Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

BINNAR 2017… Suelen Estar Quartet + Montanha Magnética

O festival de artes BINNAR realiza-se pela segunda vez na cidade de Vila Nova de Famalicão, entre os dias 10 e 24 de Novembro de 2017. Entre música, performance, fotografia, teatro, vídeo, escultura, imagem ou instalação são vários os artistas e grupos de artistas que passam pela cidade, quer seja em exposição, com actuações ao vivo, em residência e/ou a coordenar projectos e workshops....

Está sexta feira o Mosteiro de Arnoso recebe pelas 22h00 dois projetos, Suelen Estar Quartet e Montanha Magnética

d8073888-766d-493c-8c7a-eb98819cb22a

Suelen Estar Quartet é um quarteto de improvisação livre nascido no seio da O.M.E.Ga (Orquestra de Música Espontánea de Galicia) da qual os quatro foram membros, todos com formação clássica e posteriormente especializados em estilos muito diferentes como a música antiga, o jazz, o rock. Sem partituras tudo o que se cria é próprio, imediato, único e exclusivo. Deixa-se de ser um mero intérprete e passa-se a ser compositor, um criador instantâneo. Dá-se rédea solta à imaginação; uma paisagem, uma ideia, uma emoção, um som… servem de nutrientes para desenvolver a criatividade num momento concreto de espaço/tempo. Transmitir ou gerar de forma espontânea uma ideia ou sentimento através da música faz com que cada concerto seja irrepetível. Experimentar de todas as formas possíveis, indagar na escuta, as sonoridades dos instrumentos, a sua natureza, explorar a cada instante todas as varáveis possíveis das que se dispõem. Ser sensíveis ao azar ou à surpresa, muito importante como geradora de novos caminhos musicais, som parte dos métodos de investigação que se utilizam, sendo totalmente original e idiossincrático do próprio quarteto. Trata-se da criação de uma linguagem, um código comum e único, umas novas normas do jogo, para jogar ao jogo de sempre mas de maneira diferente

 

Montanha Magnética é um trio composto por João Felgueiras Magalhães na sanfona e efeitos, João Pais Filipe na percussão e Mónica Baptista nas projecções, habitualmente em película 16mm. Música e imagens geram mapas sonoros e visuais que se sobrepõem em planos geográficos e mentais.