Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Os Brasileiros Sound Bullet lançam disco de estreia

A banda carioca Sound Bullet, uma das bandas que se destaca da chamada “cena independente” do Rio de Janeiro, acaba de lançar o álbum de estreia, "Terreno". Produzido por Patrick Laplan (Eskimo, Rodox), o disco traz metais inspirados em música latina, misturados ao indie rock com levadas de math rock. Nessa junção de elementos diversificados, o resultado é um som maduro e complexo.

Sound Bullet - Terreno.jpg

O papel de cada um na busca de uma sociedade melhor, empatia, as responsabilidades da vida adulta e as relações interpessoais e fraternais na vida urbana. E é com base em temas tão complexos que os Sound Bullet apresenta “Terreno”. O disco está disponível nas principais plataformas de música digital via Sagitta Records.

Após o bem sucedido EP "Ninguém está sozinho" (2013), a banda formada por Guilherme Gonzalez (guitarra e voz), Fred Mattos (contrabaixo e voz), Henrique Wuensch (guitarra) e Pedro Mesquita (bateria) ganhou destaque com o single “When It Goes Wrong”. Gravada no Converse Rubber Tracks, a canção foi escolhida como representante mundial do projeto, alavancando a banda para centenas de milhares de plays no Spotify. Foi uma época em que Sound Bullet redefiniu sua identidade e tudo isso está patente no disco“Terreno”.

 

“Nesses últimos anos vivemos uma nova fase, de maior liberdade dentro da nossa proposta musical, e fomos ousando cada vez mais pra fazer um disco que nos satisfizesse. ‘Terreno’ é o resultado disso. E dentro desse caminho, ele conta uma história sobre humanidade, falibilidade, medo, coragem e alegria”, conta Fred Mattos.

“Vem”... A digressão de Mallu Magalhães por Portugal esgotada...

A duas semanas do concerto de apresentação do novo álbum “Vem” no Teatro Tivoli BBVA (Lisboa), agendado para 24 de Outubro, os bilhetes para os próximos dois concertos de Mallu Magalhães já se encontram esgotados. A sala cheia da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão no passado sábado, dia 7 de Outubro, precipitou que a lotação esgotasse no Centro de Arte de Ovar (14 de Outubro) e Teatro Tivoli BBVA (24 de Outubro).

mallu

photo: Paulo Homem de Melo

 

Mallu Magalhães apresentará ao vivo o seu mais recente trabalho discográfico “Vem”. A cantora e compositora paulista subirá ao palco acompanhada por uma banda integralmente portuguesa (6 músicos) e, para além dos clássicos intemporais como “Velha e Louca” e “Sambinha Bom”, a artista apresentará músicas como o primeiro tema de avanço do álbum lançado no passado mês de Junho (“Você Não Presta”), bem como músicas da Banda do Mar (“Mais Ninguém”), entre outros “novos clássicos”. “Vem”, o novo álbum de Mallu Magalhães foi editado em Portugal no passado mês Junho. O single de apresentação chama-se “Você não presta” que, juntamente com o “Navegador” e uma nova versão de “Casa Pronta”, também estão incluídos do alinhamento de 12 temas que fazem parte de “Vem”.

Após um hiato de seis anos desde a edição de “Pitanga”, a cantora e compositora paulista editou o seu quarto registo de originais a solo. O álbum “Vem” contou com a produção de Marcelo Camelo, à semelhança dos trabalhos mais recentes, foi registado entre Lisboa, Rio de Janeiro e São Paulo, e apresenta repertório inédito da cantora e compositora paulista,  que é uma das principais vozes e compositores do atual panorama de música brasileira

Salvador Martinha apresenta "Centro das Atenções"…

Um dos maiores humoristas portugueses de sempre, Salvador Martinha, prepara um acontecimento humorístico raro no panorama nacional, surgindo num formato completamente diferente do que tem vindo a fazer: um palco 360º. Salvador Martinha, leva assim dia 6 de dezembro, à Casa da Música, e dia 7 de dezembro, ao Coliseu de Lisboa o espetáculo "Centro das Atenções".

