Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Epica de regresso a Portugal já no mês de Novembro

Após uma arrebatadora e explosiva atuação, que ainda está certamente bem fresca na mente dos milhares de pessoas que tiveram o prazer de os ver na passada sexta-feira no VOA 2017, os EPICA vão estar de regresso a Portugal ainda antes do final do ano. Desta vez para prestações em nome próprio e numa data-dupla, em que a legião de seguidores nacional vai poder ver Simone Simons e companhia um pouco mais de perto, nos palcos da Sala Tejo e do Hard Club, nos dias 21 e 22 de Novembro, em Lisboa e no Porto respetivamente. Como “convidados especiais”, os holandeses vão contar com o enorme talento dos conterrâneos VUUR, liderados pela icónica figura de Anneke Van Giersbergen, que trazem na bagagem a muito aguardada estreia “In This Moment We Are Free – Cities”, e com a etnicidade exploratória dos tunisinos MYRATH, que lançaram o explosivo “Legacy / ميراث” no ano passado e foram alvo de enormes elogios por parte da imprensa especializada.

182b74_c182768970874b3b9d2af7e46e5d6f23~mv2_d_2048_1365_s_2

Ainda focados no muito aplaudido “The Holographic Principle”, editado em Setembro de 2016, e após terem feito o circuito dos grandes festivais de Verão, os EPICA embarcam agora numa nova campanha europeia como cabeças-de-cartaz e dão o passo seguinte numa carreira sempre em crescendo, numa espécie de remoinho de canções, álbuns, concertos, tours, milhares de fanáticos aos gritos, entrevistas, capas de revista e viagens à volta do mundo para atuar perante plateias rendidas ao encanto da sua música. Os números dos primeiros dez anos de percurso da banda formado por Mark Jansen em 2003 falam, de resto, por si próprios: espetáculos em mais de 50 países diferentes, atraindo multidões de 4,000 espetadores por noite na América do Sul e na América Central, mais de 4,500 fãs por noite na Europa, Ásia e Austrália e, nos Estados Unidos, uma média de 1,500 bilhetes vendidos diariamente. E, feitas as contas, mais de uma década depois de terem começado a tocar juntos, a verdade é que a popularidade do coletivo holandês não dá mostras de qualquer quebra.

 

Um nome ainda desconhecido de grande parte dos fãs de música pesada, os VUUR são a mais recente aventura de Anneke Van Giersbergen, a simpática e sedutora ex-vocalista dos lendários The Gathering. Depois de ter abandonado os autores de títulos tão marcantes como ”Mandylion” ou “Nightime Birds” e de ter embarcado numa bem-sucedida carreira a solo, que a viu explorar terrenos mais próximos da pop, a talentosa holandesa ensaia agora um retorno às sonoridades mais pesadas e progressivas, na companhia de músicos ilustres da cena holandesa, entre os quais se contam Ed Warby (ex-Gorefest, Ayreon) e o guitarrista Jord Otto (ex-ReVamp).

In This Moment We Are Free – Cities”, o álbum de estreia da banda, tem data de edição marcada para 20 de Outubro e promete surpresas. Por seu lado, os MYRATH – oriundos de Ez-Zahra, na improvável Tunísia – tomaram forma em 2006 e, durante os 10 anos seguintes, apoiaram-se em discos como “Desert Call”, “Tales of the Sands” ou o mais recente “Legacy / ميراث” para estabelecer reputação como uma das mais exóticas e desafiantes propostas que a música extrema tem hoje para oferecer.

 

21 Novembro 2017 - Altice Arena / Sala Tejo (Lisboa)

22 Novembro 2017 - Hard Club (Porto)

Electro-pop analógica de Happy Meals em estreia no MUSICBOX Lisboa

A banda de clubbing escocesa iniciou o seu percurso em 2014. Suzanne Rodden, professora de francês, e Lewis Cook, responsável pelos sintetizadores na banda de rock psicadélico escocês The Cosmic Dead, juntaram os seus dois universos díspares para criar algo diferente daquilo que tinham feito até então: um projecto de electrónica synth pop cantado em francês. O duo tornou-se um sucesso na Rússia e conta com dois EPs: “Apéro”, EP de estreia lançado em 2014, e “Fruit Juice”, considerado um dos melhores álbuns de 2016 na Escócia.

