Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Vai ser assim o Vodafone Mexefest 2015… (IV)

A 3 dias da edição de 2015 do Vodafone Mexefest estes são alguns dos nomes que vão marcar a Avenida já dos próximos dias 27 e 28 de Novembro…

 

Holy Nothing

holy.jpg

Os Holy Nothing vêm do Porto e são constituídos por Pedro Rodrigues (voz, groovebox), Samuel Gonçalves (baixo, guitarra, drum pad) e Nelson Silva (teclados, drum pad). Formados em 2012, estrearam-se dois anos depois com o EP “Boundaries”. O trio trabalha a eletrónica com destreza, aplicando-lhe camadas de muitos dos estilos da música de dança, old school, cold wave, entre outros dos primeiros anos da década de 80, fundindo e acrescentando elementos mais contemporâneos. Ao vivo, a potência e vibração são contagiantes. O disco longa duração estreado em Setembro passado, “Hypertext”, foi misturado e produzido por Rui Maia (Mirror People, X-Wife) e será protagonista no Vodafone Mexefest.

 

Cinema São Jorge – Sala Montepio

27 de Novembro 2015 | 22.10h

 

Janeiro    

janeiro.jpgPara a música, Henrique Janeiro é só apelido. Janeiro é o nome do projeto e também do EP de estreia. Em português chegam as palavras e na melodia há soul, pop, travos swing e da música brasileira, e, aqui e ali, arranjos electrónicos que acrescentam tempero e cor. Para descobrir e gostar, no Vodafone Mexefest. O jovem músico, para além de compor, escrever e cantar, também toca praticamente todos os instrumentos no registo de estreia.

 

Casa do Alentejo

27 de Novembro 2015 | 20.00h

 

Jenny Hval 

Jenny Hval.jpgPara muitos uma desconhecida, há muito que a norueguesa merece estar debaixo do olho do mundo inteiro. Para além de música, é escritora. Autora do romance Perlebryggeriet (Pearl Brewery), lançado em 2009, é ainda responsável por inúmeros artigos para jornais e antologias. Nas andanças musicais, passou por bandas como os iPanic e Folding For Air, mas com mais notoriedade dando voz aos Shellyz Raven, colectivo de metal-gótico. Com o alter-ego Rockettothesky, lançou dois LPs; em nome próprio, três – “Viscera” (2011), “Innocence Is Kinky” (2013), com a participação de John Parish e este ano, “Apocalypse, girl”. No seu currículo, para além dos espantosos discos que editou a solo, devemos sublinhar o registo do ano passado “Meshes of Voices”, a meias com Susanna Wallumrød (Susanna and The Magical Orquestra) e a digressão que realizou com St. Vincent. Nome imperdível no Vodafone Mexefest.

 

Cinema S.Jorge – Sala Montepio

28 de Novembro 2015 | 20.00h

 

LA Priest     

la.jpgLA Priest é o novo projecto de Sam Dust, um dos membros que constituiu a banda dance-punk inglesa, Late Of The Pier. Depois de mais de dez anos a oferecer uma música rápida e melodicamente provocadora, LA Priest estreia-se com o disco “Inji”, pela Domino Records. Em “Inji” encontramos temas cheios de charme que, sem dispensar, aqui e ali, as guitarras, brotam de sintetizadores para uma eletrónica elegante. Em LA Priest desfilam géneros como o funk, eletro e o disco. Para dançar e saborear, no Vodafone Mexefest.

 

Teatro Tivoli BBVA

27 de Novembro 2015 | 21.15h

 

Márcia

GLAM - Marcia.jpgPodia ser pintora ou documentarista… podia e se calhar é, também. Do que restou das belas-artes, do estágio catalão em cinema documental, das guitarradas ensaiadas enquanto adolescente, emerge o som. Lá atrás, nos primeiros tempos das cantigas, ficaram as palavras em inglês. Desde o disco de estreia “”, de 2010, a autora e intérprete expressa na língua lusa a sua mundivisão. Com “Casulo” em 2013, Márcia solidificou o óbvio: é um dos valores mais impressionantes da música portuguesa. Este ano, o terceiro disco, “Quarto Crescente”, resulta de uma viagem e partilha transatlântica: foi pré-produzido em Lisboa, entre Dezembro do ano passado e Janeiro de 2015, com a produção de Dadi Carvalho (Marisa Monte, Tribalistas, Carminho, A Cor do Som, Caetano...). Por lá, no Rio, o encontro com Criolo, que participa no tema “Linha de Ferro”, e com Vinicius Cantuária, responsável pelas percussões de "Bem Amargo", "Lado Oposto", "Sem Igual" e "Urgência". Esta história que atravessou um oceano, rica de pormenores, gente e muito trabalho, espelha-se magnífica num dos discos que marca o ano de 2015.

 

Cinema S.Jorge – Sala Manoel de Oliveira

27 de Novembro 2015 | 23.10h

 

Meu Kamba Live

meu_kamba_lux_2015_dr.jpgO MC-produtor D-Mars é um dos ícones do hip-hop luso, tendo estado presente na compilação “Rápublica”, de 94. O seu lado mais multifacetado alberga o nome Rocky Marsiano. Anda desde 2005, altura em que lançou o debut “Pyramid Sessions”, a espalhar magia com os seus beats cheios de jazz e funk, muitas vezes apresentados ao vivo com músicos de jazz, ganhando os temperos próprios do improviso. Depois de “Music For All Seasons”, álbum de 2013, voltou em 2014 com “Meu Kamba”. A nova edição resulta da colaboração com o jornalista e radialista Rui Miguel Abreu. Abreu escolheu uma série de discos de música das antigas colónias portuguesas para que Marsiano, com precisão, manipulasse os sons de Angola, Moçambique, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, acrescentando às cadências africanas beats electrónicos irresistíveis, mantendo à tona a genuinidade da música do terceiro continente mais extenso.

 

Tanque

28 de Novembro 2015 | 01.00h

 

Nicolas Godin    

Nicolas Godin.jpgNicolas Godin é, somado a Jean-Benoît Dunckel, uma das almas criativas e geniais de um dos produtos mais icónicos da música pop. Foram muitos anos de discos e concertos com os Air, um histórico que remeteu Godin para um impasse na sua relação com a música e composição. O francês queria mais – porque podia dar mais, e inspirou-se no superlativo talento do pianista Glenn Gould e na forma como este, para além dos clássicos jazz e tudo o que esculpiu, reinventou a obra de Bach. Assim, lançou-se para o seu primeiro disco a solo, “Contrepoint”. Nesta estreia a solo cada tema contém um pedaço de uma peça de Bach e também uma fusão de ritmos e géneros que, atados, soam singulares e confirmam o engenho de Godin. Em “Contrepoint”, são convidados nomes como Gordon Tracks (vocalista francês), Marcelo Camelo, o autor italiano Alessandro Barrico, o guitarrista Connan Mockasin e o coro Macedónio F.A.M.E.'S.

 

Teatro Tivoli BBVA

28 de Novembro 2015 | 23.10h