22405523_10150888597059950_4980698825185942373_n

 

Em duas noites memoráveis, Salvador Martinha vai colocar a sua vida no “centro das atenções”. Este espetáculo é o conjunto das melhores histórias e piadas de Salvador Martinha, desde o início do seu percurso, passando pelos seus quatro solos de stand-up, até chegar àqueles que serão os seus dois maiores espetáculos de sempre: Coliseu de Lisboa e Casa da Música no Porto, em formato 360º, que promete uma maior proximidade e interação com a plateia.

Storytelling combativo e de resistência de La Dame Blanche no Musicbox

La Dame Blanche está de volta a Lisboa para um concerto no Musicbox já no próximo dia 14 de Outubro. A cantora, flautista e percussionista cubana Yaite Ramos Rodriguez vem apresentar o seu mais recente álbum “2”.

2e97d9ac-dd60-49a9-be1c-8f08a82f1f35

 

Tendo começado o seu percurso como flautista clássica, formada na Escuela Nacional de Arte, foi em Paris que o alter-ego La Dame Blanche nasceu, projecto orientado pelo hip-hop e pela electrónica. De um percurso musicalmente variado resulta então uma sonoridade eclética que mistura sonoridades mais electrónicas e dançáveis com os ritmos cubanos como a cumbia ou jazz latino, herdados do seu pai Jesus “Aguaje” Ramos, notável trombonista cubano e director artístico da Orquestra Buena Vista Social Club. Nesta mescla sónica, a flauta continua a ser uma presença central na música de La Dame Blanche, conferindo motivos bucólicos às melodias combativas.

 

É assim que La Dame Blanche se assume como storyteller, dando voz aos episódios vividos entre Cuba e Paris, contados na primeira pessoa ou através de personagens, reais ou imaginadas, evocando nos seus versos a sua força enquanto mulher negra e santera. Depois da sua estreia em 2014 com Piratas, em “2” La Dame Blanche, sempre com a mesma garra na palavra cantada, apresenta-se com uma sonoridade mais definida e matura, transmitindo um equilibro perfeito entre os ritmos latinos e os ritmos electrónicos.

Mimicat apresenta "Back In Town" no C.C.Olga Cadaval em Sintra

Depois do lançamento do seu novo álbum, "Back In Town, no passado dia 22 de Setembro, Mimicat prepara-se para apresentá-lo ao vivo pela primeira vez num espetáculo muito especial no Centro Cultural Olga Cadaval no próximo dia 28 de Outubro. Um concerto intimista que promete captar a atenção de qualquer membro da plateia.

Antes do concerto em Sintra, Mimicat apresenta amanhã, dia 11 de Outubro, pelas 18h30, o novo disco “Back in Town ao vivo na Fnac Santa Catarina, no Porto.

ec9cb713-e67b-46ee-8821-f11a091da878

"Back In Town" marca uma viragem na carreira da artista, agora com uma imagem e sonoridade mais Pop e versátil. Este disco é sobre autoconfiança e autoconhecimento. Mimicat é agora mais segura, enquanto mulher e enquanto artista, tendo passado por um processo de transformação interior e exterior também.

“Back in Town” é fresco, forte e moderno. Um disco Pop recheado de canções onde se cruzam a alma e carisma inconfundíveis da artista com as influências da música negra  Soul,  Hip-Hop e R&B, tanto na composição e melodias como na produção instrumental, com baladas minimais como “Lord”, temas grandiosos como “Nobody Knows” ou o atrevimento obscuro de “Cold Feet”.

Minta & The Brook Trout convocam fãs para concerto…

Esta quinta feira na ZDB, Minta & The Brook Trout convocam fãs para apresentação de um vinil e uma cassete acabados de sair!

mintaethebrooktrout_back_vinil_cassete.jpg

 

Caríssimos todos,

 

É já esta quinta, dia 12, que tocamos na ZDB, em Lisboa, para comemorar o lançamento do Slow em vinil e do Row em cassete.

O vinil, editado pela Valentim de Carvalho/Norte Sul, chegou com uns meses de atraso em relação ao previsto mas ficou ainda mais bonito do que poderíamos esperar. As ilustrações e o trabalho gráfico que o José Feitor fez para o Slow em 2016 encontraram finalmente um formato à altura.

 

A cassete, a segunda edição de Minta & The Brook Trout pela californiana Gaylord's Party Music, é um lindíssimo objecto de colecção em que as três músicas do Row (2017) tocam nos dois lados.

No concerto desta quinta vamos tocar canções destes dois discos, bem como outras que andam desaparecidas dos alinhamentos há algum tempo. Gostávamos muito de vos ver por lá.