679dc08b-4799-4f7b-aa07-fef14e32f76c.jpg

Com influências diversas, a sonoridade synth pop de Happy Meals distingue-se pelos ambientes dos sintetizadores analógicos criados com mestria por Cook e pela lírica cantada como que numa espécie de mantra por Rodden. O resultado é uma electrónica ora minimalista ora pop dançável fortemente influenciada pela disco dos anos 80.
O concerto tem início marcado para a 1h da manhã do próximo sábado, 21 de Outubro

Valéria Carvalho canta Rui Veloso em Rui em Jeito de Bossa

Valeria Carvalho, actriz e cantora Brasileira do estado de Minas Gerais, tem um enorme reconhecimento em Portugal, onde se radicou em 1991, pelo seu desempenho no teatro, televisão e cinema. Na televisão portuguesa, trabalhou em várias novelas, séries e talk shows.

untitled11

É ainda criadora e directora da Casa da Língua Portuguesa. Porém, foi graças ao seu trabalho no teatro, e ao êxito formidável dos seus espectáculos, que ganhou a atenção e a admiração dos meios culturais: Chico em Pessoa (2012), em torno da obra de Pessoa e Chico Buarque de Holanda, que esteve presente na Casa Fernando Pessoa e em vários festivais.

Em 2014 apresentou o espectáculo musical "Rui Veloso em Jeito de Bossa" no Centro Cultural Olga Cadaval. É na sequência deste espectáculo que surge o álbum "Rui em Jeito de Bossa". O single de apresentação "Primeiro Beijo" conta com a participação de Mafalda Veiga.  

"Rui em jeito de Bossa" estará à venda no próximo dia 20 de Outubro.

Bryan Adams lança novo best of… “Ultimate” que conta com 2 inéditos

A 3 de novembro, Bryan Adams apresenta aos seus fãs uma nova coletânea, intitulada “Ultimate”. Contando com 21 temas, a coletânea inclui ainda duas novas canções, sendo que uma delas ficará disponível aos fãs que adquirirem já o álbum no regime de pré-venda nas lojas digitais. Conhecido em todo o mundo pelas suas canções rock’n’roll de espírito positivo e pelas baladas grandiosas, Bryan Adams é um ícone de proporções épicas. Tendo já ganho vários prémios, incluindo um Grammy, um American Music Award, um Ivor Novello Award e vários Juno Awards, Adams foi ainda distinguido com a Ordem do Canadá e a Ordem da Colúmbia Britânica. Estas distinções foram-lhe entregues devido aos seus contributos para a música popular e pelo seu trabalho filantropo através da sua própria fundação, a Bryan Adams Foundation, o que é uma prova que o seu impacto na cultura pop vai muito além da música.

Bryan_Adams_Ultimate_Cover_Art.jpg

O objetivo de “Ultimate” é condensar o extenso catálogo de Bryan Adams – 13 álbuns de estúdios, 5 álbuns ao vivo, 5 compilações e mais de 75 singles – numa coletânea de 21 temas que capta a verdadeira essência da aclamada carreira deste produtor de êxitos. O disco contém alguns dos seus primeiros sucessos, como “Cuts Like a Knife” e “Run to You”, além de outros temas emblemáticos do seu repertório, como “When You’re Gone” com Melanie C e “Cloud  Number  Nine”. “Ultimate” é, sem dúvida, um objetivo imperdível à coleção de qualquer admirador da estrela de rock canadiana.

Claro que este best of de Bryan Adams não ficaria completo sem o megaêxito internacional  “(Everything I Do) I Do It For You”, que só no Reino Unido se manteve em 1.º lugar do top de vendas de singles durante 16 semanas consecutivas. Fazem ainda parte êxitos como “Summer of ‘69”, “Have You Ever Really Loved a Woman?” e a sua colaboração com Rod Stewart e Sting, “All for Love”. Além dos clássicos, “Ultimate” conta ainda com duas novas canções, “Ultimate Love” e “Please Stay”, sendo que a última fica disponível a todos os que adquirirem o álbum na pré-venda. Estes são os dois primeiros inéditos de Bryan Adams em mais de dois anos.

“Como compositor e músico, estás sempre a criar. É o que tu fazes”, disse Adams. “Por isso, embora esta seja uma coletânea ‘definitiva’, estou sempre a olhar em frente. ‘Please Stay’ e ‘Ultimate Love’ são canções que mostram como nestes tempos incertos estamos, mais do que nunca, à procura do amor.

Pedro Górgia e Sandra Celas protagonizam "Alice e o País das Maravilhas no Gelo" este Natal

Um chapeleiro no mínimo excêntrico e uma rainha que comanda um exército de vários naipes e que a todos ameaça cortar a cabeça. São estas as personagens a que Pedro Górgia e Sandra Celas darão vida. Baseado na obra de 1865 de Lewis Carroll, Nuno Markl, Mafalda Santos e Francisco Martiniano Palma são os autores do guião do musical Alice e o País das Maravilhas no Gelo”, que será apresentado em exclusivo no MAR Shopping Matosinhos entre 24 de novembro de 2017 e 7 de janeiro de 2018. Do elenco fazem ainda parte Inês Ramos e Filipa Raquel, ambas no papel de Alice.

