Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Thriller, de Michael Jackson, é o primeiro álbum certificado pela RIAA a atingir a marca de multiplatina por 30 vezes

A RIAA (Associação Norte-americana da Indústria Discográfica), o Legado de Michael Jackson, a Epic Records e a Legacy Recordings anunciaram hoje que “Thriller” de Michael Jackson é o primeiro álbum na história do programa de ouro e platina da RIAA a atingir a marca certificada de 30 vezes multiplatina por vendas nos EUA, continuando assim o reinado do Rei da Pop como o artista mais bem-sucedido a nível de vendas com números acima dos 100 milhões no mundo inteiro referentes ao álbum “Thriller” e mil milhões no plano geral.

719E61zZCZL._SL1500_.jpgA RIAA atribui discos de ouro e platina em nome da indústria musical há quase 60 anos, mas esta é a primeira vez que um artista ultrapassou a marca de 30 vezes multiplatina”, afirmou Cary Sherman, Presidente e CEO da RIAA. “Estamos muito honrados por comemorar o estatuto único do álbum Thriller na história dos discos de ouro e platina. Que feito notável e um verdadeiro tributo à posição duradoura que o álbum Thriller ocupa nos nossos corações e na história da música.”

Thriller”, a obra-prima de Michael Jackson com produção de Quincy Jones e Michael Jackson, conquistou um número recorde de 8 Grammys, mais do que qualquer álbum até à data, continuando a receber prémios e a definir novos padrões de sucesso desde o seu lançamento a 30 de Novembro de 1982. “Thriller”passou quase 2 anos e meio na tabela de álbuns da Billboard e detém o recorde contemporâneo de 37 semanas no n.º 1. Foi o primeiro álbum na história a passar cada uma das suas primeiras 80 semanas no Top 10 da tabela de álbuns, um feito conquistado apenas por outro álbum 30 décadas depois do acontecimento. Durante a sua 112.ª semana na tabela de álbuns da Billboard, o álbum tornou-se no primeiro a registar a marca certificada de 20 vezes multiplatina pela RIAA (30 de Outubro de 1984). A nível mundial, “Thriller” esteve no n.º 1 em praticamente todos os países do mundo, incluindo Reino Unido, França, Itália, Austrália, Dinamarca, Bélgica, África do Sul, Espanha, Irlanda, Nova Zelândia, Canadá e África do Sul ainda sob o regime de apartheid.

 

O álbum foi aclamado pelo seu alcance e profundidade. A revista Rolling Stone referiu-se ao álbum como um momento “marcante” para Michael e a Newsweek escreveu, de forma algo profética, que “a voz de Michael assombra estes temas, dá-lhes emoção… É isso que irá fazer esta música perdurar.” Sete faixas do álbum tornaram-se singles do Top 10 e três temas, “Beat It”, “Billie Jean” e “Thriller”, chegaram ao n.º 1. Todos os nove temas assumiram um lugar permanente nos corações e memórias de todas as pessoas do mundo.

Sendo mais do que um simples álbum, “Thriller” permaneceu um fenómeno multimédia cultural a nível global durante os séculos XX e XXI, quebrando barreiras musicais e alternando as fronteiras da pop para sempre. A música presente em Thriller é tão dinâmica e singular que desafiou qualquer definição de rock, pop ou soul existente. O tema “Beat It” era um novo híbrido de pop/rock e demoliu a segregação há já muito existente entre música branca e negra com a guitarra incendiária de Eddie Van Halen. No tema “The Girl Is Mine”, um homem negro e um homem branco lutam pela mesma mulher. No mesmo álbum, existem temas como “Wanna Be Startin’ Somethin’”, com ritmos africanos de base, e “Billie Jean”, com sonoridades mais R&B. Nunca se tinha ouvido um álbum com material de tamanho alcance.