 

calorosos cumprimentos e até à ZDB, espero!

Francisca, Minta & The Brook Trout

Ricardo Ribeiro recebe Prémio Carlos Paredes e prepara Carta Branca no CCB

Ricardo Ribeiro foi galardoado com o conceituado Prémio Carlos Paredes em ex-aequo com o grupo Quarteto Artemsax & Lino Guerreiro, atribuído pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira. O interprete lisboeta ganhou este prémio pelo seu álbum editado em 2016, Hoje é Assim, Amanhã Não Sei

pjz3_RicardoRibeiroHugoMouraweb.jpg

Esta iniciativa da câmara de Vila Franca Xira nasceu em 2003 tem como objectivo destacar o que melhor se faz na música portuguesa. Em anos anteriores já receberam este galardão grandes nomes como: Bernardo Sassetti, Mário Laginha, Carminho, LST – Lisboa String Trio, Pedro Jóia, entre outros. Ricardo Ribeiro recebeu igualmente uma menção no Prémio José Afonso 2017 também pelo álbum “Hoje é assim, amanhã não sei.”, este ano atribuído a Teresa Salgueiro com o álbum “O Horizonte”, pela Câmara Municipal de Amadora.

  

Dia 26 de outubro Ricardo Ribeiro concretiza o desafio da Carta Branca que o CCB lhe fez. Ricardo escolheu cantar e surpreender com um tributo a José Afonso. A direcção artística está cargo do pianista Filipe Raposo. Estarão a acompanhá-los, nas guitarras o Mário Delgado, na percussão o Jarrod Cagwin, no saxofone o Ricardo Toscano e no baixo o António Quintino

 

João Granola lança novo single… "A todos (os que deixei na mão)"

Em João Granola a música é importante, mas é a palavra o ponto de partida. A palavra portuguesa, uma vez que foi assim que começaram e acabaram todas as reflexões que transformaram ideias em 5 canções. "O Convidado" é nome do disco de estreia de João Granola e "Amigo Vaivém" foi o primeiro single. "A todos (os que deixei na mão)" surge agora como novo single retirado do EP.

a3811982859_10.jpg

João Granola é o atual caminho musical de alguém que vê nas árvores a metáfora perfeita para a sobrevivência. A força das suas raízes complementa-se com a flexibilidade dos seus ramos, naquilo a que chamamos de resiliência. João Granola não é mais do que o ramo musical de uma vida atestada de ramos, assentes num tronco que se fez, quer e procura ser robusto.

 

 

Vítor Bacalhau de regresso com novo álbum

Depois de dois anos de tour com o seu álbum de estreia Brand New Dawn, Vítor Bacalhau lança agora seu segundo álbum, “Cosmic Attraction”. “Dirty Little Girl” foi o primeiro single lançado em Junho deste ano. Neste mês de Outubro lança o segundo single intitulado "Old Soul" com a participação especial de Budda Guedes.

09241bca-4fb5-42ee-a6f7-d9a5bd3b2a59

 

O concerto de lançamento de “Cosmic Attraction” já tem dia e hora marcada. Será em Braga no Theatro Circo no dia 3 de Novembro. Este concerto está inserido no 1.º Festival Internacional de Blues de Braga, o "Nova Arcada Braga Blues"..

De forma a capturar toda a energia deste Power Trio, “Cosmic Attraction” foi gravado sem overdubs, sem metrónomo e sem munição. Este novo trabalho de Vítor Bacalhau é sem dúvida um reflexo dos inúmeros concertos tocados pela banda nos últimos anos, e também de novas experiências e vivências na vida do músico. “Cosmic Attraction” foi gravado nos Estúdios da Mobydick Records e conta com a produção, gravação e mistura de Budda Guedes. Masterizado por Frederico Cristiano, no Mechanical Heart - Mastering Sessions.

 

O Álbum estará disponível nas plataformas digitais no dia 3 de Novembro.

