. não tem qualquer restrição de idade, localização ou área, e contará com os próprios músicos como decisores dos projectos vencedores.

 

Os D.A.M.A escolheram propositadamente o Porto para o lançamento deste importante projecto, por ser uma das cidades de que guardam algumas das melhores recordações: em 2014, arrebataram um esgotado Estádio do Dragão na 1ª parte do concerto dos britânicos One Direction. No ano seguinte, encheram a Avenida dos Aliados num concerto que juntou quase 100 mil pessoas e, em 2016, atuaram no Festival Meo Marés Vivas, naquele que foi considerado o melhor concerto do ano da Península Ibérica (Iberian Awards).

D.A.M.A - Coliseu do Porto

Alguns dias depois da apresentação deste projecto, no dia 8 de Abril, os D.A.M.A sobem ao palco do icónico Coliseu do Porto, para o concerto que encerra a tour “Era Uma Vez…”.

Há Vida no Parque de Serralves…

As mais de 10 000 espécies de aves formam um grupo caracterizado pela diversidade, tanto em tamanho, como cores e hábitos, e, consequentemente, marcam presença em todos os ecossistemas do planeta.

DestaqueHVP_2ABR

O Parque de Serralves representa abrigo e/ou alimento para perto de 60 espécies de aves - algumas presentes todo o ano, como melros e chapins, e outras apenas na estação quente ou fria, como as andorinhas e os estorninhos.

Com Ricardo Lopes (Investigador do CIBIO-InBIO - Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos), dia 2 de Abril em Serralves

 

9h30-11h00 / Percurso no Parque

Conceção e orientação: Ricardo Lopes (Investigadores do CIBIO-InBIO)

Ponto de encontro: junto à Sala Multiusos (Quinta de Serralves)

Lotação: 25 participantes

Público-alvo: famílias e público em geral

 

10h00-13h00 / Oficina Para Famílias - Quero Ser Ornitólogo!

Local: Lagar (Quinta de Serralves)

Público-alvo: famílias

Orientação: Mundo Científico, Lda

 

11h00-11h30 / Conversa

Conceção e orientação: Ricardo Lopes (Investigadores do CIBIO-InBIO)

Local: Sala Multiusos (Quinta de Serralves)

Lotação: a do espaço

Público-alvo: jovens e adultos