Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

… e o fado vem de Braga ao Museu do Fado

No dia 17 de Outubro de 2015, pelas 21h30, o Museu do Fado recebe o espectáculo "O Fado vem de Braga", uma organização da ACOFA - Associação Cultural de Braga. Este espectáculo celebra e divulga o enraizamento do fado em Braga e nesta noite actuarão exclusivamente fadistas bracarenses. Margarida Rocha, Margarida Moreira e Adriana Moreira serão acompanhadas por Carlos Caldeira e Daniel Paredes, na guitarra portuguesa e na viola de fado, respectivamente. "O Fado vem de Braga" encerra um dia de passeio pela cidade de Lisboa onde se inclui uma visita à exposição permanente do Museu do Fado.

bragafado_ecard_11.jpgMargarida Rocha

Tem 17 anos, e nasceu em Braga. Desde criança mostrou apetência e gosto pelo canto. Após começar a ouvir fado, na rádio e televisão, não mais parou de o cantar, vivendo-o como se este tivesse nascido consigo ou fizesse já parte da sua essência. Em 2013, com 15 anos concorreu ao Bragafado e venceu o Prémio Revelação Juventude, acabando por ingressar na Escola de Fado da Acofa, onde até hoje faz frequência, tentando aprender e evoluir naquilo que diz ser a sua grande felicidade e "forma de vida", o Fado.

 

Margarida Moreira

Tem 15 anos e é natural de Braga. Desde os 8 anos que descobriu o fado e despertou para ele. O cantar foi desde sempre a sua alegria e após descobrir o fado nada mais a faz tão feliz e realizada. Desde os seus 10 anos que sonha com o fado, vivendo-o e cantando-o intensamente, significando hoje em dia a sua grande paixão e almejando uma carreira como fadista, onde seja reconhecida pela sua voz, vivência e dedicação. Tem como maiores referências a Duquesa Maria Teresa de Noronha e Alfredo Marceneiro, identificando-se actualmente com os estilos de Carminho, Ricardo Ribeiro e Camané. Frequenta a Escola de Fado da Acofa, em Braga, onde estuda e trabalha o fado, tentando a melhor evolução possível.

 

Adriana Moreira

Adriana Moreira, natural de Braga, é professora de profissão, mas fadista de ‘alma e coração’. Desde pequena tomou o gosto pelo fado, pois em casa era algo que se respirava, cantava e sentia, principalmente na voz da sua mãe, a sua grande inspiradora. Desde os 16 anos de idade, que vive intensamente o fado e o trás na sua alma como alimento de vida... Em 2014 concorre ao Bragafado e vence categoricamente o concurso, sendo aclamada pela imprensa local como a mais justa vencedora de sempre, entre as 16 edições do concurso. Sente o fado como sua inspiração de vida, um amor perfeito e um elemento do qual jamais abrirá mão.

 

Museu do fado (Lisboa)

17 de Outubro 2015 | 21.30h