Karetus X Wet Bed Gang… "Maluco" é o primeiro single do EP “FDS”

Foi na passada sexta-feira que o fim de semana começou com a chegada da colaboração inédita de dois dos projectos mais excitantes da música nacional,  Karetus e Wet Bed Gang. "Maluco" é o primeiro single do EP “FDS” que foi apresentado no fim de semana com uma música por dia a ser lançada nas redes sociais de ambos. No domingo juntaram-se Deejay Telio e Deedz B numa fusão entre a Linha de Sintra, Linha da Azambuja e Margem Sul que promete dar que falar. 

ecbfe472-f2af-4b9b-af73-642aab1b7b00


Esta fusão é de resto uma das principais premissas deste projecto. Juntar 3 dos principais pólos de produção da musica urbana em Portugal foi um dos objectivos e garantia certa de qualidade. A outra premissa é como o próprio nome indica o fim-de-semana e tudo aquilo que ele representa.  

Na primeira música, "Maluco" toda a letra e sonoridade mostram a loucura que representa a sexta-feira, altura de sair à noite com os amigos e de "dizer adeus ao corpo até Domingo". Sábado há "Mais uma Party", segundo single do EP. Uma música sempre em crescendo como são os Sábados de recuperação duma festa para a outra. Domingo, Deejay Telio e Deedz B juntam à família para a "Almoçarada". Este tema fala do típico almoço de Domingo com os amigos, a recuperar do fim-de-semana e a contar as peripécias das noites de festa. 

"Reflexo"… com Marlene Barreto e Hugo Sequeira estreia dia 20 de Outubro

Marlene Barreto estreia "Reflexo", dia 20 de Outubro no Auditório da Biblioteca de Marvila. Encenada por Lucinda Loureiro e com movimento de Félix Lozano, a peça conta com o desempenho da própria actriz e do actor Hugo Sequeira. E ainda, com a música ao vivo da cantora e atriz brasileira, Brina Ribeiro que juntamente com o também músico brasileiro, Marcelo Scafi, compôs toda a banda sonora do espectáculo.

Image1

"Reflexo" surgiu durante uma viagem de avião entre Rio de Janeiro - Lisboa. Uma história que começou quase em formato de sonho, com imagens que foram aparecendo como flashes na mente da autora, Marlene Barreto (actriz, apresentadora, escritora). Imagens essas que, inicialmente, apareceram quase sem nexo e/ou ligação mas que, com o passar das horas, dias, meses foram-se ligando numa história que tinha urgência em ser contada. Daí, foi preciso algum tempo para construir uma linha de raciocínio que fizesse jus à história que surgia, como um acto de magia, acreditando que ela era tão mais bela do que qualquer coisa que se escrevesse sobre ela. Mesmo assim, Marlene, arriscou pegar na ideia, criando a oportunidade, e o que considera, o privilégio, de contar a história de Alice e Gabriel, acreditando que as ideias têm uma espécie de vida própria e que procuram um corpo e uma mente que as possa concretizar. No entanto, diz-nos, "elas não ficam para sempre à espera de serem desenvolvidas. Se aquele corpo não estiver à altura, outro estará e assim passam as ideias de corpo para corpo, de mente para mente".  "Querendo a todo o custo que esta história, não se farte de mim, decidi, pura e simplesmente, escrevê-la e pedir ajuda para colocá-la em cima do palco." confessa Marlene.

 

Alice e Gabriel são dois estranhos que se encontram, diariamente, no mesmo lugar: o café – livraria “A Travessia”. Alice é uma jovem escritora, muito comprometida com os seus textos e com a sua rotina de escrita. Gabriel, um homem cheio de charme, um bon vivant que frequenta todos os dias aquele lugar, não consegue ficar indiferente à jovem que parece ignorar tudo e todos à sua volta, apenas tendo olhos para uma simples máquina de escrever.

Gabriel, confiante dos seus atributos, acredita que, com algum glamour, chamará a atenção da jovem. Tarefa nada bem sucedida quando ela o expulsa, argumentando que este está a atrapalhar a sua atenção. O jovem não desiste da escritora e convence-a a ler um dos seus textos. Inicialmente, Alice resiste, desculpando-se com todos os argumentos, mas a tamanha insistência do jovem, fá-la render-se com a condicionante de que Gabriel se vire de costas sempre que ela ler um texto seu.

Os dias vão passando e os dois passam a ter encontro reservado, todos os dias, à mesma hora, no mesmo lugar. A cumplicidade torna-se inevitável e a paixão vai cercando todos os limites. Um amor imenso que será ameaçado pela verdadeira identidade de Alice.

Uma história de amor, onde só o amor, não é suficiente.

