Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Apresentação especial da reedição de “Master of Puppets” dos Metallica a 9 de Novembro

No próximo dia 9 de novembro a Fnac Colombo vai celebrar a reedição do álbum icónico dos MetallicaMaster of Puppets” com um evento especial. A poucas horas do lançamento desta que é uma das obras-primas da história do metal, um grupo de especialistas, entre eles António Freitas, da Antena 3, Rui Duarte, dos RAMP, e Hugo Vinagre, diretor da revista Playboy, vão estar à conversa sobre “Master of Puppets” e esta reedição especial. Pedro Romão será o moderador. Durante a sessão, que começa às 21h30, vão-se ouvir vários temas da reedição e ver alguns dos vídeos que estão incluídos na reedição Deluxe.

MasterofPuppets_30thAnniversary_facebookeventcover

Após a conversa, terá lugar um sorteio, das 22h30 às 22h45, enquanto às 23h00 a banda de tributo Blackallica vai interpretar na íntegra o álbum “Master of Puppets”. As várias versões desta reedição ficarão disponíveis a partir da meia-noite.

 

“Master of Puppets” foi lançado originalmente a 3 de março de 1986, pela Elektra Records, e tornou-se o primeiro álbum dos Metallica a conquistar o galardão de Platina no mercado norte-americano. O álbum recebeu 6 Platinas nos Estados Unidos e vendeu mais de 10 milhões de cópias em todo o mundo. Em 2016, o álbum tornou-se o primeiro disco de metal a ser integrado no registo discográfico da Biblioteca do Congresso dos EUA para preservação, uma honra que é dada a todas as obras “com uma importância significativa a nível cultural, histórico e estético”.

O regresso a Lisboa dos The Underground Youth

The Underground Youth estão de volta a Lisboa dia 5 de Novembro para mais um experiencia sónica, o quarteto tem como primeira parte os promissores Has a Shadow! The Underground Youth começaram em 2008 enquanto projecto de Craig Dyer. A música mpost-punk com um toque de dark psicadelismo foi crescendo e construindo uma legião de fãs que continua a crescer mundo fora.

21557680_1686839594700352_6171961615032729011_n.jp

Desde 2012 que a banda tem vindo a fazer tours europeias nas quais esgota salas e recebe largos elogios pelas suas perfomances em festivais. Lançaram 5 LP’s e 3 EP’s pela editora independente Fuzz Club Records, todos com primeiras edições esgotadas que foram depois re-editadas.

Recentemente, mudaram-se de Manchester para Berlim onde gravaram o novo disco que vêem agora apresentar no Sabotage.

 

Sorrow Tomorrow” é o segundo disco dos mexicanos Has a Shadow, o primeiro a ser editado pela Fuzz Club Records. Uma mistura de Bauhaus, Sisters of Mercy, Suicide, Jesus and Mary Chain.

 

Dear Telephone apresentam “Cut” ao vivo…

Formados em 2010, os Dear Telephone reúnem Graciela Coelho, André Simão, Ricardo Cibrão e Pedro Oliveira. Em 2011 editam o primeiro EP “Birth of a Robot” e passado dois anos surge então  o primeiro longa-duração: “Taxi Ballad”.

deartelephone_cut_album_cover.tif

“Cut” é o segundo longa-duração agora e é apresentado no MUSICBOX Lisboa já este sábado. Neste novo lugar dos Dear Telephone os uníssonos desapareceram e o André recuou para a Graciela, como na belíssima capa, avançar e assumir a voz do grupo. A música ganhou mais espaço para respirar e divagar, mas o toque para as canções eficazes permanece intacto mantendo a capacidade para, dentro do mesmo tema, nos transportarem à estratosfera para depois, suavemente, nos fazerem aterrar.

Feito de uma mistura fina entre tensão e contemplação, “Slit” é o tema de apresentação do novo álbum de Dear Telephone. A câmara de André Tentúgal revela esta ambivalência, prendendo os músicos em planos duros e estáticos, para logo perseguir os seus olhares entre a névoa de lirismo. Em fundo, como sempre, a cidade - agora, mais perto do que nunca. “Cut” foi editado em vinil no dia 27 de Outubro pela PAD

 

Na próxima semana a banda apresenta o disco no Maus Hábitos, Porto

Há Fado no Cais… Identidade F, Fado e Flamenco

Partindo da premissa de que o encontro com o outro é a melhor forma de nos espelharmos e de nos (re)construirmos enquanto seres únicos, este espetáculo fala-nos de Amor.

fnacIdentidadeByPauloPadrela.jpg

photo: Paulo Padrela

 

Num primeiro momento, de um amor vulnerável, carregado de expetativas e ilusões, que rapidamente dão lugar ao abandono, ao frio, ao amargo, à incompreensão, à solidão, à dor insuportável de quem tirou os pés do chão, do seu próprio chão, e depositou mais do que devia e podia nas mãos do outro. O ego obriga-nos a resistir, a lutar, a questionar, a negar a transformação, mas, em algum momento, no meio desse vazio, dá-se o verdadeiro encontro: o encontro consigo próprio.

