Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

“LAUF (in a course of a lifetime)” regressa ao Centro Cultural Vila Flor

Esta sexta-feira, 4 de dezembro, às 22h00, o Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, volta a apresentar o espetáculo “LAUF (in a course of a lifetime)”, da coreógrafa alemã Silke Z., do realizador e compositor sonoro André Zimmermann e do bailarino e criador de vídeo António Cabrita. Esta peça, parte integrante do programa do GUIdance’15, que por impossibilidade técnica não foi apresentado, sobe finalmente ao palco do CCVF em sessão única.033_AntonioCabrita_LAUF1_cMEYER_ORIGINALS.jpg“LAUF (in a course of a lifetime)” é uma viagem, ao vivo, entre o nascimento e a morte. Abordando a vida como se de apenas uma tarefa se tratasse, o performer leva-nos – incansável – do guião de uma vida para uma próxima.

Ele reinventa-se uma e outra vez em busca de soluções.

O que nos leva exatamente em frente neste ciclo permanente da vida?

O que acontece com retrocessos?

“LAUF” explora a complexidade da vida, desafiando as suas coincidências e os seus perigos. Os seres humanos são atirados para a vida e tem que começar a correr imediatamente. Correr para reuniões, correr para produzir resultados, correr para consumir, correr para criar e resolver conflitos. Mas porquê e para quem? “LAUF” examina a fisicalidade própria de cada idade; uma fisicalidade que envolve cada centímetro do corpo, incluindo todas as pequenas células, mas também o complexo universo dos sentidos.

090_AntonioCabrita_LAUF1_cMEYER_ORIGINALS.jpgLAUF” é uma cocriação da coreógrafa Silke Z., do realizador e compositor sonoro André Zimmermann e do bailarino e criador de vídeo António Cabrita. Nesta produção, quatro géneros são misturados numa performance: o cinema encontra a dança, que encontra a coreografia, que encontra as artes multimédia – um choque de géneros que criam uma dependência entre o corpo, o filme, o som e cenário. Esta interdependência reconstrói um fluxo de memórias que pode já ter sido esquecido; ao mesmo tempo visões de um futuro possível de se construir – um guião subconsciente da vida.

149_AntonioCabrita_LAUF1_cMEYER_ORIGINALS.jpgOs artistas desconstroem todos os elementos, a fim de reconstruir um novo guião da vida, gerando uma nova linguagem performativa. Desde a infância, passando pela maturidade e, por fim, a morte, a fisicalidade humana e o movimento mudam permanentemente.

Como é que este movimento da própria vida influencia as decisões que tomamos?

Que encontros criam pontos de viragem essenciais na nossa vida e porquê?

Dança, som, cinema e multimédia envolvem a audiência de forma intensiva e levam-na numa viagem que começa na primeira e termina na última batida do coração – a batida da vida que corre através de todos os sentidos, que liga todas as células para criar algo maior.

 

Fotografias: António Cabrita

 

Centro Cultural Vila Flor (Guimarães)

4 de Dezembro 2015 | 22.00h