Sandra Celas Rainha de Copas2.jpg

Com direção artística de João A. Guimarães, responsável também pela encenação, e de Joana Quelhas, a quem caberá ainda a coreografia do espetáculo e música de Artur Guimarães, a produção AM Live promete: “este Natal, ser um pouco louco pode até ser genial.”

Pedro Gorgia o chapeleiro louco.jpg

Como distinguir um sonho da realidade? Será isso importante, ou será a mistura dos dois que torna a vida um lugar mágico? Em “Alice e o País das Maravilhas no Gelo”, a protagonista é uma menina muito especial que dá espaço aos sonhos para que ganhem vida e a desafiem para lá da mais delirante imaginação. Esta encantadora Alice vai embarcar numa divertida e imprevisível aventura onde o impossível tem convite para entrar. Animais e flores falantes, poções mágicas, criaturas loucas, um exército ridículo, um Rato guloso num julgamento absurdo e uma Rainha de perder a cabeça, são algumas das personagens que a vão acompanhar nesta verdadeira epopeia à fantasia e ao riso!...

 

Quando Alice persegue o apressado Coelho branco e cai por um buraco que a leva ao País das Maravilhas depara-se não só com as mais estranhas histórias como também com as personagens mais absurdas. Uma delas é o Chapeleiro Louco, aquela que Pedro Górgia representará no gelo (alternando com Fábio Costa).

 

2.ª edição… Anozero “Curar e Reparar” em Coimbra

Anozero – Bienal de Arte Contemporânea de Coimbra, agora na sua segunda edição e com curadoria de Delfim Sardo, dedica-se ao tema “Curar e Reparar”.  Os artistas convidados, concebendo obras especificamente para a bienal ou representados com peças previamente existentes, dão expressão a múltiplos entendimentos (sociais, pessoais, ambientais ou arquitetónicos) desta preocupação da nossa relação com o mundo e com o outro.

untitled111.jpg

Ocupando vários espaços da cidade, desde a Alta e a Universidade, na zona que é Património da Humanidade, até Santa Clara, na outra margem do rio, o Anozero repensa o tecido urbano e propõe outros percursos.

A bienal é produzida pelo CAPC, Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, uma instituição de divulgação artística ativa desde 1958, e organizada em conjunto com a Câmara Municipal e a Universidade de Coimbra

 

Artistas ANOZERO'17:

Alexandre Estrela, Ângela Ferreira, Buhlebezwe Siwani, Céline Condorelli, Danh Võ, Dominique Gonzalez-Foerster, Ernesto de Sousa, Fernanda Fragateiro, Francis Alÿs, Franklin Vilas Boas, Gabriela Albergaria, Gustavo Sumpta, Henrique Pavão, James Lee Byars, Jill Magid, Jimmie Durham, João Fiadeiro, João Onofre, Jonathan Uliel Saldanha, Jonathas de Andrade, José Maçãs de Carvalho, Juan Araújo, Julião Sarmento, Kader Attia, Louise Bourgeois, Lucas Arruda, Manon Harrois, Marwa Arsanios, Matt Mullican, Paloma Bosque, Pedro Barateiro, Salomé Lamas, Sara Bichão e William Kentridge

João Pedro Pais celebra "20 Anos"

Vinte anos de carreira, milhares de discos vendidos, centenas de concertos esgotados e, acima de tudo, um acervo de canções notáveis que continuam a soar bem e a fazer sentido. Verdadeiros clássicos que se voltam a ouvir e a descobrir tão vitais e inspiradores como da primeira vez. “Ninguém (é de ninguém)”, “Louco (por ti)”, “Mentira”, “Não há”, “Um resto de tudo” ou “A palma e a mão”.

joaopedropais_capa_20anos.jpg

É este o legado de João Pedro Pais, um dos melhores cantautores da sua geração e um artista de referência em Portugal. Como qualquer criador que se preze, João Pedro Pais continua à procura de novos caminhos, novas líricas, novas canções, e novas formas de se reinventar e chegar ao seu público, com a surpresa, frescura e invenção que sempre o caracterizaram.

 

Por isso, e lançando novas pistas sobre o futuro, há duas canções originais para ouvir. “Faz tempo”, o novo single, e “És do mundo” têm a produção de Luís Nunes, mais conhecido como Benjamim, um dos artistas mais promissores de uma nova geração de autores da música portuguesa, a guitarra de Frankie Chavez e os coros de Mariana Norton, descubram assim o novo João Pedro Pais.

20 Anos” chega às lojas a 3 de Novembro, no dia 4 apresenta-se ao vivo em Sintra no Centro Cultural Olga Cadaval para uma sala já esgotada e a 3 de Março de 2018 no Porto, na Casa da Música.