 

A partir daqui a perspetiva muda! O verbo predominante passa a ser aceitar, e as sensações passam a ser de liberdade, frescura, alegria e verdade.

 

Diana Vilarinho, Sérgio da Silva, Maura fadistas
Sandro Costa, Henrique Leitão guitarra portuguesa
Miguel Gonçalves viola de fado
Sofia Neide contrabaixo
Marta Chasqueira baile flamenco
Filipa Brazão, Cheila Silva corpo de baile

 

Centro Cultural de Belém (Lisboa)

3 de Novembro 2017 | 21.00h

U2… “Songs of Experience” agendado para 1 de Dezembro

Acaba de ser anunciado o lançamento de “Songs of Experience” para o próximo dia 1 de dezembro. O 14.º álbum de estúdio dos U2, com 13 novas canções, será editado em formato digital, CD e em duplo vinil.

U2_Songs_Of_Experience_DELUXE_3000_x_3000_packshot

O novo single, o segundo retirado do disco, intitulado “Get Out Of Your Own Way” já está disponível. O primeiro single, “You’re The Best Thing About Me” foi lançado a 6 de setembro, enquanto o tema “The Blackout” foi lançado em agosto num vídeo ao vivo. A Live Nation também acaba de anunciar as datas da “eXPERIENCE iNNOCENCE Tour” pela América do Norte, a começar a 2 de maio. Em 2018 serão anunciados mais detalhes sobre esta digressão.

Gravado entre Dublin, Nova Iorque e Los Angeles, “Songs of Experience” foi concluído no início deste ano, tendo o seu conceito sido influenciado pelo conselho de Brendan Kennelly a Bono, para este “compor como se estivesse morto”. O resultado é uma coleção de canções em forma de cartas íntimas escritas sobre lugares e pessoas muito próximos do cantor: família, amigos, fãs e ele próprio.

 

Songs of Experience” é o sucessor de “Songs of Innocence”, dois títulos que foram inspirados numa coleção de poemas, “Songs of Innocence and Experience”, do poeta inglês do século XVIII William Blake. Produzido por Jacknife Lee e Ryan Tedder, com Steve Lillywhite, Andy Barlow e Jolyon Thomas, o álbum conta na capa com uma fotografias de Anton Corbijn dos filhos adolescentes dos membros da banda, Eli Hewson e Sian Evans.

Marta Sanchez Quintet no Teatro Diogo Bernardes

Marta Sanchez Quintet, um projecto na área do jazz oriundo de Brooklyn, New York e que em Ponte de Lima, a 3 de Novembro, no Teatro Diogo Bernardes, num dos 2 únicos concertos a realizar em Portugal na presente tour, se apresenta com a seguinte formação: Marta Sanchez – piano; Ariel Bringuez – saxofone tenor, Caleb Curtis – saxofone alto, Javier Moreno – baixo, Iago Fernandez – percussão.

marta_sanchez_4x3_.jpg

Nascida e criada em Madrid, Espanha, a pianista e compositora Marta Sánchez trabalha actualmente na área musical criativa contemporânea em Nova York e no resto do mundo. Depois de terminar os estudos clássicos no Conservatório, iniciou estudos de jazz em diferentes escolas, destacando-se alguns professores deste período: Guillermo Klein, Sam Yahel, Aaron Goldberg, Aaron Parks, de entre outros. Em 2011, foi premiada com uma bolsa Fulbright, o que lhe permitiu continuar os estudos na Universidade de Nova York (M.M.), com professores como Ralph Alessi, Jean Michele Pilc, Kenny Werner, Andy Milne ou Chris Potter, entre outros.

 

A sua discografia, como líder, conta com quatro álbuns, dos quais irá apresentar em Ponte de Lima, o mais recente, “Danza Imposible”. Na sua primeira semana, Danza Imposible obteve uma excelente crítica no New York Times e uma das suas músicas, Flesh, integrou a respectiva playlist.