 

Auditório da Biblioteca de Marvila (Lisboa)

20 a 24 de Outubro 2017 | 21.30h / 16.30h

"Lazy" é o novo single de George Marvinson

George Marvinson é o pseudónimo criado por Tiago Vilhena (músico dos Savanna) para mostrar-nos a sua visão do mundo em forma de canções. “Beni” e “My Summer”, as primeiras músicas a serem conhecidas, revelaram duas facetas de George Marvinson… uma mais sedutora e romântica; outra de espírito lutador e agressivo, mas ao mesmo tempo, divertido.

b808b2fa-69ac-4874-b3f3-d343df9911a5.jpg

Lazy”, o terceiro e novo single que antecede a edição do álbum de estreia de George Marvinson, desvenda uma opinião irónica sobre a realidade confusa dos dias de hoje. Com um interlúdio quase reggae e um refrão que leva o conceito pop ao seu extremo, nota-se a vontade que George Marvinson tem de expressar o seu gosto musical abrangente, assim como a despreocupação que assume e que o leva a conseguir transformar um assunto preocupante e actual numa canção divertida e descomprometida. 

Apesar de ter influências bem presentes de décadas passadas, George Marvinson não tem medo de dar uso a elementos e técnicas mais modernas. As músicas de “Chill Wild Life” demonstram ser uma composição quase autobiográfica de uma fase de vida atribulada de um jovem comum. “Chill Wild Life” é editado dia 20 de Outubro.

Avenged Sevenfold lançam versão deluxe de “The Stage

Os Avenged Sevenfold anunciaram que a 15 de dezembro será lançada a versão deluxe do seu álbum “The Stage”. Esta nova edição inclui 7 novas canções e 4 temas gravados ao vivo durante os recentes espetáculos na O2 Arena, em Londres. Entre os 7 temas bónus está uma versão surpreendente do clássico dos Pink Floyd “Wish You Were Here”, que acaba de ser lançada com o respetivo vídeo.

image001aa.jpg

 

Sobre a versão de “Wish You Were Here”, o vocalista M. Shadows afirma: “Esta é a canção que começou este projeto recente de versões. Sempre adorei esta canção e embora sentisse que seria impossível captar a carga sombria do tema original, abordámo-lo com outro propósito. Existe uma mordacidade nesta canção que parece apropriada em relação a tudo o que está acontecer no mundo hoje em dia. Damos-lhe um twist moderno e reintroduzimo-la numa altura em que poderá ajudar a captar aquilo que alguns de nós estamos a sentir.”

Esta edição deluxe é um último capítulo de um ciclo inovador que começou há 12 meses quando os Avenged Sevenfold lançaram de surpresa “The Stage”, tornando-se a primeira banda de rock a lançar um álbum, não anunciado até então, nos formatos físico e digital. A banda anunciou o lançado para milhões de fãs que assistiam à transmissão em direto, via streaming, na atuação da banda no terraço da Capitol Records Tower, em Hollywood.

Neste evento inovador, o quinteto deu uma performance em realidade virtual em 3D/360º, permitindo a fãs de todo o mundo de viverem o intenso concerto dos Avenged Sevenfold como se estivessem no mesmo local que a banda. Meses depois a banda anunciou que “The Stage” iria ser transformado num trabalho evolutivo, com novos temas a serem adicionados ao alinhamento.

 

 

Salomé Lamas apresenta obras inéditas em exposição na Solar Galeria de Arte Cinemática

A Solar Galeria de Arte Cinemática, em Vila do conde, inaugura no sábado, 14 de outubro, às 16:00, a exposição “Salomé Lamas: Solo”, composta por filmes, vídeo instalações e instalações sonoras, incluindo obras inéditas. A abertura contará com um concerto de Filipe Felizardo, compositor da banda sonora de alguns trabalhos de Salomé Lamas. Realizadora e artista plástica, Salomé é um dos nomes mais relevantes e promissores do panorama artístico nacional, não só pelo extenso currículo face à idade, mas também pelas características dos seus trabalhos. As suas obras desafiam a metodologia convencional de produção cinematográfica e de expressão estética, explorando novos caminhos. O resultando são trabalhos híbridos que se situam entre o documentário e a ficção, as artes plásticas e o cinema.

