Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

"Dobram os Sinos Mais Uma Vez"… o novo disco dos Tambor

25 de Abril de 2017 é o regresso de Tambor aos discos ao vivo, com edição exclusivamente digital. A celebrar o ciclo iniciado com o esgotadíssimo concerto do Salão Nobre do Mosteiro dos Jerónimos, juntaram-se à formação mista de instrumentos de Câmara, Pop, Eletrónica e Percussão Tradicional outros companheiros de música para um concerto único, em acústico, para Grupo e Coro.

Part_3

De Cortina de Fumo” a “Electro Pop”, são 15 anos de músicas, que fazem a carreira do Tambor, (passando pela edição da gravação ao vivo em CD+DVD do concerto “O Espaço sem ti não é nada” em 2014 . No dia 5 de Fevereiro de 2016 no Cineteatro D. João V, estas canções foram partilhadas com o Coro da Orquestra Extraordinária, num concerto acústico numa noite única, onde pela primeira vez foram ouvidos os acordes de “A Construção da Saudade” tema que dá nome ao 6º disco de originais. Nessa noite foi ouvida também em primeira mão a “Canção Verdes Anos” versão do tema de Carlos Paredes com letra de Pedro Tamen.

A 25 de Abril, para todo o mundo e com os aplausos do público então presente, está disponível, em formato digital,  “Dobram os sinos mais uma vez", o registo dessa noite, para recordar.

10 aniversário do "Stand da Comédia" no Teatro Sá da Bandeira

Dia 27 de Abril (22h) é o dia da celebração dos 10 anos do Stand da Comédia, com os humoristas Miguel 7 Estacas, Hugo Sousa e João Seabra

057795e5-b2b8-4353-bb10-2e98546cec54

Não é apenas mais uma noite de stand up comedy... É uma viagem aos lugares mais iluminados da demência humana onde se cruzam personagens de fábulas e contos.

Miguel 7 Estacas vem munido de uma vassoura para limpar as tristezas e a magia do internacional mágico Urini !

Hugo Sousa promete trazer a sua visão distorcida da realidade...

João Seabra fala sem abrir a boca e por vezes dá uso a uma guitarra desafinada...

Pedra Filosofal interpretada a 3 vozes pelos Edna

Para celebração dos 43 anos da Revolução de Abril, o Trio Edna ​ ​lançou uma​ interpretação do tema revolucionário "Pedra Filosofal" de Manuel Freire e​ ​António Gedeão (​​Rómulo de Carvalho).

EDNA

O Trio Edna é composto por Daniel Lemos, Francisco Vicente e Márcia Trabulo. Em 2016, estas 3 vozes decidem juntar-se para participar no programa The Voice Portugal onde chegam à fase final apadrinhados pela Áurea.

 

Mira, Un Lobo!... em Maio no Sons à Sexta

Em 2016 o artista português, Luís de Sousa, na ressaca de um despedimento laboral compôs, escreveu e gravou as músicas em casa. Livre de horários ou prazos foi elaborando um diário musical que foi evoluindo inconscientemente para um álbum que o catapultou para um contrato discográfico internacional.

Cartaz - SonsaSexta.png

Gravado pela editora alemã Tapete Records, "Heart Beats Slow", é o primeiro álbum do projecto Mira, Un Lobo!.

A intensidade sonora deste álbúm espelha a influência de artistas como Sigur Rós, M83, Radiohead, Sufjan Stevens ou Fever Ray. O lobo, outrora solitário, faz-se agora acompanhar em concerto dos músicos Eliana Fernandes (voz e sintetizadores) e Nuno Lamy (Sintetizadores e guitarra).

 

Uma vez por mês, o auditório d' A Moagem - Centro do Engenho e das Artes é palco da música portuguesa.

 

A Moagem - Centro do Engenho e das Artes (Fundão)

5 de Maio 2017 | 22.30h

Haegue Yang… Parque de Vento Opaco em Seis Dobras em Serralves

A artista coreana Haegue Yang, atualmente com a sua obra exposta em Serralves, através do projeto Sonae//Serralves, foi uma das escolhidas para participar na 21ª Bienal de Sydney (2018), que mostra os trabalhos dos melhores artistas contemporâneos do mundo incluindo, entre outros, Ai Weiwei, Mit Jai Inn, Eija-Liisa Ahtila, Anya Gallaccio, Brook Andrew, Semiconductor e Yasmin Smith.

destaque

A exposição está patente até 4 de Junho no Parque de Serralves para visitar e acompanhar o seu desenvolvimento ao longo do tempo: embutidas no complexo construído por Yang há diversas espécies de plantas e vegetação, destinadas a crescer, trepar, florir e morrer ao longo da presença da obra em Serralves.