O álbum anterior, “Partenika”, lançado no Fresh Sound New Talent (2015), foi analisado por Ben Ratliff para o New York Times da seguinte forma: “É um registo ambicioso de um novo grupo forte”, não perdendo a oportunidade para o incluir como uma das 10 melhores gravações do ano, de entre todos os géneros musicais. Também a Downbeat incluiu-o na sua lista das melhores gravações de 2015. Por sua vez, a All Music e a Jazz Journalist Association classificaram Partenika como uma das melhores gravações de jazz de 2015.

Festival temps d'images… “O Criado”

Uma novela? Um filme? Uma peça? Um role play? Uma audição?

“O Criado” é um espectáculo baseado na novela The Servant, escrita por Robin Maugham, e adaptada ao cinema por Harold Pinter e Joseph Losey. Vamos recuperar o texto original e usá-lo para rever a artificialidade dos papéis sociais e a teatralidade da sua representação. Um quase espectáculo.

800x280_ocriado.png

Um upstairs/downstairs virado do avesso. Teatro com cinema onde actores são criados e encenadores são senhores, perante uma plateia de voyeurs. Uma noite sem subtextos e cheia de jogos de submissão carregados de frustração sexual, questionando o que é isso das classes sociais, o desejo e o dinheiro. E o teatro, já agora.

 

Rua das Gaivotas 6 (Lisboa)

2 a 5 de Novembro 2017

Pegada Artística do Dragão, exposição “Basquetebol”, Marta Ren, Gigs e oficinas para famílias marcam novembro de magusto e Outono

No mês do 14º aniversário do Estádio do Dragão – distinguido a nível internacional pelo traço arquitectónico e em matéria de preservação ambiental, vindo desenhar uma nova zona oriental da cidade - o Museu Futebol Clube do Porto propõe, além das visitas temáticas habituais (com surpresas) em dia de aniversário (16), uma incursão pela “pegada artística” deste complexo desportivo e cultural com uma visita especial às intervenções de Manuel Salgado, Joana Vasconcelos, Alberto Carneiro, Gémeo Luís, Mr. Dheo e Rigo 23. Obras com assinatura que se estendem, na vertente arquitetónica, também ao Pavilhão Dragão Caixa.

Image1a.jpg

Novembro é também sinónimo de abertura ao público de nova exposição temporária dedicada a modalidades – depois do Andebol em 2016, chega a vez do Basquetebol, que inaugura no dia 25. São mais de 90 anos de vida dentro do clube para (re)visitar na Sala Multiusos, numa mostra integrada no projecto expositivo artístico AT 28. Ainda em modo de história e de memória, destaque para mais um Objeto do Mês (OdM), desta feita relacionado com o Hóquei em Patins – quer a exposição, patente até 31 de janeiro, quer o OdM, no Hall do Museu, são de acesso livre.

 

O penúltimo mês do ano é igualmente pautado pela música: primeiro de Marta Ren, na conversa-concerto do “Dar Letra à Música” (dia 23), onde se aguarda a ex-vocalista dos Sloopy Joe, cuja voz se mostrou desde o início desalinhada com a vulgaridade, com um soul cativante e quase único a conquistar dimensão internacional; depois de Giant’s Magazine, o convidado do Discover Gigs (dia 25) – agora resultante da parceria entre Museu FC Porto e Tomorrow Comes Today (TCT), a conferência internacional de música – que nos traz as sonoridades invulgares Indy e Folk de Pedro Melo, um cantautor cada vez mais reconhecido.

 

Dos eventos residentes, realce para a “Música com Dragõezinhos” (dia 5), o teatro de marionetas “O Porto é uma Lição” – História do Clube, da Cidade e, afinal, o planeta é azul (dia 11), as “Histórias para Dragõezinhos” (dia 18) e a “Rota do Dragão”, na variante de Visita ao Museu com Joel Cleto (dia 19) – nesta actividade de “passeio” cultural, o premiado historiador, na companhia de um convidado surpresa, recorda os mais de 120 anos do FC Porto, cruzados com a herança da cidade Invicta.

Em novembro o Museu celebra ainda o Dia Mundial da Televisão (dia 21) com um Open Day Porto Canal aos bastidores do Centro de Produção do Dragão, num prolongamento da área temática dedicada aos media.

 

E por ser um mês tão inspirador, haverá espaço para oficinas artísticas para famílias: “Castanhas a Estalar, Cartuchos a Dobrar” (aberta, dia 11) e “A viagem das Folhas de Outono (criativa, dia 19). Se quiser viajar no tempo, pode também rever o jogo da primeira mão da Supertaça Europeia, no dia 24.

