Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Melech Mechaya e Minta & The Brook Trout no Festival de Telheiras

O Festival de Telheiras já é um marco na comunidade. Comemora 10 anos desde a sua criação, embora seja esta a sua 8ª edição, que se realiza de 10 a 21 de Maio pelos diversos espaços públicos e culturais do bairro. Numa iniciativa que continua a ser única em Lisboa, pela forma comunitária da organização, pelo número de entidades e actores locais envolvidos e pela filosofia de reforço do sentimento de bairro e da sua identidade, o Festival volta a marcar a diferença pelo equilíbrio e pluralidade das actividades que oferece.

fc28a576-4ef7-4ea7-ad40-3433e3fecde7.png

A organização, optou este ano por estender as datas do Festival para que a comunidade possa usufruir mais calmamente das mais de 40 actividades promovidas pelo comércio local, pessoas do bairro, grupos de fora e instituições interessadas em participar e dar mais vida e cultura a Telheiras.

O Festival, não obstante de ser centrado em Telheiras, é pensado para toda a cidade e continua a apresentar uma programação eclética e dedicada a todos os públicos

 

A música estará em destaque este ano, com a apresentação de projetos que vão desde as bandas do bairro, até a nomes mais consagrados no panorama nacional. Em destaque, a fusão de vários sons e culturas do mundo dos Melech Mechaya, que prometem fazer a festa com a apresentação do seu novo disco "Aurora" (20 de Maio | 22.00h); o carácter indie de Minta & The Brook Trout, que apresenta o seu novo EP “Row” (19 de Maio | 21.00h); a exploração sonora de Produtos Biológicos Grátis e de Nuno Sanches (13/05); o hip hop do bairro de Estraca (19 de Maio | 19.00h) ; o jazz do Hot Clube; o rock clássico dos Waste & The Candyman (17 de Maio | 21.30h), até à música tradicional dos Torga (18 de Maio | 21.30h).

 

O percurso musical do Festival promete tocar em vários estilos e agradar a muitos ouvidos. Durante a semana as actividades programadas disseminam-se pelos diferentes espaços públicos e espaços culturais do bairro que acolhem workshops de gastronomia e saúde, debates temáticos, Hora do Conto para crianças e pais, Teatro, iniciativas de rastreios de saúde e atividades desportivas e muito mais. No cinema, destaca-se a exibição do filme Dheepan sobre a integração de refugiados que foi Palma de Ouro em 2015.

 

No fim-de-semana, dias 19, 20 e 21 de Maio, a festa concentra-se no jardim de Telheiras, junto à saída do Metro. Os dias são dedicados ao convívio e lazer com a Feira da Tralha (venda de artesanto e coisas em 2ª mão) e do Comércio Local, actividades holísticas e de desporto e um espaço dedicado às crianças com insufláveis e muitas surpresas. Pela noite usufrui-se dos petiscos acompanhados de concertos que começam pelas 19h00.

 

O Festival é organizado pela Parceria Local de Telheiras e pela Junta de Freguesia do Lumiar, com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa. Surgiu em 2007 e cresceu do empenho e dinamismo de um grupo de jovens moradores que assumiram o compromisso de alavancar este movimento de aproximação de realidades, de pessoas e de serviços.

Eagles of Death Metal lançam “I Love You All The Time – Live at The Olympia in Paris”

A 4 de agosto a Eagle Rock Entertainment vai lançar “I Love You All The Time – Live at The Olympia in Paris”, dos Eagles of Death Metal, em DVD, Blu-ray, 2CD e em formato vídeo / áudio digital. Esta atuação emotiva contém temas como “Complexity”, “Don’t Speak (I Came To Make A Bang)”, “Cherry Cola”, “I Want You So Hard (Boy’s Bad News)”, a versão de “Save A Prayer”, dos Duran Duran, entre muitos outros.

EODM_Love_You_All_The_Time_DVD_cover_hr_.jpg

Durante o concerto que os Eagles of Death Metal deram a 13 de novembro de 2015 no Bataclan Theatre, em Paris, um grupo de homens armados entrou na sala e disparou sobre o público, fazendo 89 mortes. A 16 de fevereiro de 2016, a banda voltou a Paris para terminar o concerto, como parte da “The Nos Amis Tour”, tendo atuado no Olympia Hall. Este lançamento capta toda a emoção e intensidade desse concerto extraordinário no Olympia, sendo dedicado a todos os que perderam a vida no Bataclan.

 

Antes do concerto, o cofundador e vocalista dos Eagles of Death Metal, Jesse Hughes, disse: "Os habitantes de Paris têm sido incríveis connosco e nosso amor perante esta cidade linda e a sua população só foi reforçada um milhão de vezes ao longo do último mês. Ouvir as histórias dos sobreviventes, dos feridos e de todos os que perderam os seus entes queridos tem sido esmagador. Não regressar para terminarmos o nosso concerto nunca foi uma opção."

