Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Cerimónia de Encerramento Caminhos Film Festival

Chegaram ao fim as sessões competitivas do festival Caminhos do Cinema Português. Ao longo de uma semana os espectadores do festival assistiram a cerca de duzentas obras fílmicas, distribuídas também por Selecção Diásporas, Reposições e Caminhos Mundiais com o país convidado Áustria. Depois de revelarmos durante o dia de ontem quais os vencedores sobrou à cerimónia de encerramento, além de entregar os prémios aos vencedores que conseguiram a deslocação à cidade, revelar o vencedor do Prémio do Público Chama Amarela.

caminhos 01.jpgO festival Caminhos do Cinema Português não teria razão de existência sem o público. É com a audiência em mente que se realiza, ano após ano, o certame de Coimbra. Ano após ano a audiência responde positivamente, frequentando tanto as actividades paralelas como as secções competitivas e nada melhor do que confiar também no público do Caminhos a atribuição de um prémio. Depois de anunciarmos os vencedores das restantes categorias, atribuídas pelos variados júris do festival, também os espectadores têm a sua opinião. O Prémio do Público Chama Amarela é este ano atribuído a “CINZENTO E NEGRO”, de Luis Filipe Rocha.

Distinguido também pelo Júri da Selecção Caminhos nas categorias de Actor Principal, a Filipe Duarte, e de Melhor Banda Sonora, a Mário Laginha, “CINZENTO E NEGRO” apresenta uma estória em que traição, roubo e fuga andam de braço dado com a vingança e a morte, rodeadas pela paisagem vulcânica dos Açores.

A cerimónia de encerramento do festival decorreu no Teatro Académico de Gil Vicente, com apresentação de Diana Taveira e Gonçalo Ribeiro e acompanhamento musical da Tuna Académica da Universidade de Coimbra. Ao palco subiram os vários painéis de júris, responsáveis pela atribuição dos prémios. Entre a plateia, Margarida Cardoso, realizadora de “Yvone Kane”, e vencedora com a distinção de Melhor Longa-Metragem foi uma das galardoadas presentes. Também na assistência Margarida Leitão, realizadora de “Gipsofilia” aceitou em Coimbra o seu prémio por Melhor Documentário. O vencedor do Grande Prémio do Festival – Portugal Sou Eu, Pedro Magano, por Irmãos, destacou o facto de se ter tratado da sua primeira obra enquanto realizador e agradeceu a toda a equipa que lhe tornou possível este momento. Também Vicente Niro, realizador do Melhor Ensaio Nacional por Niro esteve presente e aceitou o prémio.

caminhos 00.jpgApós um curto intervalo seguiu-se a exibição de dois dos filmes laureados no festival. “A Ultima Árvore Analógica”, de Jorge Pelicano, vencedora do prémio para melhor curta-metragem e “Yvone Kane”, de Margarida Cardoso. A cerimónia de encerramento do Caminhos pode ter terminado mas o festival propriamente dito termina apenas hoje.

O II Simpósio Internacional Fusões no Cinema mantém ainda sessões durante este sábado na Universidade Aberta e às 21:45 será possível rever nos cinemas NOS do Forum Coimbra os filmes Amélia & Duarte de A. Guimarães e M. Santos e ainda a longa Cinzento e Negro, de Luis Filipe Rocha. A exposição Os Anos d’Ouro do Cinema Português continuará ainda patente ao público na rua Visconde da Luz, à Baixa de Coimbra, até dia 15 de Dezembro.