“O Olhar de Milhões” é o maior cruzeiro do mundo e está prestes a atracar no CCVF

Este sábado, 4 de novembro, o palco do Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor recebe o mais recente projeto de Raquel Castro, espetáculo que resulta do programa de estímulo à criação promovido pela Rede 5 Sentidos, da qual o CCVF faz parte desde a sua génese. A encenadora traz a Guimarães o maior cruzeiro do mundo, batizado de “O Olhar de Milhões”. Uma ilha flutuante onde cabem todos os desejos e caprichos, onde nada é impossível e tudo se quer para ontem. Uma montra da sociedade contemporânea e da sua sede pelo consumismo desenfreado que faz esquecer outros valores. A alienação mora aqui, embarquemos.

01.jpg

É o maior cruzeiro do mundo e está prestes a levantar âncora em direção ao infinito azul. Desenganem-se aqueles que pensam que se trata apenas de mais um navio de cruzeiro. As caraterísticas do Olhar de Milhões conferem-lhe o estatuto de um mega resort flutuante – o maior da Europa – e o único capaz de proporcionar a derradeira experiência, ilimitada e total. Para além das aclamadas atrações Ultimate Abyss, Fetiche Arena, Wind Tunnel, Chemical Enhanced Racing, Mummy`s Milk Shot, Full Communication Zone, há novidades para todos os perfis, a não perder. Porque só se vive uma vez.

 

Concebido e dirigido pela encenadora Raquel Castro, “O Olhar de Milhões” enfrenta o tempo presente, operando sobre temas como o consumo, o vício, a alienação, o excesso de informação, o primado do imediato, o aborrecimento. É um dos espetáculos resultantes do programa de estímulo à criação artística nas áreas do teatro e da dança promovido pela Rede 5 Sentidos, uma rede de programação cultural e artística, fundada em 2009 com o intuito de estabelecer uma colaboração mais estreita entre os vários Teatros envolvidos e assente na troca de saberes, processos e experiências de trabalho. Uma estratégia que visa fortalecer o desempenho de todos os parceiros e que permite apoiar os artistas e responder às suas necessidades através de ações concertadas no âmbito da coprodução, dos circuitos de apresentação, das residências, do acompanhamento artístico e das parcerias internacionais. Raquel Castro com “O Olhar de Milhões” e Luís Guerra com “A Tundra” foram os escolhidos para o biénio 2016/2017, sendo este ano visíveis os resultados deste investimento.

 

Raquel Castro, atriz e encenadora, conta já inúmeras participações em trabalhos que percorrem vários ângulos artísticos. Enquanto encenadora, criou as peças “Os Dias São Connosco” e “Dona de Casa”, entre outras. Como atriz, participou, mais recentemente, nas peças “Oslo”, de Mikael Oliveira, e “Ricardo III”, de Tónan Quito, entre muitas outras ao longo de uma carreira que arrancou em 2008. Raquel Castro tem ainda o seu nome em 3 produções cinematográficas.

 

MEET UP i9… Cineteatro António Lamoso acolhe nova edição de networking

A segunda edição do Meet-up I9 acontece no próximo dia 18 de novembro, das 14h00 às 18h30. Carlos Martins, Manuel Peres e Patrícia Nogueira são alguns dos oradores confirmados. O Cineteatro António Lamoso abre novamente as portas para um encontro de networking entre jovens e empreendedores. A segunda edição do meet-up I9 acontece no próximo dia 18 de novembro entre as 14h00 e as 18h30.

cartaz_2017_digital1.jpg

A sessão apresenta dois painéis, o primeiro com enfoque no Empreendedorismo Cultural e o segundo voltado para o Empreendedorismo Digital. O encontro conta com a participação de nomes como Carlos Martins (Opium), Marco Azevedo (Sociedade Lusa de Espectáculos), Patrícia Nogueira (CEO SeedGo), Laura Milheiro (Frame Productions) e ainda Manuel Peres, que conta com mais de cinco décadas de experiência como fotógrafo, ilustrador, director de arte e de direcção criativa, Manuel Peres impõe-se como um gigante da Publicidade em Portugal.


O evento, organizado pela i9jovem – Associação para a Criatividade, Empreendedorismo e Inovação, visa a troca de ideias e experiências entre jovens, potenciando o desenvolvimento individual e reflectindo a crescente importância de iniciativas colaborativas.