"Longe do Chão"… Novo álbum d'O Gajo, projeto do músico João Morais

São sombras vagas de final de tarde que povoam o universo d’O Gajo e nos contam histórias da cidade oculta. “Longe do Chão” é um álbum a solo do artista João Morais que conta com 11 músicas instrumentais e que presta homenagem à cidade de Lisboa através das suas sonoridades e melodias que captam o universo nostálgico mas ao mesmo tempo eufórico da cidade.

152f2329-8e74-4651-8d52-c29564b8d5ac.jpg

O primeiro single do disco, “Há uma festa aqui ao lado”, já tem video lançado e é o tema que serviu de teste ao casamento de ideias antigas com o novo som da Viola Campaniça, instrumento que orienta todo o trabalho d'O Gajo. "A fusão correu bem e o casamento está para durar”, admite o próprio artista.

Longe do Chão” é um voo sobre nós próprios embalados por uma Viola Campaniça que nos enche como a maré e nos inunda com sentimentos de naufrágio.

 

O Gajo nasce em Lisboa na primavera de 2016 pelas mãos de João Morais com o intuito de ligar a sua música à terra que o viu nascer, Portugal. É assim que surge a relação com a Viola Campaniça, um instrumento de raiz tradicional que faz parte da história centenária e cultural portuguesa. Também designada por Viola Alentejana, a Viola Campaniça era o instrumento musical usado para acompanhar os célebres cantares à desgarrada, ou ”cantes a despique”, nas festas e feiras do Alentejo.

"New Shape" é o segundo Single retirados de "Woolgather" dos Flying cages

A "New Shape" é o segundo single dos Flying Cages, retirado de “Woolgather”. Uma variação de ritmos, vozes e falsetes, guitarras e linhas de baixo que culminam na intenção de materializar o que as forças e vontades interiores podem gerar.

9605306c-6120-4fe2-a18e-0cd33b9856b2.jpg

Depois do sucesso de “Lalochezia”, o álbum de estreia da banda de Coimbra, os Flying Cages regressam aos discos. Desta vez a banda deslocou-se a Lisboa para gravar "Woolgather" nos estúdios da pontiaq e pela mão do produtor Miguel Vilhena (Savanna, Ditch Days, Marvel Lima).

 

"Your Friends" foi o primeiro avanço para "Woolgather" que chegou às lojas no dia 3 de Março.

Benjamim e Barnaby Keen editam “1986” a 24 de Maio

1986”, o disco em parceria gravado por Benjamim e o músico britânico Barnaby Keen, é editado digitalmente a 24 de Maio, meses antes do lançamento oficial em vinil. “Dança Com Os Tubarões” e “All I Want” são os novos singles do álbum e, à semelhança de “Warm Blood” e “Terra Firme”, são cantados na língua nativa de cada um dos intérpretes.

20151127 001 cred-VeraMarmelo

photo: Vera Marmelo

 

“1986” é constituído por oito canções escritas e interpretadas por ambos. É um exercício de partilha: Benjamim faz coros em inglês das canções de Barnaby e este empresta o seu sotaque brasileiro quebrado para fazer vozes em português nas canções de Benjamim. Os dois tocam quase tudo nos temas um do outro, escolhendo o melhor das capacidades de cada um, seja no saxofone, no piano ou na bateria. O álbum foi gravado em duas sessões no estúdio 15A, casa da Pataca Discos e contou com a participação de Sérgio Costa na flauta, Leon de Bretagne no baixo e António Vasconcelos Dias nas vozes.

Os dois músicos, nascidos em 1986, cruzaram-se pela primeira vez em 2012, num cinema de Brixton, no sul de Londres, e selaram amizade a partir do gosto comum por um disco de Chico Buarque. Barnaby Keen viveu no Brasil durante seis meses, onde descobriu o amor pela língua portuguesa e pelos mestres do samba e da bossa nova. Relativamente aos dois singles, os músicos definem “All I Want” como um tema marcado pelo timbre magnético de Barnaby e por uma batida hipnótica deixada a secar ao sol ao longo de demasiadas horas. “Dança Com Os Tubarões” é a canção solarenga do disco em modo dueto tropical, como se Xabregas fosse o Rio de Janeiro e Lisboa o mundo inteiro. 

