Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Portugal Fashion… O dia 25 Março visto ao pormenor…

O segundo dia na Alfândega amanhecia com a chuva familiar de quem já conhece a casa e chora miudinho pelos cantos em tom de despedida dos amigos de pressão, da expectativa do espetáculo e da beleza em potencial de cada desfile. A passerelle riscada grosseiramente a vermelho, demonstrava o cansaço de não ser mais branca e imaculada. As coleções já não se contavam nos dedos de uma mão mas, o dia longo, revelaria mais algumas.

 

01

NUNO BALTAZAR

Teatral, Nuno Baltazar retirou-nos da monotonia, tanto das paredes caiadas de branco do salão principal quanto da moda blasé de inverno. O estilista redesenhou o local e a estação. Apesar da garagem fria, a coleção não poderia ser mais quente. Atitude e Cor foram as constantes que traduziam as inscrições “Im a Bitch. Im a Paintor”.

Com uma sonoridade latina, tons mais ou menos vibrantes desfilaram-se com naturalidade. Verde, azul e rosa, acompanharam os terrosos como laranjas e castanhos, e alguns apontamentos de brilho nos azuis. Outra tendência seriam as riscas, sobretudo verticais, aplicadas em calças, saias e sapatos, trazendo o imaginário de insígnias e bandeiras, costurando a ideia de sporty chic. As formas, essencialmente largas, apresentam calças e camisas fluidas com folhos que exacerbam o movimento.

A naturalidade sofisticada da mulher comum e um homem destemido em mostrar a sua criatividade através da forma divertida de vestir constroem uma cumplicidade intrínseca entre cultura e lifestyle. Mais que uma coleção, Nuno Baltazar desenhou um show, longo e coerente.

 

Galeria completa do desfile de Nuno Baltazar aqui

 

02

HUGO COSTA

Hugo Costa gelou a Alfândega. As peças desfilaram como se deslizassem sobre mecanismos próprios. Tanto o corte, quanto os tecidos de aspeto plastificado, revelaram um cruzamento entre streetwear e fardamento. Pairava no ar uma era de inspirações astronáuticas: peças herméticas, macacões com fechos frontais, golas subidas. Na sequência cromática de brancos e azuis, intercalados com looks pretos, persistiu a masculinidade das peças, reforçada pelo toque tecnológico dos detalhe – mangas longas e tiras suspensas.

Inspirado na expedição que leva à Roald Amundsen ao Pólo Norte, as sobrancelhas são cobertas de neve e os rostos rosados acentuam o ambiente gélido. O corte amplo e a maleabilidade do tecido revela a preocupação com a praticidade.

 

Galeria completa do desfile de Hugo Costa aqui

 

03

CARLA PONTES

A acessibilidade de Carla Pontes foi transporta para esta coleção. Inspirada no vento, as peças são imbuídas de movimento e expressão, como se nelas existisse uma vontade própria de se colar ao corpo. Oscilando suavemente a cada passada, beges e azuis alternam-se com harmoniosa compreensão do que se deve exibir e resguardar.

O antracite apareceu em peças listradas, infiltrando no jogo de sobreposições a ideia de erosão. O calçado raso, alongado e recortado, transpareceu uma preocupação com a aerodinâmica do movimento.

 

Galeria completa do desfile de Carla Pontes aqui

 

DSC_0417 (Cópia)

MICAELA OLIVEIRA

Exuberante e sedutora, a coleção de Micaela Oliveira veste a princesa quotidiana, a mulher que desfila pela vida, empoderada de sensualidade. Figuras longilíneas marcaram o desfile numa elegância imperial que misturou influências monárquicas com anos 20. Vestidos longos com saias amplas com ilusão de que as caudas perduram na memória. Num tom provocativo, apareceram as calças transparentes bordadas com missangas, os vestidos todos trabalhados em lantejoulas e o inevitável magnetismo dos óculos de massa. Blazers e vestidos-capa revelaram um cuidado de alfaiataria. Transparências e cetim brincaram com pêlo, que apareceu ora tímido nas golas ora imponente em casacos em tons de verde, cinza, roxo, rosas, nudes e amarelo vibrante nos capuzes.

O cumprimento é um statement do qual os sapatos, altura pedestal, foram a pontuação que orquestrou um desfile de puro glamour.

 

Galeria completa do desfile de Micaela Oliveira aqui

 

DSC_0122 (Cópia)

LION OF PORCHES

O leão rugiu e fez-se ecoar no salão como no topo de uma montanha. Se o dia, apesar de primaveril, se fez sentir gélido e chuvoso, Lion of Porches respondeu aos desejos de conforto e aconchego, marcando o retorno ao quotidiano. Sempre fiel à sua abordagem elegante e herança de padrões, a coleção apresentou-se versátil e prática conjugando os habituais tartans com malhas caneladas e coloridas. As sobreposições mantêm um equilíbrio de cor, colocando verde, azul e vermelho em diálogo. O castanho aparece sobretudo no calçado em pele.

As malas, ao encontro da inspiração, assumem grandes dimensões e insígnias, lembrando sacos de viagem.

 

Galeria completa do desfile de Lion of Porches aqui

 

DSC_0263 (Cópia)

ANA SOUSA

Atenta à dissipação de estruturas etárias, Ana Sousa alinha um desfile intergeracional, desde materiais mais robustos com corte clássico até estampados e estruturas mais fluidas. O desfile, marcado pela irreverente atuação ao vivo, manteve a sobriedade na paleta de cores que vagueou pelo preto, verdes e rosas com toques azuis e vermelhos.

A irreverência apareceu nos acessórios, brincos assimétricos e collants finos usados como display de brilhantes, golas de plumas e maquiagem marcada.  

 

Galeria completa do desfile de Ana Sousa aqui

 

00

DIELMAR

Para Dielmar charme é a palavra de ordem. A marca apresentou um charme clássico, orquestrado pela elegância intemporal do corte de alfaiataria. As cores revelaram-se sóbrias, não arriscando mais que uma combinação justa de tons de castanho e bege com azul, verde e bordeaux. Os padrões perderam força, dando lugar a materiais lisos e com pouco textura, aparecendo apenas apontamentos de xadrez e listras finas.

As sobreposições de materiais confortáveis criam visuais facilmente transponíveis para o quotidiano e que servem um classicismo urbano.

 

Galeria completa do desfile de Dielmar aqui

 

07

MIGUEL VIEIRA

A coleção feminina e masculina, aposta em looks all black de pele sobre pele, que afirmam uma sensualidade contida. Uma abordagem clean com apontamentos tecnológicos desde os adereços aos plissados tech. Vestidos curtos e longos, peças estruturadas e oversized abundam nas criações femininas. Já o homem surge com maior estrutura, apresentando fatos slim e calças de corte vincado.

A paleta de cores é contida, abusando do branco, pérola, preto e cinzas. O calçado com aplicações e atilhos reforçam a ideia de sedução.

 

Galeria completa do desfile de Miguel Vieira aqui

 

Reportagem: Telma Luis

Fotografias: Paulo Homem de Melo