1

 

Os projetos de Salomé Lamas desenvolvem-se em torno da relação intrínseca entre narrativa, memória e história, utilizando a imagem em movimento para explorar o traumaticamente reprimido, o aparentemente irrepresentável ou o historicamente invisível, desde os horrores da violência colonial até às paisagens do capital global. Em vez de se colocar numa situação periférica, algures entre o cinema e as artes visuais, ficção e documentário, Salomé Lamas transforma-os numa linguagem própria, desafiando, também, a divisão entre géneros e modos de exibição. Grande parte das suas obras resultam de uma viagem a uma realidade desconhecida, que a realizadora ocupa conscientemente como um corpo estranho que choca contra a envolvente, desencadeando o drama e esperando pacientemente que a realidade se torne extraordinária. São filmes destemidos, tanto quanto aos riscos formais como narrativos que assumem, e que evidenciam a sua performance física, quando vemos a realizadora amarrada, pendurada, a cair ou a sentar-se silenciosamente atrás da câmara.

 

Na Solar Galeria de Arte Cinemática, Salomé Lamas apresenta, até 25 de novembro, um trabalho eclético composto por filmes, vídeo instalações e instalações sonoras, incluindo obras inéditas. É o caso de Ubi Sunt II e Ubi Sunt III que integram um tríptico que será exposto, pela primeira vez, na sua totalidade. O trabalho parte de Ubi Sunt I, curta-metragem produzida em 2016 a convite do programa Cultura em Expansão da Câmara Municipal do Porto, que explora o tecido humano e urbano de uma cidade em expansão. O filme é uma aliteração das vídeo-instalações Ubi Sunt II e III.

 

Em Horizon – NoziroH, também em estreia, o realizador brasileiro Gregorio Graziosi espelha matematicamente e rigorosamente A Torre (2015). Aqui, a floresta é substituída pelo urbanismo desconcertante de São Paulo e a figura humana pela figura de uma estátua equestre do Duque de Caxias, por Victor Brecheret.

Produzido para a exposição na Solar, Autorretrato (2017) é composto por um díptico de duas gravuras concebidas por Salomé Lamas derivadas de materiais recolhidos na produção de Extinção. Replicam o visto de jornalista emitido pelas autoridades da Transnístria, enclave pró-russo na Moldávia, que autoproclamou um estatuto de independência rejeitado pela política internacional; e a transcrição de diálogos de um encontro da equipa com o KGB, que culmina num interrogatório.

Por sua vez, VHS – Video Home System (2010-2012) sugere uma autorrepresentação dissimulada, com uma nota crítica à produção que trabalha a catarse do autor. À mesa da cozinha, duas mulheres íntimas, de vozes e fisionomia idênticas, utilizam os brutos de uma cassete de VHS de 1995, como pretexto para discutirem as forças de poder, afeto e expectativa impressas no passado, reconhecidas no presente e projetadas no futuro.

Na instalação Eldorado XXI é referenciado Mount Ananea através do revestimento da sala em brita – semelhante aos despojos extraídos do interior das minas da região onde foi produzido, e reapresentando a edição de vinil que contou com o desenho de som de Bruno Moreira, a música de Norberto Lobo e João Lobo. O que o vinil permite escutar ressoa de forma evidente com o desenho de som de Miguel Martins para Eldorado XXI.

 

Terra de Ninguém (2012) repete a instalação no espaço que havia experimentado em 2015 em Serralves. Na cave da Solar, o desconforto dos conteúdos apresentados, o dispositivo e a duração são extremados pelas características arquitetónicas claustrofóbicas associadas à humidade.

Salomé Lamas (1987, Lisboa) estudou cinema em Lisboa e Praga, Artes Visuais MFA em Amsterdão e é doutoranda em Arte Contemporânea na Universidade de Coimbra. O seu trabalho já foi mostrado em Portugal e no estrangeiro, tanto em prestigiados espaços dedicados à arte, como em festivais de cinema. Colabora regularmente com a produtora O Som e a Fúria e é representada pela Galeria Miguel Nabinho – Lisboa 20.

 

Em simultâneo, no espaço CAVE, dedicado a autores emergentes, Mariana Silva expõe "P/p", uma instalação vídeo que justapõe uma pulseira da era colonial, que historicamente terá sido usada como pagamento na compra de escravos, com várias correntes, consideradas joias.

