Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

A Emoção Zero… Um livro de José Pedro Sousa

Um livro de José Pedro Sousa e com ilustrações de Pascal Ferreira.

Se não morre à primeira, que morra à segunda. A dor, por muito que ensine, não se quer por companhia para sempre. E é por isso que “A Emoção Zero” conhece, nestes dias derradeiros de 2015, a sua segunda edição. Tão de autor como a primeira, não fosse esta a explosão de uma intimidade que outros calam, mas revista e aumentada. Por novos textos, encontrados em partes seladas pelo desgosto na casa onde o desgosto se deu, e em boa parte pelas ilustrações à medida de Pascal Ferreira, cúmplice acidental e para sempre de José Pedro Sousa, autor de “A Emoção Zero”.

A Emoção Zero.jpgA Emoção Zero” é um homem a emergir para respirar e voltar a viver. É um lugar, um lugar verdadeiramente físico para onde somos atirados em determinadas alturas da vida. Como quando somos abandonados, só para nos situarmos em matéria de gravidade. Abraçar a desolação do lugar ao ponto de querer descrevê-lo ao pormenor é dose bruta. Fazê-lo duas vezes, como testemunha esta nova edição, é nada temer. José Pedro Sousa viu o amor fazer as malas mas nada temeu. Pascal Ferreira também não. Era só o que faltava, não fazer como os grandes que da mágoa fizeram criação.

 

José Pedro Sousa, autor de “A Emoção Zero” nasceu em 1974 e começou a fazer-se gente em Gaia. Os Depressão Total levaram-no a ter uma banda e a curiosidade levou-o a trabalhar no Coliseu do Porto. Filmava concertos, dos Excesso a Mário Laginha. Carregou, montou e criou material para o Balleteatro do Porto. Apaixonou-se por bailarinas e por Jeff Buckley. Estudou Cinema na faculdade e nos clubes de vídeo James Dean e James Bond. Começou a fotografar com o pai e com o seu amigo Júlio. Com a longa-metragem “Kuzz”, realizada em ambiente académico, chamou a atenção de diversas pessoas centenas de quilómetros a Sul do seu Porto. Foi assim que começou a sua carreira de realizador de filmes publicitários, universo onde hoje é para muitos referência incontornável. “A Emoção Zero” é outra coisa. E ainda bem.

Pascal Ferreira, o ilustrador de “A Emoção Zero”, foi uma feliz recomendação num jantar de primos. Parisiense no parto e portuense na residência, forma-se em Escultura mas realiza-se a desenhar. Interessam-lhe as paisagens naturais, as representações metafóricas da montanha. Narrativas como expedições, lápis livre sobre folha de papel, viagens terapêuticas e deslumbramento. “A Emoção Zero” é um lugar, já se disse. Um lugar que deslumbrou Pascal Ferreira.

Texto: Pedro Gonçalves

 

Lançamento, leitura, exposição e a guitarra de Grutera

Miss’opo (Porto )

10 de Dezembro 2015 | 22.00h