 

A primeira apresentação de ”1986” acontece no Festival Músicas do Mundo em Sines, no dia 28 de Julho, com os músicos acompanhados ao vivo por João Correia (bateria), Nuno Lucas (baixo) e António Vasconcelos Dias (bateria). A data escolhida para esta edição coincide com o aniversário de Benjamim, dando maior simbolismo ao nome do álbum que pode ser ouvido nas plataformas digitais habituais

Cristóvam apresenta “Red Lights”… o seu mais recente single

Nascido na Ilha Terceira, Cristóvam, é um dos mais talentosos singer-songwriters da nova geração de músicos nacionais. O conceituado realizador Pedro Varela, foi um dos primeiros grandes nomes a dar conta da qualidade das suas canções ao inclui-las em dois dos seus trabalhos realizados recentemente. Os temas "Walk in the Rain" na longa metragem “A Canção de Lisboa” (2016) e "Burning Memories", no spot publicitário “Valores” do “Banco BIG” (2016).

untitled-1.jpg

Destacado por diversas vezes em concursos de música, como “Vodafone One’s to Watch”, “LabJovem”, “Angra Rock” e finalista nos concursos de composição internacionais “Songwriting Competition” e “UK Songwriting Contest”, Cristóvam integrou vários projectos ao longo do tempo, entre eles “October Flight”, com os quais editou o disco "The Closing Doors" em 2012.

 

Em 2014 começou a trabalhar no seu disco de estreia a solo, que se prepara para editar em Setembro de 2017. O single “Red Lights”, que conta com a participação de Mariana Domingues teve estreia a 21 de Abril, em todas as plataformas digitais

 

"Ao contrário da ideia “glamourosa”, que grande parte das pessoas tem à cerca do processo de escrita das canções, nem sempre tudo sai de repente num momento convulsivo de criatividade. A verdade é que na maioria das vezes, há muito trabalho desde o momento em que a primeira ideia surge de mãos dadas com alguns versos, até ao momento em que se dá uma canção por concluída.

É comum haver um processo racional, seguido desse primeiro impulso de criatividade, uma espécie de parte mais chata, que por vezes arrasta as canções durante meses, às vezes anos, até que estejam finalmente prontas.

Porém, existem algumas excepções em que as coisas acontecem mesmo como nos filmes e esta canção foi um desses casos... Foi escrita em 10 minutos, no primeiro dia em que estive em Amesterdão. Cheguei a casa, sentei-me com a guitarra e de repente, a caneta parecia estar a escrever sozinha... Uma espécie de despejo de toda aquela magia que os meus olhos tinham acabado de enxergar, naquela que é até hoje, a minha cidade preferida e um destino recorrente." Cristóvam

Remix de "A Mulher do Fim do Mundo" editado em Portugal a 2 de Junho

O mais bem sucedido disco de Elza Soares foi remisturado por Gilles Peterson & Simbad, Laraaji, Nidia Minaj, DJ Marfox, Ricardo Dias Gomes, entre outros, e será editado em exclusivo em Portugal a 2 de Junho, um dia antes do concerto da cantora brasileira no Coliseu dos Recreios.

f8a2872c-5024-438d-bfa6-9cad2e46e9ef.jpg

Com edição mundial agendada para 30 de Junho, "A Mulher do Fim do Mundo Remixes" (Mais Um Discos) mistura rock, free jazz, noise e electrónica. A representar Portugal neste colectivo de DJ e produtores convidados pela editora de Elza Soares está o DJ Marfox, da Principe Discos, responsável pela remistura de "Maria da Vila Matilde". De Inglaterra, o editor e DJ bem conhecido do público português, Gilles Peterson, remisturou "Pra Fuder". Recorde-se que Elza Soares já tinha trabalhado com Peterson no álbum deste, "Sonzeira: ‘Brasil Bam Bam Bam'", de 2014, no tema "Aquarela do Brazil".

"I played the album cut all 2016 and so needed a new version for this summer! An honor to work once again with my queen of grimy samba” - Gilles Peterson

 

No Brasil a preparar a intensa digressão mundial que arranca dia 19 de Maio em Nova Iorque, no Red Bull Music Academy Festival, passa pelo Primavera Sound, em Barcelona, a 1 de Junho; pelo Coliseu dos Recreios, em Lisboa, dia 3; pelo NOS Primavera Sound, no Porto, dia 10; vai ao Teatro das Figuras, em Faro, dia 14, e ao Festival Raízes do Atlântico na Madeira, dia 17; passa ainda pelo Roskilde, na Dinamarca; e termina no início de Agosto no Summerstage Central Park, em Nova Iorque; Elza Soares vive o melhor momento da sua longa carreira. Recentemente, a cantora brasileira que completa 80 anos em Junho venceu o Grammy Latino de Música Popular Brasileira, o Prémio da Música Brasileira para Melhor Álbum, "A Mulher do Fim do Mundo", e foi considerada Personalidade Cultural de 2016, nos Prémios Bravo!.