 

“A maior inovação protagonizada por Michael talvez tenha surgido com os vídeos musicais”, escreveu Joe Vogel em Man in the Music. Fascinado por esta forma de arte, Michael queria contar uma história e entreter em grande escala. Apesar da cinematografia deliciosa, narrativa dramática e coreografia espectacular de “Billie Jean”, uma novata MTV, que tinha como programação quase exclusiva de artistas rock brancos, recusou-se a passar o vídeo. A editora Epic persistiu. Após a queda do muro, as audiências da MTV dispararam e uma porta foi aberta para uma geração de artistas afro-americanos. “Ele foi o Jackie Robinson da MTV”, afirmou o crítico cultural Touré. Seguiu-se a inesquecível curta-metragem de “Beat It” onde Michael aproximou dois gangs através do poder da música e dança. E depois, surgiu “Thriller”. Com estreia no AVCO Theatre em Los Angeles em 1983, esgotou todas as noites durante três semanas. Nenhum outro vídeo antes ou desde então gerou tamanho entusiasmo e tem tanto poder sobre a nossa atenção, pelo que, 30 anos mais tarde, todos partilhamos este vídeo na nossa memória colectiva e o mesmo permanece o único vídeo a ser eleito para a elite do National Film Registry pela Library of Congress.

A importância de “Thriller” foi reconhecida pelos pares da indústria de Michael Jackson nos Grammys. “Thriller” recebeu um número recorde de nomeações em 12 categorias e venceu um número recorde de oito prémios, o que constitui o maior número de prémios Grammy conquistados por um álbum. Sete destes Grammys que nesse ano foram atribuídos ao artista foram para as seguintes categorias: Álbum do Ano, Disco do Ano ("Beat It"), Melhor Interpretação Vocal Pop Masculina ("Thriller"), Disco com Melhor Engenharia, Não clássico (“Thriller”), Melhor Interpretação Vocal Rock Masculina ("Beat It"), Melhor Interpretação Vocal R&B Masculina ("Billie Jean"), Melhor Canção R&B ("Billie Jean"). (O oitavo Grammy conquistado por Michael nesse ano foi atribuído para categoria Melhor Gravação para Crianças - Single ou Álbum, Musical ou Spoken Word para o tema "E.T. The Extra-Terrestrial"). Nesse mesmo ano, Michael Jackson conquistou oito American Music Awards e três MTV Video Music Awards. No ano seguinte, "The Making of Michael Jackson's Thriller" arrecadou o troféu para Melhor Álbum de Vídeo na 27.ª edição dos Grammys.

 

Durante a sua carreira extraordinária, Michael Jackson vendeu mais de mil milhões de discos no mundo inteiro, lançou 13 singles que chegaram ao n.º 1 e tornou-se num de poucos artistas a ser eleito por duas ocasiões para figurar no Rock and Roll Hall of Fame. O Livro dos Recordes do Guinness reconheceu o artista como o Artista Mais Bem-sucedido de Sempre e “Thriller” como o Álbum Mais Vendido de Sempre. A sua arte, coreografia e música continuam a inspirar gerações de artistas e fãs de pop, soul, R&B e hip-hop.

 

"É óbvio que Michael Jackson foi simplesmente o melhor e maior artista de sempre", afirma LA Reid, Presidente e CEO da Epic Records. "Os seus êxitos de tabelas e de vendas são notáveis mas a sua musicalidade pura era doutro mundo. Thriller foi inovador e electrizante. Era pura perfeição. Sinto-me extremamente orgulhoso que Michael seja a alma e o coração da Epic Records e irá permanecer para sempre como o único e verdadeiro Rei da Pop."

100 milhões de álbuns e a contagem continua. Nunca existiu um fenómeno como Thriller”, afirmaram John Branca e John McClain, co-executores do Legado de Michael Jackson. “Michael abriu os portões da sua criatividade, explorou profundidades emocionais e quebrou as fronteiras da inovação sonora. Durante o percurso, destruiu barreiras na indústria musical e uniu literalmente o mundo através da sua música: não existe nenhum local no mundo que não se tenha sentido radiante com a música de Michael Jackson. 30 anos após o seu lançamento, Thriller continua a ser uma revelação.

 

A música de “Thriller” e de outros álbuns de sucesso de Michael Jackson está presente no espectáculo de sucesso de Las Vegas, Michael Jackson ONE, produzido pelo Cirque du Soleil e o Legado de Michael Jackson. Michael Jackson ONE está a esgotar datas e a espantar os fãs no Michael Jackson ONE Theatre em Mandalay Bay, Las Vegas.