Mazgani apresenta “The Poet’s Death”

Acabado de editar o seu quinto trabalho de longa duração, "The Poet’s Death", Mazgani apresenta-o ao vivo pela primeira vez no Teatro do Bairro em Lisboa, já esta quarta feira, dia 18 de Outubro.

Gravado e misturado por Nelson Carvalho nos Estúdios Valentim de Carvalho, o novo registo de originais de Mazgani foi co-produzido pelo músico, juntamente com Peixe (Ornatos Violeta), que também contribuiu na gravação de guitarras e teclas.

mazgani.jpg

photo: Paulo Homem de Melo

 

Em estúdio, Mazgani contou também com Victor Coimbra no baixo e Issac Achega na bateria

"Dezoito" é o quarto single extraido do último disco de noiserv

É a derradeira música de “00:00:00:00” e talvez por isso aquela que nos deixa num estado mais introspectivo, "Será que tudo aquilo que fazemos se prolonga um pouco mais além de nós próprios?" É essa a questão desta canção, assumir que tudo tem um fim querendo tornar-se eterno e que tudo se reconstrói na inevitabilidade de terminar um dia.

1_preview.jpeg

O video que a acompanha teve realização partilhada com André Tentugal e o apoio da Câmara Municipal do Porto. Ainda nas comemorações de um ano de existência, “00:00:00:00” é agora editado em vinil. Num disco que já se conhecia transparente, muitas são emoções que nos transmite agora em 12 polegadas girando a 45 rotações por minuto.

Noiserv revela ainda as datas de concertos até final do ano: de Leiria a Braga, passando pela Covilhã, Silves e St. Brieuc em França, terminando já perto do Natal no bonito Teatro Ibérico em Lisboa.

 

27 Outubro 2017 - Teatro José Lúcio (Leiria)

17 Novembro 2017 - Festival Para Gente Sentada / Theatro Circo (Braga)

23 Novembro 2017 - Festival Y#13 / Teatro das Beiras (Covilhã)

25 Novembro 2017 - Teatro Mascarenhas Gregório (Silves)

1 Dezembro 2017 - La Citrouille (St. Brieuc / França)

22 Dezembro 2017 - Teatro Ibérico (Lisboa)

“A Festa”… Novo filme de Sally Potter em antestreia na Fundação Calouste Gulbenkian

“A Festa” é a nova comédia british da cineasta Sally Potter, com elenco de luxo - Patricia Clarkson, Bruno Ganz, Cherry Jones, Emily Mortimer, Cillian Murphy, Kristin Scott Thomas e Timothy Spall.

THE PARTY - CARTAZ_alta_preview.jpeg

Desenvolve-se em tempo real numa casa de Londres, nos dias de hoje quando Janet recebe um grupo de amigos próximos para celebrar a sua promoção a "Ministra-Sombra" da Saúde do partido da oposição. Mas o marido, Bill, parece preocupado. À medida que os amigos chegam, alguns com notícias para partilhar, a noite vai-se desenredando. Um anúncio de Bill provoca uma série de

revelações que rapidamente escalam em confronto aberto. Enquanto as ilusões das pessoas em relação a si próprias e umas às outras se vão desfazendo em fumo, tal como os canapés, a festa torna-se numa noite que começou com champanhe e acaba com sangue no chão.

 

“A Festa”, uma comédia de proporções trágicas, vai ser apresentado em antestreia no âmbito do Encontro Mulheres nas Artes: Percursos de Desobediência, na Fundação Calouste Gulbenkian, esta segunda-feira, 16 de Outubro, às 21h30.

A entrada é livre, mediante levantamento de bilhete.

“A Festa” tem estreia nas salas de cinema nacionais a 2 de Novembro.

“Saudades da Rua da Saudade”… Concerto em tributo a Ary dos Santos

No próximo sábado, dia 21 de outubro de 2017, o Museu de Lisboa – Teatro Romano será o palco de um espetáculo que conta com a participação do Grupo Algarvio Flor de Sal e a sua convidada, a Fadista Marifá.

2lwebtompc7e.png

O concerto contará com temas do Grupo Flor de Sal e algumas músicas escritas a partir das letras de Ary dos Santos, tais como “O Cacilheiro” ou “O Amarelo da Carris”, na voz da convidada Marifá. O concerto acontece pelas 21:00 Horas, a entrada é gratuita tendo em atenção a lotação limitada do espaço.

 

O espetáculo integra-se no projeto museológico de ligação à comunidade através da música, da história e da memória “Saudades da Rua da Saudade – o Teatro Romano e a sua envolvente na memória da cidade”, é promovido pelo Museu de Lisboa-Teatro Romano em parceria com a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior e acontece na Rua da Saudade onde o Poeta Ary dos Santos viveu.