Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Mariana Aydar & Dani Black iniciam digressão em Portugal (Reportagem)

Mariana Aydar & Dani Black iniciaram ontem à noite no Auditório de Espinho uma digressão que vai levar a sua música aos mais variados espaços nacionais de norte a sul.

DSC_0349 (Cópia)

Mariana Aydar & Dani Black… uma verdadeira declaração de amor em palco. Mariana canta Dani e Black canta Mariana mas nem sempre foi assim ao longo do concerto. Os ritmos soul, funk e jazz numa mistura explosiva em palco. A mestria das palavras de Dani, os ritmos desviantes de Mariana numa cumplicidade sem palavras mas com muito ritmo.

DSC_0339 (Cópia)

Assistimos em palco a uma partilha de sonoridade que retratam os últimos anos da moderna música brasileira. Longe do popular e rebuscando as influências da verdadeira Bossa nova dos anos 60, a voz de Black remete-nos para a sonoridade de um Djavan da década de 80, com umas pinceladas de Ney Matogrosso em finais dos anos 70. Mas o popular estava lá, a sanfona ou acordeão em Portugal, trazia a versatilidade da música brasileira numa orgia com uma linha de baixo no limite do jazz e uma guitarra sempre orgânica.

DSC_0370 (Cópia)

Se o Rio ou a Baia trazem o samba, São Paulo traz modernidade e a fusão.

A tempestade traz a bonança e Mariana arrisca na guitarra sozinha... Interpretando uma canção do seu último trabalho. Regressam a palco os dois e trazem uma canção de Chico César, compositor que marcou a adolescência de ambos… “Não Não Não” e Dani deixa Mariana abandonar o palco, e segue caminhos de smooth jazz, mas com aquele toque único da sanfona. Os ensaios e desvios vocais de Black envolvem a atmosfera com um suavidade agressiva.

Seguindo ritmos diferentes a poesia envolve-se com a música na junção de declarações mútuas. A canção que entrelaça a história com Mariana e um “Axe Acapela” que depois foi gravado por Maria Gadu, surge em palco.

DSC_0403 (Cópia)

No encore, Dani recupera uma canção do seu disco que cantou com Milton Nascimento, canção que fala do homem como elemento do universo. Donos de uma simpatia única em palco, a envolvência com o público esteve sempre presente ao longo do concerto.

 

Alinhamento:

- A vida é cheia dessas coisas

- Vai vadiar

- Te faço um cafuné

- Areia

- Seu gosto

- Saiba ficar quieto

- Comer na mão

- Não não não

- Aqui em casa

- Passionais

- Isso pode

- Axé Acapella

- Maior

 

Reportagem e fotografias: Paulo Homem de Melo