Mariana Silva (1983, Lisboa) é Licenciada pela Faculdade de Belas-Artes, Universidade de Lisboa. Foi vencedora do prémio EDP Novos Artistas 2015 (Lisboa) e BES Revelação 2008 (Porto). Esteve em residência na Triangle (2016), Nova Iorque; Gasworks, Londres (2016); e ISCP, Nova Iorque (2009).

A inauguração da exposição será seguida de um concerto de Filipe Felizardo, às 17:30, músico e artista visual que se dedica à composição para guitarra elétrica, responsável por algumas das bandas sonoras das obras de Salomé Lamas. Das suas colaborações destacam-se também trabalhos com Norberto Lobo, Gabriel Ferrandini, Margarida Garcia e David Maranha, e a composição de bandas sonoras para António Júlio Duarte e Marco Martins. A suas performances têm sido apresentadas em Portugal e na Europa desde 2014.

 

MAAT vence "Prémio Mérito 2017" no European Steel Design Awards

O MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia é um dos vencedores do “Prémio Mérito 2017” do European Steel Design Awards 2017, o mais importante concurso do setor do aço, que, de dois em dois anos, premeia promotores, arquitetos e construtores, responsáveis pela edificação de obras de estrutura metálica mais emblemáticas na Europa. O “Prémio Mérito 2017” é dedicado a todos os intervenientes na construção do projeto, no qual a bysteel, empresa do grupo dst, foi responsável pelo projeto de ligações e pela construção da estrutura metálica do MAAT.

017 2

photo: MAAT / Direitos Reservados

 

A cerimónia de entrega do prémio European Steel Awards 2017, que nasceu para incentivar e promover a utilização do aço como elemento de destaque no setor da arquitetura e da construção, decorreu em setembro na cidade de Copenhaga, na Dinamarca, durante a conferência da Eurosteel, “ECCS Annual Meeting”. O Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, da Fundação EDP, venceu também o prémio de edifício do ano, na categoria de Cultura do World Architecture Festival.

 

Recorde-se que a bysteel já tinha sido nomeada para os European Steel Design Awards, na edição de 2015, com com a Ponte Pedonal Galp, na qual foi responsável pelo fabrico e montagem do tabuleiro metálico da travessia.

 

Para José Teixeira, presidente do Conselho de Administração do grupo dst, este prémio “confirma a qualidade e eficiência da bysteel e representa o rigor, a segurança e a apurada inovação que bysteel coloca em todas as obras e que são já um fator diferenciador no mercado nacional e internacional”, acrescentando ainda “somos, de fato, um parceiro de eleição nos projetos exigentes, que se querem distinguir pelo arrojo e pela inovação”.

Oktober Festa com concertos, comida e cerveja este em Marvila

A Oktober Festa será o primeiro evento de uma série de eventos promovidos pelo Lisbon Beer District, o projecto que visa instalar no bairro um quarteirão de insúdtrias cervejeiras. Um dia marcado pela pelos concertos, street food, palestras e, como não podia deixar de ser, a cerveja!

Serão 3 os lançamentos especiais marcados para sábado, 14 de Outubro: uma German IPA, uma Weissbier e uma Märzen (cerveja típica da Bavaria e presença obrigatória no Oktoberfest). A par da programação das 3 cervejeiras, o evento envolverá ainda alguns dos restaurantes e agentes culturais da zona.

ae402e06-c02b-48cf-8a7d-eafe9c560f0d

 

Nascido da congregação de três empresas cervejeiras, Dois Corvos, Lince e MUSA, o Lisbon Beer District pretende recuperar a história de Marvila Velha, outrora palco incontornável do sector secundário lisboeta, e rejuvenescê-la através da irreverência da nova indústria cervejeira nacional. O projecto, promoverá um círculo regular de eventos, colaborações, palestras e outras iniciativas que aproximarão a comunidade local do centro cosmopolita. 

 

12h00 - Abertura de Portas & Almoço

14h00 - Visita à Fábrica Dois Corvos

14h00 - Abertura Galerias de Arte (Galeria Francisco Fino com a exposição Karlos Gil, “Phantom Limbs” / Galeria Baginski com a exposição Patrick Hamilton, “La Mano Invisible”)

16h30 - Visita à Fábrica Musa

15h30 - Visita à Fábrica Lince

16h30 - Actuação Manuel Fúria & os Náufragos

17h30 - Joaquim Quadros (Lince at Capitão Leitão)

18h30 - The Poppers (Fábrica Musa)

19h30 - D.N.A. (Dois Corvos Tap Room)

20h30 - Jantar

22h00 - Isaac Ace (Lince at Capitão Leitão)

24h00 - Encerramento

 

“Há vinho para as 7!”…

Olhe para o relógio… “Há vinho para as 7”! Esta é a proposta para o mês de outubro em dez espaços selecionados de Lisboa: vinho a copo, tapas e música no final do dia de trabalho. As férias terminaram e os dias estão cada vez mais curtos, mas isto não significa que os bons momentos vividos no verão tenham de acabar. Se até aqui os sunsets preenchiam os finais de tarde, agora é a vez do momento afterwork tornar o dia mais especial. E que tal beber um copo de vinho em boa companhia?

AHC_LogoBilingue_Pantone2415C

Esta é a proposta da iniciativa “Há vinho para as 7”, promovida pela PrimeDrinks, que acontece todas as quintas-feiras, entre as 18h00 e as 21h00, de 5 a 26 de outubro em dez espaços da cidade de Lisboa. São eles: Vestigius, Cockpit Tapas & Gins, Palácio Chiado, Café da Fábrica, Le Chat, Clube Naval de Lisboa, The View Rooftop, Prego Lx, Love Lisbon (Martim Moniz) e Figus. Todos estes espaços estão incluídos na ‘Coleção AQUI HÁ COPO – Wine Afterwork’ da Zomato.

 

Os vinhos Defesa do Esporão, Assobio, Dona Ermelinda, entre outros, poderão ser apreciados a copo e acompanhados por uma tapa ou petisco preparados especialmente para cada copo de vinho (preços variáveis).  Assim, para além do néctar dos deuses poderão ser saboreadas tapas tais como tiborna de bacalhau, tábua de queijos/enchidos ou brocheta de Folegandros. Nem só de sabores se fazem estes wine afterworks. Para além da degustação dos melhores vinhos portugueses e dos aperitivos, é possível descontrair ao som de DJs ou de músicos como saxofonistas ou fadistas.

 

Esta é uma experiência única depois de um dia de trabalho, com vinho, iguarias, boa música, amigos e convívio.

Em outubro, o dia preferido da semana é a quinta-feira!

CVRA anuncia 1ª edição Rota dos Petiscos e Vinhos do Alentejo

O Alentejo chegou a Lisboa! A Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) acaba de anunciar a Rota dos Petiscos e Vinhos de Alentejo, uma iniciativa que promete trazer a Lisboa os melhores sabores e vinhos alentejanos. No total, são 10 os restaurantes que aceitaram o desafio de recriarem um petisco do Alentejo acompanhado por um copo de Vinho do Alentejo, seleccionado por cada um dos restaurantes: By the Wine, TOPO (Martim Moniz, Baixa-Chiado e Belém), Carnealentajana, Lost In, Companhia do Largo, Livraria-Bar Menina e Moça, Matateu Petisqueira, Rio Maravilha, Santos-O-Vinho e Sr.Lisboa.

rio_maravilha_LLC_vinhos_petiscos_alentejo_d4_5D1_2615

 

Segundo Francisco Mateus, presidente da CVRA, “há já 8 edições que trazemos o Alentejo a Lisboa, graças ao evento “Vinhos do Alentejo em Lisboa”. A verdade é que depois de tantas edições com tamanho sucesso, quisemos inovar este ano e acrescentar-lhe uma novidade. Nasceu a Rota! Esperamos que o público adira e que os restaurantes estejam sempre cheios. Os petiscos são excecionais e os vinhos únicos, por isso não há como ficar indiferente a uma iniciativa destas”.

 

E como se estes não fossem argumentos suficientes, a Rota dos Petiscos e Vinhos do Alentejo ainda oferece prémios. Um cabaz com produtos da região e um fim-de-semana no Alentejo são os dois prémios que os aventureiros da Rota poderão receber. Para tal, basta fazer a Rota e participar no passatempo disponível na página de Facebook dos Vinhos do Alentejo. “Não acreditamos que haja melhor programa do que este, que saúda a tradição portuguesa e por isso convidamos todos os lisboetas a virem! Encham-se de orgulho e saboreiem os óptimos petiscos e vinhos! Vemo-nos na Rota dos petiscos e vinhos do Alentejo”, conclui o porta-voz.